×

Catalyst 2030 Brasil lança fundo no valor de R$ 200 mil para financiar iniciativas colaborativas focadas em água potável 

Parte do projeto global que visa acelerar a implementação das metas associadas aos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas (ONU), o movimento Catalyst 2030 Brasil anuncia a criação de um fundo destinado a financiar iniciativas associadas ao ODS #6, que preconiza a garantia de disponibilidade e gestão sustentável de água potável e saneamento para todos. O Desafio Fundo Catalisador 2030 é a primeira ação tática do movimento no país, cuja proposta é financiar e trabalhar com ações colaborativas no cenário nacional. O fundo – que mobilizou, inicialmente, R$ 200 mil – tem o formato de desafio e é voltado para organizações-membro ou organizações que possuem indicação de uma instituição membro do Catalyst 2030. O prazo é 30 de janeiro de 2023. 

Desenvolver uma ação colaborativa entre organizações gerida por empreendedores e focada em promover acesso à água a pessoas em situação de vulnerabilidade socioeconômica é o desafio proposto por um fundo criado pelo Catalyst 2030 Brasil. A coalizão nacional – parte do movimento global com mais de 400 organizações que impactam diretamente dois bilhões de pessoas no mundo – anuncia a criação de um mecanismo de investimento em iniciativas associadas ao ODS #6, que preconiza a garantia de disponibilidade e gestão sustentável de água potável para todos. O patrocinador principal do fundo é a Ambev AMA, que mobilizou R$ 200 mil para as ações selecionadas; há possibilidade de incremento do valor a depender das demandas apresentadas pelos projetos selecionados.

 

Ação coletiva global focada em acelerar a implementação das metas associadas aos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas (ONU), o  movimento busca criar o ambiente e as condições propícias para consolidar a Agenda 2030 no país. Segundo Raphael Mayer, chairman do Catalyst 2030 Brasil e cofundador da Simbiose Social, o fundo é uma iniciativa coletiva de um grupo de trabalho liderado por pessoas físicas voluntárias – Monica Pasqualin, Zaya Namjildorj, Paula Fabiani e Luiza Serpa –, e instituições como PLKC (apoio jurídico), Instituto Phi (responsável por incubar o fundo e fazer a gestão financeira) e Simbiose Social, que se ocupará da auditoria e avaliação de risco das iniciativas que vão aplicar para o fundo. A social tech disponibilizará a plataforma proprietária para monitorar e mensurar o impacto das ações investidas pelo projeto como um todo.

 

Mayer aponta que uma  das principais inovações do fundo – que o diferencia de outras iniciativas do mercado – reside no fato de não ser focado no investimento em uma única organização. “Inspirado na própria essência do Catalyst 2030, o fundo tem por foco a colaboração, ou seja, visa mostrar que as ações colaborativas têm uma potência maior no mercado. O objetivo é fomentar e potencializar iniciativas que tenham duas ou mais organizações envolvidas na prática”, afirma. Dentro da estruturação do fundo está prevista a criação de uma governança formada por um comitê de notável conhecimento no tema saneamento, responsável por compor a banca examinadora dos proponentes. Entre os avaliadores, Renata Ruggiero Moraes – Diretora Presidente do Instituto Iguá; Guilherme Neves Castagna – Sócio fundador do Fluxus Design Ecológico e Instituto Nova Água.

 

As demandas de água potável e saneamento no Brasil, de acordo com Raphael Mayer, envolvem um capital intensivo para financiar projetos sistêmicos e estruturantes que resolvam a temática. “Sabemos da complexidade da temática no Brasil; o fundo, ainda é pequeno mas tem potencial de atrair mais investimentos. Hoje, seu principal objetivo é estimular ações e servir de modelo para projetos de impacto colaborativo”, salienta Mayer, acrescentando que os organizadores do fundo esperam que esse seja um marco de investimento social com o olhar de integração. “Problemas complexos exigem ações sistêmicas; quando falamos dos ODS, o foco em colaboração é a chave-mestra para destravar inovações. Esse fundo tem o papel de representar e ser um case positivo de transformação a partir da colaboração no mercado”, finaliza.

INSCRIÇÕES

As organizações que trabalham com o ODS #6 podem inscrever seus projetos no site: https://bit.ly/fundocatalisador2030.  

SOBRE CATALYST 2030

Movimento global de empreendedores sociais e inovadores sociais de diferentes setores, que compartilham o objetivo de criar abordagens inovadoras e centradas nas pessoas para atingir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável até 2030. Unindo forças com comunidades, governos, empresas e outras organizações, o Catalyst 2030 foi lançado em 2020, no Fórum Econômico Mundial, inicialmente pela Ashoka, Schwab Foundation, Skoll Foundation e Echoing Green. Hoje, o movimento  reúne, no âmbito global, mais de 500 empreendedores sociais em 195 países, impactando 1 bilhão de vidas e gerenciando US$ 2 bilhões em fundos alinhados aos ODS. Mais informações: https://catalyst2030.net/.

A esperança exige disciplina: destaques do Global Philanthropy Forum 2022

Com vista à Golden Gate, cartão postal de San Francisco, aconteceu, em novembro, o Global Philanthropy Forum (GPF). Em clima de celebração, depois de dois anos sem encontros presenciais, o evento reuniu 160 participantes ao longo de dois dias de programação. A delegação brasileira, liderada pelo IDIS, estava mais uma vez presente, com 11 membros, de diferentes organizações.

Equidade racial e de gênero, doações locais e baseadas em confiança, e a contribuição da filantropia para o combate às mudanças climáticas, foram alguns dos temas globais presentes ao longo de muitos dos debates do evento.

A plenária de abertura teve como tema a ‘Democracia sob Ameaça’. Autoritarismo, desinformação, discurso de ódio e ataque aos direitos humanos são evidenciados em diversas parte do mundo. Os desafios não são poucos, mas como disse o palestrante David Litt, “as pessoas ainda querem viver em uma democracia” e por isso há tantas iniciativas que abrem caminhos para um futuro mais promissor. Entre os exemplos, ações para reduzir a polarização baseada na construção de relações, o financiamento a coletivos e o fortalecimento das instituições. Nessa sessão, assim como em outras ao logo do dia, foi destacada a importância de veículos independentes e a proteção aos jornalistas.

A equidade racial foi o foco da segunda sessão do evento, mas permeou uma série de outras conversas. Angela Glover Blackwell, ativista na organização PolicyLink, foi entrevistada por Philip Yun, CEO do GPF, e chamou atenção ao fato de que a luta pela equidade é conhecida pelos negros, mas brancos ainda não estão à vontade para falarem sobre racismo e devemos encontrar formas para que elas desenvolvam essa musculatura. Angela disse a frase que se tornou o mantra do evento – “a esperança exige disciplina”. Reforçou que falar sobre racismo exige disciplina e que é preciso melhores narrativas, pois há muitas histórias que podem ser contadas. Destacou que é preciso mudar o sistema baseado em opressão para um onde a generosidade seja o motor e que é com equidade que vamos todos progredir.

Em uma sessão que tinha como foco negócios de impacto liderados por negros e pardos, foi abordada a importância de ao mesmo tempo em que é dada liberdade para as organizações investirem em suas prioridades e eventualmente errarem, filantropos podem ser próximos, contribuir para as reflexões e oferecer treinamentos e capacitações, Para o próximo ano, o GPF anunciou que interesse em trazer uma sessão a partir de um estudo sobre doadores negros, realizado pela Lilly Family School of Philanthropy.

Diversos debates tiveram a filantropia como foco. Uma sessão abordou o papel da forma como são feitas as doações para a construção de uma economia mais equitativa, outra, uma reflexão sobre como investir em conhecimentos locais. Houve um workshop sobre como estruturar giving circles e estimular a doação a partir da perspectiva de comunidades. E como não poderia faltar, uma plenária deu luz a modelos inovadores. A importância da doação baseada em confiança, do apoio livre e de longo prazo foi mencionado em todas as mesas. De acordo com Glen Galaich, CEO da Stupski Foundation, “nós complicamos muito as coisas, enquanto nossa preocupação deveria ser apenas doar recursos”.

Houve muitas falas sobre a importância de agentes sociais poderem investir sua energia na ação e não na prestação de contas tão detalhada. Foi defendida a ideia também de que doadores deveriam ser analisados por seus financiados e ganhar notas por isso. A questão da disposição maior ao risco por vezes foi relacionada a uma forma para solução de questões complexas: é preciso agir e o fracasso pode trazer grandes aprendizados e inclusive nos levar mais rápido a soluções duradouras. Degan Ati, diretora executiva da Adeso, organização da Somália, trouxe alguns números para reflexão: apenas 12% dos recursos de fundações são destinados ao sul global, e 0,076% é destinado a iniciativas de jovens. “A filantropia transformativa deve mudar esses números, ao mesmo tempo que dá visibilidade às ações de generosidade e pequenas doações que acontecem diariamente entre os mais vulneráveis”, colocou Degan.

