Documentário “Por um Brasil Melhor” aborda cultura da doação

Para quem se interessa por cultura de doação, esta é uma dica de ouro! No vídeo documentário “Por um Brasil Melhor” há história, conceitos e práticas narradas por diversos atores e ativistas do setor filantrópico. A iniciativa é da Escola Aberta do Terceiro Setor/FJPN, com apoio do Starling Collective

Sobre a iniciativa, Debora Verdan, coordenadora da Escola Aberta do Terceiro Setor, comenta “Sendo o conhecimento também um recurso estratégico de desenvolvimento e transformação social, a produção do documentário visa impulsionar mudanças necessárias em processos e atitudes dos indivíduos e organizações, ampliando assim, por meio da educação, a generosidade, a empatia e a cultura de doação.”

Entre os especialistas e representantes de organizações da sociedade civil que compartilharam seus saberes e experiências sobre o campo, destacamos a participação do IDIS. Contribuíram o fundador Marcos Kisil, comentando o fortalecimento do ecossistema filantrópico no Brasil no final da década de 90, e a atual CEO, Paula Fabiani, que destacou a produção de conhecimento e estudos sobre a cultura doação no Brasil. Também foi entrevistado Ted Hart, CEO da CAF America, organização que como o IDIS integra a rede da Charities Aid Foundation, buscando definir o que é doar e a importância desse ato para individuo, empresas e para toda a sociedade.

Assista ao documentário por meio da plataforma da Escola Aberta do Terceiro Setor, clicando aqui

IDIS participa de edição 100ª da Alliance Magazine

Em comemoração aos 25 anos de aniversário da Alliance Magazine, a revista inglesa lança a 100ª edição com relatos de filantropos, executivos de organizações sociais e personalidades do campo. O IDIS contribuiu com dois depoimentos. Parabenizamos a Alliance pelos 25 anos sendo a principal revista de filantropia e investimento social em todo o mundo e é uma honra fazer parte desta trajetória.

Em uma sessão dedicada à reflexão de especialistas com experiência de 25 anos trabalhando no setor, a CEO do IDIS, Paula Fabiani, escreve um relato sobre o que gostaria de ter aprendido antes sobre o setor filantrópico. “Eu gostaria de ter sabido que a filantropia teria um grande papel na promoção da democracia. Eu gostaria de ter tido conhecimento da relevância de se trabalhar pela equidade racial, primeira infância e ciência. E também gostaria de ter previsto as dificuldades do avanço da agenda contra o aquecimento global”, comenta.

Já em outra parte da publicação, Alexandre Gonçalves Jr, analista de comunicação do IDIS, participa do capítulo dedicado a profissionais do setor filantrópico nascidos no mesmo em que a publicação foi lançada, 1996, intitulado “PHILLENIALS”, alusão aos termos millennials e philanthropy, em inglês. Com um olhar para os próximos 25 anos, ele destaca as mudanças estruturais para a transformação social. “A filantropia pode apoiar estas mudanças. Pode dar voz às pessoas, empoderar comunidades locais a manter atividades e promover um espaço seguro para a sociedade civil lutar contra desigualdades”, acredita.

Para acessar e conferir a publicação completa, acesse: alliancemagazine.org

Inscreva-se para o evento gratuito de lançamento da publicação, clicado aqui.

Na esteira da celebração histórica, além da tradicional edição imprensa e digital da revista, a Alliance também promoveu ao longo do ano debates internacionais sobre a filantropia ao redor do mundo. O encontro sobre as perspectivas para a América Latina foi realizado em parceria com o IDIS. Confira o vídeo:

 

 

Redes para Inclusão Produtiva iniciam implementação de projetos

O programa Redes para Inclusão Produtiva iniciou a última das cinco etapas de fortalecimento de organizações sociais que atendem pessoas em situação de vulnerabilidade social, fomentando o empreendedorismo e a geração de renda. ainda em caráter piloto, a iniciativa do IDIS com o Sebrae-SP, contempla quatro macrorregiões do Estado de São Paulo: Bauru, Vale do Ribeira, Pontal do Paranapanema e Alta Paulista.

Redes_InclusaProdutiva_Sebrae2

Após mapear e selecionar as organizações em 2020, as organizações passaram por um processo de compartilhamento de desafios e conhecimento entre si em encontros presenciais, realizados dentro dos protocolos exigidos pela pandemia. O objetivo foi de encontrar pontos de convergência e estimular a colaboração. Apesar de trabalharem com públicos diversos, como catadores, artesãos, agricultores, jovens, egressos do sistema prisional, entre outros, havia interesses compartilhados todos e foram planejadas soluções coletivas, ativando conhecimentos já existentes dentro da rede. Foram mapeados e envolvidos também parceiros externos, que ofereceram  capacitações e recursos.

