A dimensão ética da cidadania e do voluntariado

Por Reinaldo Bulgarelli, educador, consultor, voluntário, professor, palestrante, autor ou coautor de livros em suas áreas de atuação: direitos humanos, sustentabilidade, responsabilidade social, voluntariado, investimento social, diversidade, equidade e inclusão.

Saber quais são as motivações e causas apontadas pelas próprias pessoas voluntárias é um encontro com a diversidade que nos caracteriza como pessoas e a diversidade de motivações e causas que abraçamos. Mas, e o propósito? É também tão plural quanto as motivações e causas? Neste ponto, precisamos refletir sobre o que é voluntariado.

Utilizo como conceito de voluntariado a seguinte ideia: “A pessoa voluntária transcende sua condição cidadã. Em gesto de total liberdade, por vontade própria, por entender que é fundamental para si e para a comunidade, envolve-se numa ação solidária e transformadora. Para alcançar os objetivos a que se propõe, a pessoa voluntária disponibiliza o seu tempo, seus conhecimentos, seus valores, suas habilidades, sua energia, seus recursos financeiros, para pessoas, situações ou causas que tenham total sintonia com o projeto de humanidade expresso na Declaração dos Direitos Humanos e suas atualizações.”

Escrevi isso no início dos anos 2000, quando estávamos realizando um grande esforço para ampliar a cultura de voluntariado no País. Entendo que conseguimos, apesar do muito que falta para sermos mais voluntários, termos mais ações práticas de voluntariado, mais organizações acolhedoras de voluntários e mais qualidade na intervenção na realidade. É outro tema para o qual muitas pessoas se dedicam.

Um divisor de águas no mundo entre antigas práticas de voluntariado e as atuais, no meu entender, foi a combinação planetária que fizemos, como humanidade, no final dos anos 1990. A ONU – Organização das Nações Unidas nos reuniu, pessoas, organizações e estados, para criarmos e colocarmos em prática as Metas do Milênio. Hoje temos os ODS – Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, pensando na construção de uma realidade mais digna para todas as pessoas, sem deixar ninguém para trás, até 2030. Nossas motivações pessoais para o voluntariado, que passam por questões religiosas, políticas, visões de mundo das mais variadas, à esquerda ou à direita, encontram nos ODS algo em comum a ser compartilhado.

Ser voluntário, assim, é agir para além do que é esperado de nossa cidadania, da obrigação que temos no dia a dia, em tudo que somos e fazemos, para que esse projeto de mundo, que tem por base direitos humanos, se concretize nos atuais ODS. A direção é uma só e visa garantir que a vida possa se expressar com dignidade num mundo sustentável. A dimensão ética da cidadania e do voluntariado está dada.

Cidadania é a obrigação de perceber-se parte numa rede de relações interdependentes, praticando, beneficiando-se e ampliando direitos que tornam a coletividade melhor. O voluntariado deve ser também prática de cidadania, apesar de ir além do esperado, por olhar o todo, por fazer a parte, mas de olho no mundo melhor que cada gesto está construindo. Se estamos numa rede de relações interdependentes, voluntariado não age para ’tapar buraco‘, fazer porque outros não fazem, fazer para que outros não façam, tudo isso enquanto o mundo melhor não surge de algum milagre. O voluntariado, quando atua na direção do desenvolvimento sustentável, já é o mundo melhor acontecendo!

Na medida em que as pessoas conseguem se articular em torno de uma agenda comum, algo de diferente já está acontecendo. Antes mesmo de transformar a realidade, as pessoas se transformam ao se unirem em torno do bem comum e na colaboração, sabendo que suas ações estão interligadas e compondo um propósito compartilhado de impactar positivamente o mundo. Transformar transformando-se é o que acontece já no primeiro passo de alguém na direção do mundo, para além do próprio umbigo, do projeto de vida individual, do exercício obrigatório da cidadania em todas as relações e dimensões da vida.

Voluntários são, antes de tudo, pessoas que querem resolver as coisas, tirar problemas do caminho para deixar a vida fluir. E a vida é plural e compartilhada. Raramente, vamos encontrar um voluntariado solitário e silencioso. Mesmo quando individual, não é isolado, desarticulado e a comunicação, não o silêncio, é que gera o senso de pertencimento a algo maior. Se a pobreza e a desigualdade chamam mais a atenção de muitas pessoas voluntárias, motivos não faltam para isso, mas a dimensão ética presente nesta visão de trabalhar pelo desenvolvimento sustentável gera a compreensão de que tudo faz sentido. Atuar no campo ambiental, educacional, da ciência, da saúde, das artes e cultura, com gente pobre ou gente rica, é tudo parte do mesmo esforço para tornar o mundo mais sustentável para todas as pessoas.

Quando um valor pessoal não dialoga com a ideia de um mundo melhor para TODAS as pessoas, contrariando o que está no artigo primeiro da Declaração Universal dos Direitos Humanos – Todas as pessoas nascem livres e iguais em dignidade e direitos – há um problema para essa pessoa que quer ser voluntária. Não há voluntariado que não se comprometa com essa combinação básica, estruturante, que fizemos em 1948. Pode ser qualquer tipo de ação, mas não será voluntariado se não respeitar a vida e, assim, todas as pessoas em sua diversidade tão rica e enriquecedora. 

Se a motivação inicial não levava em consideração um propósito tão maior do que o simples gesto de dar o primeiro passo em direção ao mundo, com certeza o que fará ficar, fazer e, mais que isso, dizer-se uma pessoa voluntária. Veja que as pessoas dizem que SÃO voluntárias e não que fazem voluntariado. É a pluralidade de motivações e causas em torno do propósito maior de promover o desenvolvimento sustentável que torna o voluntariado uma prática tão bonita e essencial para o mundo.

A Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021, em sua terceira edição, legitima o trabalho de milhares de voluntários na construção de um Brasil melhor, tanto no presente, quanto para as gerações futuras.

Este artigo integra uma série de conteúdos escritos à convite dos realizadores da Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021, com intuito de analisar e enriquecer os achados do estudo. Não nos responsabilizamos pelas opiniões e conclusões aqui expressadas.

Os Movimentos de voluntariado pelos ODS

Por Camile Rebeca Bruns, coordenadora Voluntária de Mobilização do Movimento Nacional ODS Santa Catarina, mestranda em Administração, especialista em Responsabilidade Social Empresarial e graduada em Serviço Social.

Começo esse texto refletindo sobre ’O que é ser voluntário?’. Se procurarmos no Google, vamos encontrar a seguinte definição: que não é forçado, que só depende da vontade; espontâneo; que se pode optar por fazer ou não”. Para mim, voluntária do ODS – Movimento Nacional Objetivos de Desenvolvimento Sustentável Santa Catarina há 13 anos, ser voluntária é mais do que essa definição básica. É uma escolha, é comprometimento, uma forma de entregar meu melhor tempo para um bem comum, capacidade de entregar meu trabalho gratuito numa causa na qual eu acredito. Uma forma de inspirar pessoas e organizações em prol de uma causa que transforma vidas e o planeta. Ser voluntário é doar e receber. 

Neste Movimento, somos mais de 1.000 voluntários, que estão juntos contribuindo para o alcance dos ODS – Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, definidos na Assembleia Geral da ONU – Organização das Nações Unidas, em 2015, para serem atendidos até 2030 a fim de contribuir com um planeta melhor para se viver. Nesta agenda, o trabalho voluntário é primordial, pois é por meio das pessoas que conseguimos inspirar outras pessoas que estão à frente de organizações e empresas a atuarem em prol desses objetivos. 

Porém, não é fácil envolver o voluntariado em uma agenda tão complexa como esta. Um dos grandes desafios está nas pessoas entenderem que não apenas as empresas e organizações possuem objetivos para atuarem, mas também nós, como indivíduos e inseridos em uma comunidade, temos como impactar nas metas a partir das nossas ações mais simples, como manter um consumo mais consciente no nosso dia a dia ou agir com ética diante de qualquer situação cotidiana. Contagiar positivamente as pessoas que moram, que trabalham conosco ou que convivem diariamente a conhecerem os ODS e agirem de forma a contribuir cada vez mais com as metas dessa Agenda.

Manter o engajamento dos voluntários também é desafiador. Diante da realidade do Movimento ao qual participo, há também dificuldades em capacitar e desenvolver lideranças voluntárias que queiram atuar inspirando pessoas e organizações para um mundo mais sustentável.

Mas podemos perceber que os acontecimentos dos últimos tempos impactaram de forma positiva e também negativamente a Agenda 2030. Do ponto de vista negativo, estamos vivenciando situações que afetaram a saúde da população, eventos climáticos que aumentaram ainda mais a situação de vulnerabilidade das pessoas, impactando nos desastres e insegurança alimentar e hídrica, dentre tantas outras questões que se agravam todos os dias. Positivamente, do ponto de vista da mobilização da sociedade em prol das questões socioambientais, participando mais ativamente de espaços de controle social, sendo voz mais ativa para os temas. 

Se analisarmos a situação de pandemia vivenciada desde o início de 2020, o trabalho voluntário foi essencial para muitas pessoas na garantia de alimentação diante de doações mobilizadas por voluntários, deslocamento, apoio psicológico entre outras questões relevantes. Tivemos diversos exemplos de empresas mobilizando voluntários e impactando positivamente nas comunidades onde estavam inseridas, realizando parcerias com organizações locais e identificando as urgências daquela população nas quais as propostas de soluções a empresa e seus colaboradores poderiam se envolver. 

A sociedade vem cobrando uma atuação mais socialmente responsável das empresas e os ODS são uma ferramenta poderosa para mobilizar recursos a fim de maximizar os impactos positivos e minimizar os impactos negativos. Considerar uma atuação em prol dos ODS é não deixar de considerar que ele é trilhado por pessoas e para pessoas e, sendo assim, é um caminho para todos. 

A Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021, em sua terceira edição, legitima o trabalho de milhares de voluntários na construção de um Brasil melhor, tanto no presente, quanto para as gerações futuras.

Este artigo integra uma série de conteúdos escritos à convite dos realizadores da Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021, com intuito de analisar e enriquecer os achados do estudo. Não nos responsabilizamos pelas opiniões e conclusões aqui expressadas.

Tutela e emancipação: dois caminhos para o Voluntariado

Por Bruno Barcelos, consultor em projetos nas áreas de ESG – Environmental, Social and Governance (em português Ambiental, Social e Governança), Sustentabilidade, Investimento Social Privado e Voluntariado para iniciativas privadas e públicas do Brasil e Portugal.

O voluntariado cruza-se com vários conceitos, dentre eles a caridade, a assistência, as doações e outros cuja relação aprofundei na minha dissertação de mestrado. Contudo, das palavras que cercam o voluntariado, apenas uma não pode estar de fora: ação. Depois disso, há que se cuidar na relação do voluntariado para fins de tutela ou emancipação dos envolvidos, com a atenção de que a tutela pode ter mais a ver com a manutenção das desigualdades estruturais do que com a sua resolução. 

As bases coloniais influenciaram a constituição conceitual e prática da caridade institucional no Brasil. A revisão historiográfica permite identificar a chegada das ordens religiosas com a finalidade colonial, portando consigo os valores a serem implantados, com ou sem consentimento das populações originais, que de protagonistas do seu território precisaram estabelecer novas relações sociais junto aos viajantes, e identificadas como pessoas assistidas, analfabetas, com necessidade de ensino e catequese, e pobres em moral e cultura, sob o discurso dos que invadiam. 

A pauta civilizadora era tal que, ao buscar fincar no novo mundo uma réplica dos seus modelos de gestão monárquica, eclesiástica e comercial, foi necessário também trazer consigo as irmandades que cuidariam dos efeitos colaterais da sua própria ação: os modelos urbanos e sociais que implementavam à maneira da metrópole, carregavam a pobreza, doenças, a peste, e sistemas desiguais que demandavam a assistência aos vulneráveis e doentes, executadas principalmente pelas Santas Casas de Misericórdia. 

A partir daí, o modelo de assistência social varia conforme os padrões de gestão do Estado, influenciado pelas variações na relação do governo com a igreja. Basicamente, tornava o doador um cidadão virtuoso perante as instituições que integrava, e isso carregou o conceito de voluntariado com características que até hoje vigoram. Sendo a caridade mais ligada à benevolência da igreja e a filantropia à sociedade civil. 

Portanto, o termo caridade, apesar de originalmente significar ’amor‘, cresceu ligado à noção de ’desvalido‘. Ou seja, os atos de caridade, seriam destinados a aqueles que são desprotegidos por ’paternidade‘ – ou paternalismo. E podemos reparar até hoje que a figura do coitado desvalido é tão desempoderada e, ao mesmo tempo, utilitária, que, nessa lógica, aos ricos pedir esmola em sua função ’era‘ considerado virtuoso. Dito isso, a figura utilitária do pobre para salvação dos ricos é uma equação comum na concepção de caridade, e é importante ter isso no radar ao aplicar esse termo: a ação de voluntariado que se pratica coloca doador e recebedor em posição de igualdade ou é um exercício enobrecedor do doador? 

Remetendo a Dilene Nascimento: “a filantropia pode ser explicada, grosso modo, como a laicização da caridade cristã, ocorrida a partir do século XVIII, e que teve nos filósofos das luzes seus maiores propagandistas.” Provavelmente, uma diferença entre esses dois conceitos seja que a filantropia pode conceder ao doador maior protagonismo do seu ato, em relação ao donatário, conferindo utilidade a publicitação das suas obras, para fins de destaque social e intercâmbio de ideias. Felizmente, no Brasil, a Filantropia junto ao Investimento Social Privado evolui para práticas estruturantes que buscam a emancipação e o impacto. 

Por fim, uma palavra transversal aí tem sido a doação, e mais profícuo que problematizá-la é enquadrá-la como ação necessária, pontualmente, como uma ferramenta das relações de voluntariado de continuidade. Com a doação é possível alcançar grandes números de engajamento e benefício, e ela é, muitas vezes, uma porta de entrada para o voluntariado transformador. 

O consenso é que: doação, filantropia, caridade e voluntariado, são termos que coexistem e farão muito se apontarem para uma dinâmica social libertadora. 

Referências:
NASCIMENTO, Dilene Raimundo. Liga Brasileira contra a Tuberculose: um século de luta. Fundação Ataulpho de Paiva — Rio de Janeiro, Quadratim/FAPERJ, 2001, 156p.

O desafio da estruturação dos Programas de Voluntariado

por Clarissa Martins, gerente de Programas Corporativos e Saúde Organizacional na Phomenta, responsável pelo desenvolvimento e implementação de programas de voluntariado corporativo de habilidades (pro bono).