Outro aspecto muito destacado foi o olhar para a doação a partir da perspectiva local. O ativista canadense Yonis Hassan chama atenção à mudança de narrativa – “não é uma caridade. Os doadores não estão ajudando as organizações. São as organizações que estão ajudando os doadores a alcançarem a mudança que desejam ver.” Ele foi bastante enfático sobre a importância do financiamento de organizações que atuam em um território específico e o fortalecimento das lideranças. A indígena Nemonte Nenquimo, por sua vez, contou sua história de luta pelo direito à terra e proteção das florestas no Equador. Em seu movimento, reúne indígenas afetados pela ação do estado e aqueles que ainda vivem em terras mais isoladas, além de agentes internacionais que contribuem para a articulação.

É estimado que o patrimônio de fundações americanas investido em fundos seja de 160 bilhões de dólares. Estes recursos estão ‘parados’ e por isso o debate sobre gestão é grande no país. O movimento #HalfMyDAF advoga que metade destes valores seja transferido para OSCs e se propõe a fazer o match de tudo que for doado. Na mesma linha, Glen Galeich, destaca que “fundações hoje são apenas parte do sistema financeiro e que o dinheiro está apenas circulando para gerar mais dinheiro”. O aumento da velocidade da transferência de recursos, transparência, accountability, mecanismos de blended finance e venture philanthropy foram explorados.  A duração do financiamento também foi destacada. Para Carlos Saavedra, diretor executivo do Ayni Institute, “a transformação leva tempo. Doações por apenas 1 ano não é nada. Os financiamentos devem ter entre 3 e 10 anos.”

A questão da Saúde global, a partir das experiências da pandemia, ganhou uma sessão específica. “A Covid foi uma lupa, que revelou em detalhes as desigualdades” disse Chet Hewitt, CEO da Sierra Health Foundation. Foi destacada a importância das organizações sociais neste momento, a legitimidade que as lideranças locais tinham para orientar a população e como foram parceiros cruciais para o poder público.

A empatia e a colaboração como elementos basilares para os avanços que queremos ver estiveram presentes em todo o evento, que incluiu na agenda diversos momentos para interação entre os participantes. “Tive a oportunidade de conhecer pessoas com experiências muito interessantes e trocar pontos de vista. Ao participar do evento, ampliei meus horizontes e creio que poderão surgir parcerias interessantes.” comenta Luisa Lima, gerente de comunicação e conhecimento no IDIS, e também responsável pela produção do Fórum Brasileiro de Filantropos e Investidores Sociais, a versão local do GPF.

Brasil no GPF

Liderada por Paula Fabiani, CEO do IDIS, e Luisa Lima, a delegação do GPF teve a participação de Antony Assumpção e Rodrigo Lowen (Hospital Pequeno Príncipe), Carolina Barrios (Fundação Maria Cecília Souto Vidigal), Daniela Grelin (Instituto Avon), Fernanda Quintas e Rosalu Ferraz Fladt Queiroz (Liga Solidária), Guilherme Barros (Fundação Lemman), Juliana Depaula (BTG) e Nicole Rodrigues Carnizelo (Associação Santa Plural). Como parceiros do evento, o IDIS anualmente organiza a viagem, fortalecendo o relacionamento entre os participantes e com a comunidade filantrópica global. Tem interesse em participar? Entre em contato conosco. O GPF ainda não tem data definida, e será divulgada a nossa comunidade assim que for anunciada.

Empreendedores sociais pedem compromisso de candidatos com a Agenda 2030

Catalyst 2030 Brasil divulga carta aberta para incorporar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável na gestão pública

Empreendedores sociais de todo Brasil publicaram uma carta aberta para candidatos e candidatas a cargos públicos em disputa nessas eleições. No documento, elencam oito compromissos e ações concretas para fortalecer a Agenda 2030 na gestão pública.

A ação foi organizada pelo Catalyst 2030 Brasil, rede global que atua em rede para tornar o mundo melhor e mais justo para todos e, com a carta, apresenta sugestões  criar ambiente e condições para acelerar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU. Até o momento, a iniciativa já conta com mais de sessenta assinaturas de organizações e empreendedores de impacto.

Nós do IDIS, somos membros fundadores do Catalyst 2030 e assinamos a carta. Convidamos você a participar também desse movimento. No contexto brasileiro são muitos os temas que precisam ser endereçados e apenas por meio da colaboração e fortalecimento dessas metas, isso é possível.

“Estamos diante de inúmeros desafios. A agenda dos ODS nos orienta na direção da solução de problemas que precisamos resolver urgentemente. Não temos tempo a perder e precisamos que todas as lideranças públicas estejam engajadas em colaboração com o setor privado e com a sociedade civil organizada”, argumenta Erika Sanchez Saez, membro do Catalyst 2030 BR e Diretora Executiva do Instituto ACP.

Clique aqui e acesse à carta 

Ou confira o conteúdo na íntegra abaixo.

Carta de Compromisso com a Agenda 2030 e os 17 ODS aos Candidatos e Candidatas das Eleições 2022

As pessoas e organizações signatárias desta carta se dirigem aos candidatos e às candidatas das eleições de 2022 para pedir o seu apoio e compromisso com os principais desafios coletivos tão bem traduzidos pela Agenda 2030, por meio dos 17 ODS – Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Somos um grupo de empreendedores de impacto, intra-empreendedores, inovadores e empreendedores sociais que, por meio do capítulo brasileiro do Movimento Global Catalyst 2030, promove  soluções inovadoras e a colaboração como estratégia fundamental e transversal para o alcance dos ODS em todo o planeta. O Movimento surgiu no Fórum Econômico Mundial, a partir da articulação de organizações internacionais como Ashoka, Skoll Foundation e Schwab Foundation, e reúne empreendedores sociais em 197 países que, juntos, impactam positivamente a vida de mais de 2 bilhões de pessoas. Continue lendo

Publicação reúne especialistas com análise inédita sobre duas décadas de Voluntariado no Brasil

Em 2001, quando a ONU – Organização das Nações Unidas estabeleceu o Ano Internacional do Voluntário, iniciou-se uma série de atividades, destacando-se a realização de pesquisas para conhecer o perfil dos voluntários e como eles apoiavam a sociedade. De lá para cá, organizações de toda natureza se mobilizaram para fortalecer esta importante atividade, o tema ganhou visibilidade e houve um crescimento expressivo no número de voluntários. Como mostrou a Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021, em duas décadas, o percentual da população brasileira que já praticou o voluntariado em algum momento de sua vida mais que triplicou, passando de 18% em 2001 para 56% em 2021.

Para mostrar esta evolução, o livro digital ”Voluntariado no Brasil: Duas Décadas de Transformação”, lançado em julho de 2022, traz uma coletânea de artigos escritos por especialistas. São diversos temas, personagens e estilos, de autores que contam histórias inspiradoras e trazem dados capazes de mostrar como os brasileiros, com criatividade e perseverança, constroem uma sociedade melhor e mais justa por meio da atividade voluntária.

Este é um desdobramento da terceira edição da Pesquisa Voluntariado no Brasil, iniciativa elaborada e coordenada por Silvia Maria Louzã Naccache, com apoio dos consultores Kelly Alves do Carmo e Felipe Pimenta de Souza, e realizada pelo Instituto Datafolha e IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social. 

Dividido em 15 principais temas relacionados ao voluntariado, o livro começa resgatando a história do Voluntariado no Brasil, que remonta à fundação da Santa Casa da Misericórdia de Santos, abordando análises importantes sobre as pesquisas realizadas em 2001 e 2011. 

O livro destaca também as mudanças nas duas últimas décadas, como os impactos de situações emergenciais e o voluntariado, aponta aspectos recentes relacionados à atuação durante a pandemia e explora a relação do voluntariado com os grandes eventos, como a Copa do Mundo os Jogos Olímpicos e Paralímpicos. 

Temáticas cruciais para o desenvolvimento sustentável são temas de reflexão, como com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), a filantropia e a cultura de doação e o voluntariado corporativo. Perspectivas para o futuro do voluntariado, claro, não ficaram de fora.   

“No Brasil, às vésperas de celebrarmos o Bicentenário da Independência, este livro é um presente, um legado e um registro do Voluntariado nas últimas duas décadas. Vem para reconhecer e valorizar o trabalho de 57 milhões de brasileiros voluntários, dado da pesquisa Voluntariado no Brasil 2021, e também para destacar tendências, desafios e caminhos para o futuro”, comenta Silvia Naccache, que também participou das edições anteriores da pesquisa.

Entre os autores, além dos realizadores da pesquisa, especialistas como Carolina Muller, Carola Matarazzo, Maria Elena Pereira Johannpeter, Patrícia Loyola, Ricardo Voltolini e Reinaldo Bulgarelli.

O material está disponível para download gratuito – em português, inglês e espanhol – no site pesquisavoluntariado.org.br.

