Publicação reúne especialistas com análise inédita sobre duas décadas de Voluntariado no Brasil

Em 2001, quando a ONU – Organização das Nações Unidas estabeleceu o Ano Internacional do Voluntário, iniciou-se uma série de atividades, destacando-se a realização de pesquisas para conhecer o perfil dos voluntários e como eles apoiavam a sociedade. De lá para cá, organizações de toda natureza se mobilizaram para fortalecer esta importante atividade, o tema ganhou visibilidade e houve um crescimento expressivo no número de voluntários. Como mostrou a Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021, em duas décadas, o percentual da população brasileira que já praticou o voluntariado em algum momento de sua vida mais que triplicou, passando de 18% em 2001 para 56% em 2021.

Para mostrar esta evolução, o livro digital ”Voluntariado no Brasil: Duas Décadas de Transformação”, lançado em julho de 2022, traz uma coletânea de artigos escritos por especialistas. São diversos temas, personagens e estilos, de autores que contam histórias inspiradoras e trazem dados capazes de mostrar como os brasileiros, com criatividade e perseverança, constroem uma sociedade melhor e mais justa por meio da atividade voluntária.

Este é um desdobramento da terceira edição da Pesquisa Voluntariado no Brasil, iniciativa elaborada e coordenada por Silvia Maria Louzã Naccache, com apoio dos consultores Kelly Alves do Carmo e Felipe Pimenta de Souza, e realizada pelo Instituto Datafolha e IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social. 

Dividido em 15 principais temas relacionados ao voluntariado, o livro começa resgatando a história do Voluntariado no Brasil, que remonta à fundação da Santa Casa da Misericórdia de Santos, abordando análises importantes sobre as pesquisas realizadas em 2001 e 2011. 

O livro destaca também as mudanças nas duas últimas décadas, como os impactos de situações emergenciais e o voluntariado, aponta aspectos recentes relacionados à atuação durante a pandemia e explora a relação do voluntariado com os grandes eventos, como a Copa do Mundo os Jogos Olímpicos e Paralímpicos. 

Temáticas cruciais para o desenvolvimento sustentável são temas de reflexão, como com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), a filantropia e a cultura de doação e o voluntariado corporativo. Perspectivas para o futuro do voluntariado, claro, não ficaram de fora.   

“No Brasil, às vésperas de celebrarmos o Bicentenário da Independência, este livro é um presente, um legado e um registro do Voluntariado nas últimas duas décadas. Vem para reconhecer e valorizar o trabalho de 57 milhões de brasileiros voluntários, dado da pesquisa Voluntariado no Brasil 2021, e também para destacar tendências, desafios e caminhos para o futuro”, comenta Silvia Naccache, que também participou das edições anteriores da pesquisa.

Entre os autores, além dos realizadores da pesquisa, especialistas como Carolina Muller, Carola Matarazzo, Maria Elena Pereira Johannpeter, Patrícia Loyola, Ricardo Voltolini e Reinaldo Bulgarelli.

O material está disponível para download gratuito – em português, inglês e espanhol – no site pesquisavoluntariado.org.br.

 

    Nome
    E-mail
    Organização

     

    Voluntariado no Brasil: Duas Décadas de Transformação 

    Conheça os temas e autores: 