Nesta etapa final do projeto, estão sendo realizadas capacitações junto às organizações das quatro macrorregiões abordando temáticas transversais observadas em todas as redes, e também desafios particulares de cada uma. Recentemente, a consultora em voluntariado Silvia Naccache esteve presente no Vale do Ribeira para falar com as organizações. Também estão programadas oficinas sobre comunicação em mídias digitais e captação de recursos, com foco em crowdfunding.

“A pandemia agravou a desigualdade no país e a inclusão produtiva será uma agenda prioritária no próximo ano. Esta experiência piloto já tem gerado grandes aprendizados e acreditamos que o modelo fortalecerá diretamente inúmeras organizações e tem o potencial de ganhar uma grande escala.”, comenta Paula Fabiani, diretora-presidente do IDIS, que pretende expandir o programa a partir dos aprendizados desta experiência.

Empresas e organizações podem se envolver desenvolvendo um programa próprio e implementando uma rede de até 25 organizações em um território de interesse. É possível também tornar-se parceiro do programa do Sebrae-SP, contribuindo para o fortalecimento das redes já estabelecidas ou para a ampliação a outras macrorregiões, ou apoiar por meio de ações como parcerias não financeiras, acesso a mercado e emprego ou programas de voluntariado.

Apresentaca_SilviaNaccache

Programa Redes para Inclusão Produtiva

O Programa Redes para Inclusão Produtiva tem como objetivo fortalecer organizações da sociedade civil que desenvolvem projetos que atendem pessoas em situação de vulnerabilidade social, fomentando o empreendedorismo e a geração de renda. Por meio da formação de redes de compartilhamento e desenvolvimento de boas práticas e inovações relacionadas à inclusão produtiva, ampliamos o acesso a conhecimento, recursos e parceiros. Cada uma das redes é apoiada por 10 meses. Esta é uma iniciativa do IDIS com o Sebrae-SP.

 

 

 

 

Engajamento Coletivo retoma atividades à distância

O projeto de Engajamento Coletivo foi concebido com o propósito de desenvolver jovens e educadores em competências e habilidades para se envolverem em mudanças positivas na vida social e política em prol de melhorias no território de forma solidária, corresponsável e cidadã, contribuindo para o avanço da cultura de doação no país.

Workshop de cocriação na Escola Estadual Marina Cintra. São Paulo, SP, outubro de 2019.

Implementado em 2019 em duas escolas da cidade de São Paulo, ainda em caráter piloto, precisou ser interrompido quando a pandemia impossibilitou atividades presenciais. Remodelado, retoma agora as atividades com professores de forma virtual e com novos parceiros.

A partir de agora, o IDIS, em parceria com a consultoria Eu Ensino, promoverá formação à distância para auxiliar docentes de escolas municipais da cidade de São Paulo a enfrentar os desafios impostos pela pandemia na educação. Considerando o ensino híbrido, professores terão acesso à conteúdos abordando ferramentas digitais e habilidades socioemocionais. O projeto também contemplará o desenvolvimento de um projeto junto aos alunos seguindo as diretrizes da Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

Latimpacto oferece master class sobre Venture Philanthropy para equipe IDIS

O termo ainda é pouco conhecido no Brasil e tampouco há uma tradução adequada a ele. A Venture Philanthropy versa sobre mecanismos alternativos de financiamento de iniciativas que transformem a sociedade, alinhando retorno financeiro a desenvolvimento social e ambiental. A Latimpacto, comunidade que tem buscado fortalecer o conceito na América Latina, a posiciona entre a filantropia tradicional, considerada uma doação sem exigências de retorno, e o investimento de impacto, que já tem resultados comprovados.

Ao compreender o ecossistema brasileiro e os aspectos socioeconômicos e desafios do país, o IDIS se tornou, em maio de 2021, embaixador ativo da Latimpacto, apoiando a promoção do investimento para impacto mais estratégico no Brasil. A parceria inclui a realização de eventos, a produção de artigos e publicações, capacitações, além da participação no Conselho da Latimpacto. Buscando sedimentar o conceito junto a toda equipe do IDIS, em agosto, foi realizada uma Master Class e ao longo de duas horas a Latimpacto compartilhou os principais conceitos relacionado a Venture Philanthropy e por meio de cases, ajudou a esclarecer como acontece na prática.

Em linhas gerais, o modelo que visa gerar mudanças sistêmicas, é estratégico na forma como utiliza os recursos financeiros e humanos e adota processos e práticas do setor financeiro para provocar essas mudanças. Baseia-se na aposta em soluções inovadoras que rapidamente possam ser escaladas e replicadas por outro tipo de investidor, como instituições do setor financeiro, fundos de investimento de impacto ou investidores tradicionais que visam retorno financeiro, como mostra o diagrama a seguir:

 

A oportunidade gerou conversas sobre sinergias entre a atuação do IDIS e da Latimpacto e reflexões sobre como pode ser estimulado o conceito no Brasil. “O treinamento foi bastante rico. Trata-se de um novo modelo, que exige uma mudança de mentalidade de nossos filantropos, mais dispostos a risco e comprometidos com impacto. O primeiro passo, é torna-lo mais conhecido e hoje nos sentimos um pouco mais preparados”, comenta Luisa Lima, gerente de comunicação do IDIS e também responsável pela coordenação da produção de conhecimento. No site da Latimpacto há diversos conteúdos disponíveis para quem deseja se aprofundar mais.