 O voluntariado é uma importante ferramenta para o Terceiro Setor. De acordo com dados da Abong divulgados em 2021, 70% das Organizações Não Governamentais (ONGs) brasileiras atuam quase integralmente com trabalho voluntário. Independentemente do papel que o voluntariado tem na organização, se ele é realizado para tarefas pontuais e específicas ou se ele é o principal vínculo das pessoas com a ONG, uma coisa é certa: a profissionalização da gestão dos programas de voluntariado é uma tendência e já se mostrou essencial para as organizações.

Fato é que estruturar um programa de voluntariado não é fácil. Exige tempo e dedicação da equipe da ONG. Vejo isso como o principal desafio para as organizações. A profissionalização do voluntário acaba sendo mais uma tarefa, dentre tantas outras, que a ONG precisa dar conta de fazer. E, se as organizações do Terceiro Setor já atuam em um contexto de recursos limitados, o cenário fica ainda mais desafiador devido às consequências da covid-19. De acordo com o estudo o Impacto da COVID nas Organizações da Sociedade Civil (OSCs) Brasileiras, da Mobiliza, 65% das ONGs apontam diminuição significativa de acesso a recursos financeiros e 40% delas mencionam estresse e sobrecarga da equipe. 

Apesar do desafio, investir na estruturação de um programa de voluntariado ainda vale a pena e destaco aqui três vantagens: 

  1. Programas de voluntariado atraem e retêm mais pessoas: estruturar um programa exige pensar em toda a jornada do voluntário na ONG, desde como as pessoas ficarão sabendo das vagas até como os voluntários serão acompanhados e reconhecidos. Com isso, a organização passará a ter uma postura ativa na divulgação de vagas e poderá chegar a cada vez mais pessoas. Além disso, com os voluntários sabendo o que se espera deles, para quem reportar, recebendo feedback e sendo envolvidos em ações de integração e reconhecimento, são maiores as chances de que permaneçam na organização por mais tempo. 
  2. Possibilita que o voluntariado seja mais estratégico para a ONG: normalmente relacionamos a atividade voluntária com as ações mais operacionais de uma organização, como fazer hortas, pintar muros e brincar com os beneficiários. Porém, o voluntariado pode ir além e também ser uma fonte de conhecimento especializado em áreas que a organização não tem equipe interna fixa, como, por exemplo, recursos humanos, marketing e gestão de dados. Refletir sobre qual apoio a organização necessita é um excelente exercício para ampliar o campo de visão sobre o quanto o voluntariado pode agregar para as ONGs. 
  3. Maior proteção para a organização: o trabalho voluntário é regulado pela Lei nº 9.608/1998, que define, entre outros aspectos, que se trata de um trabalho não remunerado e que não gera vínculo empregatício. Para a organização estar juridicamente protegida, é necessário que seja firmado, entre voluntário e ONG, um termo que esclareça essa relação. A profissionalização do voluntariado pressupõe que haja uma ou mais pessoas responsáveis por esta gestão e seus processos. Dessa forma, tem-se maior garantia que as exigências legais estão sendo cumpridas dentro da ONG. Ainda que a profissionalização do voluntariado demande tempo e dedicação da ONG, é importante relembrar que o trabalho voluntário é uma forma de se ter mais pessoas atuando nas organizações.

Estruturar um programa exige muito no início, mas pode trazer excelentes resultados no médio e longo prazos. Além disso, vale ressaltar que a estruturação pode ser feita aos poucos, respeitando-se o momento e a disponibilidade da organização.

Referências
https://mobilizaconsultoria.com.br/o-impacto-da-covid-19-sobre-as-oscs-brasileiras/
https://abong.org.br/wp-content/uploads/2021/05/Remuneracao-de-dirigentes-das-OSC.pdf

Voluntários: luzes em tem tempos de escuridão!

Por Ricardo Martins, fundador e presidente da ONG Olhar de Bia e fundador da Rede Conectados do Terceiro Setor, voluntário por missão e vocação. 

Missão ou vocação?  Ser voluntário é atender ao chamado maior que nos coloca para doar o que temos de mais precioso: nosso tempo! Nossas expertises, conhecimentos e a nossa história! Doar o que temos de melhor para outras pessoas ou causas. 

Em tempos de pandemia, nos colocamos na linha de frente sem medo, ou melhor, se o medo existiu fomos com ele mesmo. E de uma forma tão particular formamos e demos musculatura a uma rede de atores, a Conectados do Terceiro Setor. 

De uma maneira muito simples e com informalidade indivíduos e organizações, as INGs (Indivíduos Não Governamentais) e as ONGs (Organizações Não Governamentais) se uniram para ajudar! Algumas organizações bem estruturadas, inclusive na gestão de seus voluntários, mas outras apenas grupos de trabalho, com muita vontade de estar junto, de apoiar e de doar trabalho, tempo e recursos nesses tempos tão desafiadores de pandemia e distanciamento social. Desejo de ser a diferença em um mundo tão indiferente. A rede se formou não estamos sozinhos, reunimos pessoas empáticas, que descruzaram seus braços para fazer o bem!  

Não havia necessidade de formalizar, de assinar compromissos e de medir resultados: eram tempos de realizar, de atender as demandas, de prover e conter as necessidades e os resultados eram sorrisos e agradecimentos. O grupo foi chamado de os doidos do bem! Mas depois foram reconhecidos como luzes em tem tempos de escuridão! Com os Conectados, conseguimos ter na prática que para fazer o bem de fato, não é necessário termos tantas e tantas regras, leis, letramento que, infelizmente, afastam quem quer apoiar e bate à porta para ajudar em tempos de emergências. 

Agora, um novo momento! Construímos uma rede de confiança, pessoas com o mesmo propósito, que, apesar de fazerem o bem por caminhos diversos, seja na educação, na assistência, meio ambiente, sustentabilidade, etc., possuem valores comuns, e ainda o desejo de diminuir desigualdades, trazer qualidade de vida e justiça para todos. É momento de dar condições aos projetos e ao movimento, que estava na informalidade décadas, a profissionalização. A força do voluntariado vai construir isso! São gestores, advogados, contadores, assistentes sociais, publicitários, administradores e mentores que, neste novo tempo, trarão condições de estruturar, por meio de legislações e treinamentos, a melhoria contínua da rede para seguir apresentando e trazendo o melhor para quem necessita, com urgência de ser atendido e acolhido. 

Que a pesquisa do Voluntariado no Brasil perceba que quem vem para o voluntariado, de maneira organizada ou na informalidade, tem a finalidade de cuidar de gente, construir um mundo cada vez melhor! É ouvir sua Vocação, realizar sua Missão, começando sempre pelo AGORA.

A Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021, em sua terceira edição, legitima o trabalho de milhares de voluntários na construção de um Brasil melhor, tanto no presente, quanto para as gerações futuras.

Este artigo integra uma série de conteúdos escritos à convite dos realizadores da Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021, com intuito de analisar e enriquecer os achados do estudo. Não nos responsabilizamos pelas opiniões e conclusões aqui expressadas.

Acesse o site da Pesquisa Voluntariado no Brasil

O Programa Brasil Voluntário da Copa das Confederações e da Copa do Mundo (2013-2014)

Por Thérèse Hofmann Gatti Rodrigues da Costa, doutora em Desenvolvimento Sustentável pelo CDS/UnB, coordenou a etapa de capacitação do Programa Brasil Voluntário do Ministério de Esportes na Copa do Mundo 2014.

Ser voluntário é um ato de mão dupla, pois você doa e recebe na mesma proporção. A pessoa doa o próprio tempo, o conhecimento que tem, a experiência em determinado assunto. E, ao ser voluntário, há ganhos na oportunidade de interagir com outras pessoas, de receber outros conhecimentos e de ter como retorno a vivência de uma nova experiência. Mais do que tudo, ao ser voluntário, cada um tem a satisfação de simplesmente fazer o bem.

Em 2013 e 2014, o Brasil recebeu dois grandes eventos mundiais de futebol, que foram a Copa das Confederações e a Copa do Mundo. Para fazer frente ao grande número de visitantes que o País estimava receber, o governo federal da época organizou ações de voluntariado público para atuar em áreas externas aos estádios de futebol e com ações mais diversificadas, do que se estabeleceu ser o programa de voluntários da FIFA no Brasil. Estando à frente do Decanato de Extensão da Universidade de Brasília, naquele momento recebemos a proposta de ser parceiros do Ministério do Esporte no desafio de organizar a capacitação do programa Brasil Voluntário. 

Apresentamos ao Ministério do Esporte, em conjunto com o Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, um projeto integrado de ensino, pesquisa e extensão para a capacitação dos voluntários. As metodologias desenvolvidas, tanto para a ensino a distância (EAD) quanto para a capacitação presencial, foram inovadoras e inéditas à época. Os projetos propiciaram várias inovações em termos de capacitações em grande escala: ensino a distância, capacitações presenciais simultâneas, logística de organização das atuações, desenvolvimento de material didático sobre o tema, metodologia inovadora e a certificação digital inédita, nos moldes estabelecidos pelo Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI), que foi disponibilizada pela Universidade de Brasília.

O desafio que tivemos ao coordenar a capacitação, primeiro nas seis cidades-sede (Salvador, Brasília, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife e Fortaleza) da Copa das Confederações e depois nas 12 cidades-sede (Belo Horizonte, Brasília, Cuiabá, Curitiba, Fortaleza, Manaus, Natal, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo) da Copa do Mundo, foi de uma complexidade ímpar. A experiência adquirida com estes dois eventos nos habilitou a encarar outros desafios posteriores de forma muito mais serena. 

Tivemos grandes aprendizados e contamos com parcerias inestimáveis das universidades públicas, estaduais e federais de cada uma das cidades-sede. Foram sete universidades parceiras na Copa das Confederações e 17 na Copa do Mundo. Grupos de voluntários ligados a movimentos religiosos somaram-se a nós, sendo também parceiros fundamentais para o sucesso dos eventos. 

Inestimável, e super acertada também, foi a parceria que fizemos com o Corpo de Bombeiros de cada cidade sede. Capitaneados pelos oficiais do Corpo de Bombeiros de Brasília, a atuação na capacitação em primeiros socorros e segurança realizada presencialmente em cada cidade – e que contou com a atuação direta dos oficiais das corporações locais – foi um sucesso total. As capacitações de Ensino a Distância, realizadas no portal Brasil Voluntário em plataforma moodle especialmente, customizada para os eventos e depois as capacitações presenciais, permitiram aos cidadãos uma formação não só para atuar nas Copas, mas para a vida. Nas palavras de vários voluntários, registradas em vídeos ao longo das capacitações, toda a experiência adquirida naquele momento já vislumbrava que poderia ser utilizada para outros momentos da vida deles. 

A idade mínima para participar nos eventos da Copa foi de 18 anos. Tivemos cidadãos das mais diferentes idades, engajados nos eventos. Famílias inteiras se disponibilizando para atuar, pais e filhos fazendo a capacitação em conjunto, foram momentos realmente indescritíveis.

Creio que como um dos legados temos o sentimento de um momento de cidadania plena. Quem foi capacitado para ser voluntário e atuou nas Copas vivenciou uma grande satisfação de poder fazer o bem, de ajudar turistas, de conhecer pessoas diversas nos eventos, de poder mostrar para o mundo que o brasileiro é acolhedor, cordial, honesto, profissional e que ama o país. 

Percebo que houve uma grande e positiva exposição da Lei do Serviço Voluntário. Cito a lei 9.608 de 1998, vigente à época e desconhecida de muitos até aquele momento, que abriu caminho para outras atuações posteriores e para o aprimoramento da legislação sobre o tema.

Apesar de várias tentativas de estigmatizar o voluntário à época, por conta de questões políticas daquele momento, tentando associar o voluntário a um ’otário‘, o que vimos foram milhares de cidadãos conscientes do seu papel e com autoestima muito elevada, rechaçando qualquer pecha que pudesse menosprezar a importância do papel que estavam desempenhando.

A Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021, em sua terceira edição, legitima o trabalho de milhares de voluntários na construção de um Brasil melhor, tanto no presente, quanto para as gerações futuras.

Este artigo integra uma série de conteúdos escritos à convite dos realizadores da Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021, com intuito de analisar e enriquecer os achados do estudo. Não nos responsabilizamos pelas opiniões e conclusões aqui expressadas.

Acesse o site da Pesquisa Voluntariado no Brasil

Os valores humanos da década do voluntariado

Por Maria Elena Pereira Johannpeter, empreendedora social, inovadora e reconhecida por diversas premiações nacionais e internacionais, fundadora da Parceiros Voluntários Rio Grande do Sul e uma das coordenadoras da Década do Voluntariado. 

“Quando estamos conectados com os valores humanos e espirituais, começa uma verdadeira aventura, a satisfação de sermos nós mesmos e de podermos usar nossas aptidões para ajudar outras pessoas. São experiências gratificantes. É isso que nós, os voluntários, fazemos: disponibilizamos nossa energia e aptidões pessoais como um pequeno presente para o mundo e o que recebemos como retorno vai além das palavras.” Flávio Lopes Ribeiro, brasileiro, coordenador do Projeto do Voluntariado da Organização das Nações Unidas (ONU) em El Salvador. 

As celebrações pelo décimo aniversário do Ano Internacional dos Voluntários (AIV+10) culminaram, na Assembleia Geral das Nações Unidas, com o lançamento do primeiro exemplar do Relatório Mundial do Voluntário.

Asha-Rose Migiro, vice-secretária-geral da ONU, em nome do secretário-geral Ban Ki-moon, reconheceu a dedicação dos voluntários e seus esforços para cumprir os objetivos da ONU. “Como a população mundial já ultrapassou os sete bilhões”, declarou, “precisamos estimular o potencial de todas as pessoas para que colaborem com as questões voluntárias”. 

Enfatizando a contribuição do voluntariado para os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio e requerendo pessoas concentradas em uma abordagem holística, na Resolução A/RES/66/67, a Assembleia Geral da ONU estabeleceu o caminho para o futuro do voluntariado. A resolução ressalta a importância da participação de pessoas e de empresas para a obtenção do desenvolvimento sustentável. 

A coordenadora executiva, Flávia Pansieri, declarou que o objetivo principal das celebrações de 2011 foi promover uma mudança: o voluntariado deixou de ser considerado como fator secundário e passou a ser reconhecido como caminho principal.

Na Assembleia Geral da ONU, foi lançado o primeiro documento sobre a situação do voluntariado global, o “Relatório sobre a Situação do Trabalho Voluntário – Universal Values for Global Well-being (Valores Universais para o Bem-estar Global)”. Helen Clark, administradora do Programa de Desenvolvimento da ONU (United Nations Development Program – UNDP), observou que há elos muito fortes entre o voluntariado, a paz e o desenvolvimento humano, os quais ainda não foram amplamente reconhecidos pelos Governos.