    • História do Voluntariado no Brasil: de 1543 ao Bicentenário da Independência
      • Maria de Fátima Alexandre | NEATS / PUC-SP
      • Nanci Fernandes Loureiro e Eliana Lopes Feliciano | Santa Casa de Santos
    • Voluntariado, Filantropia e Doação
      • Bruno Barcelos | consultor no Brasil e em Portugal
      • Carola Matarazzo | Movimento Bem Maior
    • 2001 O Ano Internacional do Voluntário 
      • Ana Maria Warken do Vale Pereira | Instituto Voluntários em Ação
      • Heloisa Coelho | RioVoluntário
    • 2011 e a Década do Voluntariado 
      • Maria Elena Pereira Johannpeter | Parceiros Voluntários RS
    • O Voluntariado em 2021 
      • Silvia Maria Louzã Naccache | consultora e coordenadora da Pesquisa Voluntariado no Brasil
      • Luisa Lima | IDIS 
    • O futuro do voluntariado no Brasil 
      • José Alfredo Nahas | Parceiros Voluntários
      • Ricardo Voltolini | Ideia Sustentável
    • Voluntariado e as situações emergenciais e humanitárias 
      • Leonard de Castro Farah | HUMUS BR
      • Monica Exelrud Villarindo | especialista em gestão de voluntários e voluntariado em desastres
    • Voluntariado e os grandes eventos da década 
      • Any Bittar | consultora na área de sustentabilidade
      • Thérèse Hofmann Gatti Rodrigues da Costa | Universidade de Brasília 
      • Felipe Pimenta de Souza | especialista em megaeventos e consultor na Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021
    • Programas de voluntariado estruturados: da informalidade a profissionalização da gestão  
      • Clarissa Martins | Phomenta
      • Ricardo Martins | Olhar de Bia e Rede Conectados do Terceiro Setor
    • A Pandemia e seu impacto no Voluntariado
      • Pamela Ribeiro | GIFE
      • Carolina Muller | CBVE e CIEDS
    • O Voluntariado Empresarial no Brasil na última década  
      • Patrícia Loyola | Comunitas
    • O Voluntariado e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável
      • Camile Rebeca Bruns | Movimento Nacional ODS Santa Catarina
      • Rafael Medeiros | Rede Brasil do Pacto Global
    • Redes e movimentos de voluntariado Brasil e Mundo 
      • Andréa Martini Pineda | EAESP-FGV
    • Voluntariado: motivações, causas e propósito 
      • Kelly Alves do Carmo | especialista e consultora na Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021
    • Contribuição das empresas, Voluntariado e Parcerias: realizador, engajador, mobilizador e motivador
      • Reinaldo Bulgarelli | Txai Consultoria e Educação 

    Sobre a Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021

    A pesquisa foi elaborada e coordenada por Silvia Maria Louzã Naccache, com apoio dos consultores Kelly Alves do Carmo e Felipe Pimenta de Souza. Sua viabilização teve o suporte de organizações que acreditam na importância do avanço do voluntariado no Brasil e participam dessa rede de apoiadores, Ambev, Bradesco, Fundação Itaú Social, Fundação Telefônica Vivo, Raízen, Sabesp, Sicoob e Suzano. IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social – e Instituto Datafolha assinam a realização. Os resultados completos e o livro digital Voluntariado no Brasil: Duas Décadas de Transformação estão disponíveis em pesquisavoluntariado.org.br.

    WGI 2021 mostra as mudanças no mapa de doações no mundo

    Pela primeira vez, 5 das principais economias ocidentais saíram do Top 10 dos países
    mais generosos. Por outro lado, houve recorde no número de pessoas que ajudaram um desconhecido: mais de 3 bilhões de pessoas.

    Acesse a pesquisa completa do World Giving index 2021 gratuitamente clicando aqui.

     

    Segundo o World Giving Index (WGI) o país mais generoso em 2021 é a Indonésia, com uma pontuação de 69, acima dos 59 na última vez em que um Índice anual foi publicado em 2018, quando também ficou em primeiro lugar. Mais de oito em cada 10 indonésios doaram dinheiro este ano e a taxa de voluntariado do país é mais de três vezes a média global. Em segundo lugar vieram o Quênia e em terceiro a Nigéria.

     

    O Ranking Global de Solidariedade é uma iniciativa da organização britânica Charities Aid Foundation (CAF), representada no Brasil pelo IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social. Conduzido desde 2009, já entrevistou mais de 1,6 milhão de pessoas e faz a cada uma delas três perguntas: você ajudou um estranho, doou dinheiro a uma organização social ou fez algum tipo de trabalho voluntário no mês passado? Nesta edição, foram incluídos os dados de 114 países, representando mais de 90% da população adulta global. Foram entrevistadas pessoas acima de 15 anos, nível de confiança da pesquisa é de 95%.

     

    A pesquisa deste ano destaca o impacto do lockdown em países que por anos lideraram o ranking da generosidade:  Estados Unidos, Reino Unido, Canadá, Irlanda e Países Baixos tiveram todos uma queda significativa em suas pontuações. Apenas Austrália e Nova Zelândia, onde a pesquisa foi realizada nas semanas anteriores ao início da primeira onda da pandemia, mantiveram-se entre as 10 primeiras colocações.