A ação integra o programa de treinamentos internos do IDIS. A agenda envolve aulas ministradas por especialistas da própria equipe do IDIS e também por convidados, entre eles conselheiros, parceiros e profissionais que contribuam para o entendimento de temas que fogem ao nosso domínio. Em 2021, já foram realizados treinamento sobre assuntos como Fundos Patrimoniais, Diversidade Geracional, Equidade Racial, Facilitação de Grupos Focais, entre outros, somando mais de 400 horas de capacitação para a equipe.

 

Leia também: IDIS e Latimpacto trazem para o Brasil discussão sobre inovação social e investimento para impacto

Lester Salamon, Paladino da Sociedade Civil

Artigo escrito pelo fundador do IDIS, Marcos Kisil,
baseado em comunicado da Universidade John Hopkins
e acrescido de suas vivências diretas
com o professor Lester Salamon.

 

Com grande tristeza, escrevemos para compartilhar a notícia de que o Professor Lester M. Salamon faleceu na sexta-feira, 20 de agosto de 2021. Nossa perda coletiva repercutirá no campo da sociedade civil onde se tornou o mais importante pesquisador e arauto da relevância de suas organizações sem fins lucrativos para os Estados Unidos e para todas as sociedades do mundo civilizado. O Dr. Salamon foi o pioneiro no estudo empírico do setor sem fins lucrativos globalmente em parceria com uma ampla rede de colegas nos quais tive o privilégio de ser incluído.

 

Conhecia Lester por seu estudo seminal Comparative Nonprofit Sector Project, que conduziu desde o Johns Hopkins Institute for Policy Studies, e que publicou em 1993 o primeiro estudo realmente acadêmico produzido no Brasil sobre o setor sem fins lucrativos, conduzido por Leilah Landim, do ISER com o título “Defining the Nonprofit Sector: Brazil.”

 

Os esforços do Dr. Salamon foram possíveis em grande parte por sua capacidade de conceber projetos de escopo global e de galvanizar e gerenciar centenas de parcerias, alavancando uma enorme rede de acadêmicos, pesquisadores, profissionais, bem como funcionários de governos e das Nações Unidas. Foi em seu trabalho com uma equipe de pesquisadores, inicialmente no The Urban Institute, onde concebeu e gerenciou o Projeto do Setor Sem Fins Lucrativos do instituto, e mais tarde na Johns Hopkins University, onde fundou o Institute for Policy Studies e o Center for Civil Studies. Foi sob esses auspícios que ele e seus colegas desenvolveram a definição estrutural-operacional seminal do setor sem fins lucrativos. Esta definição continua sendo fundamental para a nossa compreensão coletiva do núcleo organizacional do setor e formou a base para todos os principais projetos de pesquisa internacionais do Centro.

 

Palestra_LesterSalamon

Palestra sobre Fundos Patrimoniais com Lester Salamon em evento realizado pelo IDIS

Assim, já familiarizado com as contribuições do Lester, tive então a oportunidade de conhece-lo pessoalmente quando atuava na Fundação Kellogg como Diretor para a América Latina e Caribe. Nosso primeiro encontro se deu como participantes da Conferência anual do Council on Foundations dos Estados Unidos. Sua personalidade perscrutadora em buscar informação e conhecimento já era pontuada pelo genuíno interesse nas organizações da sociedade civil. E assim nos aproximamos, já que era um tema prioritário para fortalecer as sociedades latino americanas que progressivamente se libertavam dos regimes militares na nossa região, e que adotaram uma política nefasta de perseguir as organizações da sociedade civil e seus líderes. Assim, naquele momento eu estava explorando estratégias para fortalecer o reaparecimento da sociedade civil na região, suas organizações e líderes, utilizando o termo terceiro setor, na época bastante disseminado.

 

Esse encontro propiciou um contato mais estreito com suas pesquisas e me levou a ter coparticipação em alguns estudos que se referiam a América Latina. E assim fui influenciado em várias decisões que tomei para apoiar um setor relativamente incipiente.

 

Nas inúmeras conversas que tivemos fiquei sabendo que Lester entrou nesse campo das organizações da sociedade civil, sem fins lucrativos, um tanto por acaso, no final dos anos 1970, quando, sendo um professor de ciências políticas, aceitou convite para se tornar funcionário do governo americano. Como Diretor Associado do Escritório de Gestão e Orçamento dos Estados Unidos, sob o presidente Carter, Lester se deu conta da ausência de informações sistemáticas disponíveis sobre os fluxos de financiamento do governo para organizações sem fins lucrativos e que prestavam serviços de interesse público – o que era então muito pouco conhecido seja dentro do governo, seja para a sociedade americana. Assim, partiu em busca de dados econômicos básicos sobre o escopo, estrutura, financiamento e papel do setor nos Estados Unidos. Posteriormente se deu conta que esses dados e informações também eram ausentes em muitos outros países.