Nessa década, é criada a Rede Brasil Voluntário. Os Centros de Voluntariado integrantes da Rede Brasil Voluntário (RBV) eram: Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina, Rio de Janeiro e São Paulo.  A Rede Brasil Voluntário e a Rede Paulista de Centros de Voluntariado se uniram, em 2011, e organizaram, além da Pesquisa, a Conferência Internacional do Voluntariado, tendo como parceiro o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e o Programa de Voluntariado das Nações Unidas (VNU). A Conferência ocorreu em paralelo à feira ONG Brasil 2011 e proporcionou um ambiente de diálogo e articulação intersetorial. Mais de 500 organizações de todos os estados brasileiros e redes de apoio ao voluntariado da Argentina, Colômbia, Peru, Panamá, Chile e Uruguai marcaram presença no evento das comemorações da Década do Voluntariado, em São Paulo.

Certamente, o maior legado foi a Pesquisa Voluntariado no Brasil 2001+10, organizada pela Rede Brasil Voluntário. Realizada pelo IBOPE Inteligência, a pesquisa mostrou que um em cada quatro brasileiros com mais de 16 anos já fez ou faz trabalho voluntário, ou seja, eram cerca de 35 milhões de pessoas em ação. 

As entrevistas foram realizadas com 1.550 voluntários, nas regiões Nordeste, Norte/Centro-Oeste, Sudeste e Sul do país e apontaram que:

  • 25% da população faz ou fez serviço voluntário;
  • A maioria (67%) dos que fazem serviço voluntário trabalha;
  • A dedicação ao serviço voluntário é de 4,6 horas/mês, em média;
  • 39% realizam o serviço voluntário com crianças e adolescentes;
  • 62% dos voluntários usam a internet e 53% participam de redes sociais.

Atualmente, em 2022, o Voluntariado já está implantado na cultura brasileira, tanto no comportamento quanto nas leis brasileiras. Além da Lei 9608/98, que reconhece o Serviço Voluntário, em 2014, a Lei 13.019, criou os instrumentos jurídicos: o Termo de Fomento, o Termo de Colaboração e o Acordo de Colaboração. O Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil (MROSC) veio aperfeiçoar o ambiente jurídico e institucional das OSCs e suas relações e parcerias com o Estado.

A Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021, em sua terceira edição, legitima o trabalho de milhares de voluntários na construção de um Brasil melhor, tanto no presente, quanto para as gerações futuras.

Este artigo integra uma série de conteúdos escritos à convite dos realizadores da Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021, com intuito de analisar e enriquecer os achados do estudo. Não nos responsabilizamos pelas opiniões e conclusões aqui expressadas.

Acesse o site da Pesquisa Voluntariado no Brasil

Santa Casa de Santos e o Voluntariado brasileiro celebram 480 anos

Por Nanci Fernandes Loureiro, Presidente da Associação dos Voluntários Santa Casa de Santos (AVOSC) e Eliana Lopes Feliciano diretora de humanização Santa Casa de Santos.

Braz Cubas, fidalgo português e líder do povoado do porto de São Vicente, posteriormente vila de Santos, auxiliado por outros moradores, iniciou em 1542 a construção da Santa Casa da Misericórdia de Santos, o mais antigo hospital brasileiro, inaugurando-o em novembro de 1543. Braz Cubas chegou com Martim Afonso de Souza nessa missão colonizadora de nosso país; era neto de Nuno Rodrigues, fundador e mantenedor da Santa Casa da Misericórdia do Porto, daí seu empenho na construção do hospital no povoado. 

Tendo prestado quase cinco séculos de assistência, a Santa Casa da Misericórdia de Santos participou de todos os ciclos da história de nossa pátria. Cuidou dos fundadores desta Nação – os navegantes lusos, colonos, nativos e escravos. Atendeu aos bravos bandeirantes e aos pobres condenados. Tratou igualmente de nobres e de vassalos do Império Português e do Brasil Imperial. Serviu ao encontro de heróis da Independência e da Abolição da Escravatura, de tradicionais monarquistas e de inflamados republicanos. Cuida de patrões e de operários, de empregados e de desempregados. Ponto de união entre todos os segmentos da sociedade, é local de encontro de seus membros quando tomados pela dor e pela doença.

A Santa Casa da Misericórdia de Santos serviu para a prática e o ensino da Medicina quase três séculos antes da fundação da primeira Faculdade de Medicina no país. Ciência e muito humanitarismo se praticou em suas enfermarias.

E tem em sua história o marco zero do voluntariado no Brasil: o berço dos primeiros grupos de voluntários, atuantes até hoje, se formalizou com a fundação da AVOSC – Associação de Voluntários da Santa Casa de Santos. Ela foi criada em meio à epidemia de gripe asiática, em 1957, quando a instituição precisou recrutar pessoas para auxiliar nas tarefas que não precisavam de formação profissional devido ao grande número de funcionários afastados, acometidos pela doença. Muitas pessoas de boa vontade atenderam ao apelo.  Assim, teve início a história da AVOSC, cujos voluntários são conhecidos como “amarelinhos”, devido à cor de seus uniformes. Atualmente, o grupo é formado por 92 voluntários, que acolhem os pacientes, suprindo suas carências com o fornecimento de enxovais, materiais de higiene, empréstimos de bengalas, muletas, entre outras necessidades. A AVOSC é a grande parceira nos projetos de humanização hospitalar da Santa Casa de Santos eesde 2002, o voluntariado e a Comissão de Controle de Qualidade do hospital atuam de forma integrada com o objetivo de assegurar índices satisfatórios na prestação dos serviços hospitalares.

Além do apoio nas doações de recursos materiais, os voluntários da AVOSC levam solidariedade e humanismo nas visitas realizadas nas unidades de internação e a meta é proporcionar as condições para o bem-estar do paciente no hospital, pois em muitas circunstâncias apenas uma palavra amiga e o calor humano são o que mais importam.

Neste ano de 2022, o Brasil comemora os seus 200 anos de independência e a Santa Casa de Santos e o Voluntariado brasileiro celebram 480 anos.

A Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021, em sua terceira edição, legitima o trabalho de milhares de voluntários na construção de um Brasil melhor, tanto no presente, quanto para as gerações futuras.

Este artigo integra uma série de conteúdos escritos à convite dos realizadores da Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021, com intuito de analisar e enriquecer os achados do estudo. Não nos responsabilizamos pelas opiniões e conclusões aqui expressadas.

Acesse o site da Pesquisa Voluntariado no Brasil

Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021 é destaque no JN

Representados nos mais diversos segmentos, desde organizações educacionais a instituições que atuam em causas emergenciais humanitárias, eles coordenam campanhas de distribuição de alimentos, resgatam animais, contribuem para mobilizações ligadas à saúde, compartilham seus conhecimentos.

Os voluntários doam seu tempo, energia e talento em prol de causas em que acreditam. São essenciais para que organizações da sociedade civil atinjam suas missões e, durante a pandemia, fizeram a diferença e impactaram positivamente a vida de milhares de pessoas.

No dia 27 de abril, foi lançada a Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021, a terceira edição desse estudo que apresenta um retrato brasileiro do tema, indica tendências e analisa  mudanças. O lançamento contou com a participação ao vivo de mais de 400 pessoas.

No mesmo dia, o estudo foi destaque no Jornal Nacional que chamou a atenção, principalmente aos números e significados do voluntariado empresarial. A coordenadora da pesquisa, Silvia Naccache, entrevistada pelo veículo, comentou, ainda, sobre os dados da pandemia: mesmo com o isolamento social, 47% dos voluntários passaram a fazer mais atividades solidárias.

A pesquisa foi elaborada e coordenada por Silvia Naccache, com apoio dos consultores Kelly Alves do Carmo e Felipe Pimenta de Souza. Sua viabilização teve o suporte de organizações que acreditam na importância do avanço do voluntariado no Brasil e participam dessa rede de apoiadores, Ambev, Bradesco, Fundação Itaú Social, Fundação Telefônica Vivo, Raízen, Sabesp, Sicoob e Suzano. IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social – e Instituto Datafolha assinam a realização.

Os resultados completos estão disponíveis em www.pesquisavoluntariado.org.br.

 

O Voluntariado em 2021: boas notícias em tempos desafiadores

Por Silvia Maria Louzã Naccache, empreendedora social, palestrante, conteudista e consultora na área de Voluntariado, Responsabilidade Social, Desenvolvimento Sustentável e Terceiro Setor. 

Como é bom ser porta voz de boas notícias em tempos tão difíceis e desafiadores!

A boa nova é que em 2021, 34% dos brasileiros, com mais de 16 anos, praticaram o voluntariado!  

No perfil do voluntário há equilíbrio na questão de gênero, 51% mulheres, 48% homens e 1% trouxe outras respostas. A idade média de maior destaque ficou nos 43 anos. 

Voluntários tem o desejo de fazer o bem, gostam de poder impactar positivamente a vida das pessoas e com isso o voluntariado vem sendo percebido e reconhecido como uma experiência transformadora para quem recebe e para quem faz.

Impossível não registrar os aprendizados e os reflexos da pandemia no voluntariado, o apoio aos programas de assistência, a participação nos movimentos de mobilização, o atendimento a novos grupos populacionais, a doação de recursos, a adoção ou ampliação do voluntariado a distância ou online. Na pandemia 47% dos voluntários passaram a fazer mais atividades, a participar e contribuir ainda mais. 

A solidariedade impulsionou 74% das pessoas para as ações de voluntariado. Foi esta a maior motivação: ajudar o outro.  Se por um lado voluntários buscam fazer uma atividade com o propósito ou a causa com que tem forte identificação, o urgente, mobilizou as pessoas para a ação: fome, pobreza e desigualdades. Atender famílias, comunidade e pessoas em situação de rua tiveram destaque entre os públicos beneficiados pelas ações. (36% – o público geral; 35% – famílias e comunidades; 25% – pessoas em situação de rua).

Os voluntários encontram algumas dificuldades em suas atividades tais como, lidar com as pessoas que nem sempre estão verdadeiramente empenhadas em fazer o bem; lidar com as impotências, e demandas que vão além do que conseguem realizar; a frustação com a constância, a fidelização das pessoas ao projeto e ainda, o preconceito com algumas causas e públicos! A informalidade dos programas de voluntariado ainda é uma realidade: apenas 45% dos voluntários tem conhecimento sobre a lei do serviço voluntário no Brasil e apenas 18% assina o termo de adesão ao serviço voluntário. Isso aponta o vasto campo de trabalho para organizações que fomentam o voluntariado inclusive as online: 84% dos voluntários desconhecem as plataformas e sites de promoção ao voluntariado.

Satisfação com a própria atividade voluntária segue alta, mesmo com os desafios enfrentados: no tipo de atividade, no retorno recebido e no apoio para realizar a atividade. A nota teve uma média de 9,1, em uma escala de 0 a 10. 

As menores notas foram por não receberem o apoio financeiro necessário para realizar a ação e ainda a falta de capacitações e formações. 

A pesquisa apontou um conhecimento sobre o que é voluntariado.  Segundo os voluntários, doação de recursos não é voluntariado, mas doadores e voluntários formam uma rede de apoio, se complementam, onde cada um contribui como pode e com o que pode: dinheiro, objetos ou tempo. 

Todos podem ser voluntários! Mas quais são as habilidades necessárias para fazer trabalho voluntário? No voluntariado existe a possibilidade de trazer as habilidades para realizar a ação, mas também por meio das práticas desenvolver talentos. Existe um consenso entre os voluntários:  engajamento, comprometimento e colaboração são essenciais!  

O voluntariado empresarial também nos trouxe a boa notícia! O reconhecimento do seu poder de engajamento para as práticas voluntárias!  15% dos voluntários se mobilizaram pelos programas de voluntariado corporativo.  O voluntariado aparece como parte das boas práticas do ESG/ASG e as empresas ocupando todos os espaços da comunidade.

Ações e omissões desenham o futuro da nossa sociedade! Apoiar uma causa, dedicar-se ao voluntariado é a maior prática de cidadania. O Brasil nunca foi tão desigual! A pesquisa voluntariado no Brasil 2021 mostra que brasileiros não paralisaram. Eles se organizaram e se estruturaram para seguir atuando! 21% passaram a usar ferramentas online para fazer atividades voluntárias durante a pandemia, com destaque para o apoio psicológico, a escuta. 

O voluntário é agente de reconstrução do nosso país! Atua com intencionalidade, empatia, resiliência. Compartilha conhecimento, experiências e expertises. 96% dos voluntários concorda que a atividade voluntária os inspira a ser uma pessoa melhor e 89% concorda que a atividade voluntária é a melhor forma de auxiliar a sociedade.

Unidos e em colaboração vamos construir um país mais justo, igualitário, e por meio da solidariedade e do voluntariado deixar um legado para as gerações futuras.

Dúvidas sobre a pesquisa ou metodologia, procurar por: pesquisavoluntariado2021@gmail.com

 

A Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021, em sua terceira edição, legitima o trabalho de milhares de voluntários na construção de um Brasil melhor, tanto no presente, quanto para as gerações futuras.

Este artigo integra uma série de conteúdos escritos à convite dos realizadores da Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021, com intuito de analisar e enriquecer os achados do estudo. Não nos responsabilizamos pelas opiniões e conclusões aqui expressadas.

Acesse o site da Pesquisa Voluntariado no Brasil

Pesquisa Voluntariado no Brasil 2001: conheça a primeira edição histórica

O voluntariado faz parte da história do Brasil e tem suas raízes em 1543, na fundação da Santa Casa de Santos. Desde então, vem se transformando. As organizações se multiplicaram, a atividade foi regulamentada, empresas passaram a promover programas de voluntariado, a tecnologia permitiu a atuação dos voluntários à distância.

Em 2001, no Ano Internacional do Voluntário, aconteceu a primeira edição da Pesquisa Voluntariado no Brasil. Dez ano depois, foi realizada a segunda pesquisa, celebrando a Década do Voluntário. Seguindo a série histórica, surgem os resultados de 2021, ano profundamente marcado pela pandemia de Covid-19 e pelo fortalecimento da cultura de doação.

A Pesquisa Voluntariado no Brasil apresenta um retrato do engajamento do brasileiro – quem são os voluntários, onde atuam e quais suas motivações.

Baixe aqui os resultados da edição 2001

Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021: acesse o site

Assista também ao evento de lançamento da pesquisa 2021:

 

 

A Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021 é uma realização do IDIS e do Instituto Datafolha. Foi elaborada e coordenada por Silvia Naccache, com apoio dos consultores Kelly Alves do Carmo e Felipe Pimenta de Souza. Sua viabilização teve o suporte de organizações que acreditam na importância do avanço do voluntariado no Brasil, e participam dessa rede de apoiadores, Ambev, Bradesco, Fundação Itaú Social, Fundação Telefônica Vivo, Raízen, Sabesp, Sicoob e Suzano.