     

    Confira o gráfico dos países mais generosos do mundo. (Fonte: World Giving Index 2021)

     

    Um ponto a se destacar em tempos de coronavírus, é o número recorde de pessoas que relataram que ajudaram um desconhecido em 2020. Segundo a CAF, 55% da população adulta do mundo ajudou um desconhecido no ano passado, o equivalente a mais de 3 bilhões de pessoas. Seis dos 10 países que mais se destacaram em relação a esta variável estão localizados na África.

     

    Também cresceu o número de pessoas que doaram dinheiro em 2020, atingindo o maior patamar nos últimos cinco anos – 31% -, enquanto os níveis de voluntariado em 2020 permaneceram relativamente inalterados em nível global.

     

    Neste ano, o Brasil ficou em 540 lugar no ranking, subindo 14 posições em relação aos dados de 2018 e 20 posições em relação a sua posição média nos últimos 10 anos.

     

    Segundo Paula Fabiani, CEO do IDIS “A generosidade no mundo aumentou, em especial nas economias com pessoas em situação de maior vulnerabilidade. Este movimento de cuidar do próximo e realizar doações precisa continuar para enfrentarmos os efeitos perversos da pandemia e acelerar a melhoria do bem-estar de quem mais precisa”.

     

    Para Neil Heslop, diretor executivo da CAF, o World Giving Index deste ano revela o potencial não aproveitado de apoio às organizações sociais como resultado do lockdown em todo o mundo, em especial nos países desenvolvidos.

     

    Para ele, a generosidade sem dúvida salvou muitas vidas, mas para instituições sem fins lucrativos que dependem de eventos de arrecadação de fundos, de doações espontâneas em dinheiro ou de um exército de voluntários, o fechamento de economias teve um impacto profundo e será duradouro.

     

    A CAF ainda destaca no relatório deste ano que ainda há um grande trabalho a ser feito para reconstruir sociedades devastadas pela perda de recursos para as organizações sociais.

    DESTAQUES DA EDIÇÃO

    • Vários países subiram no índice e fizeram sua primeira aparição no top 10, incluindo Nigéria, Gana, Uganda e Kosovo – mas embora suas pontuações gerais de doações tenham aumentado um pouco, sua ascensão no Índice foi impulsionada também pelo declínio de outros países.

     

    • Comunidades em todo o mundo se mobilizaram para ajudar os cidadãos conforme a pandemia se instalou, resultando nos maiores números de ‘ajudou a um estranho’ desde que o índice foi lançado pela primeira vez em 2009.

     

    • Mais da metade (55%) dos adultos do mundo – ou 3 bilhões pessoas – relataram ajudar alguém que não conheciam em 2020. O Brasil atingiu seu recorde neste indicador, com 63% de brasileiros ajudando um estranho.

     

    • Da mesma forma, mais pessoas doaram dinheiro em 2020 do que nos últimos cinco anos (31%). O Brasil também teve o seu melhor percentual dos últimos 5 anos com 26% brasileiros doando para uma organização.

     

    • Os níveis de voluntariado em 2020 permaneceram praticamente inalterados em nível global, assim como no Brasil (15%).

     

    • O Japão ocupou o último lugar do WGI, como o país menos generoso do mundo.

     

    • No relatório especial do 10º aniversário do WGI, divulgado em 2019, os Estados Unidos da América foram o país mais generoso do mundo na década anterior e sete das 10 nações mais generosas estavam entre as mais ricas do mundo.

     

    Acesse a pesquisa completa do World Giving index 2021 gratuitamente clicando aqui.

     

     

    Confira os resultados da Pesquisa Doação Brasil 2020

    Promovida pelo IDIS, a Pesquisa Doação Brasil 2020 é o mais amplo estudo sobre a prática da doação individual no País. Os resultados da segunda edição, realizada pelo instituto de pesquisas Ipsos, revelam o impacto da longa crise econômica e da pandemia sobre a doação dos brasileiros. Ao comparar os dados de 2015 com os de 2020, vemos que a doação encolheu no Brasil, em todas as suas formas, desde a doação em dinheiro, até a doação de bens e de tempo (trabalho voluntário).