 

    Nome
    E-mail
    Organização

     

    Voluntariado no Brasil: Duas Décadas de Transformação 

    Conheça os temas e autores: 

    • História do Voluntariado no Brasil: de 1543 ao Bicentenário da Independência
      • Maria de Fátima Alexandre | NEATS / PUC-SP
      • Nanci Fernandes Loureiro e Eliana Lopes Feliciano | Santa Casa de Santos
    • Voluntariado, Filantropia e Doação
      • Bruno Barcelos | consultor no Brasil e em Portugal
      • Carola Matarazzo | Movimento Bem Maior
    • 2001 O Ano Internacional do Voluntário 
      • Ana Maria Warken do Vale Pereira | Instituto Voluntários em Ação
      • Heloisa Coelho | RioVoluntário
    • 2011 e a Década do Voluntariado 
      • Maria Elena Pereira Johannpeter | Parceiros Voluntários RS
    • O Voluntariado em 2021 
      • Silvia Maria Louzã Naccache | consultora e coordenadora da Pesquisa Voluntariado no Brasil
      • Luisa Lima | IDIS 
    • O futuro do voluntariado no Brasil 
      • José Alfredo Nahas | Parceiros Voluntários
      • Ricardo Voltolini | Ideia Sustentável
    • Voluntariado e as situações emergenciais e humanitárias 
      • Leonard de Castro Farah | HUMUS BR
      • Monica Exelrud Villarindo | especialista em gestão de voluntários e voluntariado em desastres
    • Voluntariado e os grandes eventos da década 
      • Any Bittar | consultora na área de sustentabilidade
      • Thérèse Hofmann Gatti Rodrigues da Costa | Universidade de Brasília 
      • Felipe Pimenta de Souza | especialista em megaeventos e consultor na Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021
    • Programas de voluntariado estruturados: da informalidade a profissionalização da gestão  
      • Clarissa Martins | Phomenta
      • Ricardo Martins | Olhar de Bia e Rede Conectados do Terceiro Setor
    • A Pandemia e seu impacto no Voluntariado
      • Pamela Ribeiro | GIFE
      • Carolina Muller | CBVE e CIEDS
    • O Voluntariado Empresarial no Brasil na última década  
      • Patrícia Loyola | Comunitas
    • O Voluntariado e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável
      • Camile Rebeca Bruns | Movimento Nacional ODS Santa Catarina
      • Rafael Medeiros | Rede Brasil do Pacto Global
    • Redes e movimentos de voluntariado Brasil e Mundo 
      • Andréa Martini Pineda | EAESP-FGV
    • Voluntariado: motivações, causas e propósito 
      • Kelly Alves do Carmo | especialista e consultora na Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021
    • Contribuição das empresas, Voluntariado e Parcerias: realizador, engajador, mobilizador e motivador
      • Reinaldo Bulgarelli | Txai Consultoria e Educação 

    Sobre a Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021

    A pesquisa foi elaborada e coordenada por Silvia Maria Louzã Naccache, com apoio dos consultores Kelly Alves do Carmo e Felipe Pimenta de Souza. Sua viabilização teve o suporte de organizações que acreditam na importância do avanço do voluntariado no Brasil e participam dessa rede de apoiadores, Ambev, Bradesco, Fundação Itaú Social, Fundação Telefônica Vivo, Raízen, Sabesp, Sicoob e Suzano. IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social – e Instituto Datafolha assinam a realização. Os resultados completos e o livro digital Voluntariado no Brasil: Duas Décadas de Transformação estão disponíveis em pesquisavoluntariado.org.br.

    O que são ODS e o que eles têm a ver com impacto social

    Objetivos de Desenvolvimento Sustentável ou ODS, essa sigla soa conhecida para você? Saberia explicar o que ela representa para o mundo e para a sociedade? Pois bem, vamos lá: em 2015, a Assembleia Geral das Nações Unidas (AGNU), composta por 193 Estados-membros da ONU definiu metas mundiais para que ‘ninguém no mundo fosse deixado para trás’. 

    Partindo de quatro principais dimensões: social, ambiental, econômica e institucional, os ODS defendem que é necessário levar o mundo a um caminho sustentável com medidas transformadoras. Assim, foram definidos  17 objetivos e 169 metas globais interconectadas, a serem atingidos até 2030 – a , como ficou conhecida, “Agenda 2030”.   

    Na Agenda estão previstas ações nas áreas de erradicação da pobreza, segurança alimentar, agricultura, saúde, educação, igualdade de gênero, redução das desigualdades, e tantas outras temáticas. Há questões que dependem da ação de  governos  e grandes empresas globais, mas há recomendações também mais específicas, com um olhar voltado  às comunidades e especificidades de cada local do mundo.

    Como surgiram os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável?

    Para responder a essa questão, precisamos primeiramente contextualizar a Agenda 2030. Ela  surgiu de um processo global participativo de mais de dois anos, iniciado em 2013 e coordenado pela ONU, no qual governos, sociedade civil, iniciativa privada e instituições de pesquisa contribuíram através da Plataforma ‘My World’. 

    Sua implementação teve início em janeiro de 2016, dando continuidade à Agenda de Desenvolvimento do Milênio (2000-2015). Para atingir objetivos tão ousados, o plano de ação foi pensado em quatro frentes principais:

    • A primeira foi a construção de uma declaração, onde foi documentada a visão, os princípios e os compromissos da Agenda 2030. De acordo com a própria ONU “a visão é ambiciosa e transformadora, porque prevê um mundo livre dos problemas atuais, como pobreza, miséria, fome, doença, violência, desigualdades, desemprego, degradação ambiental, esgotamento dos recursos naturais, entre outros.”
    • O segundo passo, foi a criação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Esses 17, citados anteriormente neste artigo, abrangendo as dimensões ambiental, econômica e social do desenvolvimento sustentável.

    Até aqui, parece semelhante ao que se espera de ações de impacto social positivo por parte dos diferentes atores sociais, não? Seguindo:

    O terceiro passo do plano foca no acompanhamento e avaliação da Agenda 2030, “fundamentais para a sua implementação e deverão ser feitos sistematicamente nos níveis global, regional e nacional”, de acordo com o documento. Por fim, o quarto ponto prevê a implementação desses objetivos e, para tal, definiu metas que tratam dos meios necessários para a execução da Agenda. Coincidentemente, são os mesmos previstos no Objetivo 17, dos ODS. 

    Saiba mais: como medir o impacto de projetos socioambientais?

    Quais são os ODS?

    De acordo com a descrição da ONU sobre o objetivo principal de cada ODS, ele são: 

    01 – Erradicação da pobreza: acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares.

    02 – Fome zero e agricultura sustentável: acabar com a fome, alcançar a segurança alimentar e melhoria da nutrição e promover a agricultura sustentável.

    03 – Saúde e bem-estar: assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todos, em todas as idades.

    04 – Educação de qualidade: assegurar a educação inclusiva, equitativa e de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos.

    05 – Igualdade de gênero: alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas.

    06 – Água limpa e saneamento: garantir disponibilidade e manejo sustentável da água e saneamento para todos.

    07 – Energia limpa e acessível: garantir acesso à energia barata, confiável, sustentável e renovável para todos.

    08 – Trabalho decente e crescimento econômico: promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, emprego pleno e produtivo, e trabalho decente para todos.

    09 – Indústria, inovação e infraestrutura: construir infraestrutura resiliente, promover a industrialização inclusiva e sustentável, e fomentar a inovação.

    10 – Redução das desigualdades: reduzir as desigualdades dentro dos países e entre eles.

    11 – Cidades e comunidades sustentáveis: tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis.

    12 – Consumo e produção responsáveis: assegurar padrões de produção e de consumo sustentáveis.

    13 – Ação contra a mudança global do clima: tomar medidas urgentes para combater a mudança climática e seus impactos.

    14 – Vida na água: conservação e uso sustentável dos oceanos, dos mares, e dos recursos marinhos para o desenvolvimento sustentável.

    15 – Vida terrestre: proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável as florestas, combater a desertificação, deter e reverter a degradação da Terra e deter a perda da biodiversidade.

    16 – Paz, justiça e instituições eficazes: promover sociedades pacíficas e inclusivas para o desenvolvimento sustentável, proporcionar o acesso à justiça para todos e construir instituições eficazes, responsáveis e inclusivas em todos os níveis.

    17 – Parcerias e meios de implementação: fortalecer os meios de implementação e revitalizar a parceria global para o desenvolvimento sustentável.

    Acessando o site dos objetivos de desenvolvimento no Brasil, você ainda consegue acompanhar o andamento do Brasil em cada um desses objetivos. No objetivo 14, por exemplo, que diz respeito à vida na água, o Brasil de 10 indicadores, conseguiu produzir até o momento apenas 1. 

    ODS e Impacto social, como se relacionam?

    Antes de mais nada, é importante conceituar o que estamos considerando como “impacto social”. Do latim impactus, o impacto é o efeito diretamente atribuível a uma ação ou a consequência de determinado esforço para atingir um fim estabelecido. 

    No contexto de programas, projetos ou investimentos sociais, o impacto é simplesmente o conjunto de mudanças produzidas pela intervenção. Estas mudanças podem ser intencionais e não intencionais, positivas e negativas, diretas e indiretas.

    Sendo assim, é importante compreender que o impacto pode ser mais amplo do que os objetivos declarados de uma intervenção ou negócio, o que afeta seu processo de medição e valoração.

    O que ocorre é que impactos sociais são muitas vezes subjetivos e difíceis de se mensurar. Essa complexidade representa um grande desafio para projetos e negócios sociais, que, na sua maioria, acabam não tendo seus impactos – suas intervenções, ou mudanças –  avaliados.

    Aqui entram os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Oficialmente, os ODS não são uma métrica de avaliação e mensuração de impacto social, entretanto eles ajudam empresas, projetos e organizações a criarem um norte para as ações, considerando esses objetivos e indicadores. 

    No fim do dia, os ODS e o impacto social estão buscando um mesmo fim que é mudar positivamente, de certa forma, a realidade de uma sociedade, melhorando seu dia a dia, vida, sustentabilidade e economia.

