Fundo Emergencial para a Saúde conquista Troféu Escolha do Leitor no “Prêmio Empreendedor Social 2020”

A iniciativa foi a mais votada entre os 30 finalistas, com mais de 159 mil votos

Desde 2005 a Folha de S.Paulo realiza, em parceria com a Fundação Schwab, o Prêmio Empreendedor Social, principal concurso de empreendedorismo socioambiental na América Latina. Em 2020, o concurso teve edição especial em resposta à Covid-19 com a escolha de 30 iniciativas de destaque no enfrentamento à pandemia, em três categorias: Ajuda Humanitária, Mitigação da Covid-19 e Legado Pós-Pandemia. Os vencedores do Prêmio, entre eles o Fundo Emergencial para a Saúde (FES), iniciativa do IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social, Movimento Bem Maior e BSocial, foram então submetidos à votação popular.

O FES foi o grande vencedor do Troféu Escolha do Leitor, com 30% do total de votos entre os 30 finalistas. O projeto concorreu na categoria Mitigação da Covid-19, com 159.709 votos, seguido de Humanizando a Pena, Protegendo a Vida (41.367 votos) e Comitê das Favelas – Presidentes de Rua (31.853 votos). O Fundo Emergencial para a Saúde também foi vencedor em volume de doações (R$ 12.125), que serão destinadas ao Hospital Santa Marcelina, de São Paulo, um dos hospitais filantrópicos apoiados pelo Fundo e que continua atendendo a população pelo SUS.

Sobre a conquista, a CEO do IDIS, Paula Fabiani, comenta. “Em 2020 a sociedade civil mostrou sua força. Indivíduos, famílias e empresas doaram como nunca, inúmeras organizações e empreendedores responderam rapidamente aos desafios diários que se apresentaram, e salvaram vidas. É uma honra ver nosso projeto ser premiado e reconhecido pelo voto direto, mas a verdade é que todos que agiram são vencedores. Nós, enquanto sociedade, saímos fortalecidos, e isso deve ser comemorado”.

A iniciativa, uma das primeiras lançadas motivadas pela pandemia, alcançou números expressivos: captou R$ 40,4 milhões em sete meses de operação e teve 61 beneficiários, sendo 59 hospitais filantrópicos, um instituto de pesquisa e uma organização social, contribuindo para o fortalecimento do sistema público de saúde. Entre os mais de 11 mil doadores, empresas de diferentes portes e áreas de atuação, além de famílias engajadas com ações filantrópicas e a sociedade civil em geral. Os recursos arrecadados foram revertidos em equipamentos hospitalares para UTI e materiais como respiradores, testes para diagnósticos da Covid-19, máscaras, luvas, entre outros.

 

“Essa onda de solidariedade trouxe, definitivamente, o fortalecimento da cultura de colaboração no país e do trabalho em rede. Pois, o desafio de enfrentar uma pandemia mundial fez o cenário nacional da filantropia emergir com uma velocidade sequer imaginada”, afirma a diretora-executiva do Movimento Bem Maior, Carola Matarazzo.

 

Esta ação é mais um exemplo de como a colaboração entre a sociedade civil, empresas e poder público foi importante para enfrentar os efeitos da pandemia e os desafios emergenciais diante deste cenário. A forma como a pandemia se espalhou, mostrou a importância de estender os recursos para estados em situação mais vulnerável, como Pernambuco, Amazonas, Acre, Rio de Janeiro, Ceará, Minas Gerais entre outros. Em Manaus, onde a mortalidade foi elevada, quase R$1 milhão de reais foram encaminhados a dois hospitais da cidade. Santas Casas de várias partes do país também receberam recursos para enfrentar a pandemia.

 

A criação de fundos emergenciais foi grande durante a pandemia, e em 2021, um projeto de lei foi aprovado no Senado e agora tramita na Câmara para sua regulamentação. Considerando que serão mais comuns a partir de agora, as instituidoras optaram por fazer um relatório de prestação de contas diferente, compartilhando além de números, os aprendizados da experiência e dicas para a criação de outros fundos emergenciais. A publicação detalha desde como se deve fazer a escolha dos parceiros instituidores do fundo, a definição da estrutura jurídica, de gestão e governança, passando pelas campanhas de comunicação e mobilização de redes, pelas estratégias de captação de recursos até sua destinação.

