Fundo Emergencial para a Saúde atinge meta de R$ 40 milhões com 41 beneficiários

Com o objetivo de fortalecer o sistema público de Saúde, o Fundo Emergencial para a Saúde – Coronavírus Brasil foi o primeiro do gênero a ser lançado, ainda em março. Seis meses depois, já ultrapassou a meta proposta de captar R$ 40 milhões para ajudar no combate ao COVID-19. A iniciativa, liderada pelo IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social, BSocial e Movimento Bem Maior, caminha agora para o seu encerramento, com o recebimento de doações até 10 de outubro.

A ação, que começou beneficiando hospitais filantrópicos de São Paulo, ganhou força e se estendeu para outros 14 estados e um total de 36 cidades, distribuindo recursos para 39 hospitais, um centro de pesquisa e uma organização da sociedade civil. Os números referem-se a balanço fechado em agosto, quando 25% dos beneficiários haviam entregado suas prestações de contas. “Agimos rápido e conquistamos uma união inédita em torno da saúde pública. Os recursos foram destinados de acordo com as necessidades de cada organização e todas elas passaram por um processo de validação, o que fez a diferença para o melhor uso das doações recebidas”, explica a diretora-presidente do IDIS, Paula Fabiani.

Em vídeo produzido pelas instituidoras do Fundo, é possível conhecer esta história e os números alcançados até aqui.

A forma como a pandemia se espalhou, mostrou a importância de estender os recursos para estados em situação mais vulnerável, como Pernambuco, Amazonas, Acre, Rio de Janeiro, Ceará, Minas Gerais entre outros. Em Manaus, onde a mortalidade foi elevada, quase R$ 1 milhão de reais foram encaminhados a dois hospitais da cidade. Doze Santas Casas de várias partes do país também receberam recursos para enfrentar o novo coronavírus. “O sucesso do Fundo Emergencial se deu graças a um planejamento bem estruturado, a uma governança sólida e a um comitê gestor técnico diverso e experiente. Soubemos agir rápido e ativar nossas redes, atraindo a expertise de parceiros estratégicos e criando um ambiente colaborativo de trabalho, isso nos permitiu ter transparência e conquistar a credibilidade que levou grandes investidores e a sociedade civil a doarem conosco.”, afirma Carola Matarazzo, diretora-executiva do Movimento Bem Maior.

Leia também:   #FórumIDIS: Edu Lyra (Gerando Falcões) convida participantes a refletirem sobre seus novos horizontes

O Fundo reuniu um total de 10 mil doadores, entre empresas de diferentes portes e áreas de atuação, além de famílias engajadas com ações filantrópicas e a sociedade civil em geral. Até agora, 25% dos beneficiários já prestaram contas e as doações resultaram em 1 milhão de EPIs e mais de 10 mil produtos, entre medicamentos, aventais, luvas, máscaras e kits para teste de Covid-19. As doações também se transformaram em legado, com a aquisição comprovada até o momento de 630 equipamentos hospitalares, como camas, ventiladores pulmonares, respiradores, monitores e outros.

“Participar da criação e desenvolvimento do Fundo foi muito gratificante, porque pudemos inovar em um momento tão desafiador e criar uma iniciativa que fez a diferença na vida de muitas pessoas. Todas as conquistas que tivemos são mérito da equipe e do trabalho colaborativo que promovemos, com todos se dedicando e dando o melhor de si. Nossa plataforma pode atuar como ponte, entre o doador e os hospitais filantrópicos. Nossas ações seguem com a certeza de que, de alguma forma, contribuímos de verdade”, ressalta Flora Botelho, co-fundadora da BSocial.