Tendências Globais da Filantropia

A filantropia em todo o mundo está mudando à medida que os doadores procuram se envolver mais, estar melhor informados e garantir que seu investimento espelhe seus valores pessoais. Uma equipe de especialistas internacionais se reuniu para identificar tendências e desafios da filantropia contemporânea. A próxima geração de filantropos refletirá um novo conjunto de valores e terá em relação às suas doações expectativas diferentes daquelas da geração de seus pais.

A Global Philanthropy Network é uma rede informal de profissionais, liderada pela Charities Aid Foundation (CAF), sediada no Reino Unido. Aproveitando a expertise de membros seniores de nossa rede do Brasil, América e Europa, nos propusemos a responder a uma série de perguntas sobre filantropia contemporânea, a fim de trazer clareza e orientar o nosso próprio trabalho, ao mesmo tempo em que auxiliamos consultores de todo o mundo em tendências que valem a pena ser observadas.

As perguntas incluíam quais são as maiores mudanças à frente, o que precisamos fazer para encorajar os ricos a doarem mais (e mais efetivamente), onde as lacunas de pesquisa ou conhecimento residem e, talvez o mais interessante, o que a inevitável transferência de riqueza para a próxima geração significará para aqueles de nós que orientam as pessoas em sua jornada de doação.

Nossas respostas pintam um quadro claro de mudanças consideráveis e incluem alguns indicadores essenciais para os consultores em planejamento jurídico, contábil, tributário e financeiro sobre como eles podem construir confiança e trabalhar melhor com os clientes, ajudando-os a alcançar suas ambições filantrópicas.

Valorização dos resultados

Filantropos estão cada vez mais orientados ao impacto, um ponto captado por colegas em todo o mundo. Para se manter relevante, a filantropia precisa correr mais riscos e ter novas conversas que reforcem a comunicação entre doadores e organizações sociais. Com transparência virá maior confiança e relacionamentos mais fortes.

Trabalhar em parceria faz parte da “reinvenção”, o que significa perder o controle pessoal em troca de potencialmente aumentar o impacto. A Environmental Funders Network (EFN), por exemplo, tem como missão apoiar a filantropia ambiental, conectando indivíduos e organizações e produzindo recursos para ajudar os doadores a investir de forma mais eficaz. A filantropia terá que se concentrar mais do que nunca nas melhores ideias e na mensuração do impacto sobre os beneficiários. Filantropos querem ver de perto para onde seu dinheiro vai – foram-se os dias de apenas dar cheques e deixar o todo o trabalho na mão das organizações sociais.

Para entregar os resultados, precisamos nutrir relações próximas entre as organizações e seu investidores, especialmente para afastar os doadores da tentação de investimentos de curto prazo e e estimulá-los a ter uma visão de longo prazo, olhar para além do horizonte em áreas que ainda não estão bem atendidas, a fim de financiar projetos que produzam o impacto duradouro que eles nos dizem que estão atrás. Por exemplo, o doador está interessado em financiar um projeto de saúde local com seu nome acima da porta? Ou ele está disposto a ouvir uma organização social local dizendo-lhe que a real necessidade é uma campanha de informação pública limitada sobre a importância da imunização em massa?

Investimento de impacto

Particularmente nos EUA e na Europa, há uma nova geração que está se fazendo ouvir e desafia a filantropia tradicional incluindo o tema nos negócios da família.

Essa mudança está fortalecendo a filantropia familiar, com a inclinação para testar ideias como a mudança da doação tradicional para uma filantropia que considera investimentos de impacto, financiamento de risco e apoio ao empreendedorismo social.

No Reino Unido, espera-se ver mais filantropos procurando fazer o bem não apenas por meio de doações diretas, mas também com investimentos, negócios e redes. Isso ocorre em um momento em que há cada vez mais opções que contemplam questões sociais e ambientais. Este será, sem dúvida, um momento-chave para consultores orientarem seus clientes em relação a esta tendência.

Engajamento da classe alta

Se os ricos devem ser convidados a doar mais, então a confiança precisa crescer. As conversas em torno de doações devem se abrir em todos os níveis. Precisamos de uma história clara para contar sobre para onde os recursos dos doadores vão, como eles são gastos e o que isso significa para o campo, em especial, aos públicos beneficiados. Essas histórias também precisam dar luz às lições aprendidas.

Da forma como acontece hoje, há muitos mal-entendidos sobre o tipo de apoio que as organizações sociais realmente precisam, o que já funciona para resolver problemas e como os doadores poderiam ser mais úteis. Ao ser claro sobre o que é necessário, torna-se mais fácil garantir que os doadores sintam que podem fazer a diferença.

Por exemplo, as organizações sociais precisam ser francas sobre a necessidade de dinheiro para pagar despesas importantes, como estrutura para captação de recursos, salários ou suporte de TI. Se esses elementos não estão garantidos, então sua capacidade de cumprir sua missão pode estar em jogo. A falta desse tipo de investimento restringe o crescimento, a eficiência e a capacidade de uma organização social planejar com antecedência.