     

    Baixe a publicação completa: bit.ly/doacaobr2020

    Visite o site pesquisa: https://pesquisadoacaobrasil.org.br

     

    Enquanto em 2015, 77% da população havia feito algum tipo de doação, em 2020, o percentual ficou em 66%. Quando se trata de doação em dinheiro, a proporção caiu de 52% para 41%. E no caso de doações para organizações/iniciativas socioambientais, a redução foi de 46% para 37%.

    Sobre os achados da Pesquisa, Paula Fabiani, CEO do IDIS, comenta: “Apesar da queda das doações, a Cultura de Doação se fortaleceu nos últimos cinco anos. A sociedade está mais consciente da importância da doação e tem uma visão muito mais positiva das organizações da sociedade civil e seu trabalho. As classes mais privilegiadas demonstraram maior grau de solidariedade e responderam à crise de 2020 doando mais.

    Cerca de 650 pessoas acompanharam o evento de lançamento pelo Zoom e ao vivo pelo YouTube do IDIS. Desde então, a pesquisa tem sido destaque na imprensa nacional.

    Assista ao evento de lançamento na íntegra:

     

    Pesquisa Doação Brasil 2020

     

    INFLUÊNCIA DA RENDA

    Ao analisar a composição dos dados, fica claro que as alterações se deram por conta da prolongada crise econômica dos últimos anos, agravada pela pandemia e pelo cenário de incerteza para o futuro. Observamos que a doação de dinheiro para organizações/iniciativas socioambientais encolheu muito entre as classes menos favorecidas (de 32% para 25% entre 2015 e 2020, na faixa com renda familiar até 2 salários mínimos) e cresceu significativamente entre as classes com mais alta renda (de 51% para 58%, nas classes com renda familiar entre 6 e 8 salários mínimos, e de 55% para 59% entre as classes com renda familiar acima de 8 salários mínimos). Essas classes doaram mais em 2020 do que haviam feito em 2015.

     

    VALOR DA DOAÇÃO

    Em 2020, menos brasileiros doaram a organizações da sociedade civil e o valor doado caiu. Em 2015, a mediana* do valor anual doado por pessoa era de R$ 240 e em 2020, caiu para R$ 200.

    Essa redução teve forte impacto sobre o montante total das doações. Em 2015, o valor total doado pelos indivíduos foi de R$ 13,7 bilhões, o que correspondia a 0,23% do PIB. Em 2020, somou R$ 10,3 bilhões, equivalentes a 0,14% do PIB desse ano.

    (*) A mediana é preferida para estimar o valor total doado porque ela considera os valores mais praticados pela sociedade e despreza os valores extremos, ou seja, as doações muito altas ou muito baixas, que deturpam a média.

     

    CAUSAS MAIS SENSIBILIZADORAS

    O efeito da pandemia mudou as prioridades dos brasileiros, quando se trata de causas. Enquanto em 2015 Saúde e Crianças ocupavam os primeiros lugares na preferência dos brasileiros, em 2020, o Combate à Fome e à Pobreza foi citado por 43% da população como sendo a causa mais sensibilizadora, seguida por Crianças, Saúde e Idosos.

    Duas outras causas também ganharam muitos adeptos nos últimos cinco anos – o Combate ao Abandono e Maus-tratos de Animais, e os Moradores de Rua. Ambas haviam pontuado muito pouco em 2015, mas aparecem no ranking de 2020, em quinto e sexto lugar, respectivamente.

     

    PERCEPÇÃO SOBRE A DOAÇÃO

    Apesar do encolhimento na prática, a população brasileira vê de forma cada vez mais positiva a doação. Mais de 80% da sociedade acredita que o ato de doar faz diferença, e entre os não doadores, essa concordância atinge 75%.

    O conceito de que a doação faz bem para o doador cresceu significativamente, de 81% para 91% da população, atingindo uma maioria quase absoluta.

    Outro aspecto positivo é que a ideia de que o doador não deve falar que faz doações está perdendo força. Em 2015, ela contava com a concordância de 84% da população e, em 2020, o percentual caiu para 69%. Este é um ponto especialmente importante porque o falar sobre a doação estimula sua prática, traz inspiração, esclarece temores e desperta o interesse de outras pessoas.

