Brasil despenca no Ranking Mundial de Solidariedade

O Brasil teve o pior desempenho já registrado no World Giving Index. O país saiu da posição de número 75 e foi para o 122ºlugar no ranking geral, que apresenta 146 países.

Conhecido como ranking global de solidariedade, o levantamento é medido pela CAF – Charities Aid Foundation – instituição com sede no Reino Unido, e que no Brasil é representada pelo Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social, o IDIS. Este ano, foram entrevistadas mais de 150 mil pessoas em 146 países.

O levantamento registra o número de pessoas que, no mês anterior à consulta, doaram dinheiro para uma organização da sociedade civil, ajudaram um estranho ou fizeram trabalho voluntário.

No Brasil, houve queda nos três comportamentos.

Para a diretora presidente do IDIS, Paula Fabiani, a recessão econômica dos últimos anos fortaleceu o individualismo na sociedade, fazendo com que as pessoas se preocupem mais em se proteger, deixando um pouco de lado os comportamentos solidários.

“O relatório mostra que voltamos a níveis muito baixos de solidariedade, ao contrário dos últimos dois anos, quando cresceu a proporção de pessoas que ajudaram um estranho, fizeram trabalho voluntário ou doaram dinheiro. Isso indica que ainda não temos uma cultura de doação madura e estabelecida”, explica Paula.

Na América Latina o Brasil foi o país pior colocado no WGI, perdendo até para a Venezuela.

“Esse cenário revela que a criação dos fundos patrimoniais e a campanha por uma cultura de doação são mais importantes do que nunca no ambiente de recuo que vemos neste ano”, afirma a presidente do IDIS.

MUNDO

Em 2018, o World Giving Index trouxe mudanças significativas da solidariedade no mundo. Myanmar que nos últimos anos se mantinha em primeiro lugar, caiu para 9º. O país líder do ranking, pela primeira vez, foi a Indonésia.

 

A cultura de doação vem se solidificando na África. Os países em desenvolvimento tiveram uma boa performance. O Haiti, por exemplo, ficou, pela primeira vez, entre os 20 primeiros colocados. A Líbia foi o país que mais ajudou um estranho segundo os dados da pesquisa.

Cresceu significativamente o número de pessoas ao redor do mundo que ajudaram um estranho e doaram seu tempo, mas diminuiu a proporção daqueles que doaram dinheiro, segundo o WGI – World Giving Index

John Low, executivo chefe da CAF, lamenta: “Pelo segundo ano consecutivos, vimos um declínio na proporção de pessoas que doaram dinheiro por uma boa causa. Isso deve ser um alerta para toda a sociedade civil de que a solidariedade deve ser uma ação contínua e que o jogo não está ganho”.