Leia também:   Oportunidade para Consultores Independentes em Investimento Social

Seria ingênuo não estar aberto a incentivos fiscais e ao papel que desempenham no aumento da predisposição a doar entre as pessoas ricas. Embora os incentivos fiscais sejam muitas vezes a primeira razão pela qual as pessoas decidem doar, a experiência de nossos membros nos diz que eles muitas vezes agem como um catalisador para uma jornada filantrópica significativa e de longo prazo.

Decisões orientadas por dados

Olhar por que precisamos de pesquisa tem muito a ver com inspirar e demonstrar impacto. Nossos especialistas apontaram para pesquisas que existem para satisfazer os doadores, demonstrando que seu dinheiro está sendo bem gasto no curto prazo, em vez de concentrar nos resultados de longo prazo alcançados. É este último que é essencial para afetar a mudança, revelando um dos desafios enfrentados pelas organizações sociais, ou seja, o curto prazo valorizado por parte dos doadores.

Vários programas de financiamento recentes estão contrariando esse déficit e trazendo a perspectiva de longo prazo por meio de sistemas que mudam a lógica imediatista da filantropia. Um exemplo disso é a bolsa MacArthur 100&Change – um edital que concede US$ 100 milhões para financiar uma única proposta que apresente progresso real e mensurável para resolver um problema crítico de nosso tempo. A primeira vencedora da competição foi a proposta conjunta do Sesame Workshop com o International Rescue Committee para educar crianças deslocadas por conflitos e perseguições resultantes do conflito sírio – um problema claro e de longo prazo que está sendo tratado com um impacto mensurável.

Incentivar mais essa natureza de doação, estimular o engajamento da classe média em todo o mundo e se afastar de projetos ad-hoc ajudará a escalar intervenções que trabalham para abordar as causas básicas de questões como pobreza, mudanças climáticas e desigualdade.

Consultores para ações filantrópicas e outros profissionais têm um papel fundamental para iniciar as conversas certas com seus clientes sobre filantropia e propósito social. A pesquisa da CAF mostra que as pessoas ricas estão muito interessadas nesses tópicos, mas não estão recebendo as orientações que esperam. Este é um risco para os consultores e uma oportunidade ainda pouco usada para aprofundar as relações.

Outras lacunas identificadas na pesquisa incluem a doação como atividade econômica e as motivações para o comportamento dos doadores. Colegas também apontaram a necessidade de mais evidências sobre a eficácia dos incentivos fiscais e o benefício final para a sociedade – pesquisas que podem servir como uma ferramenta vital na defesa dos governos para estabelecer ou aprimorar incentivos.

Tornar a pesquisa acessível, tirá-la do campo da filantropia e compartilhar descobertas entre stakeholders, sociedade mais ampla e ir além das fronteiras nacionais também foram escolhidos como uma ferramenta para trazer novas colaborações, reforçar a escala das principais causas e abrir portas para novas parcerias.

Novas gerações, novos valores

As novas gerações familiares se concentrarão em alinhar suas escolhas financeiras com seus valores filantrópicos. Os doadores mais jovens não verão com bons olhos o investimento em organizações causam algum tipo de dano ou prejuízo ao mundo e punirão as marcas que fizerem isso, valorizando investimentos éticos, produtos e empregadores em suas ações filantrópicas.

Eles já estão mais ousados a assumir riscos e estão mais dispostos a tentar soluções inovadoras usando todas as formas de recursos à sua disposição, incluindo capital filantrópico para investimento de impacto. Esta corrente emergente considerará cada vez mais a filantropia como um elemento crucial de sua “moralidade financeira” e priorizará a ação filantrópica perene sobre a preservação da riqueza para os futuros herdeiros.

A transferência de recursos tem produzido o desejo de ver resultados rápidos – um desafio para as organizações sociais à medida que tentam reforçar soluções de longo prazo – e uma geração menos reticente do que seus pais para falar sobre sua doação e buscar parceiros para alcançar seus objetivos.

Para aqueles de nós que orientam essas novas gerações em seu investimento social privado, precisamos ser ágeis, informados e prontos para lidar com linhas cada vez mais tênues entre a filantropia tradicional, o estilo de vida e as considerações financeiras mais amplas. O benefício final será tanto clientes satisfeitos quanto um cenário filantrópico mais dinâmico.

Autores

David Stead – Diretor Executivo de Filantropia e Desenvolvimento na CAF, Reino Unido

Gina M. Pereira – Fundadora e CEO da Dana Philanthropy, EUA

Kelsi Kriitmaa e Alexa Maclean – Chefe de Gabinete e consultora junior da Philanthropy Advisors, Suíça

Paula Fabiani – Diretora-Presidente do IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social (CAF Global Alliance), Brasil

Liesbeth Nagelkerke- Fundadora Reach Out 2, Países Baixos

Melissa Stevens- Diretora Executiva do Milken Institute Center for Strategic Philanthropy, EUA

 

Artigo originalmente publicado no Steps Journal em Maio/2020