     

    PERCEPÇÃO SOBRE AS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL

    A opinião dos brasileiros sobre as organizações da sociedade civil, mais conhecidas como ONGs, evoluiu muito nos últimos cinco anos.

    A noção de que as ONGs são necessárias no combate aos problemas socioambientais recebe a adesão de 74% da população, enquanto em 2015, essa concordância estava em 57%.

    A afirmação ‘Percebo que a ação das ONGs leva benefícios a quem realmente precisa’ conta com a concordância de 67% da população, e em 2015, esse índice era de 47%.

    O reconhecimento de que as ONGs fazem um trabalho competente é indicado por 60% da população, e em 2015, só 44% pensavam desse modo.

    O maior destaque, porém, fica com o crescimento da confiança nas ONGs. 45% da população concorda que as ONGs deixam claro o que fazem com os recursos que aplicam. Em 2015, apenas 28% se mostravam de acordo com a afirmação.

    OUTROS DESTAQUES

    A longa crise econômica que o País atravessa afetou muito as doações;

    Parte da população mais pobre, que doava em 2015, deixou de doar e passou a precisar de doações;

    Em compensação, as classes de maior renda doaram mais em 2020 do que em 2015;

    A doação é vista de forma muito positiva pela população como um todo, e aumentou a percepção de que as pessoas devem falar que fazem doação;

    A imagem das ONGs melhorou muito junto à sociedade brasileira.

     

    Baixe a publicação completa: bit.ly/doacaobr2020

    Visite o site pesquisa: https://pesquisadoacaobrasil.org.br

     

    Escute também o podcast “Aqui se Faz, Aqui se Doa” sobre a pesquisa:

    REALIZADORES E APOIADORES

    A Pesquisa Doação Brasil é uma iniciativa coordenada pelo IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social, realizada pela Ipsos e com o apoio do Banco Interamericano de Desenvolvimento BID, Fundação José Luiz Egydio Setúbal, Fundação Tide Setúbal, Instituto ACP, Instituto Galo da Manhã, Instituto Mol, Instituto Unibanco, Itaú Social, Mercado Pago e Santander.

    Pesquisa Voluntariado no Brasil 2011: uma década de voluntariado

    O voluntariado faz parte da história do Brasil e tem suas raízes em 1543, na fundação da Santa Casa de Santos. Desde então, vem se transformando. As organizações se multiplicaram, a atividade foi regulamentada, empresas passaram a promover programas de voluntariado, a tecnologia permitiu a atuação dos voluntários à distância.

    As pesquisas sobre voluntariado realizadas em 2001 e 2011 mostraram como o brasileiro é sensível ao tema do voluntariado e como tem o desejo de colaborar com causas comunitárias, faltando apenas as organizações se prepararem para recebê-los e aproveitarem todo o potencial que eles oferecem.

    Certamente, o maior legado foi a Pesquisa Voluntariado no Brasil 2001+10, organizada pela Rede Brasil Voluntário. Realizada pelo IBOPE Inteligência, a pesquisa mostrou que um em cada quatro brasileiros com mais de 16 anos já fez ou faz trabalho voluntário, ou seja, eram cerca de 35 milhões de pessoas em ação. 

    Baixe aqui os resultados da edição 2011 

     

    Assista ao vídeo realizado em 2011, na comemoração da Década do Voluntariado.

     

    Assista também ao evento de lançamento da pesquisa 2021:

    A Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021 é uma realização do IDIS e do Instituto Datafolha. Foi elaborada e coordenada por Silvia Naccache, com apoio dos consultores Kelly Alves do Carmo e Felipe Pimenta de Souza. Sua viabilização teve o suporte de organizações que acreditam na importância do avanço do voluntariado no Brasil, e participam dessa rede de apoiadores, Ambev, Bradesco, Fundação Itaú Social, Fundação Telefônica Vivo, Raízen, Sabesp, Sicoob e Suzano.

     

    Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021 | Artigos e Destaques

    Para olhar mais de perto para os resultados da Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021, convidamos integrantes e especialistas do terceiro setor para contribuir expandindo e enriquecendo esse conhecimento através de artigos sobre a temática.