    Quer aprofundar-se ainda mais no assunto? Leia “Filantropia e os ODS”, Ebook produzido pela Rockfeller Philanthropy Advisors

    Monitoramento e Avaliação: ferramenta para mensurar e avaliar a efetividade de projetos sociais. Conheça os principais cases de sucesso. 

    Com menos de 8 anos para o fim do prazo da Agenda 2030 da ONU, 70% dos voluntários brasileiros nunca ouviram falar da pauta

    Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021 revela brasileiros engajados com a solução de problemas socioambientais, mas desconhecem os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

    Em 2015, a Organização das Nações Unidas – ONU propôs aos seus países membros uma nova agenda de desenvolvimento sustentável para os 15 anos seguintes, a Agenda 2030, composta pelos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). A Agenda propõe que governos, empresas e sociedade civil façam um esforço conjunto para acabar com a pobreza, proteger o meio ambiente e o clima e garantir que as pessoas, em todos os lugares, possam desfrutar de paz e de prosperidade. No Brasil, os 17 ODS, expressos em 169 metas são acompanhados a partir de 254 indicadores, definidos a partir da realidade do país. 

    Considerando que os ODS, para serem atingidos, precisam da cooperação e do compromisso de diversos atores, e os cidadãos cumprem importante função por meio do voluntariado, a Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021 inclui um questionamento aos voluntários brasileiros a respeito dos Objetivos, verificando se já conheciam a Agenda 2030. 

    No levantamento, 70% dos voluntários ativos no país dizem nunca ter ouvido falar dos ODS. Entre os voluntários com nível superior, o desconhecimento foi menor – 59% – mas longe de ser o ideal. Dentre oito cidades brasileiras, os voluntários de Brasília apresentaram a maior taxa de desconhecimento da pauta, com 79% entre os respondentes. Porto Alegre, foi a capital com a menor taxa: 63% dos voluntários entrevistados afirmando não conhecerem ODS. A pesquisa ao mostrar estes dados faz um convite para as organizações e programas de voluntariado a conectarem suas ações locais com a agenda 2030.

    “A pesquisa reforça o quanto o voluntariado é relevante e como continua a ser uma estratégia importante para promover o desenvolvimento sustentável que atenda a todos. É preciso um esforço para que a agenda 2030 seja conhecida e reconhecida e ainda que os 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável sejam alcançados, sem deixar ninguém para trás”, comenta Silvia Maria Louzã Naccache, coordenadora da Pesquisa em 2021 e que participou das edições anteriores, em 2001 e 2011.

    Entre os voluntários, 86% diz concordar que as atividades voluntárias contribuem para a erradicação da fome e da pobreza e 84% concorda que contribui para a promoção da igualdade de gênero e a autonomia das mulheres no país. “Os voluntários contribuem aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável mesmo sem saber. O dado representa uma oportunidade para trazer esta questão à comunicação e ao acompanhamento dos indicadores, motivando os voluntários a contribuir para a solução dos desafios brasileiros”, indica Felipe Pimenta, consultor da pesquisa 2021. 

    Em sua terceira edição, a Pesquisa Voluntariado no Brasil identificou que 56% da população adulta diz fazer ou já ter feito alguma atividade voluntária na vida. Em 2011, esse número representava 25% da população e, em 2001, apenas 18%. O número de voluntários ativos no momento da pesquisa – 34% dos entrevistados – representa cerca de 57 milhões de brasileiros comprometidos com atividades voluntárias.

    Sobre a Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021

    A pesquisa foi elaborada e coordenada por Silvia Naccache, com apoio dos consultores Kelly Alves do Carmo e Felipe Pimenta de Souza. Sua viabilização teve o suporte de organizações que acreditam na importância do avanço do voluntariado no Brasil e participam dessa rede de apoiadores, Ambev, Bradesco, Fundação Itaú Social, Fundação Telefônica Vivo, Raízen, Sabesp, Sicoob e Suzano. IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social – e Instituto Datafolha assinam a realização. 

    Os resultados completos estão disponíveis em www.pesquisavoluntariado.org.br. É possível baixar um infográfico com os principais resultados da pesquisa, como por exemplo o conhecimento sobre os ODS. 

    Livro Digital sobre Voluntariado no Brasil

    Em junho, será lançado um livro digital celebrando os 20 anos de pesquisa sobre o Voluntariado no Brasil. Nele, artigos sobre o Voluntariado e os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável ganharão um capítulo exclusivo.

    Confira os artigos já publicados sobre a temática.

    Seminário ESG e o Investimento Social Privado promove manhã de debates e palestras com foco no pilar Social

    Com um público de 680 pessoas, o seminário apresentou 4 painéis com a participação de especialistas 

    A pauta ESG (sigla para Environmental, Social and Governance, no português, Ambiental, Social e Governança) ganha a cada ano mais espaço entre investidores e empresas. Mas o que vem sendo mensurado de fato? Com detalhes da pauta ainda em definição pelo mundo, estudos apontam uma falta de padrões consistentes, principalmente quando falamos dos aspectos sociais. De acordo com um estudo realizado pelo BNP Paribas, por exemplo, 51% dos investidores consideraram o ‘S’ o mais difícil de analisar e incorporar às estratégias de investimento.

    Pensando nisso, o IDIS – Instituto do Desenvolvimento do Investimento Social promoveu na manhã de 22 de junho, um seminário para debater e aprofundar o assunto. O evento teve como parceiros prata Gerdau e Santander e parceiros bronze Ambev, Bradesco Private Bank e Instituto Órizon.

    Entre os desafios da agenda social, compreendemos que está a compreensão de sua abrangência e a definição de parâmetros e indicadores realmente verdadeiros. Por isso, materialidade, mensuração e integração foram algumas das dimensões que o seminário explorou para abrir o evento logo pela manhã. As demais sessões buscaram iluminar zonas cinzentas e caminhos incertos com exemplos inspiradores de empresas que iniciaram essa jornada. Mais que histórias de conquistas são relatos de aprendizados e de uma certa dose de ousadia.

    Parâmetros e Indicadores “S”: Materialidade, Mensuração e Integração

    Uma pesquisa da BNP Paribas revelou que 51% dos investidores consultados consideraram o ‘S’ o mais difícil de analisar e incorporar às estratégias de investimento. Neste contexto, investidores e empresas têm intensificado seus esforços na busca de soluções para preencher as lacunas ao medir e integrar o “S” às suas decisões de investimento. Dentre os principais desafios, tem-se a forma como se apresentam os relatórios atualmente (conformidades e processos ao invés de efetividade), o volume e inconsistência dos padrões e métricas e a natureza qualitativa de muitas das avaliações sociais.

    Para debater o assunto, o IDIS convidou Eduardo Alves (Sócio na PwC); Fabio Alperowitch (Co-fundador da FAMA Investimentos); Fernanda Camargo (Sócia fundadora da Wright Capital) moderados por Marcos Kawakami (Especialista ESG na BNP Paribas). Confira abaixo, a palestra na íntegra

     

    Protocolo ESG Brasileiro: Pacto pela equidade Racial  

    Seguindo a manhã de palestras, o Seminário abordou as questões raciais e como elas se conectam à agenda ESG.

    Existe uma demanda pela definição de padrões e indicadores que reflitam a realidade local. Um bom exemplo de solução para este desafio é proposto pelo Pacto de Promoção da Equidade Racial, uma iniciativa da sociedade civil que propõe implementar um Protocolo ESG Racial para o Brasil. A articulação da sociedade civil tem se mostrado importante para a construção de agendas que reflitam a realidade nacional e subsidiem investidores com parâmetros e indicadores sociais que os apoiem na avaliação de riscos e criação de valor das empresas.

    Compondo esse importante debate, estiveram Gilberto Carvalho (Dir. Executivo do Pacto de Promoção da Equidade Racial e do J.P Morgan BR), Carla Crippa (VP de Impacto Positivo e Relações Corporativas da Ambev) e Adriana Barbosa (CEO Pretahub e Presidente do Instituto Feira Preta). Abaixo, a palestra completa:

    ISP e ESG: alinhamento dos negócios com a pauta social 

    Outra dor relacionada à pauta ESG diz respeito ao alinhamento dos negócios, seus investimentos sociais privados às métricas que exigem o mercado financeiro para avaliar o ESG.  Compreendendo que a agenda ESG é uma grande oportunidade para repensar a maneira como as empresas planejam e alocam o seu investimento social levando em conta sua capacidade de promover transformações sociais e o alinhamento com o negócio.

    A mudança de chave acontecerá quando essa questão for elevada à estratégia das organizações. Empresas terão que agir de maneira proativa e colaborativa, demonstrando para a sociedade e investidores seu comprometimento, com transparência e materialidade de suas ações sociais.

    Representantes de empresas e institutos que já vem olhando para o assunto, participaram do painel – Daniela Grelin (Diretora Executiva do Instituto Avon), Giuliana Ortega (Dir. de Sustentabilidade na RaiaDrogasil) e Renata Biselli (Head de Impacto Social no Santander), moderadora da mesa.