 

 

O que os dados nos contam sobre o impacto da pandemia no voluntariado?

Por Pamela Ribeiro, coordenadora de projetos especiais no GIFE e integrante do comitê coordenador do Movimento por uma Cultura de Doação. 

Durante a pandemia do coronavírus, vimos aparecer diversas  pesquisas e estudos no setor social, todos atentos aos impactos da Covid-19, no engajamento cívico de empresas e pessoas em resposta à emergência. E o que esse conjunto de dados nos conta sobre os efeitos da pandemia no engajamento cívico no Brasil? Isso é o que este artigo pretende, pelo menos em partes, responder.

A pesquisa “Brasil Giving Report 2021”, realizada pela Charities Aid Foundation (CAF) e pelo IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social, mostrou uma pequena redução do engajamento cívico em geral do brasileiro durante o primeiro ano de pandemia: as atividades de doação e voluntariado caíram de 78% em 2019 para 72% em 2020. O engajamento com o voluntariado em Organizações da Sociedade Civil (OSCs), que vinha estável no patamar de 43% desde 2017, caiu para 41% em 2020. Já o voluntariado para igrejas ou outras organizações religiosas registrou uma oscilação ainda maior, de 44% em 2019 para 40% em 2020. 

Quando olhamos para o voluntariado corporativo, o cenário não foi muito diferente. Dados da pesquisa “Benchmarking do Investimento Social Corporativo” (BISC 2020)”, da Comunitas, mostram que houve uma queda de 35% no número de colaboradores voluntários em 2020 em relação a 2019. O crescimento no engajamento das empresas observado tanto no Censo GIFE 2020 quanto no BISC 2020, por meio de um aumento expressivo no volume dos investimentos sociais, não foi observado no voluntariado.

Portanto, o primeiro ano de pandemia parece ter sido marcado por uma redução no engajamento dos brasileiros em atividades voluntárias, o que pode ser explicado, de acordo com o BISC 2020, pelo impacto natural que o isolamento social teve em atividades presenciais.

Porém, os dados apontam também para uma ressignificação do engajamento cívico dos brasileiros durante a pandemia. Os dados do BISC 2020 mostram um crescimento na formação de redes de colaboração entre voluntários (de 65% em 2019 para 82% em 2020), no estímulo ao voluntariado digital (de 55% em 2019 para 82% em 2020) e na doação casada funcionário-empresa (de 18% em 2019 para 36% em 2020). A pesquisa “Voluntariado na Educação”, realizada pelo Itaú Social em parceria com o Instituto Datafolha e divulgada em dezembro de 2021, aponta uma tendência semelhante quando mostra que 47% dos respondentes disseram que houve um aumento de doação de alimentos neste período. Aqueles que foram impedidos de se dedicar ao trabalho voluntário presencial, aderiram ao voluntariado digital ou outras formas de doação, como a doação de dinheiro e de bens, como mostram as pesquisas.

O mais recente estudo sobre o tema – Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021 – realizado pelo Instituto Datafolha e pelo IDIS, retrata um cenário um pouco diferente do observado no primeiro ano de pandemia. Segundo a pesquisa, o percentual de pessoas que declararam ter aumentado suas atividades voluntárias (47%) durante a pandemia foi superior ao percentual dos que declararam uma redução (34%). Destes, a maioria (61%) se engajou na distribuição de alimentos, roupas, medicamentos, cestas básicas, livros e brinquedos.

Portanto, o que os dados nos contam é que, apesar de uma retração inicial, os números de voluntariado parecem ter voltado a crescer, mostrando uma tendência de reacomodação da prática, que se concentrou em ambientes virtuais e no enfrentamento aos efeitos mais imediatos da pandemia. Nesse sentido, a pandemia parece ter impulsionado novas formas de engajamento cívico e novas experiências de doação, ampliando as possibilidades e o potencial do voluntariado no Brasil.


Referências:

Brasil Giving Report 2021
Benchmarking do Investimento Social Corporativo (BISC) 2020
Voluntariado na Educação

A Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021, em sua terceira edição, legitima o trabalho de milhares de voluntários na construção de um Brasil melhor, tanto no presente, quanto para as gerações futuras.

Este artigo integra uma série de conteúdos escritos à convite dos realizadores da Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021, com intuito de analisar e enriquecer os achados do estudo. Não nos responsabilizamos pelas opiniões e conclusões aqui expressadas.

Acesse o site da Pesquisa Voluntariado no Brasil

O Futuro do Voluntariado no Brasil: um laboratório de líderes sustentáveis

Por Ricardo Voltolini, fundador e presidente da Ideia Sustentável – Estratégia e Inteligência em Sustentabilidade, com atuação em consultoria, educação e gestão de conhecimento em sustentabilidade, ética, diversidade, governança corporativa, responsabilidade social e investimento social privado.

No final dos anos 1990, quando surgiram os primeiros programas estruturados de voluntariado empresarial no Brasil, houve quem sentenciasse que teriam vida tão breve quanto o movimento de responsabilidade social no qual encontravam abrigo. Entre outras críticas, os céticos da época achavam que não cabia às empresas se “apropriarem” de um ato de vontade dos seus colaboradores (praticado, na maioria das vezes, em horário livre) para turbinar uma imagem de compromisso social. O tempo mostrou que estavam errados. Em duas décadas, o voluntariado nunca deixou de ter espaço na agenda corporativa – isso porque, quando bem conduzido, produz evidentes ganhos para empresas, colaboradores e comunidades.

Os benefícios para as comunidades são largamente conhecidos. O tempo, o dinheiro e o conhecimento de milhares de homens e mulheres, organizados ou não em movimentos de voluntariado empresarial, têm sido força motriz na melhoria da vida de crianças, pessoas com deficiência, adultos analfabetos, populações de baixa renda sem acesso à saúde, educação, trabalho, alimentação e saneamento básico. Constituem reserva de capital humano, intelectual e social de valor inestimável num país marcado por abismos sociais e econômicos. Formam uma rede de apoio, informal mas eficaz, muitas vezes à margem das políticas públicas.

Já os benefícios para os colaboradores tendem a ser menos tangíveis. Variam de pessoa para pessoa. E obedecem à mesma subjetividade que determina suas escolhas e motivações. Orientados por princípios religiosos, de cidadania ou mesmo de autogratificação, os indivíduos que se dedicam à atividade voluntária relatam, em comum, um tipo de retorno emocional que não pode ser mensurado por métricas convencionais de impacto. Ajudar o próximo, no entendimento da maioria dos voluntários, é um modo de conferir sentido à vida, alimentar a alma e buscar um estado de felicidade que só se completa quando se consegue diminuir a dor do outro ou fazê-lo feliz.  

Sobre as benesses para as empresas existe um razoável consenso. Amparada em princípios de solidariedade, altruísmo e cidadania, a ação voluntária equivale a um desejável pulsar de humanidade em organizações que, com o tempo, tornaram-se impessoais e distantes da realidade de suas comunidades. Exercitando-a, as empresas se descobriram mais empáticas. E entenderam, por tabela, que a empatia, além de valor em ascensão no mundo pós-pandemia, ajuda a construir (e fortalecer) vínculos de confiança imprescindíveis para atrair os melhores talentos e ganhar a admiração de clientes em tempos de employer branding e ESG. Empresas são feitas de seres humanos que se mostram mais felizes, integrados e incluídos quando trabalham em organizações humanizadas nas quais se cultua o legítimo interesse pelo bem-estar do outro. Com a crescente mudança nas expectativas das sociedades em relação ao papel das empresas, as pessoas estão mais inclinadas a preferirem se relacionar com corporações íntegras, que pensam e agem como um cidadão decente. Nos dois casos, o voluntariado oferece substrato.

Estou convicto de que, nesse contexto de ascensão do ESG, o voluntariado corporativo – criterioso, bem gerido e integrado à cultura organizacional – pode ser mais do que as empresas enxergam nele. Vejo-o como uma espécie de laboratório de liderança sustentável num tempo em que líderes sustentáveis são, segundo o Fórum Econômico Mundial, fundamentais para conduzir a transição do business as usual para um modelo de empresa mais ética, transparente, e respeitosa em relação às pessoas e ao meio ambiente. A ação voluntária representa um set contemporâneo para o exercício de competências atitudinais esperadas no século 21, como cuidar de pessoas, promover a diversidade e inclusão, agir com ética (fazer o que é certo do jeito certo) e pensar de forma sistêmica e interdependente.

Como já escreveu Peter Senge, os melhores líderes de sustentabilidade estão nas “bordas” e não no centro das organizações. Eles só precisam de um ambiente propício para florescerem.

 

A Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021, em sua terceira edição, legitima o trabalho de milhares de voluntários na construção de um Brasil melhor, tanto no presente, quanto para as gerações futuras.

Este artigo integra uma série de conteúdos escritos à convite dos realizadores da Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021, com intuito de analisar e enriquecer os achados do estudo e não nos responsabilizamos pelas opiniões e conclusões aqui expressadas.

Acesse o site da Pesquisa Voluntariado no Brasil

O Brasil conta com 57 milhões de voluntários ativos, segundo Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021

Realizado pelo IDIS e Datafolha, estudo faz parte de série histórica que traça o panorama de duas décadas de voluntariado no país

Representados nos mais diversos segmentos, desde organizações educacionais a instituições que atuam em causas emergenciais humanitárias, eles coordenam campanhas de distribuição de alimentos, resgatam animais, contribuem para mobilizações ligadas à saúde, compartilham seus conhecimentos. Os voluntários doam seu tempo, energia e talento em prol de causas em que acreditam. São essenciais para que organizações da sociedade civil atinjam suas missões e, durante a pandemia, fizeram a diferença e impactaram positivamente a vida de milhares de pessoas.

Qual o perfil do voluntário no Brasil? Em quais atividades atuam? Como a pandemia realmente influenciou a atuação dessas pessoas? Quais as causas que mais recebem atenção do trabalho voluntário? São essas questões que a Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021 procurou responder. Em sua terceira edição, os achados apontam resultados positivos: 56% da população adulta diz fazer ou já ter feito alguma atividade voluntária na vida. Em 2011, esse número representava 25% da população e, em 2001, apenas 18%. Chama atenção também o número de voluntários ativos no momento da pesquisa – 34% dos entrevistados, o que representa cerca de 57 milhões de brasileiros comprometidos com atividades voluntárias.

Tanto a quantidade de pessoas envolvidas com o voluntariado aumentou, quanto as horas dedicadas à atividade. Se a quantidade média de dedicação por pessoa era de 5 horas mensais em 2011, a pesquisa de 2021 aponta a média de 18 horas mensais. Assim, cada voluntário brasileiro contribuiu, em média, por mês, o equivalente a 12 partidas de futebol inteiras. “Acompanho de perto a evolução do voluntariado no país nas últimas décadas, quando foi realizada uma pesquisa pioneira em 2001, Ano Internacional do Voluntário e, dez anos depois, na comemoração da Década do Voluntariado. A pesquisa 2021 confirma a valorização da atividade, com um salto para mais da metade da população brasileira já tendo praticado o serviço voluntário”, comenta Silvia Naccache, coordenadora do projeto em 2021 e que participou das edições anteriores.

Públicos da ação voluntária | Pesquisa Voluntariado

Destacou-se também o aumento da atenção dada a alguns públicos beneficiados pela atividade voluntária. Tiveram forte crescimento em 2021 famílias e comunidades, de 12% em 2011 para 35% em 2021, e pessoas em situação de rua, com um aumento de 20 pontos percentuais em relação à pesquisa anterior. Além disso, a pesquisa mostra a valorização da causa animal, de 1% em 2011 para 9% em 2021, e de pessoas com deficiência, de 3% para 9%.

A pesquisa 2021 é um retrato da última década de atuação voluntária no Brasil, com destaque para avanços do voluntariado empresarial, os megaeventos realizados no país, como a Copa do Mundo, em 2014, os Jogos Olímpicos e Paralímpicos, em 2016, e o impacto da pandemia”, avalia Felipe Pimenta, consultor da Pesquisa 2021. Em relação à pandemia, mesmo com o isolamento social, 47% dos voluntários passaram a praticar mais o voluntariado, tendo como atividade mais comum a distribuição de recursos (61%). No período, 21% passaram a fazer atividades voluntárias online, sendo as mais comuns as atividades de apoio psicológico e de educação.

Ao serem questionados sobre a satisfação com a atividade realizada, a nota média atribuída pelos voluntários foi de 9,1, de um total de 10. A motivação para a realização de uma atividade voluntária também ganhou contornos melhor definidos na última década. Solidariedade ainda é a palavra que melhor a descreve, passando de 67% para 74%. Nesta linha, a pesquisa também mostra que além de doar tempo, os voluntários têm o hábito de contribuir de outras formas:  95% também doam bens, como alimentos, roupas ou brinquedos, e 50% declaram também doar dinheiro para causas e organizações. Para Luisa Lima, Gerente de Comunicação do IDIS, “esses comportamentos refletem o fortalecimento da cultura de doação no Brasil. As pessoas estão cada vez mais cientes sobre as formas que têm à disposição para contribuir às causas em que acreditam”.  

Um ponto de atenção, porém, vem da porcentagem de voluntários que têm conhecimento sobre a Lei do Serviço Voluntário (Lei n° 9.608), que regulariza a atividade no país. 55% dizem não conhecer a Lei e 81% nunca assinaram nenhum Termo de Adesão ao Serviço Voluntário. “A formalização do vínculo é importante para as organizações e para os voluntários. O desconhecimento sobre a legislação do voluntariado no Brasil aponta o potencial de ação para organizações que fomentam a atividade” comenta Kelly do Carmo, consultora da pesquisa 2021.  

Outros achados da pesquisa

  • Não há diferença significativa em relação ao gênero dos voluntários: 51% feminino, 48% masculino e 1% declarou outras respostas. A pesquisa revelou que 40% dos voluntários se encaixam na faixa etária entre 30 e 49 anos; em relação à escolaridade, 50% detêm o ensino médio completo / superior incompleto; e a renda familiar mensal de 39% dos respondentes é de até 2 salários mínimos.
  • Em relação aos brasileiros que realizam alguma atividade voluntária atualmente (34% da população), 12% afirmam fazer as atividades com frequência definida; enquanto 22% realizam sem frequência definida.  
  • 15% dos voluntários realizam atividades ligadas a programas de voluntariado empresarial e dedicam, em média, 21,5 horas por mês.
  • 70% dos respondentes não conhecem os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), definidos pela Organização das Nações Unidades (ONU), que compreendem os alicerces da Agenda 2030 para combater a pobreza, melhorar a educação, promover práticas ambientalmente sustentáveis, entre outras. O índice de conhecimento cresce conforme aumenta o grau de instrução e a renda familiar mensal do entrevistado.
  • 49% concordam que os grandes eventos realizados na última década, como a Copa do Mundo, Jogos Olímpicos e Paralímpicos, Visita do Papa etc., contribuíram para aumentar o engajamento dos brasileiros no trabalho voluntário. 