    A série de conteúdos escritos busca analisar e compreender os achados do estudo. Confira:

    *Não nos responsabilizamos pelas opiniões e conclusões aqui expressadas.

    Confira outros conteúdos relevantes:

    Tenha acesso a pesquisa completa, acesse o site: www.pesquisavoluntariado.org.br

    A Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021 foi elaborada e coordenada por Silvia Naccache, com apoio dos consultores Kelly Alves do Carmo e Felipe Pimenta de Souza

    Para dúvidas relacionadas à pesquisa entrar em contato via pesquisavoluntariado2021@gmail.com

    Pesquisa Voluntariado no Brasil 2001: conheça a primeira edição histórica

    O voluntariado faz parte da história do Brasil e tem suas raízes em 1543, na fundação da Santa Casa de Santos. Desde então, vem se transformando. As organizações se multiplicaram, a atividade foi regulamentada, empresas passaram a promover programas de voluntariado, a tecnologia permitiu a atuação dos voluntários à distância.

    Em 2001, no Ano Internacional do Voluntário, aconteceu a primeira edição da Pesquisa Voluntariado no Brasil. Dez ano depois, foi realizada a segunda pesquisa, celebrando a Década do Voluntário. Seguindo a série histórica, surgem os resultados de 2021, ano profundamente marcado pela pandemia de Covid-19 e pelo fortalecimento da cultura de doação.

    A Pesquisa Voluntariado no Brasil apresenta um retrato do engajamento do brasileiro – quem são os voluntários, onde atuam e quais suas motivações.

    Baixe aqui os resultados da edição 2001

    Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021: acesse o site

    Assista também ao evento de lançamento da pesquisa 2021:

     

     

    A Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021 é uma realização do IDIS e do Instituto Datafolha. Foi elaborada e coordenada por Silvia Naccache, com apoio dos consultores Kelly Alves do Carmo e Felipe Pimenta de Souza. Sua viabilização teve o suporte de organizações que acreditam na importância do avanço do voluntariado no Brasil, e participam dessa rede de apoiadores, Ambev, Bradesco, Fundação Itaú Social, Fundação Telefônica Vivo, Raízen, Sabesp, Sicoob e Suzano.

     

     

    O Brasil conta com 57 milhões de voluntários ativos, segundo Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021

    Representados nos mais diversos segmentos, desde organizações educacionais a instituições que atuam em causas emergenciais humanitárias, eles coordenam campanhas de distribuição de alimentos, resgatam animais, contribuem para mobilizações ligadas à saúde, compartilham seus conhecimentos. Os voluntários doam seu tempo, energia e talento em prol de causas em que acreditam. São essenciais para que organizações da sociedade civil atinjam suas missões e, durante a pandemia, fizeram a diferença e impactaram positivamente a vida de milhares de pessoas.

    Qual o perfil do voluntário no Brasil? Em quais atividades atuam? Como a pandemia realmente influenciou a atuação dessas pessoas? Quais as causas que mais recebem atenção do trabalho voluntário? São essas questões que a Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021 procurou responder. Em sua terceira edição, os achados apontam resultados positivos: 56% da população adulta diz fazer ou já ter feito alguma atividade voluntária na vida. Em 2011, esse número representava 25% da população e, em 2001, apenas 18%. Chama atenção também o número de voluntários ativos no momento da pesquisa – 34% dos entrevistados, o que representa cerca de 57 milhões de brasileiros comprometidos com atividades voluntárias.

    Tanto a quantidade de pessoas envolvidas com o voluntariado aumentou, quanto as horas dedicadas à atividade. Se a quantidade média de dedicação por pessoa era de 5 horas mensais em 2011, a pesquisa de 2021 aponta a média de 18 horas mensais. Assim, cada voluntário brasileiro contribuiu, em média, por mês, o equivalente a 12 partidas de futebol inteiras. “Acompanho de perto a evolução do voluntariado no país nas últimas décadas, quando foi realizada uma pesquisa pioneira em 2001, Ano Internacional do Voluntário e, dez anos depois, na comemoração da Década do Voluntariado. A pesquisa 2021 confirma a valorização da atividade, com um salto para mais da metade da população brasileira já tendo praticado o serviço voluntário”, comenta Silvia Naccache, coordenadora do projeto em 2021 e que participou das edições anteriores.