     

    Finanças híbridas e ESG 

    E fechando a manhã de discussões, a mesa de finanças híbridas trouxe à luz os debates sobre novas formas de filantropia e como elas se relacionam ao ESG

    A criação de veículos financeiros, como Fundos Filantrópicos e Blended Finance, também tem se mostrado um caminho potente para viabilizar projetos de impacto que demandam capital paciente e envolvem diversos grupos de stakeholders. Nesta trajetória, devem envolver as OSCs e, mais do que isso, aprender com elas. Devem colaborar para o desenvolvimento de projetos e criar linhas de investimento direto, pois as OSCs podem ter mais influência e capacidade de execução e transformação junto aos beneficiários que as empresas.

    Tudo isso, apresentado por Carolina Costa (Sócia e Head de Investimentos Blended Finance da Mauá Capital); Paulo Boneff (Head Global de Resp. Social na Gerdau) e Roberto Leuzinger (Conselheiro do Instituto Órizon e Responsável por ESG na Vinci Partners) moderados pelo Diretor de projetos do IDIS, Renato Rebelo.

     

    Para saber um pouco mais sobre nossos parceiros e apoiadores do evento, clique aqui para baixar a brochura do evento.

     

    Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e o Voluntariado Empresarial

    Por Rafael Medeiros, graduado em Relações Internacionais e mestre em Filosofia. Trabalhou com voluntariado e ativismo entre 2013 e 2021. Atualmente é Head de Pessoas & Cultura na Rede Brasil do Pacto Global.

    Tornar-se voluntário é uma decisão pessoal importante. Ela é motivada pelo desejo de apoiar causas e cuidar de outras pessoas, nas mais variadas situações. Esse desejo surge quando uma pessoa se sente intimamente ligada à causa de alguém ou de uma instituição. E, assim, se disponibiliza para contribuir com seu tempo e talento. Historicamente, foi por meio da filantropia que o voluntariado surgiu. No Brasil, seria impossível contar a história das Santas Casas sem falar do papel do voluntariado no apoio ao cuidado das pessoas vulneráveis. 

    Nos anos 2000, o voluntariado ganhou novas modalidades. Tornou-se parte da estratégia de instituições globais, governos e empresas privadas. A necessidade de um planeta sustentável produziu um novo contexto cultural, econômico e político. O voluntariado deu um passo à frente: para além da filantropia, passou a ser considerado um meio de implementação da sustentabilidade no mundo. 

    Em 2015, países e empresas se comprometeram com os ODS – Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Eles formam a Agenda 2030, uma política global baseada no voluntarismo de chefes de Estado e de governo, juntamente com empresas e ONGs, para realizar impacto social mensurável em diversas áreas: desde a redução da pobreza, equidade de gênero, passando pelas questões climáticas e de anticorrupção. No componente de pessoas dessa política global, o voluntariado é altamente estratégico.

    O desafio de ser um meio de implementação da Agenda 2030 é grande. Traz aos programas de voluntariado a necessidade de estarem alinhados com o maior valor social possível, contribuindo com os ODS de forma tática. Em outras palavras: significa direcionar o voluntariado para impactar as metas certas, de maior impacto.

    As empresas têm um papel fundamental nesse desafio. A pandemia da covid-19 pressionou os números da pobreza, da desigualdade e da injustiça no mundo. E também mostrou a fragilidade de sistemas políticos para lidar, ao mesmo tempo, com a vulnerabilidade da vida e a manutenção de direitos democráticos. No Brasil, as empresas recuperaram a força da filantropia no auge da pandemia, realizando doações em larga escala e colaborando com ONGs localmente. Muitos programas de voluntariado corporativo se adaptaram, continuando suas atividades em diversas comunidades. 

    Esse episódio demonstrou que as empresas possuem alta capacidade de acelerar impactos sociais em momentos de crise. Essa capacidade de aceleração deve estar à serviço da Agenda 2030, mesmo depois da pandemia. O voluntariado corporativo é um meio disponível para essa aceleração, um implementador do componente social do negócio. 

    Em 2022, o melhor dos mundos, literalmente falando, será com as organizações se comprometendo publicamente com metas ODS mais ambiciosas, já que a pandemia piorou o contexto socioambiental no Brasil e no mundo.

    A escolha por um ODS é pautada na capacidade de medir o resultado que importa, isto é, escolher o ODS certo, e saber como impactar a partir do core business. Já que as organizações investem cada vez mais em programas de voluntariado corporativo, cada vez mais robustos, com pessoas capacitadas para mobilizar outras, assim como estratégias e metas permanentes, por meio desses programas totalmente alinhados, teremos empresas e pessoas que podem acelerar e impactar positivamente a Agenda 2030.

    Os Movimentos de voluntariado pelos ODS

    Por Camile Rebeca Bruns, coordenadora Voluntária de Mobilização do Movimento Nacional ODS Santa Catarina, mestranda em Administração, especialista em Responsabilidade Social Empresarial e graduada em Serviço Social.

    Começo esse texto refletindo sobre ’O que é ser voluntário?’. Se procurarmos no Google, vamos encontrar a seguinte definição: que não é forçado, que só depende da vontade; espontâneo; que se pode optar por fazer ou não”. Para mim, voluntária do ODS – Movimento Nacional Objetivos de Desenvolvimento Sustentável Santa Catarina há 13 anos, ser voluntária é mais do que essa definição básica. É uma escolha, é comprometimento, uma forma de entregar meu melhor tempo para um bem comum, capacidade de entregar meu trabalho gratuito numa causa na qual eu acredito. Uma forma de inspirar pessoas e organizações em prol de uma causa que transforma vidas e o planeta. Ser voluntário é doar e receber. 

    Neste Movimento, somos mais de 1.000 voluntários, que estão juntos contribuindo para o alcance dos ODS – Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, definidos na Assembleia Geral da ONU – Organização das Nações Unidas, em 2015, para serem atendidos até 2030 a fim de contribuir com um planeta melhor para se viver. Nesta agenda, o trabalho voluntário é primordial, pois é por meio das pessoas que conseguimos inspirar outras pessoas que estão à frente de organizações e empresas a atuarem em prol desses objetivos. 

    Porém, não é fácil envolver o voluntariado em uma agenda tão complexa como esta. Um dos grandes desafios está nas pessoas entenderem que não apenas as empresas e organizações possuem objetivos para atuarem, mas também nós, como indivíduos e inseridos em uma comunidade, temos como impactar nas metas a partir das nossas ações mais simples, como manter um consumo mais consciente no nosso dia a dia ou agir com ética diante de qualquer situação cotidiana. Contagiar positivamente as pessoas que moram, que trabalham conosco ou que convivem diariamente a conhecerem os ODS e agirem de forma a contribuir cada vez mais com as metas dessa Agenda.

    Manter o engajamento dos voluntários também é desafiador. Diante da realidade do Movimento ao qual participo, há também dificuldades em capacitar e desenvolver lideranças voluntárias que queiram atuar inspirando pessoas e organizações para um mundo mais sustentável.

    Mas podemos perceber que os acontecimentos dos últimos tempos impactaram de forma positiva e também negativamente a Agenda 2030. Do ponto de vista negativo, estamos vivenciando situações que afetaram a saúde da população, eventos climáticos que aumentaram ainda mais a situação de vulnerabilidade das pessoas, impactando nos desastres e insegurança alimentar e hídrica, dentre tantas outras questões que se agravam todos os dias. Positivamente, do ponto de vista da mobilização da sociedade em prol das questões socioambientais, participando mais ativamente de espaços de controle social, sendo voz mais ativa para os temas. 

    Se analisarmos a situação de pandemia vivenciada desde o início de 2020, o trabalho voluntário foi essencial para muitas pessoas na garantia de alimentação diante de doações mobilizadas por voluntários, deslocamento, apoio psicológico entre outras questões relevantes. Tivemos diversos exemplos de empresas mobilizando voluntários e impactando positivamente nas comunidades onde estavam inseridas, realizando parcerias com organizações locais e identificando as urgências daquela população nas quais as propostas de soluções a empresa e seus colaboradores poderiam se envolver. 

    A sociedade vem cobrando uma atuação mais socialmente responsável das empresas e os ODS são uma ferramenta poderosa para mobilizar recursos a fim de maximizar os impactos positivos e minimizar os impactos negativos. Considerar uma atuação em prol dos ODS é não deixar de considerar que ele é trilhado por pessoas e para pessoas e, sendo assim, é um caminho para todos. 

    A Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021, em sua terceira edição, legitima o trabalho de milhares de voluntários na construção de um Brasil melhor, tanto no presente, quanto para as gerações futuras.

    Este artigo integra uma série de conteúdos escritos à convite dos realizadores da Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021, com intuito de analisar e enriquecer os achados do estudo. Não nos responsabilizamos pelas opiniões e conclusões aqui expressadas.

    Projeto promove engajamento cidadão junto a professores e alunos de escolas públicas de SP

    Instigados pelos desafios impostos pela situação de pandemia de Covid-19 no ambiente escolar, o projeto Engajamento Coletivo, realizado pelo IDIS em parceria com a Eu Ensino/Curiós, promoveu conteúdos e atividades junto a professores e alunos de duas escolas públicas da cidade de São Paulo. Participaram 43 educadores, que recebram formação específica para promover o engajamento coletivo e a cidania junto aos alunos.

    O conteúdo foi dividido em 4 módulos: “Ferramentas de apoio ao presencial”; “Habilidades socioemocionais”; “Responsabilidade e Cidadania” e “Projeto de Engajamento Coletivo”. O programa incluiu 30 encontros online síncronos, com mais de 37 horas de formação. Além disso, foram disponibilizadas 72 aulas assíncronas, entregues 12 capítulos instrutivos aos educadores.