Sobre a Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021

A pesquisa foi elaborada e coordenada por Silvia Naccache, com apoio dos consultores Kelly Alves do Carmo e Felipe Pimenta de Souza. Sua viabilização teve o suporte de organizações que acreditam na importância do avanço do voluntariado no Brasil e participam dessa rede de apoiadores, Ambev, Bradesco, Fundação Itaú Social, Fundação Telefônica Vivo, Raízen, Sabesp, Sicoob e Suzano. IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social – e Instituto Datafolha assinam a realização. Os resultados completos estão disponíveis em www.pesquisavoluntariado.org.br.

Metodologia

A Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021 foi conduzida pelo Instituto Datafolha e compreendeu etapas quantitativas e qualitativas como descrito a seguir. 

Pesquisas quantitativas: possuem o objetivo de identificar o perfil dos voluntários e dos não voluntários no Brasil:  

1. Entrevistas pessoais e individuais, com pessoas de 16 anos ou mais que fazem ou não atividades voluntárias, realizadas em pontos de fluxo populacional de abrangência nacional.  (2.086 pessoas, a margem de erro máxima para o total das amostras é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos, dentro do nível de confiança de 95%). 

2. Entrevistas pessoais, individuais e específicas com voluntários – pessoas que fazem ou já fizeram alguma atividade voluntária, com 16 anos ou mais, realizadas em pontos de fluxo populacional, distribuídos em oito capitais brasileiras: Brasília, Curitiba, Fortaleza, Manaus, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo. (1.556 voluntários, a margem de erro máxima para o total das amostras é de 3 pontos percentuais, para mais ou para menos, dentro do nível de confiança de 95%). 

Pesquisas qualitativas: são exploratórias, possuem o objetivo de investigar em profundidade os aspectos comportamentais, opiniões, captar informações e obter uma análise profunda e detalhada sobre as percepções de voluntários, de especialistas e interessados no tema:

1. Entrevistas e conversas online em grupo (Grupos Focais), com pessoas que praticam trabalho voluntário no mínimo uma vez a cada 15 dias, desde antes da pandemia, de três capitais representativas de regiões distintas: Porto Alegre, Recife e São Paulo. 

2. Entrevistas online individuais em profundidade sobre voluntariado com oito formadores de opinião, diversificados por tipo de atuação e regiões do Brasil. 

OBS: Embora o planejamento da pesquisa tenha sido feito ao longo de 2021, em razão da pandemia e problemas decorrentes, as pesquisas quantitativas aconteceram entre o final de 2021 e o início de 2022.

Para assuntos relacionados à mídia, entre em contato diretamente com a assessoria de imprensa:
4Press: Ana Lúcia Moretto | anamoretto@4pressnews.com.br | (11) 5096-0439

Lançamento Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021: inscreva-se!

 

Assista à transmissão ao vivo do lançamento da Pesquisa Voluntariado no Brasil:

Serviço ou atividade voluntária é doar tempo e trabalho de maneira espontânea e sem remuneração para a comunidade, para projetos sociais, para programas assistenciais, para causas, para eventos e situações emergenciais. Pode ser individual, organizada por grupos ou por empresas.

De acordo com a Pesquisa Voluntariado no Brasil, em 2001, os voluntários representavam 18% da população adulta. Na celebração da Década do Voluntariado, em 2011, este número chegou a 25%.  Em sua terceira edição, a Pesquisa traz um retrato do tema, indica tendências e analisa as mudanças das duas últimas décadas.  Entre os achados, o engajamento em cada uma das cinco regiões, as causas favoritas, as motivações e o perfil do voluntário no Brasil em 2021. 

O lançamento desta edição acontece no dia 27 de abril, das 10h30 às 12h15, em formato online e aberto ao público em geral, mediante inscrição.

Para participar, faça aqui sua inscrição

A Pesquisa foi elaborada e coordenada por Silvia Naccache, com apoio dos consultores Kelly Alves do Carmo e Felipe Pimenta de Souza. Sua viabilização teve o suporte de organizações que acreditam na importância do avanço do voluntariado no Brasil, e participam dessa rede de apoiadores, Ambev, Bradesco, Fundação Itaú Social, Fundação Telefônica Vivo, Raízen, Sabesp, Sicoob e Suzano. IDIS e Datafolha assinam a realização.

Movimento global “Healing Trees” promove plantio de árvores em homenagem às vítimas da Covid-19

No último sábado (12/03), houve o lançamento do movimento Healing Trees, no Brasil, grupos de voluntários fizeram plantio de árvores em São Paulo e no Rio de Janeiro.  Cem mudas de árvores nativas da Mata Atlântica passaram a integrar um memorial verde em homenagem às vítimas da Covid-19 no Brasil e no mundo.

Desde o início da pandemia em 2020, muitas pessoas perderam entes queridos e o mundo se viu em uma situação nunca antes esperada. O Brasil sozinho passou a representar 10% de todas as mortes pela doença no mundo.

A ideia da iniciativa do Healing Trees é ser um símbolo de esperança e vida para o mundo daqui em diante, uma forma também de respeitar e vivenciar o luto de tantas pessoas que foram perdidas. Até o momento, o movimento registra 487 mil árvores plantadas em todo o mundo.

No Brasil, a ação foi puxada pelo Catalyst 2030 Brasil e o Catalyst 2030, movimento também global para aceleração dos ODSs, atualmente liderado no país por Paula Fabiani, CEO do IDIS.

Você encontra uma matéria detalhada da ação na Folha de São Paulo clicando aqui.

Workshop IDIS e PYXERA | Como engajar seus colaboradores em ações solidárias?

‘Solidariedade’ e ‘doação’ foram palavras muito citadas nos momentos do auge da pandemia de Covid-19, pois foram esses dois conceitos, somados às diversas iniciativas do Terceiro Setor, que garantiram a sobrevivência de milhares de pessoas, vítimas, diretas ou não, do Coronavírus.

Mas, na medida em que o sentimento de emergência arrefeceu, essas expressões começaram a minguar junto com o número de casos. Sabemos que sem uma boa dose de impulso, a tendência é que tudo volte ao que era antes, e que a ‘solidariedade’ e a ‘doação’ fiquem, cada vez mais, anestesiadas.

Portanto, estamos em um instante propício, senão necessário, para que as empresas usem a influência que têm sobre seus colaboradores para prolongar, ou talvez até perenizar, o hábito da doação.

Na segunda semana de novembro, o IDIS e a PYXERA Global promoveram um workshop sobre iniciativas solidárias envolvendo colaboradores, reunindo uma audiência online de cerca de 60 representantes de empresas e interessados no assunto. Confira a apresentação completa:

Paula Fabiani, diretora-presidente do IDIS, falou sobre Cultura de Doação e o papel das empresas, trazendo dados sobre hábitos de doação individual, investimento social privado e mostrando a potência de quando esses dois universos se encontram no desenvolvimento de ações solidárias com colaboradores.

Fernanda Scur, Partnership Strategist for Collective Impact da PYXERA Global, destacou sobre como é possível quebrar silos e engajar colaboradores em ações de impacto. A representante reforçou: “as empresas podem contribuir para o bem da sociedade ao mesmo tempo que atendem objetivos de negócio, gerando impacto triplo com foco nos colaboradores, nos negócios e na comunidade”.

Histórias que inspiram

O workshop também contou com a participação de Carlos Pignatari, head de Impacto Social da Cervejaria Ambev, Liliane Moura, supervisora de Projetos Sociais do Instituto 3M, e Tomás Carmona, superintendente de Sustentabilidade da SulAmérica, que compartilharam suas experiências no evento.

O workshop foi acompanhado pela artista gráfica Mila Santoro, da Regência Criativa, que registrou todas conversas. Os aprendizados foram sistematizados em uma publicação, que inclui um passo-a-passo para orientar os interessados em engajar o público interno em atividades de solidariedade, mas que não sabem exatamente por onde começar.

Conheça a publicação | “Como engajar seus colaboradores em ações solidárias” 

 

Engajando colaboradores em ações solidárias

Engajar os colaboradores em ações solidárias é uma iniciativa que traz benefícios para muitos. Os resultados possíveis dessa união são diversos, indo além do impacto social gerado. Melhoria do clima organizacional, aumento do sentimento de pertencimento, oportunidade de desenvolvimento de competências, fortalecimento de laços entre colaboradores, aprofundamento do relacionamento com a comunidade da empresa, contribuição à estratégia de impacto e investimento social privado da empresa, contribuição à atração talentos e contribuição à reputação da marca junto a clientes são alguns dos benefícios de ações solidárias envolvendo os colaboradores. Tudo isso sem mencionar a melhora da imagem junto aos clientes. E as pesquisas mostram que consumidores esperam, cada vez mais, que as empresas desempenhem um papel social relevante. O consumidor demanda ações concretas da iniciativa privada, recompensando as marcas que admira e punindo aquelas que não correspondem às expectativas.

O workshop também inspirou a publicação de um artigo, disponível aqui.

Dicas para engajar colaboradores em ações solidárias e de impacto

O brasileiro é solidário. Doar dinheiro, fazer um trabalho voluntário ou simplesmente ajudar um desconhecido são atitudes que fazem parte de nosso dia a dia . A pandemia que estamos vivendo em 2020 nos mostrou, mais do que nunca, a relevância desse tipo de ação e como precisam ser ampliadas ainda mais.

A experiência do IDIS e da PYXERA Global indica que o setor privado tem um papel fundamental no estímulo e facilitação dessas ações de solidariedade junto a colaboradores, que podem ser realizadas por meio de programas de engajamento desenhados estrategicamente. Essas iniciativas podem ir muito além do engajamento, criando alinhamento interno entre as estratégias de impacto e de negócio, já que as empresas têm também um papel social relevante.

Quando unimos o investimento social empresarial com os anseios individuais, encontramos um campo fértil para ações solidárias de empresas junto ao seu público interno, porque pessoas são movidas por propósitos. Os resultados possíveis dessa união são muitos, indo além do impacto social gerado. Melhoria do clima organizacional, aumento do sentimento de pertencimento, oportunidade de desenvolvimento de competências, fortalecimento de laços entre colaboradores, aprofundamento do relacionamento com a comunidade da empresa, contribuição à estratégia de impacto e investimento social privado da empresa, contribuição à atração talentos e contribuição à reputação da marca junto a clientes são alguns dos benefícios de ações solidárias envolvendo os colaboradores.

As pesquisas mostram que consumidores esperam, cada vez mais, que as empresas desempenhem seu papel social, demandando ações concretas, recompensando as marcas que admiram e punindo aquelas que não correspondem às expectativas . Ou seja, estamos falando do impacto triplo das ações de engajamento: Impacto nos Colaboradores, Impacto no Negócio, e Impacto na Comunidade.

Neste artigo, trazemos recomendações àqueles que desejam estruturar programas, integrando impacto social e engajamento, com dicas que podem ser seguidas por empresas de todos os portes e segmentos de atuação, organizadas em quatro estágios: diagnóstico; ideação e planejamento; execução; e amplificação e aprendizado.

DIAGNÓSTICO

1. Escolha um foco de atuação e descubra sua causa

Os desafios socioambientais no Brasil são inúmeros e complexos. Como decidir, então, qual será o foco de sua atuação? Em geral, é mais proveitoso investir tempo e recursos em um único foco de atuação do que distribuir para vários projetos de diferentes causas, pois o impacto gerado tende a ser maior.

A escolha da causa deve vir de dentro para fora. A causa deve ser coerente com as práticas organizacionais da empresa e com os interesses do público interno. Quanto mais o investimento social privado (ISP) for uma extensão do comportamento gerencial e uma extensão dos negócios, dos valores e dos princípios da empresa, melhor. Para conhecer os desejos dos colaboradores, faça uma pesquisa. Um jeito legal e divertido de fazer este mapeamento é aplicar o teste Descubra sua Causa. E se houver recursos, estender esse mapeamento a fornecedores e clientes permitirá entender ainda com mais detalhes os interesses daqueles que fazem parte de seu ecossistema.
Engajar os colaboradores em ações solidárias pode contribuir para o clima organizacional, para o envolvimento dos colaboradores com a empresa e até para o desenvolvimento de competências. Se estes são objetivos, vale a pena fazer uma pesquisa para definir uma linha de base.

 

2. Conheça o ecossistema e as necessidades da comunidade

Certo, você já sabe a causa que irá defender, mas antes de começar a agir, é preciso conhecer a fundo o problema que pretende atacar.
Faça uma análise detalhada das necessidades de investimento no foco de atuação escolhido. Identifique as principais demandas sociais relacionadas à causa e avalie como pode contribuir. Não deixe de mapear também quais são os recursos e as pessoas que já contribuem com a causa escolhida e o que pensa a comunidade do entorno.

O bom conhecimento do contexto social levará à construção de uma visão de futuro mais madura e à escolha de um foco de atuação de relevância para o desenvolvimento da comunidade em que a empresa está inserida.
Empresas concorrentes também devem ser foco de atenção. Conheça o que elas estão fazendo e avalie se gostaria de apostar em uma diferenciação ou se há possibilidade para uma atuação conjunta, potencializando o impacto positivo para a causa.

Por fim, conhecer as políticas públicas voltadas para o desenvolvimento socioambiental também é importante nesse processo. É fundamental verificar se as políticas são boas, mas não estão sendo implantadas, e se existem políticas locais nas regiões em que a
empresa está presente. A partir disso, é possível avaliar se seu o foco pode funcionar como catalisador ou facilitador da implementação dessas políticas, permitindo que certos grupos populacionais se beneficiem do que já existe.

Esse mapeamento permitirá delimitar o foco de atuação da empresa em relação à causa e o delimitar o foco geográfico, avaliando se o investimento será em uma comunidade específica ou em uma cidade, região ou país.

3. Engaje as lideranças

As informações já foram coletadas. É preciso organizá-las e discuti-las com as lideranças da empresa, para que se tome uma decisão de política corporativa em relação ao ISP e sobre como colaboradores podem ser envolvidos. Os objetivos e práticas devem estar alinhados com as políticas de sustentabilidade e responsabilidade social da empresa e o mapeamento interno e externo permitirão uma tomada de decisão consciente e coerente com o negócio, não apenas baseada na intuição ou na opinião pessoal de alguma dessas lideranças.