 

Participei ativamente do projeto “Philanthropication through Privatization – PtP” sob a liderança do Lester, sendo pesquisador e membro do seu Comitê Estratégico. Esse esforço resultou no livro “Filantropização via Privatização”, traduzido ao português pelo IDIS, e que tive a honra de fazer a apresentação.

 

Esse projeto explorou as potencialidades para criação ou reforço de fundos patrimoniais de organizações da sociedade civil a partir dos processos de privatização, amparado pelo simples entendimento de que as empresas estatais não pertenciam só a governos, mas também pertenciam a sociedade. Neste sentido a pergunta central respondida pela pesquisa é: um bem público pode ser objeto de uma transação de privatização sem a participação da sociedade? A resposta da pesquisa é simples: os ativos envolvidos em operações de privatização não são, em última análise, ‘do governo’, mas ‘do povo’, construídos por meio do suor, trabalho árduo e recursos dos cidadãos de um país ou pertencentes ao povo como um direito inato em virtude de sua presença no território que coletivamente ocupam.

 

O professor Salamon e a equipe de pesquisadores, identificou um número significativo de casos que demonstravam que os recursos auferidos na privatização poderiam, e deveriam, ser utilizados para fortalecimento da sociedade civil. E que em um sem número de casos se privatizou sem levar em conta esse interesse social. No caso do Brasil ficou claro que foram perdidas oportunidades nas privatizações da Vale, Eletropaulo, Companhia Siderúrgica Nacional. E ainda mais relevante, poderia ser um elemento estratégico importante se passasse a ser um requisito nas novas concessões, tais como portos, aeroportos, rodovias e outros. Em síntese, as ideias e casos contidos nessa publicação passaram a ser conhecidos, analisados e propagados na sociedade brasileira, entre as autoridades do executivo, legislativo e judiciário, bem como junto às empresas de capital que buscam aproveitar as oportunidades de privatizações. Em sua última viagem ao Brasil que tive chance de acompanhá-lo, estivemos com o então Ministro da Justiça, Sérgio Moro, para explorar a constituição de um fundo patrimonial para o combate à corrupção, com os recursos da recuperação financeiras obtidos pela Lava Jato das inúmeras empresas e pessoas envolvidas em transações ilícitas.

 

A importância e transcendência das pesquisas de Lester são encontradas nos 40 anos que se dedicou à geração e institucionalização de dados econômicos básicos sobre organizações sem fins lucrativos, de economia social e da sociedade civil, bem como o trabalho voluntário nos sistemas administrativos existentes. Foi assim que influenciou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) a introduzir e produzir dados sobre as organizações da sociedade civil (OSCs) no Brasil. Influenciando a tomada de decisão dos técnicos do IBGE, tornou possível alavancar a compreensão e a credibilidade dessas organizações como coparticipantes do desenvolvimento de políticas públicas e econômicas de interesse social.

 

O resultado das inúmeras parcerias que forjou impactou quase todos os segmentos do setor. Autor de mais de vinte livros, seu “America’s Nonprofit Sector: A Primer,” Third Edition, (Foundation Center, 2012) é o texto padrão usado em cursos de nível universitário sobre o setor sem fins lucrativos nos Estados Unidos. Outro livro impactante foi “Parceiros no Serviço Público: Governo e Setor Sem Fins Lucrativos no Estado de Bem-Estar Moderno” (Johns Hopkins University Press, 1995) que ganhou o Prêmio ARNOVA de 1996 como Distingue Book em Pesquisa de Ação Voluntária e Sem Fins Lucrativos. Em 2012 foi reconhecido com o Prêmio de Contribuição Duradoura Aaron Wildavsky da American Political Science Association.

 

Internacionalmente, as informações geradas pelo Projeto Comparativo do Setor Sem Fins Lucrativos – um estudo do escopo, estrutura, financiamento e papel desse setor em mais de 40 países em seis continentes – produziram algumas das primeiras informações comparativas internacionalmente sobre o setor sem fins lucrativos em vários países. Muitos novos programas de pesquisa foram formados globalmente com base nisso. Desse esforço também resultou o livro “Sociedade Civil Global: Dimensões do Setor Sem Fins Lucrativos” (1999), que ganhou o Prêmio Virginia Hodgkinson de melhor publicação no campo das organizações sem fins lucrativos em 2001.