    As escolas participantes fazem parte da rede da Secretaria Municipal de Educação da cidade de São Paulo de Ensino Fundamental – Professor Fernando de Azevedo e Escola Municipal de Ensino Fundamental Arquiteto Luis Saia, localizadas na região de São Miguel, Zona Leste de São Paulo.

    A metodologia escolhida contribuir também para ampliar as ferramentas dos professores no ensino híbrido, além de trablahar habilidades socioemocionais e temáticas de cidadania, compartilhadas em encontros online em parceria com a Secretaria Municipal da cidade de São Paulo e a consultoria Eu Ensino/Curiós.

    Esta etapa foi concluída, com excelente percepção dos participantes. A segunda parte do projeto será realizada durante o mês de junho, encerrando o ciclo de atividades. A partir de agora, as escolas colocarão em prática o planejamento realizado no módulo 4 e, junto aos alunos, farão uma atividade relacionada a algum dos ODS – Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

     

    Histórico do projeto

    O projeto de Engajamento Coletivo, realizado pelo IDIS, foi concebido com o propósito de desenvolver jovens e educadores em competências e habilidades para se envolverem em mudanças positivas na vida social e política em prol de melhorias no território de forma solidária, corresponsável e cidadã, contribuindo para o avanço da cultura de doação no país.

    Implementado em 2019 em duas escolas estaduais de São Paulo, ainda em caráter piloto, precisou ser interrompido quando a pandemia impossibilitou atividades presenciais a partir de março de 2020. Remodelado, retomou as atividades com 43 professores de forma virtual e com novos parceiros após esse tempo de hiato.

    O objetivo do projeto, então, passou a ser preparar os educadores (professores e coordenadores pedagógicos) para pautas ligadas ao engajamento coletivo, com base na competência 10 – Responsabilidade e Cidadania, da Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

    IDIS tem projeto de advocacy contemplado por edital internacional da WINGS

    Há décadas os Fundos Patrimoniais têm se mostrado um mecanismo de uso crescente e exitoso para a mobilização de recursos que apoiem causas de impacto social positivo em diversos países. Tais iniciativas contribuem, assim, para um setor filantropo muito mais forte e estruturado, alcançando, dessa forma, resultados e recursos cada vez mais relevantes. Recentemente, o IDIS foi selecionado para uma bolsa em um desses fundos como instituição representante no Brasil.

     

    Em todo o mundo, países enfrentam dificuldades para atingir o potencial da filantropia. Entre as razões, questões tributárias, regulatórias, ameaças à liberdade de expressão e até a falta de articulação entre atores do ecossistema. Com o objetivo de abrir estes caminhos, a WINGS, organização que fomenta o desenvolvimento da filantropia ao redor do mundo, criou o projeto “Unlocking Philanthropy’s Potential: Enhancing the Enabling Environment, Effectiveness and Leveraging the Contributions of Philanthropy Actors’, em português ‘Desbloqueando o potencial da filantropia: aprimorando o ambiente propício, a eficácia e alavancando as contribuições dos atores filantrópicos’, com financiamento da União Europeia.

     

    De acordo com a organização, ao alavancar recursos para esta causa, contribui não só para que a sociedade civil possa prosperar, mas também para o cumprimento dos ODS – Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, especialmente no Sul global.

     

    O ‘WINGS Enabling Environment Fund for Philanthropy’ é quem integra esta iniciativa. Por meio do fundo, a organização selecionou projetos de onze organizações em diferentes países. A ação de advocacy pelos Fundos Patrimoniais Filantrópicos do IDIS foi uma das contempladas. Com o recurso, seguiremos na liderança da Coalizão pelos Fundos Filantrópicos, grupo multisetorial composto por mais de 70 signatários, entre organizações, empresas e indivíduos, e avançaremos na agenda de incidência.

     

    O valor recebido contribuirá também para a produção de conhecimento, com destaque para a publicação ‘Panorama dos Fundos Patrimoniais no Brasil’, levantamento inédito sobre os endowments ativos no país.

     

    No Brasil, também foi selecionada uma ação da ABCR – Associação Brasileira dos Captadores de Recursos para a promoção de um ambiente fiscal mais favorável às organizações da sociedade civil.

    Conheça no site da WINGS os demais vencedores.

     

    Mais sobre Fundos Patrimoniais

    Acesse mais conteúdos nesta temática produzidos pelo IDIS aqui.

    Caso queira saber mais sobre fundos patrimoniais ou queria conhecer nossos serviços, envie um e-mail para comunicacao@idis.org.br.

    Desafios da colaboração entre empreendedores sociais

    Agenda comum, liderança e diálogo são pontos fundamentais para ONGs e negócios sociais ajudarem a atingir objetivos da ONU

     

    Vivemos em uma sociedade desigual e que coloca em risco a sobrevivência dos seres que aqui habitam. Precisamos repensar o consumo e nossas relações humanas e organizacionais.

    Este anseio pode ser endereçado se trabalharmos pelos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), movimento liderado pela ONU para acabar com a pobreza, proteger o meio ambiente e garantir que as pessoas desfrutem de paz e de prosperidade.

    Mas precisamos atuar já e juntos, para que esses objetivos sejam atingidos em 2030, e não em 2093, como se projeta se continuarmos a agir da mesma maneira.

    Em um momento em que desafios foram acentuados pela pandemia, a polarização e crise de confiança nas instituições dificultam a união em torno de agendas prioritárias. Por isso, a colaboração se torna ainda mais vital.

    Para promover a colaboração e catalisar condições para acelerar a implantação dos ODS, surge o movimento Catalyst 2030 no mundo, que conta com um capítulo brasileiro.

    O movimento acredita que um caminho promissor é a colaboração entre empreendedores sociais, ou seja, líderes de ONGs e negócios de impacto.

    Contudo, apesar do alinhamento de propósito para a geração de impactos socioambientais destes líderes, é preciso reconhecer alguns desafios que devem ser superados para que a colaboração potencialize os atributos de diferentes visões em projetos conjuntos.

    ONGs e negócios de impacto podem apresentar ritmos, repertórios e competências diversas. Desta forma, as capacidades operacionais precisam ser compreendidas em suas especificidades, e as prioridades bem estruturadas. Diferenças metodológicas e processuais precisam ser equalizadas no processo colaborativo.

    Neste tipo de arranjo, há que se observar ainda a governança da colaboração, evitando conflitos de interlocução, e as diferentes abordagens comunicacionais, cuidando para que o projeto tenha uma voz própria que represente, de forma colaborativa, o conjunto das iniciativas realizadoras.

    E, por fim, o desafio do financiamento, comum a quaisquer empreendedores sociais, pode se tornar uma oportunidade de ampliação das possibilidades, uma vez que ONGs e negócios sociais podem acessar uma maior diversidade de fontes.

    Somente unindo forças nesse momento de reconstrução do mundo e das organizações é que podemos encontrar uma saída para que consigamos atingir os ODS em colaboração.

    A implementação dos ODS alinhados com a estratégia não somente nos fortalece para resolvermos os problemas socioambientais mais rapidamente no mundo, mas também intensifica a relação entre todos os setores através da comunicação de uma linguagem comum e global.

    Também promove inovação no desenvolvimento de soluções socioambientais, favorece a atração de novos talentos comprometidos com a causa e de investimentos a longo prazo.

    Na prática, estabelecer agendas de colaboração entre ONGs e negócios de impacto para promover impacto coordenado e sustentável depende de uma visão ampla sobre pontos de atenção que não podem ser deixados de lado.

    AGENDA COMUM

    É fundamental que haja clareza sobre as ODS que busca atingir, e a estratégia que será utilizada em torno disso se aproveitando das fortalezas de cada iniciativa envolvida. Muitas vezes, uma boa discussão sobre o plano de trabalho antecipa problemas em momentos futuros.

    LIDERANÇA E COLABORAÇÃO

    A governança da colaboração precisa estar alinhada e estruturada: a interlocução deve ser única e o fluxo interno de conhecimento deve escoar na direção correta, evitando uma descentralização que prejudique o resultado.

    Os times devem ter claras as maneiras de interagir entre si, e o ritmo de trabalho deve respeitar as limitações e possibilidades de todos os envolvidos.

    ESCUTA E DIÁLOGO

    Nada mais importante em processos de colaboração do que a oportunidade de se aprender com experiências diversas. ONGs e negócios de impacto trazem repertórios complementares que, unidos, podem gerar soluções poderosas –e nesse contexto, a escuta e a troca se tornam ferramentas poderosas para o sucesso da colaboração.

     

    Por Larissa Gurjão (SIB Impact), Paula Brandão (Baluarte Cultura), Paula Fabiani (IDIS) e Rodrigo Pipponzi (MOL)

    Este artigo foi publicado originalmente pela Folha de São Paulo.

    IDIS participa da segunda edição do Catalysing Change Week

    Catalyst 2030, o movimento global que reúne empreendedores de impacto e ativistas sociais que estão na linha de frente para a implantação do 17 ODS, até 2030, vão promover a segunda edição do Catalysing Change Week, entre os dias 3 e 7 de maio.

