Projeto de combate à anemia, desenvolvido pelo IDIS e Fundação Banco do Brasil, é tema de webdocumentário premiado na 14ª Mostra Aqui tem SUS

O projeto Tecnologias Sociais no Amazonas (TSA) , iniciativa do IDIS e da Fundação Banco do Brasil, é o tema do documentário “Borba e Universidade do Estado do Amazonas: uma parceria entre o conhecer e o fazer saúde”. O webdoc foi premiado na 14ª Mostra Aqui Tem SUS, do XXXIII Congresso Nacional de Secretarias Municipais de Saúde, e agora repercute nas Redes Sociais.

Com apoio da Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (SUSAM), da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) e das prefeituras dos municípios participantes, o projeto TSA atingiu uma meta digna de comemoração neste ano, colocando o índice de anemia ferropriva em 3% (a Organização Mundial da Saúde estipula a meta em 5%).

A anemia ferropriva é resultado da falta de ferro na alimentação e atinge 25% da população mundial. Tendo como grupos mais vulneráveis crianças e gestantes, essa deficiência atinge diretamente o desempenho motor e mental das crianças.

Em 2016, o IDIS realizou uma análise no município de Borba.  Após o mapeamento das demandas, buscamos soluções no Banco de Tecnologias da Fundação Banco do Brasil. Ao ser aplicado o teste por meio da Tecnologia Social Hb, foi detectada uma alta incidência da anemia ferropriva. Dos 249 alunos submetidos à análise, 59,8% tinham anemia. A partir desse diagnóstico, um tratamento que incluiu suplementação com sulfato ferroso, vermífugo e acompanhamento das equipes de Saúde e Educação foi iniciado.

Leia também:   IDIS lança relatório de atividades 2018

O impacto na vida de moradores da região de Borba, com mudança na qualidade de vida e perspectiva de um futuro saudável para as novas gerações, está registrado neste belo documentário de Ana Ermelinda Oliveira da Silva e é a constatação de que soluções simples também podem garantir alta efetividade.  Após assistir ao webdoc, a gerente de Projetos do IDIS, Andrea Hanai, comentou emocionada: “É motivo de orgulho e felicidade para toda nossa equipe ver a repercussão de um projeto que gerou tantos impactos e pode, ainda, transformar a vida de inúmeras pessoas em regiões tão remotas do País”.