 

O Dr. Salamon viveu para ver a definição operacional e estrutural adotada pela Comissão de Estatística das Nações Unidas e pela Organização Internacional do Trabalho (para o trabalho voluntário) que passou a ser adotada pelas instituições geradoras de dados e relatórios de governos nacionais em todo o mundo. No seu livro “Explicando o Desenvolvimento da Sociedade Civil: Uma Abordagem de Origens Sociais” (Johns Hopkins University Press, 2017), ele foi capaz de usar os dados resultantes de seu esforço para adoção de um critério global para a importante questão analítica que resulta do cruzamento de variações nacionais relativas ao tamanho e contornos do setor da sociedade civil.

 

O Dr. Salamon tinha a esperança duradoura de que estudiosos e pesquisadores reconheceriam o valor desses dados e a necessidade permanente de atualização para servir ao setor para o qual ele trabalhou tão diligente e inabalavelmente. Em seus últimos anos na Johns Hopkins, ele se concentrou em manter o terceiro setor nas agendas de trabalho da Divisão de Estatística das Nações Unidas e expandiu seu foco para atuar com parceiros com o intuito de identificar novas formas emergentes de filantropia que ora eram subvalorizadas, ora inexploradas e inexplicadas. Nesse sentido, ele publicou “Novas Fronteiras da Filantropia: Um Guia para as Novas Ferramentas e Atores Remodelando a Filantropia Global e Investimento Social” (Oxford University Press, 2014).

 

O Prof. Salamon ocupava posições de destaque no cenário acadêmico internacional também como Professor Pesquisador Sênior na Escola de Estudos Internacionais Avançados Johns Hopkins (SAIS), Centro de Bolonha e atuou como Diretor Científico fundador do Laboratório Internacional para Estudos do Setor Sem Fins Lucrativos na Escola Superior de Economia da National Research University, Moscou.

 

Dr. Salamon recebeu seu B.A. graduação em Economia e Estudos Políticos pela Princeton University e seu Ph.D. em Governo pela Harvard University. Ele foi presidente emérito e membro do conselho da Community Foundation de Chesapeake, um ex-membro do conselho da International Society for Third Sector Research e atuou no conselho editorial de várias revistas.

 

Lester trabalhou ativamente até falecer. Sua dedicação, energia e paixão serão difíceis de igualar.

 

Em nome dos inúmeros colegas que granjeou no Brasil em suas memoráveis visitas, muitas provocadas por convites feitos pelo IDIS, estendemos nossas mais profundas condolências à sua esposa Lynda, aos filhos e netos.

 

Lester foi uma presença viva e saudosa que muito contribuiu para orientar o crescimento e desenvolvimento do IDIS ao longo dos anos.

 

Perdi um amigo e companheiro de jornada. Que Deus o receba em sua Paz.

Dados sobre abordagem de doadores é destacado em matéria do Núcleo Jornalismo

No Núcleo Jornalismo, os dados da Pesquisa Doação Brasil 2020 sobre as avaliações de doadores por meio de abordagem foram destacados. Segundo a pesquisa, a abordagem por meio das redes sociais são convenientes para 45% dos entrevistados, sendo a 2ª abordagem melhor avaliada. A 1ª colocação fica com as abordagens feitas via televisão ou rádio.

Layla Cruz/Núcleo Jornalismo

Créditos: Layla Cruz/Núcleo Jornalismo

 

Para os doadores, essas são consideradas formas menos invasivas de serem abordados para realizar doações.

Confira a matéria completa clicando aqui.

Confira o site e a publicação completa da Pesquisa Doação Brasil clicando aqui.

 

 

Impacto da crise nas doações é tema de reportagem do Valor

Valor_Site_PesquisaDoaçãoBrasil

Com base em dados da Pesquisa Doação Brasil 2020, o Valor Econômico destacou como a crise econômica agravada pela pandemia afetou as doações realizadas por pessoas físicas em 2020.

Outro dado apontado na reportagem é o percentual das doações em relação ao PIB, que era de R$ 13,7 bilhões, o equivalente a 0,23% do PIB, em 2015, para R$ 10,3 bilhões, ou 0,14% do PIB em 2020.

Confira a reportagem completa no site do Valor Econômico.

Pesquisa Doação Brasil na mídia

Confira os destaques da Pesquisa Doação Brasil 2020 nos veículos de imprensa:

 

RadioBandNews_PesquisaDoa

 

Confira o site e a publicação completa da Pesquisa Doação Brasil clicando aqui.

Podcast ‘Aqui se Faz, Aqui se Doa’ aborda Pesquisa Doação Brasil em edição especial

A Pesquisa Doação Brasil foi o tema central do episódio do podcast “Aqui se Faz, Aqui se Doa”, realizado pelo Instituto Mol e Movimento Bem Maior. Para comentar os dados do maior estudo sobre o doador individual do país, Paula Fabiani, CEO do IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social, foi convidada.

A Pesquisa Doação Brasil foi coordenada pelo IDIS e realizada pela Ipsos.

Confira o episódio completo em que Paula Fabiani conta um pouco dos bastidores da Pesquisa Doação Brasil 2020 e também revela os dados sobre o doador brasileiro que permitem comparação com dados da 1ª edição de 2015, além de um capítulo especial sobre o impacto da pandemia nas doações.