    A Catalysing Change Week – 2021 será composta de 85 sessões on-line, ao longo de cinco dias, permitindo a adequação do fuso horário dos participantes em quase todos os continentes. Entre os participantes e mestres de cerimônia estarão os finalistas e os vencedores do Catalyst 2030 Award, além de ativistas de diversos cantos do planeta.

    Além de palestras internacionais, haverá também representantes do Brasil também estará presente. No dia 5 de maio, às 10h, Paula Fabiani, CEO do IDIS, participará da mesa Financiadores Colaborando de Forma Eficaz junto de José Luiz Egydio Setúbal (Fundação José Luiz Egydio Setúbal) e Patricia Villela Marino (Humanitas 360). O encontro será sobre como doadores podem trabalhar em colaboração no cumprimento dos ODS. Inscreva-se em: bit.ly/idischangeweek

     

    Para falar sobre Economia Inclusiva: garantindo oportunidades para todos, com geração de renda, acesso e inclusão social, participarão em outra mesa Caroline Carpenedo (Gerdau), Marcelo Cardoso (Instituto Integral Brasil), David de Aquino Filho,Sergio Serapião (Labora) e Fernanda Zemel (Labora). O encontro acontecerá no dia 6 de maio às 13h30.

    Onde estão as pessoas nos ODS? Será outra mesa em português com participação de Danielle Almeida (TBC), Adriana Barbosa (Insituto Feira Preta) e Mozana Amorim.

    “Durante a Catalysing Chance Week – 2021, reuniremos especialistas, empreendedores de impacto, ativistas das causas sociais, representantes do legislativo e de governos para troca de experiências. Nosso objetivo é que a partir desses encontros seja possível estreitar laços e fomentar um ambiente de cooperação entre países, regiões e os mais diversos setores da sociedade,” diz Jeroo Billimoria, porta-voz e uma das cofundadoras do Movimento Catalyst.

    As sessões estão divididas em três temas:

     

    CONECTAR – O cerne de nossa Teoria  de Mudança prevê que atuemos como conectores entre os diversos integrantes dos ecossistemas dos quais fazemos parte. Nosso objetivo é criar um ambiente que propicie a colaboração e leve à cocriação de iniciativas destinadas a dar conta das demandas sociais, ambientais e econômicas de nosso tempo.

     

    CELEBRAR – A celebração é uma forma de nos encorajar, inspirar e reenergizar sobre a relevância de nosso trabalho e o engajamento de cada um. A partir da disseminação de boas práticas e iniciativas exitosas, podemos gerar um efeito cascata positivo em outros agentes sociais interessados em arregaçar as mangas e se engajar neste trabalho.

     

    ACELERAR – Ao colocarmos lado a lado stakeholders de diversos segmentos sociais, esperamos que eles acabem funcionando como indutores de mudanças em políticas sociais. Para isso não podemos abrir mão do engajamento de gestores públicos, nem de legisladores. Afinal, como destacado em diversos documentos e relatórios (Embracing Complexity, Getting from Crisis to Systems Change and New Allies), o suporte dos agentes sociais ao setor público é a chave para que consigamos implantar todas as iniciativas previstas nos 17 ODSs em nível local, nacional e global.

     

    No âmbito da Catalysing Change Week – 2021 esperamos atingir seis objetivos:

     

    1. Celebrar iniciativas que possam se tornar modelo de ação

    2. Construir compromissos em torno de mudanças nas políticas públicas

    3. Apresentar exemplos práticos de iniciativas capazes de serem replicadas

    4. Trazer mais vozes ao centro do debate

    5. Acelerar os esforços para o cumprimento da Agenda 2030

    6. Trocar experiências entre os participantes e fortalecer nossa interação e capacidade de luta

     

    A inscrição para a Catalysing Change Week – 2021 é gratuita.

    Para mais informações, visite o site https://catalyst2030.net/ccwsessions/

     

    Sobre o Catalyst 2030

    Catalyst 2030 é um movimento global de empreendedores sociais e inovadores de diferentes setores que reuniram esforços para criar iniciativas destinadas a engajar os diversos atores da sociedade civil na implementação dos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável 2030 (ODS).

    Lançado em janeiro de 2020, durante o Fórum Econômico Mundial, o Catalyst 2030 reúne mais de 500 empreendedores sociais, cujo trabalho impacta diretamente cerca de 2 bilhões de pessoas em 180 países.

    Acreditamos na força das ações coletivas como um importante instrumento para elaboração de estratégias inovadoras com o objetivo de alcançar as metas previstas nos 17 ODS, até 2030.

    Lançado no Brasil movimento global que reúne empreendedores e inovadores sociais para o atingimento dos ODS

    O capítulo Brasil do Catalyst 2030 foi oficialmente lançado! Em uma reunião virtual com quase 200 empreendedores sociais, organizações da sociedade civil e empresas, foi apresentado o movimento global que busca acelerar o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU. Entre os palestrantes, representantes internacionais e fundadores do movimento no Brasil, que começou a ser articulado ainda em 2019.

    Na primeira parte do encontro, Jeroo Bilioria (One Family Foundation) explicou a origem e importância do Catalyst 2030. Já François Bonnici (Fundação Schwab), destacou o empreendedorismo brasileiro como referência internacional. Anamaria Schindler (Ashoka Brasil) comentou sobre as estratégias e força de redes unidas com um único propósito. José Luiz Setubal, finalista do Catalyst 2030 Awards, contou sobre sua trajetória na filantropia na área da saúde infantil e destacou que acredita “na força transformativa da criança para tornar o mundo melhor”.

    O evento seguiu com uma apresentação dos fundadores brasileiros, que mostraram os pilares de atuação da rede no país, o modelo de governança local bem como estratégias de captação de recursos e de engajamento coletivo.

    Fazem parte do comitê organizador local: Paula Fabiani (IDIS), Gisela Solymos (CREN – Centro de Recuperação e Educação Nutricional), Eliane Trindade (Prêmio Folha Empreendedor Social), Luiza Serpa (Instituto Phi), Nicky Gryczka (Gastromotiva), Raphael Mayer (Simbiose Social), Rodrigo Baggio (Recode), Rodrigo Pipponzi (Instituto Mol e Editora MOL), Valdir Cimino (Associação Viva e Deixe Viver), Wellington Nogueira (Doutores da Alegria), entre outros.

    Além disso, após as apresentações, os participantes foram separados em grupos de até 5 pessoas para terem a chance de apresentar-se e já debater sobre o cumprimento das ODS. Os insights gerados serão insumos para a atuação do Catalyst no Brasil. A partir de agora, interessados em integrar a rede já podem apresentar sua inscrição (http://bit.ly/CatalystBrasil).

    Em um questionário respondido pelos presentes, o principal Objetivo do Desenvolvimento Sustentável a ser perseguido é a redução das desigualdades (ODS 10), seguido por Igualdade de Gênero (ODS 5) e Educação de Qualidade (ODS 4).

    Paula Fabiani destaca: “Ao trazer o Catalyst para o Brasil, criamos um espaço para favorecer a colaboração, a integração entre organizações de diferentes causas e aceleração de mudanças”.

    Como próximos passos, o movimento organizará uma série de encontros virtuais em abril com o objetivo de definir agendas prioritárias e desenhar as primeiras ações concretas no Brasil.

    Assista aqui o evento na íntegra:

    Para inscrever-se, acesse: http://bit.ly/CatalystBrasil.

    Saiba mais aqui: https://catalyst2030.net/

    Pré-lançamento do Catalyst 2030 Brasil acontece durante o Fórum Econômico Mundial

    O enfrentamento aos desafios provocados pela pandemia de Covid-19 em todo o mundo permeou grande parte das conversas do Fórum Econômico Mundial. O evento, que reúne as principais lideranças globais foi realizado exclusivamente online e pode ampliar a agenda e oferecer acesso mais amplo aos debates. Foi neste contexto que a Fundação Schwab, em parceria com a Folha de S.Paulo, incluiu na programação do encontro o pré-lançamento do capítulo Brasil da rede global Catalyst 2030 e o painel “Fomentando o Empreendedorismo Social para a Inclusão Social”. Conduzido pela jornalista Eliane Trindade, responsável pelo projeto Folha Empreendedor Social, reuniu Adriana Barbosa (Feira Preta  e Preta Hub), Eduardo Lyra (Gerando Falcões), Luiza Trajano (Magalu e Mulheres do Brasil) e Patrícia Ellen (Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia do Estado de SP). Ao abrir o debate, Eliane destacou: “Este é um tema mais do que necessário e bem-vindo, tendo em vista que a pandemia exacerbou a desigualdade social no Brasil e no mundo.”.