 

“Participar do Fundo Emergencial foi uma oportunidade de agir no momento de necessidade do nosso país frente à pandemia. Oferecer um caminho para fazer as doações chegarem aos hospitais filantrópicos, levando recursos a linha de frente de combate ao COVID. Transparência, união, força e solidariedade foram valores que nos guiaram.”, enfatizou Maria Eugênia Duva Gullo, BSocial, cofundadora da Bsocial.

 

Ainda é possível apoiar outras iniciativas que ajudam a mitigar os impactos da pandemia com doações. No site https://empreendedorsocial2020.folha.com.br/ é possível fazer uma doação e continuar apoiando as causas.

Resultados do Fundo Emergencial para a Saúde:

  • R$ 40,4 milhões em recursos mobilizados
  • 61 instituições de 25 estados foram beneficiadas
  • 3,7 milhões de EPIs distribuídos
  • 362 mil testes para COVID-19 realizados
  • 3.621 equipamentos hospitalares adquiridos
  • Mais de 11 mil doadores, entre empresas de diferentes portes e áreas de atuação, além de famílias engajadas com ações filantrópicas e a sociedade civil em geral

 

Relatório ‘Como criar um Fundo Emergencial – a experiência e os resultados do Fundo Emergencial para a Saúde’ https://bit.ly/criarfundoemerg

Em edição histórica, IDIS é vencedor no Prêmio Folha Empreendedor Social 2020

A pandemia, definitivamente, marcou 2020, e o maior concurso de empreendedorismo da América Latina foi reformulado para reconhecer iniciativas que fizeram a diferença no enfrentamento ao coronavírus e suas consequências. Nesta edição, ao invés de 3 vencedores, o Prêmio Folha Empreendedor Social selecionou 30 projetos. Colaboração foi a palavra que norteou a avaliação (conheça todos aqui).

Com o objetivo de fortalecer o sistema público de Saúde, o Fundo Emergencial para a Saúde – Coronavírus Brasil foi o primeiro do gênero a ser lançado, ainda em março. Criado pelo IDIS, em parceria com o Movimento Bem Maior e com a BSocial, foi vencedor na categoria Mitigação da Covid-19. A ação, que começou beneficiando hospitais filantrópicos de São Paulo, ganhou força e se estendeu para outros 24 estados e um total de 52 cidades, distribuindo recursos para 58 hospitais, um centro de pesquisa e uma organização da sociedade civil. Ao todo, foram captados R$ 40,5 milhões junto a indivíduos, famílias e empresas. Agir rápido foi importante para conquistar uma união inédita em torno da saúde pública. Os recursos foram destinados de acordo com as necessidades de cada organização e todas passaram por um processo de validação, o que deu mais segurança aos doadores. (Leia aqui a matéria produzida pela Folha)

“Participar da criação e desenvolvimento do Fundo foi muito gratificante, porque pudemos inovar em um momento tão desafiador e criar uma iniciativa que fez a diferença na vida de muitas pessoas. Todas as conquistas que tivemos são mérito da equipe e do trabalho colaborativo que promovemos, com todos se dedicando e dando o melhor de si.”, ressalta Flora Botelho, co-fundadora da BSocial.

Sobre a conquista, a diretora-presidente do IDIS, Paula Fabiani, comenta. “Em 2020 a sociedade civil mostrou sua força. Indivíduos, famílias e empresas doaram como nunca, inúmeras organizações e empreendedores responderam rapidamente aos desafios diários que se apresentaram, e salvaram vidas. É uma honra ver nosso projeto ser premiado, mas a verdade é que todos que agiram são vencedores. Nós, enquanto sociedade, saímos fortalecidos, e isso deve ser comemorado”,

Em vídeo produzido pelas instituidoras do Fundo, é possível conhecer esta história e os números alcançados até aqui.  O Fundo também foi um dos quatro finalistas no Prêmio ABCR Solutions, na categoria Melhor Iniciativa de Captação de Recursos.