Ouça o podcast:

Jornal Nacional destaca Pesquisa Doação Brasil 2020

Em reportagem abordando a crise econômica agravada pela pandemia, o Jornal Nacional da TV Globo destacou os dados da Pesquisa Doação 2020 em comparação com os de 2015.

Apesar da crise ter afetado s doações, durante a entrevista, Paula Fabiani, CEO do IDIS, destacou a vontade do 80% dos brasileiros querem manter ou aumentar a doação.

JornalNacional_Paula

Além disso, também foi pontuado o aumento do engajamento solidário das classes mais altas de 51%, em 2015, para 58% em 2020, indicando o fortalecimento da cultura de doação.

Confira a reportagem completa clicando aqui.

 

Confira os resultados da Pesquisa Doação Brasil 2020

Promovida pelo IDIS, a Pesquisa Doação Brasil 2020 é o mais amplo estudo sobre a prática da doação individual no País. Os resultados da segunda edição, realizada pelo instituto de pesquisas Ipsos, revelam o impacto da longa crise econômica e da pandemia sobre a doação dos brasileiros. Ao comparar os dados de 2015 com os de 2020, vemos que a doação encolheu no Brasil, em todas as suas formas, desde a doação em dinheiro, até a doação de bens e de tempo (trabalho voluntário).

 

Baixe a publicação completa: bit.ly/doacaobr2020

Visite o site pesquisa: https://pesquisadoacaobrasil.org.br

 

Enquanto em 2015, 77% da população havia feito algum tipo de doação, em 2020, o percentual ficou em 66%. Quando se trata de doação em dinheiro, a proporção caiu de 52% para 41%. E no caso de doações para organizações/iniciativas socioambientais, a redução foi de 46% para 37%.

Sobre os achados da Pesquisa, Paula Fabiani, CEO do IDIS, comenta: “Apesar da queda das doações, a Cultura de Doação se fortaleceu nos últimos cinco anos. A sociedade está mais consciente da importância da doação e tem uma visão muito mais positiva das organizações da sociedade civil e seu trabalho. As classes mais privilegiadas demonstraram maior grau de solidariedade e responderam à crise de 2020 doando mais.

Cerca de 650 pessoas acompanharam o evento de lançamento pelo Zoom e ao vivo pelo YouTube do IDIS. Desde então, a pesquisa tem sido destaque na imprensa nacional.

Assista ao evento de lançamento na íntegra:

 

Pesquisa Doação Brasil 2020

 

INFLUÊNCIA DA RENDA

Ao analisar a composição dos dados, fica claro que as alterações se deram por conta da prolongada crise econômica dos últimos anos, agravada pela pandemia e pelo cenário de incerteza para o futuro. Observamos que a doação de dinheiro para organizações/iniciativas socioambientais encolheu muito entre as classes menos favorecidas (de 32% para 25% entre 2015 e 2020, na faixa com renda familiar até 2 salários mínimos) e cresceu significativamente entre as classes com mais alta renda (de 51% para 58%, nas classes com renda familiar entre 6 e 8 salários mínimos, e de 55% para 59% entre as classes com renda familiar acima de 8 salários mínimos). Essas classes doaram mais em 2020 do que haviam feito em 2015.

 

VALOR DA DOAÇÃO

Em 2020, menos brasileiros doaram a organizações da sociedade civil e o valor doado caiu. Em 2015, a mediana* do valor anual doado por pessoa era de R$ 240 e em 2020, caiu para R$ 200.

Essa redução teve forte impacto sobre o montante total das doações. Em 2015, o valor total doado pelos indivíduos foi de R$ 13,7 bilhões, o que correspondia a 0,23% do PIB. Em 2020, somou R$ 10,3 bilhões, equivalentes a 0,14% do PIB desse ano.

(*) A mediana é preferida para estimar o valor total doado porque ela considera os valores mais praticados pela sociedade e despreza os valores extremos, ou seja, as doações muito altas ou muito baixas, que deturpam a média.

 

CAUSAS MAIS SENSIBILIZADORAS

O efeito da pandemia mudou as prioridades dos brasileiros, quando se trata de causas. Enquanto em 2015 Saúde e Crianças ocupavam os primeiros lugares na preferência dos brasileiros, em 2020, o Combate à Fome e à Pobreza foi citado por 43% da população como sendo a causa mais sensibilizadora, seguida por Crianças, Saúde e Idosos.

Duas outras causas também ganharam muitos adeptos nos últimos cinco anos – o Combate ao Abandono e Maus-tratos de Animais, e os Moradores de Rua. Ambas haviam pontuado muito pouco em 2015, mas aparecem no ranking de 2020, em quinto e sexto lugar, respectivamente.

 

PERCEPÇÃO SOBRE A DOAÇÃO

Apesar do encolhimento na prática, a população brasileira vê de forma cada vez mais positiva a doação. Mais de 80% da sociedade acredita que o ato de doar faz diferença, e entre os não doadores, essa concordância atinge 75%.