    Em uma primeira rodada, os convidados destacaram suas ações em resposta à Covid-19 e a relevância do empreendedorismo neste contexto. Adriana Barbosa, que tem um trabalho voltado à população negra e ativa por meio do empreendedorismo, falou sobre o Fundo de Emergências Econômicas. Pensado inicialmente como uma linha de crédito aos empreendedores impactados em 2020, acabou ampliando seu escopo, oferecendo atendimento psicológico e ações voltadas à transformação digital dos empreendedores, como letramento digital e acesso à tecnologia. Edu Lyra, por meio da plataforma de desenvolvimento social ‘Corona no Paredão – Fome Não’, captou mais de R$ 25 milhões para favelas em todo Brasil, atendendo mais de 500 mil pessoas. Também criou iniciativas como o aplicativo de reforço escolar e internet gratuita e microcrédito para empreendedores. “Somando a força da sociedade civil, das ONGs e da iniciativa privada conseguindo ampliar o impacto social, derrubando muros e criando pontes.” comentou. Luiza Trajano, representando o setor privado, destacou seu apoio à pequena e média empresa por meio do grupo Mulheres do Brasil e do Magalu, além da interlocução constante com o Ministério da Economia, Caixa Econômica e Sebrae. Ela diz que fez o que estava ao seu alcance e destacou: “A transformação de um país passa por uma sociedade civil unida. Nunca vi empresários se unirem tanto e participarem ativamente. Eles se deram conta da desigualdade social existente no Brasil desde a época da escravidão.”. Fechando a rodada, a secretária Patrícia Ellen comentou que o Governo do Estado mobilizou mais de R$ 1.8 bilhão de doações –  “Nunca vi uma mobilização solidária tão grande e talvez este seja o legado positivo da pandemia.”

    Para introduzir a segunda rodada, Eliane Trindade afirmou que “A Covid-19 é uma aceleradora de futuros” e perguntou aos participantes – “O que vem agora?” Para Luiza Trajano um de nossos grandes desafios é o combate ao racismo estrutural. Ela contou as críticas que recebeu ao lançar um programa de trainees no Magalu exclusivo para candidatos negros e até um processo judicial teve que enfrentar, mas destacou o sucesso do processo e como a ação quebrou um paradigma para o mundo inteiro. Para Luiza, “a responsabilidade pela igualdade é de toda sociedade”. Adriana Barbosa também destacou a necessidade de uma mudança de paradigma – o empreendedorismo deve deixar de ser uma escolha por necessidade – deve ser encarado como uma oportunidade e associado à qualidade de vida. Patrícia Ellen, seguiu uma linha similar, destacando como o Estado vem buscando facilitar essa transição, fortalecendo o empreendedor por meio de capacitação técnica, apoio na digitalização, acesso a microcrédito, além da desburocratização do processo de abertura de empresas e conclui “Políticas públicas só são bem-sucedidas se funcionam na ponta”. Em sua fala, também trouxe como prioridades o aumento da empregabilidade, com acesso à educação de qualidade, e o fortalecimento do SUS, que durante a pandemia evidenciou sua importância: “Países desenvolvidos não tiveram como atender suas populações e aqui demos um show”. Edu Lyra fechou a rodada apresentando o projeto Redesenho de Favela, que prevê intervenções sistêmicas, fazendo uma integração de políticas públicas, empreendedorismo social e aplicando “ciência de foguete” para combater pobreza. “Essa pode ser a década do combate à desigualdade. É preciso ter coragem para tomar decisões grandes para enfrentar problemas grandes.” completa.

    Assista aqui a íntegra da apresentação:

    Catalyst 2030 – Capítulo Brasil

    A ocasião marcou também o pré-lançamento do Catalyst 2030 – Capítulo Brasil, coalizão global de inovadores sociais para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU. Paula Fabiani, diretora-presidente do IDIS, integra o comitê organizador do grupo localmente, ao lado de outros especialistas como Gisela Solymos (CREN – Centro de Recuperação e Educação Nutricional), Luiza Serpa (Instituto Phi), Nicky Gryczka (Gastromotiva), Raphael Mayer (Simbiose Social), Rodrigo Baggio (Recode), Rodrigo Pipponzi (Instituto Mol e Editora MOL), Valdir Cimino (Associação Viva e Deixe Viver), Wellington Nogueira (Doutores da Alegria), entre outros.

    Os fundadores brasileiros, que acompanharam o debate inicial, e outros interessados em integrar a rede no Brasil, aprofundaram a conversa, desta vez debatendo em grupos menores como os empreendedores sociais podem contribuir para o enfrentamento dos desafios que se apresentam no mundo pós-Covid. Três aspectos emergiram com força:

    Foco

    É necessário criar um plano de ação com focos muito bem definidos a partir da análise das questões prioritários.

    Articulação

    O diálogo entre os três setores deve ser ampliado e a articulação com o poder público é essencial.

    Abordagem sistêmica

    O olhar deve recair sobre o o território, a partir de uma abordagem sistêmica. Educação, saúde, meio ambiente, segurança, ou saneamento básico são questões interligadas e não devem ser trabalhadas isoladamente.

    Colaboração

    Dado que as soluções dependem de ações orquestradas, a colaboração entre empreendedores de diferentes áreas contribuirá para soluções efetivas.

     

    A rede, prevista para ser oficialmente lançada no Brasil em março, deve começar em breve o processo de inscrição. Paula Fabiani destaca: “Ao trazer o Catalyst para o Brasil, criamos um espaço para favorecer a colaboração, a integração entre organizações de diferentes causas e aceleração de mudanças”

    Saiba mais aqui: https://catalyst2030.net/

    Brasil é um dos países com os maiores desafios para atingir os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável

    Social Progress Index 2019 mostra que o mundo não atingirá as metas até 2073 e o Brasil está regredindo ao invés de avançar

    Em 2015, os líderes mundiais presentes na ONU se comprometeram ao plano desafiador de construir um futuro inclusivo e sustentável para as pessoas e para o planeta – os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODSs), uma mudança definitiva na qualidade de vida mundial até 2030. A realidade, no entanto, contraria essa promessa. De acordo com o recém-lançado levantamento do Social Progress Index (Índice de Progresso Social), o mundo não atingirá as metas dos ODSs até, no mínimo, 2073 e o Brasil está regredindo ao invés de avançar.

    A boa notícia do Social Progress Index 2019 – uma mensuração detalhada sobre a verdadeira qualidade de vida das pessoas a partir unicamente de indicadores sociais e ambientais – é que o mundo como um todo está melhorando. Desde 2014, quando o Índice foi lançado, temos visto evolução. Há mais pessoas nas universidades e houve grandes avanços no acesso à informação a partir da maior penetração de telefones celulares. Temos visto melhorias constantes na redução da fome, ganhos na prevenção de doenças e na universalização do acesso à água e saneamento básico. No entanto, o mundo não progrediu em aspectos relacionados à segurança, à educação e questões relacionadas à inclusão estão estagnadas. Mais alarmante ainda, o mundo está retrocedendo no que tange direitos individuais.

    Isso significa que, globalmente, não estamos progredindo rápido o bastante para atingir os ODSs. No ritmo atual, estamos, na melhor hipótese, 43 anos atrasados para atingir as metas para 2030. Se as mudanças climáticas não forem devidamente abordadas, o atraso será ainda maior, ou talvez nem atingiremos as metas. Alguns países, como Nepal e Etiópia, estão conquistando avanços rápidos. Porém, na maioria dos países emergentes como China, Paquistão, Bangladesh, Nigéria e as Filipinas, o progresso está lento demais. Da mesma maneira, boa parte do mundo abastado está progredindo vagarosamente. É vergonhoso como os países que estariam mais próximos de atingir as metas da Agenda 2030 e os que mais tem recursos para isso estejam indo tão mal.

    Os outliers, ou pontos fora da curva, mais significativos, que representam os maiores empecilhos ao desenvolvimento sustentável, são aqueles países que estão regredindo. Apenas quatro estão nesse grupo desvantajoso: Nicarágua e Sudão do Sul, que enfrentam crises políticas profundas e não surpreendem tanto, conjuntamente a Estados Unidos e Brasil. A queda nos rankings de progresso social dos Estados Unidos é nítida desde 2014. Os EUA se posicionam atualmente como apenas 26 no mundo, atrás da República Tcheca e Estônia.

    POSIÇÃO DO BRASIL NO SOCIAL PROGRESS INDEX

    O Brasil ocupa a posição 49 no ranking mundial do Social Progress Index – um pouco atrás da Romênia (45) e um pouco à frente do México (55) e de outros países do BRICS (Rússia ocupa a posição 62, África do Sul, 73, e Índia, 102). No entanto, o que preocupa no Brasil é sua mudança de direção. O Brasil caiu 5 posições desde 2014, enquanto o México, por exemplo, subiu 6 e quase cessa a diferença entre os dois.

    Por que então será que o Brasil presencia uma queda (-0,72) em sua nota no Social Progress Index desde 2014? Os principais fatores são o declínio em Direitos Individuais, desde liberdade de expressão até direitos de propriedade para mulheres, e Inclusão, que considera discriminação contra minorias e baixa equidade de gênero. O Brasil também está estagnado, ou presenciando quedas menores, em questões como segurança, acesso à eletricidade, qualidade na educação e saúde. Os poucos pontos favoráveis estão no avanço ao acesso à água e saneamento, penetração dos telefones celulares e o aumento no ingresso a universidades.

    A retração evidenciada no Brasil em relação ao avanço social é ainda mais entristecedora, pois já foi um dos países que melhor usava seus recursos para servir à população. Mesmo hoje, a 49ª posição no ranking de progresso social do País, excede sua colocação no ranking do PIB, no qual ocupa o 65º lugar. Nas décadas recentes, o Brasil fez um progresso significativo na redução da pobreza e combate à exclusão. O Brasil poderia, e deveria, ser o líder no cumprimento dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável – o mundo hoje precisava desse tipo de liderança.

    __

    Por Michael Green, CEO do Social Progress Imperative. O artigo foi desenvolvido com exclusividade para o IDIS.