Nesse âmbito será possível definir também as questões de governança do projeto. Quem será responsável pela implementação? Que outras áreas devem ser envolvidas e de onde virá o orçamento?

 

IDEAÇÃO E PLANEJAMENTO

4. Planeje sua intervenção

Qual o público beneficiário e quais os influenciadores? Qual será a estratégia para implementá-la e quais os resultados que se espera alcançar para a causa e para a empresa?

A área responsável por conduzir o projeto deverá responder a essas perguntas, desenhando com detalhes a iniciativa. Deve considerar o orçamento disponível, assim como a infraestrutura e recursos humanos da própria empresa que podem ser aproveitados em prol da causa.

O processo de desenho do programa e planejamento de impacto inclui compartilhar sua visão com a equipe, tomar decisões sobre os principais aspectos do programa e desenvolver estratégia de programa e materiais básicos.

Aqui também será definida a forma como o público interno poderá participar. Ele contribuirá com dinheiro, bens ou tempo? Haverá algum tipo de ‘matching’ da empresa? Em caso de voluntariado, os profissionais serão estimulados a usar conhecimentos técnicos ou gerais? Poderão atuar durante o período de trabalho ou farão as atividades em seu tempo livre?

Exemplos de ações de engajamento:

      • Programas de voluntariado profissional (pro bono)
      • Programas de mentorias
      • Mutirão ou programa contínuo
      • Estímulo a doações com potencial matching
      • Payroll giving, quando a doação é descontada diretamente da folha de pagamento

 

5. Defina indicadores de impacto

A estrutura de mensuração de impacto deve ser definida nesta fase. Para acompanhar os resultados do investimento social e de seu programa de engajamento de colaboradores, defina os indicadores que irão refletir sua efetividade e monitore o projeto desde o início, verificando se os resultados parciais estão indicando a direção certa.

EXECUÇÃO

6. Comunique e mobilize

Trace um plano de comunicação para disseminar a iniciativa entre todos os públicos da empresa – sejam internos ou externos.

Para conscientizar e mobilizar o público interno, uma estratégia interessante é criar um comitê com representantes de diferentes áreas da organização. Você pode também definir ‘sponsors’ de projeto, pessoas com algum nível de influência dentro da empresa que se disponham a fazer esse papel de divulgação. Costuma ser eficiente utilizar os canais de comunicação usuais da empresa, mantendo o fluxo de comunicação constante sobre o programa, em seus diferentes estágios (ex. período de inscrição; divulgação de projetos selecionados; divulgação do andamento; divulgação dos resultados).

 

7. Implemente a ação

Agora é a hora de botar a mão na massa! Itens a serem executados nessa fase, vão desde a seleção de participantes, desenvolvimento dos projetos em si (seleção de organizações de sociedade civil, apoio aos participantes do programa durante o processo, ações de preparação e reflexão, etc.)

Não deixe de estabelecer maneiras de reconhecer o trabalho voluntário dos participantes do programa. Seja criativo. Os participantes podem receber, por exemplo, camisetas ou sinalizadores de mesa que permitam ser identificados pelos colegas. É recomendável também planejar homenagens em eventos especiais, materiais institucionais, certificados, além de divulgar as atividades, conquistas e resultados em murais internos ou na intranet da empresa. Um bom programa necessita de seus HERÓIS!

 

8. Monitore e avalie

A partir da estratégia de mensuração definida na fase de diagnóstico, é possível identificar o marco zero, isto é, a situação inicial antes da intervenção. É preciso avaliar o benefício social resultante do investimento em termos qualitativos e quantitativos. Acompanhe também, por exemplo, número de colaboradores envolvidos, horas de trabalho dedicadas ou volume doado, atividades realizadas, número de pessoas beneficiadas, recursos arrecadados e doados.

 

9. Compartilhe os resultados

Contar as conquistas de um programa, além de ser muito prazeroso, é uma boa prática de transparência e contribui para fortalecer a confiança em ações de impacto.

Lideranças, todos os colaboradores da empresa, profissionais que se engajaram diretamente e organizações impactadas pela ação, acionistas, consumidores, o poder público, a comunidade são alguns dos públicos que podem ter interesse em conhecer o que foi alcançado por meio de sua intervenção. Planeje a comunicação considerando cada um de seus públicos de interesse e fazendo as adaptações necessárias para cada um deles. Essa fase é fundamental para criar uma cultura dentro da empresa sobre o impacto positivo de tais programas e qualificar o processo de tomada de decisão.

Por último: Ouça todos que participaram do processo e prepare-se para o próximo ciclo a partir de lições aprendidas!

 

Baixe a publicação completa aqui.

Artigo escrito por Paula Fabiani, diretora-presidente do IDIS, e Fernanda Scur, Partnership Strategist for Collective Impact da PYXERA Global, Latin America

Cultura de doação começa na infância! Saiba o que nossas crianças querem transformar no mundo.

Fortalecer a cultura de doação no Brasil tem sido um dos focos prioritários de atuação do IDIS. É algo que deve ser estimulado desde a infância e saber o que pensam nossas crianças é um importante passo. Por isso, apoiamos a pesquisa realizada pelo Dia de Doar Kids em parceria com o Jornal Joca. A pergunta foi simples: quais as 3 coisas que você quer mudar no mundo? Os resultados foram revelados neste outubro, mês das crianças.

Participaram do projeto 450 crianças, de todo o Brasil, ainda que prioritariamente da região Sudeste (75,4%). A coleta das respostas foi online e houve consentimento dos responsáveis. As questões levantadas por eles foram diversas e bastante pulverizadas, e ocuparam o topo do ranking nacional ‘Acabar com a violência’ (7,3%), ‘Mais saúde para todos’ (6,8%) e ‘Melhorar a educação e o direito de estudar’ (6,8%). Em geral, foi identificada uma consciência social muito grande entre os jovens entrevistados, mesmo entre crianças de idade bastante reduzida (5 a 10 anos, 48% da amostra). O relatório destaca que os resultados reforçam uma potente sensibilidade dessa geração mais jovem ao que é da ordem do comum, do coletivo.

O recorte regional da pesquisa mostra diferenças quanto à percepção das crianças. No Sul do Brasil, o maior registro foi relacionado à poluição (8,9%). No Sudeste, Educação ocupou o primeiro lugar (7,5%). O ponto de atenção na região Nordeste foi a violência (11,4%), com o maior gap em relação ao segundo lugar. ‘Acabar com a fome’ foi o destaque no Centro-Oeste, citado por 10% dos respondentes. No Norte, houve um empate entre 4 causas, todas elas com 9,3% – ‘Acabar com a violência’, ‘Acabar com o racismo’, ‘Mais respeito aos direitos dos animais’ e ‘Menos poluição’.

Os achados serão a base para a criação de materiais para escolas e professores e para a realização de iniciativas para crianças e jovens.

Conheça aqui a pesquisa completa.

Descubra Sua Causa

Em 2018 o IDIS lançou o ‘Descubra Sua Causa’, um projeto com o objetivo de fortalecer a cultura de doação junto ao público jovem, de 18 a 24 anos. Por meio de um quiz, com perguntas relacionados a questões do dia a dia e ao universo cultural dos jovens, os respondentes são apresentados a um resultado que revela as causas que são mais importantes para si e mostra oportunidades de ação. Se a causa é educação, por exemplo, há uma indicações de ONGs às quais ele pode fazer uma doação ou um trabalho voluntário e também uma série de matérias se quiser se informar mais.

Como podemos aumentar a participação cívica?

Por Andréa Wolffenbüttel, diretora de Comunicação do IDIS

De vez em quando, mais raramente do que eu gostaria, aparecem algumas pessoas trazendo informações interessantes. Uma dessas ocasiões aconteceu no final de julho, quando recebi, aqui no IDIS, o Rubens Sanghikian, que elaborou sua dissertação no mestrado de economia pelo Insper.

O rapaz entrou em contato pelo e-mail do nosso site, oferecendo-se para apresentar os resultados da sua tese, uma pesquisa sobre o que leva as pessoas a desenvolverem algum tipo de participação cívica.

Quando o estudante chegou, trouxe consigo um relatório de mais de quarenta páginas com muitas, mas muitas informações valiosas. Ao final da apresentação, aconselhei-o a escrever um artigo com os principais dados da pesquisa para ser divulgado no universo do terceiro setor e evitar que todo o trabalho ficasse ‘escondido’ no meio da produção acadêmica em geral.

Ele fez uma contraproposta, sugerindo não um, mas uma série de quatro artigos discutindo o perfil de indivíduos que apoiam organizações e fatores que influenciam a decisão de doar dinheiro e fazer trabalho voluntário.

Aqui está o primeiro artigo.

1ª Artigo da série
‘O que leva as pessoas a apoiarem organizações da sociedade civil? ’

Por Rubens Sanghikian, mestre em economia pelo Insper

A fonte dos dados desse artigo é a minha tese de mestrado em Economia, elaborada sob a orientação da professora Drª Regina Madalozzo.

Antes de entrar no tema do artigo propriamente dito, vale a pena falar um pouco sobre sociedade civil. Apesar da expressão ser muito usada, nem sempre existe um consenso sobre seu significado. Sociedade civil é o conjunto das organizações voluntárias que servem como mecanismo de articulação de uma sociedade. E a principal característica dessas organizações é não estarem apoiadas na força do Estado (governo) ou do mercado.

Portanto, quando falamos de participação cívica, estamos nos referindo a qualquer tipo de ação ligada às organizações da sociedade civil, tal como associação, doação de recursos financeiros ou realização de trabalho voluntário.

Para as organizações da sociedade civil, um dos principais desafios, se não o maior, é a dificuldade em captar recursos financeiros e humanos para completar seus objetivos. Esta foi uma das razões que me levaram a estudar o tema.

Qual o perfil de uma pessoa que apoia organizações da sociedade civil?

Com o objetivo de responder esta pergunta, utilizei o extenso e rico trabalho de Bekkers e Wiepking (2011, 2012) que realizaram um levantamento da literatura para verificar o perfil de quem faz doações.  Com base nesta ideia, fiz uma revisão de literatura para selecionar as principais características individuais que poderiam indicar o perfil de alguém que ajuda organizações. Utilizando a pesquisa World Values Survey, realizada de 2010 a 2014, obtive informações de aproximadamente 80 mil pessoas de 55 países.

Através da revisão bibliográfica e de modelos econométricos, consegui identificar os principais fatores que afetam a probabilidade de um indivíduo apoiar diferentes organizações: religiosas, ligadas ao esporte, partidos, ligadas à educação, sindicatos, profissionais, instituições de caridade, causas do consumidor, grupos de auto ajuda e ambientais. Os resultados dizem respeito à população desses diversos países, mas tudo indica que se aplicam bastante bem à sociedade brasileira.

Principais resultados

1) Ter confiança nas outras pessoas:
Fundamental para o estabelecimento de vínculos, a confiança se mostra bastante relevante para todas as participações cívicas. Um indivíduo que acredita que se pode confiar nas outras pessoas tem maior probabilidade de se associar a uma organização,.

2) Ter interesse por política:Os debates e a busca por resolver um conflito, elementos presentes na política, estão presentes nas organizações da sociedade civil. Um indivíduo que declara que possui alto interesse por política tem maior probabilidade de se aproximar de entidades, independente da natureza da organização.

3) Classe Social à qual pertence:
O modelo aponta que quanto mais alta a classe social, maior a probabilidade de apoio. Indivíduos em situação financeira mais frágil possuem menos tempo e capacidade de ampliar a participação na sociedade. Organizações também buscam indivíduos com maior status social, devido a maior influência que eles possuem dentro da sociedade. Porém, devemos realizar ressalvas sobre a relação classe social e participação cívica. Por exemplo, a Pesquisa Doação Brasil indica uma queda participação da doação para indivíduos que ganham mais de 15 salários mínimos no Brasil. Já o Country Giving Report mostra que em termos de proporção da renda, pessoas de classe mais baixa contribuem mais.

4) Nível de educação:
Quanto maior o nível educacional maior a probabilidade de uma pessoa apoiar uma organização. A educação aumenta a percepção de problemas que existem no mundo, além de dar ideias de como solucioná-los, motivando as pessoas a ajudar.

5) Frequência com que assiste TV:
Um estudo realizado por Putnam (1995) afirma que a participação cívica poderia estar caindo devido ao fato das pessoas passarem mais tempo assistindo TV. Não consegui confirmar esta relação.

6) Frequência com que acessa à internet:
Um indivíduo que acessa diariamente a internet tem maior probabilidade de apoiar uma instituição. A internet e redes sociais são uma importante ferramenta de comunicação para as organizações, aumentando o número de solicitações a potenciais apoiadores.

7) Idade:
O estudo sugere que quanto maior a idade, maior a probabilidade de apoio para muitos tipos de organizações, menos para as ligadas ao esporte.

8) Ter religião:
O fato de uma pessoa ser religiosa se mostrou importante, indicando que é mais provável uma pessoa religiosa se aproximar de muitos tipos de organizações, tanto de ajuda a terceiros, quanto de autoajuda.

9) Ser estudante:
Quando comparamos estudantes em relação às pessoas que trabalham, vemos que eles tendem a participar mais em organizações educacionais, desportistas e religiosas. Porém, são menos ativos em sindicatos e organizações profissionais.

10) Ser do sexo feminino:
Este é um quesito onde a determinação biológica sofre alterações de acordo com as normas e convivência social. Percebe-se uma diferença significativa no tipo de organização que homens e mulheres escolhem para contribuir. É menos provável que mulheres estejam ligadas a organizações não religiosas, como partidos, desportistas e sindicatos. O estudo aponta que as mulheres sofrem com a desigualdade em relação aos homens até no terceiro setor, sendo menos representadas em certas atividades. Na mesma linha, os estudiosos Rotolo e Wilson (2007) destacam que mulheres em organizações têm maior probabilidade de realizarem trabalhos relacionados à alimentação, levantamento de recursos e eventos, enquanto homens têm maior probabilidade de participação em comitês de decisão, ensino e manutenção.

Tabela resumo

As tabelas abaixo mostram como as características das pessoas ou as atividades que elas praticam exercem influência sobre a probabilidade de ela vir atuar junto a determinado tipo de organização.

 

 

 

 

 

Conclusão

A importância deste estudo é que ele ajuda a identificar variáveis características que aumentam ou diminuem a probabilidade de pessoas apoiarem organizações, podendo auxiliar no direcionamento de recursos e escolha de público alvo durante captação de recursos e recrutamento de voluntários, por exemplo.