Acreditando na relevância do Prêmio Folha Empreendedor Social, que tem como objetivo selecionar, premiar e fomentar os líderes socioambientais mais empreendedores do Brasil, em 2016 o IDIS se tornou seu parceiro. Os vencedores são convidados a participar do Fórum Brasileiro de Filantropos e Investidores Sociais e eles, assim como os finalistas, recebem uma capacitação em captação de recursos realizada por profissionais do IDIS.

Fundo Emergencial para a Saúde atinge meta de R$ 40 milhões com 41 beneficiários

Com o objetivo de fortalecer o sistema público de Saúde, o Fundo Emergencial para a Saúde – Coronavírus Brasil foi o primeiro do gênero a ser lançado, ainda em março. Seis meses depois, já ultrapassou a meta proposta de captar R$ 40 milhões para ajudar no combate ao COVID-19. A iniciativa, liderada pelo IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social, BSocial e Movimento Bem Maior, encerrou o período de captação em 10 de outubro de 2020.

A ação, que começou beneficiando hospitais filantrópicos de São Paulo, ganhou força e se estendeu para outros 14 estados e um total de 36 cidades, distribuindo recursos para 39 hospitais, um centro de pesquisa e uma organização da sociedade civil. Os números referem-se a balanço fechado em agosto, quando 25% dos beneficiários haviam entregado suas prestações de contas. “Agimos rápido e conquistamos uma união inédita em torno da saúde pública. Os recursos foram destinados de acordo com as necessidades de cada organização e todas elas passaram por um processo de validação, o que fez a diferença para o melhor uso das doações recebidas”, explica a diretora-presidente do IDIS, Paula Fabiani.

Em vídeo produzido pelas instituidoras do Fundo, é possível conhecer esta história e os números alcançados até aqui.

A forma como a pandemia se espalhou, mostrou a importância de estender os recursos para estados em situação mais vulnerável, como Pernambuco, Amazonas, Acre, Rio de Janeiro, Ceará, Minas Gerais entre outros. Em Manaus, onde a mortalidade foi elevada, quase R$ 1 milhão de reais foram encaminhados a dois hospitais da cidade. Doze Santas Casas de várias partes do país também receberam recursos para enfrentar o novo coronavírus. “O sucesso do Fundo Emergencial se deu graças a um planejamento bem estruturado, a uma governança sólida e a um comitê gestor técnico diverso e experiente. Soubemos agir rápido e ativar nossas redes, atraindo a expertise de parceiros estratégicos e criando um ambiente colaborativo de trabalho, isso nos permitiu ter transparência e conquistar a credibilidade que levou grandes investidores e a sociedade civil a doarem conosco”, afirma Carola Matarazzo, diretora-executiva do Movimento Bem Maior.

O Fundo reuniu um total de 10 mil doadores, entre empresas de diferentes portes e áreas de atuação, além de famílias engajadas com ações filantrópicas e a sociedade civil em geral. Até agora, 25% dos beneficiários já prestaram contas e as doações resultaram em 1 milhão de EPIs e mais de 10 mil produtos, entre medicamentos, aventais, luvas, máscaras e kits para teste de Covid-19. As doações também se transformaram em legado, com a aquisição comprovada até o momento de 630 equipamentos hospitalares, como camas, ventiladores pulmonares, respiradores, monitores e outros.

“Participar da criação e desenvolvimento do Fundo foi muito gratificante, porque pudemos inovar em um momento tão desafiador e criar uma iniciativa que fez a diferença na vida de muitas pessoas. Todas as conquistas que tivemos são mérito da equipe e do trabalho colaborativo que promovemos, com todos se dedicando e dando o melhor de si. Nossa plataforma pode atuar como ponte, entre o doador e os hospitais filantrópicos. Nossas ações seguem com a certeza de que, de alguma forma, contribuímos de verdade”, ressalta Flora Botelho, co-fundadora da BSocial.