O conceito de que a doação faz bem para o doador cresceu significativamente, de 81% para 91% da população, atingindo uma maioria quase absoluta.

Outro aspecto positivo é que a ideia de que o doador não deve falar que faz doações está perdendo força. Em 2015, ela contava com a concordância de 84% da população e, em 2020, o percentual caiu para 69%. Este é um ponto especialmente importante porque o falar sobre a doação estimula sua prática, traz inspiração, esclarece temores e desperta o interesse de outras pessoas.

 

PERCEPÇÃO SOBRE AS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL

A opinião dos brasileiros sobre as organizações da sociedade civil, mais conhecidas como ONGs, evoluiu muito nos últimos cinco anos.

A noção de que as ONGs são necessárias no combate aos problemas socioambientais recebe a adesão de 74% da população, enquanto em 2015, essa concordância estava em 57%.

A afirmação ‘Percebo que a ação das ONGs leva benefícios a quem realmente precisa’ conta com a concordância de 67% da população, e em 2015, esse índice era de 47%.

O reconhecimento de que as ONGs fazem um trabalho competente é indicado por 60% da população, e em 2015, só 44% pensavam desse modo.

O maior destaque, porém, fica com o crescimento da confiança nas ONGs. 45% da população concorda que as ONGs deixam claro o que fazem com os recursos que aplicam. Em 2015, apenas 28% se mostravam de acordo com a afirmação.

OUTROS DESTAQUES

A longa crise econômica que o País atravessa afetou muito as doações;

Parte da população mais pobre, que doava em 2015, deixou de doar e passou a precisar de doações;

Em compensação, as classes de maior renda doaram mais em 2020 do que em 2015;

A doação é vista de forma muito positiva pela população como um todo, e aumentou a percepção de que as pessoas devem falar que fazem doação;

A imagem das ONGs melhorou muito junto à sociedade brasileira.

 

Baixe a publicação completa: bit.ly/doacaobr2020

Visite o site pesquisa: https://pesquisadoacaobrasil.org.br

 

Escute também o podcast “Aqui se Faz, Aqui se Doa” sobre a pesquisa:

REALIZADORES E APOIADORES

A Pesquisa Doação Brasil é uma iniciativa coordenada pelo IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social, realizada pela Ipsos e com o apoio do Banco Interamericano de Desenvolvimento BID, Fundação José Luiz Egydio Setúbal, Fundação Tide Setúbal, Instituto ACP, Instituto Galo da Manhã, Instituto Mol, Instituto Unibanco, Itaú Social, Mercado Pago e Santander.

SROI: como avaliar e monetizar impactos socioambientais

Em evento, IDIS, Gerando Falcões e Fundação Sicredi apresentam o protocolo SROI e como é aplicado na prática

 

Há um interesse crescente sobre avaliação de impacto. Empresas e filantropos desejam saber se os investimentos feitos estão gerando transformações e organizações sociais querem entender como podem gerar ainda mais benefícios socioambientais.

O ‘SROI – Social Return on Investment’, ou Retorno Social sobre Investimento, é um protocolo de avaliação que propõe uma análise comparativa entre o valor dos recursos investidos em um projeto ou programa e o valor social gerado para a sociedade com essa iniciativa. Trata-se de uma ferramenta poderosa de mensuração, que além de trazer a monetização do impacto social, integra dados qualitativos e quantitativos capturando a percepção dos beneficiários.

No dia 25 de agosto, das 17h às 18h30, para falar sobre o assunto, o IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social promove um evento sobre os conceitos da avaliação de impacto e as especificidades do SROI.

Também estarão presentes Júlia Machado, CFO da Gerando Falcões, e Suellen Lins Batista, do time de Responsabilidade Social da Fundação Sicredi. Ambas organizações realizaram avaliações de impacto na abordagem SROI com consultoria do IDIS e compartilharão a experiência e os benefícios desse tipo de avaliação para organizações sociais.

 

Especialistas IDIS

Laís Faleiros

É Gerente de Projetos do IDIS. Anteriormente atuava como pesquisadora independente nas áreas de monitoramento e avaliação (M&A) e gestão de projetos socioambientais. Foi pesquisadora e gerente da área administrativo- financeira na Plan Avaliação. É mestra em Gestão de Organizações e Sistemas Públicos pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR) e bacharela em Administração Pública pela Universidade Estadual Paulista (UNESP).

Raquel Altemani

É Gerente de Projetos do IDIS. Além de autuar na área de projeto, já atuou no Administrativo e Financeiro do IDIS. Na Nielsen Brasil, esteve por três anos, trabalhando com gestão de projetos, otimização de processos e gestão da performance por meio de desenvolvimento e análise de indicadores e modelos de governança. Antes disso, atuou na área de Processos e Qualidade em instituições financeiras, incluindo o Banco ibi, Banco Votorantim e Banco CBSS, desenvolvendo mapeamento e otimização de processos, gestão de indicadores, gestão de risco e projetos de implementação de novos produtos. É formada em Administração pela FEA-USP desde 2003 e possui pós graduação em Gestão Estratégica da Sustentabilidade, pela FIA – Fundação Instituto de Administração, concluída em 2019.