O perfil de um apoiador seria o de uma pessoa que confia nos indivíduos, com alta instrução e alta classe social, que gosta de política, tem religião e com alto acesso à informação.

No próximo artigo da série, apresentarei características de países com grande participação em doações, trabalho voluntário e ajuda a desconhecidos.

Referências

BEKKERS, R.; WIEPKING P. Who gives? A literature review of predictors of charitable giving. Part One: Religion, education, age and socialization. Voluntary Sector Review, v. 2, n. 3, p.337-365, 2011.
BEKKERS, R.; WIEPKING P. Who gives? A literature review of predictors of charitable giving. Part Two: Gender, family composition and income. Voluntary Sector Review, v. 3, n. 2, p.217-245, 2012.
PUTNAM, R. D. Bowling Alone: America’s Declining Social Capital. Journal of Democracy, v. 6, n.1, p. 65-78, 1995.

ROTOLO , Thomas; WILSON, John. Sex segregation in Volunteer Work. The Sociological Quartely, v. 48, n. 3, p. 559-585, 2007.
SANGHIKIAN, Rubens. Participação cívica: associação, doação e trabalho voluntário. 2017. 44 f. Dissertação (Mestrado profissional em economia) – Instituto de Ensino e Pesquisa – INSPER, São Paulo, 2017.

WVS WAVE 6. Madrid: World Values Survey, 2010-2014. Disponível em: <http://www.worldvaluessurvey.org/WVSDocumentationWV6.jsp>. Acesso em: 18 de jun. 2017.
Country Giving Report 2017 – Brasil. São Paulo: Charities Aid Foudation e Instituto para o

Desenvolvimento do Investimento Social, 2017. Disponível em: https://www.idis.org.br/wp-content/uploads/2017/11/country-giving-report-2017-brasil.pdf .Acesso: 30 de julho de 2018.
Pesquisa Doação Brasil. São Paulo: Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social, 2016.

Disponível em: http://idis.org.br/pesquisadoacaobrasil/wp-content/uploads/2016/10/PBD_IDIS_Sumario_2016.pdf. Acesso: 30 de julho de 2018.

World Giving Index 2017: voluntariado no Brasil bate recorde

Um em cada cinco brasileiros fez algum tipo de trabalho voluntário de acordo com o World Giving Index 2017, estudo feito pela Charities Aid Foundation (CAF), instituição com sede no Reino Unido e que no Brasil é representada pelo IDIS. O WGI, conhecido como ranking global de solidariedade, registra o número de pessoas que doaram dinheiro para uma organização da sociedade civil, ajudaram um estranho no mês anterior ao levantamento ou fizeram trabalho voluntário. Este ano, foram entrevistadas 146 mil pessoas em 139 países. O estudo foi divulgado no dia 5 de setembro em um evento no Centro Ruth Cardoso, em São Paulo, que reuniu representantes de organizações sociais e especialistas no tema da Cultura de Doação.

No levantamento anterior, 18% dos entrevistados diziam ter feito algum tipo de trabalho voluntário, percentual que chegou agora aos 20%, marca recorde para o Brasil desde que o levantamento começou a ser feito em 2009.
Mais da metade, 54% das pessoas ouvidas, disseram ter ajudado um estranho, número que se manteve estável em relação ao ano passado. O único comportamento que mostrou piora em 2017 foi o número de pessoas que doaram dinheiro. Depois de bater 30% em 2016, o índice agora caiu para 21%.

No geral, a pontuação do Brasil no World Giving Index caiu de 34% para 32%, o que levou o país a perder 7 lugares no ranking, ficando em 75º lugar. A pontuação do país caiu ligeiramente esse ano, mas ainda se mantém maior que em anos anteriores. É a segunda melhor colocação desde que o WGI foi criado.

“Apesar da queda do indicador geral, o voluntariado atingiu seu maior índice e nosso desafio é transformar essa tendência em uma pratica rotineira, independente de grandes eventos como foram os jogos olímpicos, reforça a diretora-presidente do IDIS, Paula Fabiani.

Mundo
O WGI 2017 mostrou uma mudança no quadro mundial da generosidade. Enquanto a maioria dos grandes países do top 20, como as nações da Europa, Ásia e os Estados Unidos caíram no ranking, vários países da África subiram na tabela. A África foi o único continente que registrou crescimento nos 3 comportamentos de solidariedade.

Vinte por cento dos top 20 deste ano foram ocupados pelos países africanos (Quênia, Serra Leoa, Libéria, Zâmbia) e oito nações (Gana, Zâmbia, Serra Leoa, Libéria, Quênia, Zimbábue, África do Sul, Tunísia) viram sua pontuação aumentar mais de 5 pontos percentuais, ou seja, a África foi o continente que teve melhor desempenho.

Campeões
No geral, Myanmar foi o país mais generoso do mundo pelo quarto ano consecutivo, mas registrou queda na pontuação geral de 70% para 65%. A Indonésia foi o segundo, seguida pelo Quênia, Nova Zelândia e Estados Unidos.

Alguns destaques
Este ano, o índice global teve uma piora em relação ao de 2016: doar dinheiro e ajudar um estranho recuaram 1,8 pontos percentuais, enquanto voluntariado caiu 0,8 pontos percentuais. O relatório sugere um declínio geral nos índices de solidariedade, especialmente entre as nações desenvolvidas. Apenas seis dos países do G20 aparecem no top 20.

O Quênia foi um dos destaques do WGI 2017 ao passar do 12º para o posto de terceira nação mais generosa.
Serra Leoa foi o país que teve a maior pontuação no quesito ajudar um estranho: 81% dos entrevistados relataram ter tido esse comportamento no mês anterior à pesquisa. O Camboja ficou na outra ponta, com apenas 18% de pessoas relatando ajudar um estranho.
O estudo na íntegra pode ser baixado em www.idis.org.br/world-giving-index-2017

1º de dezembro é o Dia de Doar

Cartaz Dia de Doar

 

O primeiro dia do mês de dezembro deste ano será o Dia de Doar. Um dia especialmente dedicado para que as pessoas prestem atenção a todas as possibilidades existentes para se fazer uma doação a alguém ou a alguma organização necessitada. Pode ser doação em dinheiro, pode ser doação de tempo, de atenção, de carinho. O importante é doar algo para transformar a vida do outro e para transformar o entorno em um lugar mais acolhedor para todos.

O site www.diadedoar.org.br tem sugestões de ações para indivíduos, empresas, governo e organizações não governamentais. O IDIS produziu material de divulgação do Dia de Doar e doou boa parte para a Associação Brasileira de Captadores de Recursos, que visitou várias cidades brasileiros convidando todos a aderir à data.

Não deixe o Dia de Doar passar em branco! Ainda dá tempo!

 

 

Brasil perde 15 posições no ranking mundial de solidariedade

O estudo anual World Giving Index, da Charities Aid Foundation (CAF), mostra que cada vez menos brasileiros doam dinheiro ou tempo de voluntariado para ajudar boas causas, apesar da quantidade de brasileiros que ajudam pessoas desconhecidas ter registrado um discreto crescimento em 2014, subindo de 40% em 2013 para 41% no ano passado, o que representa um acréscimo de cerca de 2,5 milhões de pessoas.

O World Giving Index, divulgado no Brasil pelo IDIS, é um estudo anual sobre o comportamento global de solidariedade baseado em pesquisas realizadas em 145 países, analisando três indicadores de doação: a porcentagem de pessoas que fizeram doações em dinheiro, dedicaram tempo de voluntariado e ajudaram um desconhecido no último mês anterior à pesquisa. O Brasil caiu 15 posições no índice, saindo da 90ª para a 105ª posição.

Gráfico WGI 2015 Brasil

Para a presidente do IDIS, Paula Fabiani, ainda há um longo caminho a percorrer até que a doação no Brasil alcance níveis de países similares ao nosso. “Em virtude da situação econômica, é provável que as pessoas sintam que têm menos tempo e dinheiro para doar”, diz Paula.

Em 2014, uma em cada cinco pessoas (20%) afirmou ter doado dinheiro no Brasil. Isso é menos do que os 22% de 2013 e é a porcentagem mais baixa registrada nos últimos seis anos. Os brasileiros com 50 anos ou mais continuam sendo os mais propensos a doar, apesar do segmento ter registrado queda no ano passado. Já entre os mais jovens, que são o grupo menos propenso a doar, o percentual de doadores está aumentando.

Clique aqui para acessar a íntegra do relatório World Giving Index 2014-15.

Voluntariado é bom para a sociedade e para a empresa; aprenda a fazer

Uma empresa é naturalmente um agregado de pessoas que trabalham por um retorno econômico. Mas por que não mobilizar os trabalhadores também para a busca de um retorno social? A iniciativa privada é um espaço especialmente privilegiado para a criação de projetos de voluntariado.

A principal pesquisa de solidariedade no mundo, o World Giving Index, da organização britânica Charities Aid Foundation, aponta o Brasil como oitavo país em número absoluto de voluntários – um ambiente propício, portanto, para programas corporativos nessa área.

As companhias colhem os frutos do envolvimento dos funcionários em ações sociais, segundo uma monografia apresentada no curso Administração para Organizações do Terceiro Setor, da FGV-SP. A pesquisa analisou as iniciativas de diversos grupos, como Itaú e Philips, e concluiu que “os ganhos indiretos do programa superam os investimentos, pois um funcionário que compreende as ações da empresa passa a respeitá-la pela transparência e se sente parte integrante da companhia e tende a produzir mais e melhor”.

Para ajudar a criação de projetos que consigam efetivamente atuar nos grandes temas nacionais, o IDIS publicou um manual  com um passo a passo. O texto defende que iniciativas desse tipo são mais bem-sucedidas quando envolvem todos os escalões da instituição.

Uma sugestão é começar com a formação de um comitê que mapeie ações já existentes, pesquisar os temas que mais interessam aos funcionários e mobilizar aqueles que queiram se tornar voluntários. Num segundo momento, o alto escalão deve ser envolvido, pois é a ele que cabe a decisão de alinhar o programa às diretrizes corporativas e de sustentabilidade do negócio.

O IDIS tem grande experiência em assessorar tanto empresas que querem montar seus planos de voluntariado quanto aquelas que pretendem dar mais efetividade a ações já existentes. Está interessado? Venha conversar conosco (http://idis.org.br/contato/).

Solidariedade é a Principal Característica do Voluntário, Aponta Pesquisa

Levantamento realizado pelo Ibope Inteligência para a Rede Brasil Voluntário revela que 25% da população brasileira já fizeram algum tipo de serviço voluntário, sendo que 11% exercem esse tipo de atividade no momento.
O estudo permitiu conhecer o perfil dos voluntários do País e compreender o que os motiva a doar parte de seu tempo a um trabalho não remunerado. “Ser solidário e ajudar as pessoas” é a motivação mais citada, com 67%, seguida por “fazer a diferença e mudar o mundo”, com 32%,  e “motivações religiosas”, com 22%.

O grau de satisfação de quem desempenha alguma atividade voluntária é alto: 77% dos entrevistados afirmaram que estão totalmente motivados em continuar o trabalho que exercem.

A captação de recursos é uma das principais atividades realizadas no serviço voluntário. Cinquenta e cinco por cento dos entrevistados responderam que captam doações em dinheiro, roupas, brinquedos, alimentos e livros, entre outros, para organizações em que desempenham suas atividades.

Perfil do voluntário

Outra constatação da pesquisa foi que a maioria das pessoas que doa parte de seu tempo ao voluntariado trabalha – em período integral (51%) ou em meio período (14%).

A escolaridade dos voluntários foi outro item analisado na pesquisa: 38% dos entrevistados têm o Ensino Médio completo ou Superior incompleto, 20% possuem o Ensino Superior completo, 18% pararam os estudos entre a 4ª e a 7ª série do Ensino Fundamental, 16% têm o Ensino Fundamental completo ou o Ensino Médio incompleto e 10% têm no máximo até a 3ª série do Ensino Fundamental.

As mulheres realizam mais serviços voluntários do que os homens – 53% e 47%,  respectivamente. A classe C é a que mais se dedica ao trabalho voluntário (43%), seguida das classes AB, com 40%, e das classes DE, com 17%.

A primeira fase da pesquisa, realizada em junho de 2011,  consistia em conhecer a participação da população brasileira em ações de voluntariado. Foram ouvidas 2.002 pessoas. Já a segunda etapa do estudo, feita em novembro de 2011, traçou o perfil dos voluntários brasileiros. Nessa etapa, foram entrevistadas 1.550 pessoas maiores de 16 anos que realizam algum tipo de serviço voluntário.

Para acessar o estudo, clique aqui.

A Rede Brasil Voluntário, criada pelos centros de voluntariado de Curitiba, Florianópolis, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo, tem como objetivo reconhecer e expandir o voluntariado no Brasil. Ela apoia cerca de 50 centros de voluntários e incentiva a criação de movimentos organizados e novos centros.

 

 

Investimento Social Estratégico: Integrando o Processo e a Visão

Stephen P. Johnson é vice-presidente da The Philanthropic Initiative, uma organização sem fins lucrativos que, há duas décadas, orienta ações em filantropia estratégica. No artigo escrito exclusivamente para o IDIS, Johnson analisa as bases para doar bem.

Stephen Johnson, TPIInvestimento social estratégico – ou, como é mais conhecida nos Estados Unidos, “filantropia estratégica” – tem diversos significados. No The Philanthropic Initiative, Inc. (TPI) nós acreditamos que o investimento social estratégico tenha os seguintes componentes principais:

  • Doação e voluntariado que combinam “cabeça e coração”
  • Doação e voluntariado que é focado, impulsionador e “mão na massa”
  • Doação e voluntariado que tem o objetivo transformações a longo prazo e sistemáticas

Investidores sociais estratégicos tendem a ser exatamente o que o nome se propõe: que se comportam como investidores de qualquer mercado. Estes investidores são direcionados por uma visão e por valores. Eles conhecem suas metas e objetivos. Eles possuem um processo de validação das organizações em que investem. Eles estão interessados em análise de riscos, mas também estão dispostos a assumir riscos para atingir suas metas. Eles estão interessados em medir o retorno de seus investimentos. E eles estão dispostos a assumir diversos papéis além de financiadores para atingir seus objetivos.

TPI é um organização da sociedade civil que presta serviço de consultoria para indivíduos, famílias, fundações e corporações que queiram fazer investimento social. Fundada em 1989, nossa missão é ampliar o impacto do investimento social na sociedade. Nós temos o compromisso de assessorar nossos clientes a desenvolver e implementar abordagens estratégicas de alto impacto para a filantropia. Como apresentado com mais detalhes no site do TPI, os serviços oferecidos para os doadores incluem planejamento estratégico, facilitação, pesquisa e design programático, e implementação e avaliação de iniciativas estratégicas. Durante os últimos 20 anos, nós trabalhamos com mais de 350 clientes, incluindo um número crescente de doadores que possuem interesses internacionais.

