Diálogos Transformadores: Folha de São Paulo, IDIS e Editora Mol vão debater “Como Estimular a Cultura de Doação no Brasil”

“Diálogos Transformadores” é um evento multimídia, que mistura debate e entrevista. Criado por um dos mais influentes jornais do País, a Folha de São Paulo, propõe-se a  apontar caminhos para assuntos emergentes da agenda sustentável. Em sua primeira edição deste ano, a diretora-presidente do IDIS, Paula Fabiani, estará no palco para debater o tema “Como Estimular a Cultura de Doação no Brasil”. Ao lado dela, Roberta Faria, diretora-executiva da Editora Mol, pioneira em modelo de negócio social que já transferiu R$ 22 milhões em doações para ONGs; e Sérgio Petrilli, fundador do Graac, o Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer, considerada a maior captadora de pessoa física no Brasil.

Durante duas horas, o trio vai interagir com José Luiz Setúbal, ex-provedor da Santa Casa de Misericórdia e presidente da Fundação José Luiz Egydio Setúbal, organização focada em Saúde Infantil; Nina Valentini, cofundadora do Arredondar, responsável por viabilizar microdoações no varejo; e Francisco Neves, superintendente do Instituto Ronald McDonald.

Com o objetivo de estimular a cultura de doação, discutir estratégias que funcionam e aquelas que foram testadas e não obtiveram os resultados esperados, a sétima edição de “Diálogos Transformadores” vai contar com uma plateia de 150 convidados, entre especialistas, empreendedores sociais, representantes de ong´s e filantropos,  e será transmitido pela TV Folha. Além do debate, casos inspiradores de pequenos e grandes doadores e filantropos serão apresentados. E, também, exemplos de como o dinheiro de doações pode ser bem empregado e como o público  pode doar e se engajar em campanhas.

Marque na sua agenda!

Quando: 27 de março de 2018

Horário: das 16h às 18h

Onde: Teatro da Pinacoteca do Estado (http://pinacoteca.org.br/)

Conheça um pouco mais dos debatedores e entrevistados:

Paula Fabiani (IDIS) – Diretora-presidente do IDIS, especialista em Investimento Social Privado, Fundos Patrimoniais e Avaliação de Impacto, vai traçar um perfil da cultura de doação no Brasil e suas perspectivas, a partir de pesquisas do IDIS e de experiências de advocacy e projetos sociais.

Roberta Faria (Mol): Diretora-executiva da editora, vai explicar a tecnologia social ganha-ganha, desenvolvida ao longo dos últimos dez anos para estimular a cultura de doação no dia a dia das empresas e cidadãos e criar formas de contribuição recorrente por meio da venda de produtos sociais.

Sério Petrilli (GRAACC) – Fundador e superintendente médico do Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer, ONG considerada a maior captadora junto a pessoas físicas no Brasil. Vai falar do custo-benefício de ter sócios-mantenedores e explicar o que funciona e o que não funciona quando a questão é sensibilizar: mala direta com boleto, jantares e eventos, venda de produtos sociais, doação de imposto, telemarketing, sorteios.

Nina Valentini (Arredondar) – Vencedora do Prêmio Empreendedor Social de Futuro 2016, é cofundadora do Movimento Arredondar, que capta doações individuais em parceiros do grande varejo e distribui em uma rede de organizações sociais previamente selecionadas. As microdoações ocorrem no arredondamento do troco, em um sistema integrado à contabilidade do lojista.

José Luiz Setúbal (Fundação José Luiz Egydio Setúbal) – Médico, filantropo e criador e presidente da Fundação que promove a saúde infantil por meio de assistência (Sabará Hospital Infantil) e também realiza atividades de Ensino, desenvolve pesquisa e projetos sociais na área de saúde da criança e do adolescente por meio do Instituto PENSI (Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil), com o objetivo de estimular a sociedade a cuidar das crianças do Brasil.

Francisco Neves (Instituto Ronald McDonald´s) –  fundador da primeira Casa Ronald no Brasil e superintendente do Instituto, ele e a mulher, Sônia, perderam um filho para a leucemia no começo dos anos 1990. Para se curar do luto, viraram voluntários do Inca e, mais tarde, foram atrás do McDonald’s para fazer uma Casa Ronald no Brasil (hoje já existem seis).  Grande arrecadador de doações, o instituto ligado à rede McDonald’s  é considerado um modelo de captação e resultados e já destinou, em 18 anos, mais de R$ 330 milhões para a causa.