#FórumIDIS: Fundos Filantrópicos: da emergência à perenidade

Um dos instrumentos utilizados durante a crise gerada pela pandemia foram os Fundos Filantrópicos. Muitos surgiram para ajudar na emergência, mas os investimentos podem ser perenes e de impacto mais permanente.

Para o presidente do BNDES, Gustavo Montezano, um dos palestrantes do painel ‘Fundos Filantrópicos: da emergência à perenidade’, eles vieram para ficar e trouxeram uma nova forma de investimento. “Quando se fala de desenvolvimento social, também se fala de filantropia. Se queremos um país mais justo, com meio ambiente preservado, isso é tarefa da sociedade, do governo e do setor privado, com o apoio do banco”, explicou.
Montezano disse que vê a filantropia como uma gestão dos patrimônios financeiros, social e ambiental. Segundo ele, esse movimento ajudou a conscientizar a sociedade de que o governo não consegue resolver todos os problemas sozinho. É preciso uma atuação conjunta. “As elites acordaram que precisam atuar mais nessa agenda com o exemplo da pandemia”, afirmou.

Giovanni Harvey, presidente do conselho do Fundo Baobá, acredita que os fundos patrimoniais têm papel importantíssimo no que diz respeito à sustentabilidade de movimentos e organizações sociais, uma vez que operam com uma perspectiva de médio ou longo prazo.
Ele enfatizou também a importância da captação de recursos a empreendimentos que trabalhem na busca pela equidade racial, além da relevância da transparência das entidades. “Promovemos diversas ações com o objetivo de garantir que o investidor possa enxergar o Baobá e ter acesso a informações estratégicas”.

Leia também:   IDIS participa de Minidoc da BandNews sobre Filantropia

Harvey também ressaltou como positivo o crescimento do discurso sobre a agenda racial, complementando: “a sociedade civil tem dados respostas e esperamos que não seja uma onda, que possamos construir uma agenda mínima e dar continuidade depois da pandemia passar”.

A mesa foi moderada por Renata Biselli, head de Sustainable Solutions no Santander, que tem hoje entre suas prioridades o avanço dos Fundos Patrimoniais no Brasil. Este painel integrou o Fórum Brasileiro de Filantropos e Investidores Sociais 2020, realizado de forma virtual nos dias 17 e 18 de setembro de 2020. Com o tema “Novos Horizontes – Reflexões para uma filantropia pós-pandemia”, buscamos estimular e inspirar os investidores sociais a continuar doando tempo, recursos e conhecimento para a construção de um mundo mais justo e melhor para todos.

Veja aqui o painel na íntegra:

O Fórum Brasileiro de Filantropos e Investidores Sociais é realizado pelo IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social com o Global Philanthropy Forum. São parceiros ouro desta edição Fundação José Luiz Egydio Setubal e Santander, e parceiros bronze BID – Banco Interamericano de Desenvolvimento, BNP Paribas Asset Management, Bradesco Private Bank, Instituto ACP, Mattos Filho Advogados e Movimento Bem Maior.