Iniciando o Investimento Social

Os doadores com quem o TPI tem trabalhado ao longo dos anos são sérios com relação ao investimento social estratégico. Nós temos um cliente que freqüentemente nos conta que ganhar dinheiro foi fácil – a conseqüência natural de se fazer algo em que ele é bom. Entretanto, doar “bem” era menos intuitivo e mais difícil. Apoiar a sua universidade, a campanha capital do hospital da região, eram escolhas óbvias para destinar suas doações. E escolhas importantes, mas descobrir maneiras de fazer a diferença na sociedade; de como alinhar seus valores e suas paixões com as suas ações de filantropia; e de como criar estratégias que alavancavam suas doações; de como determinar o impacto de seu investimento; e de como e quando envolver a sua família; estas eram desafios muito mais difíceis para ele.

Por que aqueles que doam tão bem, que buscam mudar o mundo ou suas comunidades, decidem se tornar “investidores inovadores”? Como e com quem eles aprendem a como fazer uma boa doação? Quão importante é um missão filantrópica? Metas e estratégias? Quais são os riscos e oportunidades ao envolver esposa e filhos em sua iniciativa? Qual é a forma de atuação correta para as doações? E onde é possível buscar e encontrar conselho suporte necessário para criar e avançar os programas de doação que satisfazem os interesses e são efetivos?

Muito tem sido escrito sobre essas questões, mas assim como muitos assuntos na Era da Informação, o desafio para adquirir conhecimento e habilidades para se tornar um doador de alto-impacto não é a ausência de informação, mas sim o excesso. O que muitos doadores que estão embarcando na odisséia de doações efetivas realmente precisam são dados – ou ao menos um bom norte – para guiá-los no oceano de uma filantropia e investimento inovadores. Esse artigo tem a intenção de proporcionar aos investidores ferramentas básicas de navegação para aventurar no oceano do investimento social estratégico.

Por que doar?

A pergunta “Por que doar?” parece óbvia até que ela venha a ser aparentemente não óbvia. A resposta é única para cada e todo doador. Algumas vezes o cálculo é muito simples – “Minha esposa faleceu de câncer de mama e eu quero ajudar a encontrar a cura e imortalizar a sua vida extraordinária”. Mas com maior freqüência isto tem se tornado complexo, uma rica mistura de motivações, sonhos e objetivos.

Nos vinte anos de trabalho do TPI com indivíduos e famílias de alto poder aquisitivo,  nós já nos deparamos com temos quase todos os motivos para doar, como a quantidade de nossos doadores. Algumas das motivações mais freqüentes incluem:

  • Legado – Entre alguns doadores, o desejo de criar um legado espiritual como uma forma de equilíbrio ou um complemento para o legado material é forte
  • Comunidade – Muitos doadores se sentem abençoados por sua inteligência, educação, cuidado da família, suporte da comunidade, trabalho árduo, sucesso e sorte. Alguns devem se sentir privilegiados por serem capazes de apoiar suas comunidades com uma parte de sua riqueza. Outros devem se sentir moralmente obrigados a “dar um retorno”. Alguns devem sentir ambas as coisas.
  • Cura – Em hebraico há uma bela frase “tikkun olan,” que significa “para curar o mundo em pedaços”. Há muito a ser curado – fome, moradores sem lar, doenças, negligência infantil, degradação do meio ambiente, e infelizmente, a lista não tem fim.
  • Desafios – Entre os empreendedores, o desafio de resolver um vergonhoso e, aparentemente, problema social sem solução, pode ser a motivação para a filantropia criativa.
  • Família – Agora que o negócio da família foi vendido, quais são as oportunidades para se trabalhar com a família? Para muitos, a filantropia pode funcionar como essa plataforma.
  • Honra – Aqueles que patrocinaram uma sinfonia e bibliotecas e laboratórios de pesquisa em memória da família e amigos, assim o fazem para honrar aqueles que amam.
    Reconhecimento – Para alguns, o desejo se ter o reconhecimento da sociedade, ou estar com as “pessoas certas” é uma importante motivação para doar.
  • Tradição – Em algumas famílias, é uma tradição de muitos anos.
  • Satisfação – Talvez a principal motivação para doar seja somente “sentir-se bem”. Doar faz as pessoas se sentirem bem. Satisfaz superar um desafio, causar impacto, mudar o mundo (e, às vezes, a si mesmo) para o melhor.
    Compreender as motivações para doar é importante. A ausência do entendimento do eu motiva as doações, de que forma atuar, em que foco, e decidir a estratégia; nada mais que uma caminhada aleatória onde todos os caminhos são possíveis.

Algumas questões preliminares

Trabalhando com clientes individuais e familiares que pretende melhorar suas doações ou considerando um novo nível de filantropia, TPI geralmente entrevista o doador e faz as seguintes perguntas:

  • Por que doar?
  • Por que você está interessado em filantropia?
  • Quais são seus valores? Seus objetivos filantrópicos? Suas paixões sobre a sociedade e o mundo em que você vive?
  • O que você espera alcançar com a sua doação?
  • É importante que sua família esteja envolvida com a sua filantropia? Por quê? Como você gostaria que eles se envolvessem?

Considerações Financeiras

  • Quanto você pode doar?
  • Quanto você quer doar agora? Quanto mais tarde? Quanto ao morrer?
  • A decisão de como doar é sensível ao tempo?
  • Você precisa de renda no momento, mas gostaria de beneficiar uma organização filantrópica na sua morte?

Quanto tempo você pode investir em suas ações filantrópicas?

  • Você imagina que sua filantropia será principalmente e exclusivamente a doação de dinheiro, ou você imagina investir quantidade significativa de tempo também?
  • Você se encontra em um momento da vida quando pode investir uma considerável quantidade de tempo em suas ações?
  • Se você fosse criar uma fundação privada você teria a disponibilidade para realizar visitas de campo, participar e gerenciar encontros regulares com o conselho?
  • Você acredita no modelo da “filantropia engajda” trazendo seus conhecimentos profissionais assim como seus ativos financeiros para a governança e operação de uma organização.

Quanto “mão na massa” você pretende ser?

  • Você pretende doar para organizações não-governamentais e ser capaz de dirigir os programas contemplados pela sua doação?
  • Você gostaria de conhecer as pessoas que trabalham com a organização para as quais você pretende destinar suas doações? Encontrá-los em suas bases de trabalho?
  • Você é intolerante com relação às funções administrativas e burocracias? Você prefere delegar essas funções para os outros?

Doando Bem – Qualidades de um Investimento Social Efetivo

No decorrer do trabalho com mais de centenas de clientes ao longo dos anos, TPI descobrir que os doadores que provocam maior impacto e que a partir de suas práticas filantrópicas obtém suas maiores realizações e que são caracterizados por alguns – e raramente, por todos – pelas qualidades a seguir. (Aqui, agradeço a meus colegas Leslie Pine, Melinda Marble e Joe Breiteneicher, que prepararam uma versão preliminar da lista abaixo).

Valores-Direcionadores

O investimento social é geralmente dirigida por fortes valores familiares e pessoais, crenças sobre o que é importante para a vida. Estes valores, e paixões pessoais e familiares que geralmente os acompanham, necessitam de uma orientação para doar. Ao trabalhar com famílias e tentar ajudá-las a identificar seus valores nós geralmente fazemos perguntas como:

  • Quais são os seus valores pessoais/ familiares? O que você e/ou a sua família defende?
  • Quais são os valores que guiam as escolhas que você faz na vida?
  • Como os seus valores estão coerentes com o tipo de doador que você gostaria de ser?
  • Quais são as histórias que você conta em sua família sobre a sua família e seus ancestrais? Que valores eles representam?
  • Quais foram os exemplos de valores que basearam suas decisões sobre as doações passadas?

Pró-atividade

Doadores eficazes são freqüentemente doadores pró-ativos. Suas doações são destinadas de acordo com suas visões e paixões, e não a partir de pedidos dos outros. Esses filantropos decidem o que eles têm interesse em investir, quais as questões e causas a serem combatidas, e depois desenhar estruturas para direcionar esses objetivos.

Focado

TPI uma vez foi descrito pelos membros do seus próprio conselho como os “propagandistas para o foco”. Se é ou não uma “propaganda”, trata-se de um credo. O foco para o investimento social cria a capacidade de concentrar recursos. Ajuda a definir e clarear objetivos filantrópicos. Ter foco possibilita ao doador adquirir conhecimento e inteligência sobre uma questão particular e a avaliar e para avaliar oportunidades de financiamento tendo como pano de fundo este conhecimento. Além disso, foco também ajuda o doador a dizer “não” para os pedidos que não do seu interesse.

O foco vem de diversas maneiras. Pode ser:

  • Programático. Exemplo: erradicando doenças; ajudar os moradores de rua; preservação das florestas
  • Geográfica. Exemplo: a comunidade que foi base para os negócios da família durante gerações
  • Minorias. Exemplo: mulheres, mães solteiras
  • Valores específicos. Exemplo: organizações comprometidas com a preservação das famílias
  • Estratégica. Exemplo: construindo infra-estrutura e capacidade das não-governamentais

Orientado por Meta/ Resultado

Muitos doadores eficazes têm clareza sobre suas metas e resultados esperados, e pedem aos seus parceiros o mesmo. Quando possível, o filantropo desenvolve indicadores concretos e mensuráveis de sucesso para a sua filantropia. Por exemplo, um financiador interessado em promover oportunidades econômicas para a população local deve medir o impacto do financiamento a partir de informações como criação de novas oportunidades de trabalho, crescimento salarial, ou, menos tangível, mas ainda mensurável, desenvolvimento de novos conhecimentos entre os residentes da comunidade.

Baseado em Pesquisa e  Contexto Social

A filantropia mais eficaz envolve uma combinação da “cabeça com o coração”. Enquanto as questões sobre as áreas e objetivos podem ser direcionadas de acordo com a visão e valores, a filantropia estratégica envolve uma pesquisa rigorosa e a análise, por exemplo, das lacunas dos serviços, necessidades, oportunidades, melhores práticas, abordagens eficazes. Equipado com essas ferramentas, os doadores podem determinar a maneira mais eficaz de direcionar os seus recursos para fazer a diferença.

Estratégias e Papéis claramente definidos

Uma vez que a visão está clara e que o foco e os objetivos estão definidos, o próximo passo é selecionar as estratégias que contribuirão para alcançar os objetivos do doador. Ainda, que papéis que o doador gostaria de ter em suas ações filantrópicas? Alguns papéis incluem:

  • Melhoria da Capacidade e infra-estrutura (de organizações, vizinhança, ou até mesmo de campos de interesse)
  • Inovador/ incubador (de novas idéias, programas ou organizações)
  • Disseminador/ replicador (de modelos efetivos e melhores práticas)
  • Agente transformador (da estrutura cultural, social e legal, ou de expectativas, direcionando causas subjacentes e sistemas)
  • Desenvolvimento Comunitário (desenvolver capital humano, social ou físico na área)
  • Crítico ou advogado (de políticas públicas ou sociais)
  • “Venture philanthropist” (apoiar empresários sociais que estão começando ou construindo organizações, ou tentando novas abordagens)
  • Desenvolvimento de líderes (de organizações, escolas ou comunidades)

Os papéis que os financiadores escolhem influenciam a forma que eles vão ativar e que ferramentas vão utilizar: financiamento a projetos, capacitação técnica, articulação de doadores que pensam da mesma maneira, empréstimo para organizações sociais, e/ou mobilização da mídia.

Processo de Validação

Assim como um investidor financeiro, o investidor social prudente condiciona o financiamento de projetos significativos a um processo de validação apropriado, por exemplo, acessar as habilidades da organização para qual a doação será destinada assim como o projeto específico a ser financiado. O processo de validação deve incluir, por exemplo, revisão cuidadosa da proposta, visita de campo, e conferir referências.

Conclusão

Tomar boas decisões sobre as doações é como tomar boas decisões sobre qualquer outro investimento – parte arte, parte ciência. Não existe um processo mágico que garantirá o sucesso de todas as doações ou financiamentos. Mas para aqueles doadores que obtém sucesso no casamento de sua visão e valores com um pensamento provocativo, pesquisa, e processo de validação; o impacto de suas doações pode ser virtualmente ilimitado.

Tornar-se um sábio doador pode levar tempos. Demanda um trabalho árduo, persistência, paciência, disponibilidade para experimentar e, algumas vezes, para falhar. Mas também deve e pode ser divertido – “divertido” não no sentido leviano, mas “divertido” como proveitoso e capaz de trazer alegria. A filantropia, enquanto trabalho sério, não deveria ser tão séria a ponto de se tornar um peso. Se o trabalho parecer opressivo em alguns momentos, não hesite em buscar pares ou parceiros, e ajuda externa.

Talvez o mais importante de tudo, lembre-se: os investidores sociais têm a permissão para sonhar grande sobre o que é importante para o futuro que buscamos para nossos filhos e os filhos de nossos filhos. Estes sonhos, seguidos de maneira ponderada e criativa, são oportunidades reais de filantropia, e eventualmente sua essência. Dinheiro bem investido pode transformar o mundo, e algumas vezes, apenas uma vida por vez.

2002: Relatório Sobre Doação e Voluntariado no Vale do Silício

Pesquisa da Community Foundation Silicon Valley mostra como a implantação de empresas de alta tecnologia transformou uma região tradicionalmente agrícola dos EUA (Califórnia), gerando aumento da população jovem e da riqueza local, e como essa riqueza passou a ser investida socialmente na própria região, em outras áreas dos EUA, e em outros países, pois muitos dos trabalhadores preferiam doar para suas comunidades natais.

Entre os dados interessantes da pesquisa, destaca-se o fato de que o vale do silício está se tornando uma comunidade que abraça a filantropia. 96% dos residentes dizem se engajar em alguma forma de doação e 81% afirmam participar de atividades voluntárias. 87% dos doadores locais doam para duas ou mais causas ou organizações sem fins lucrativos.

Ao contrário do estereótipo difundido de que trabalhadores da área da alta tecnologia não doam – ao menos no Vale do Silício -, eles doam mais do que os que não trabalham nesse setor (84% versus 78%). Também costumam usar mais a internet para conhecer um grupo ou organização não governamental (39% versus 26%), para fazer doações a uma organização sem fins lucrativos (25% versus 12%) e para saber sobre oportunidades de voluntariado (26% versus 19%). Mais da metade dos moradores da região doa dinheiro para ajudar as vítimas de ataques terroristas.

Clique aqui para obter a íntegra do Relatório.