Convidadas

Julia Machado

É CFO da Gerando Falcões, ONG que viabiliza projetos de impacto social em periferias e favelas do Brasil. É responsável pelas áreas Administrativo Financeira, Inovação e Planejamento Estratégico, e pelo desafio de gerir, junto ao time, a matriz de crescimento da Rede Gerando Falcões. Julia optou por cruzar a ponte do centro e agregar sua experiência executiva em grandes multinacionais a um time inovador que trabalha junto para entregar a missão de transformar a pobreza das favelas em peça de museu. Formada em Administração pela PUC-RJ e University of Maryland, e com MBA no IE Business School em Madri. Antes de ingressar na Gerando Falcões, trabalhava na Raízen, onde ocupou por 5 anos posições de liderança em áreas estratégicas.

Suellen Lins Batista

É Pedagoga, com especialização em neuropsicopedagogia, e faz parte do time de Responsabilidade Social na Fundação Sicredi, com os programas de educação para crianças e adolescentes.

O IDIS oferece apoio técnico a famílias, empresas e organizações sociais que desejam iniciar ou aprimorar seu investimento social. Por meio de consultoria, realiza monitoramento e avaliação de programas, projetos, organizações e negócios sociais. Conheça cases de avaliação de impacto da Petrobras, Doutores da Alegria, Fundação Sicredi, e mais.

IDIS apresenta resultados da principal pesquisa sobre doação no Brasil

Considerado o mais importante estudo sobre doações feitas por indivíduos no País, a Pesquisa Doação Brasil 2020, coordenada pelo IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social, foi realizada no início deste ano, refletindo as ações e o comportamento dos doadores ao longo de 2020. O lançamento acontecerá em uma transmissão ao vivo, no dia 23 de agosto, das 11h às 13h. Ative um alerta em: https://bit.ly/livedoacaobrasil2020


Quantos brasileiros doaram? Qual o volume total doado? Quais as principais causas contempladas? Quais as motivações dos doadores?

Essas são apenas algumas das respostas fornecidas pela Pesquisa Doação Brasil, que traz um capítulo especial dedicado à influência da pandemia sobre doadores.

Além de analisar as características dos doadores e das doações, a Pesquisa Doação Brasil também contempla os não doadores, buscando identificar as razões desse comportamento e as possibilidades de mudança.

Esta é a segunda edição da Pesquisa Doação Brasil. A anterior foi realizada cinco anos atrás e revelou que 46% da população brasileira doava para organizações/projetos sociais. Ela estimou, pela primeira vez, o volume total doado pelos indivíduos, que totalizou R$ 13,7 bilhões, correspondendo a 0,23% do PIB de 2015. “É por meio de dados que podemos agir e criar iniciativas e programas para influenciar positivamente o fortalecimento da Cultura de Doação no Brasil”, comenta Paula Fabiani, CEO do IDIS, que a partir dos achados da primeira edição lançou a plataforma ‘Descubra Sua Causa’, um teste rápido e divertido para as pessoas encontrarem ONGs que defendem as causas nas quais elas acreditam.

A Pesquisa Doação Brasil 2020 foi conduzida pela Ipsos, empresa de estudos de mercado, e realizada em duas etapas, uma qualitativa e uma quantitativa.

A etapa qualitativa, composta por oito grupos focais, reuniu doadores e não doadores, das classes ABC com idades entre 25 e 60 anos. O objetivo desta etapa foi explorar em profundidade os aspectos mais subjetivos do pensamento e comportamento de doadores e não doadores. Seus achados contribuíram para a elaboração do questionário aplicado na fase posterior.

A etapa quantitativa entrevistou 2.103 pessoas, compondo uma amostra representativa da população urbana, a partir de 18 anos de idade, com renda familiar acima de 1 salário mínimo.

 

Lançamento da Pesquisa Doação Brasil 2020

23 de agosto de 2021

11h às 13h

Apresentação dos resultados seguida de debate com a presença de Paula Fabiani, CEO do IDIS, das consultoras Andréa Wolffenbüttel e Renata Bourroul, e representante da Ipsos.

As inscrições para o evento do Zoom esgotaram e agora você pode acompanhar a transmissão ao vivo pelo YouTube. Ative a notificação e não perca: bit.ly/livedoacaobrasil2020 

A iniciativa é uma realização do IDIS com o apoio de BID – Banco Interamericano de Desenvolvimento, Fundação Itaú Social, Fundação José Luiz Egydio Setubal, Fundação Tide Setubal, Instituto ACP, Instituto Galo da Manhã, Instituto Unibanco e Santander.