    Públicos da ação voluntária | Pesquisa Voluntariado

    Destacou-se também o aumento da atenção dada a alguns públicos beneficiados pela atividade voluntária. Tiveram forte crescimento em 2021 famílias e comunidades, de 12% em 2011 para 35% em 2021, e pessoas em situação de rua, com um aumento de 20 pontos percentuais em relação à pesquisa anterior. Além disso, a pesquisa mostra a valorização da causa animal, de 1% em 2011 para 9% em 2021, e de pessoas com deficiência, de 3% para 9%.

    A pesquisa 2021 é um retrato da última década de atuação voluntária no Brasil, com destaque para avanços do voluntariado empresarial, os megaeventos realizados no país, como a Copa do Mundo, em 2014, os Jogos Olímpicos e Paralímpicos, em 2016, e o impacto da pandemia”, avalia Felipe Pimenta, consultor da Pesquisa 2021. Em relação à pandemia, mesmo com o isolamento social, 47% dos voluntários passaram a praticar mais o voluntariado, tendo como atividade mais comum a distribuição de recursos (61%). No período, 21% passaram a fazer atividades voluntárias online, sendo as mais comuns as atividades de apoio psicológico e de educação.

    Ao serem questionados sobre a satisfação com a atividade realizada, a nota média atribuída pelos voluntários foi de 9,1, de um total de 10. A motivação para a realização de uma atividade voluntária também ganhou contornos melhor definidos na última década. Solidariedade ainda é a palavra que melhor a descreve, passando de 67% para 74%. Nesta linha, a pesquisa também mostra que além de doar tempo, os voluntários têm o hábito de contribuir de outras formas:  95% também doam bens, como alimentos, roupas ou brinquedos, e 50% declaram também doar dinheiro para causas e organizações. Para Luisa Lima, Gerente de Comunicação do IDIS, “esses comportamentos refletem o fortalecimento da cultura de doação no Brasil. As pessoas estão cada vez mais cientes sobre as formas que têm à disposição para contribuir às causas em que acreditam”.  

    Um ponto de atenção, porém, vem da porcentagem de voluntários que têm conhecimento sobre a Lei do Serviço Voluntário (Lei n° 9.608), que regulariza a atividade no país. 55% dizem não conhecer a Lei e 81% nunca assinaram nenhum Termo de Adesão ao Serviço Voluntário. “A formalização do vínculo é importante para as organizações e para os voluntários. O desconhecimento sobre a legislação do voluntariado no Brasil aponta o potencial de ação para organizações que fomentam a atividade” comenta Kelly do Carmo, consultora da pesquisa 2021.  

    Outros achados da pesquisa

    • Não há diferença significativa em relação ao gênero dos voluntários: 51% feminino, 48% masculino e 1% declarou outras respostas. A pesquisa revelou que 40% dos voluntários se encaixam na faixa etária entre 30 e 49 anos; em relação à escolaridade, 50% detêm o ensino médio completo / superior incompleto; e a renda familiar mensal de 39% dos respondentes é de até 2 salários mínimos.
    • Em relação aos brasileiros que realizam alguma atividade voluntária atualmente (34% da população), 12% afirmam fazer as atividades com frequência definida; enquanto 22% realizam sem frequência definida.  
    • 15% dos voluntários realizam atividades ligadas a programas de voluntariado empresarial e dedicam, em média, 21,5 horas por mês.
    • 70% dos respondentes não conhecem os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), definidos pela Organização das Nações Unidades (ONU), que compreendem os alicerces da Agenda 2030 para combater a pobreza, melhorar a educação, promover práticas ambientalmente sustentáveis, entre outras. O índice de conhecimento cresce conforme aumenta o grau de instrução e a renda familiar mensal do entrevistado.
    • 49% concordam que os grandes eventos realizados na última década, como a Copa do Mundo, Jogos Olímpicos e Paralímpicos, Visita do Papa etc., contribuíram para aumentar o engajamento dos brasileiros no trabalho voluntário. 

    Sobre a Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021

    A pesquisa foi elaborada e coordenada por Silvia Naccache, com apoio dos consultores Kelly Alves do Carmo e Felipe Pimenta de Souza. Sua viabilização teve o suporte de organizações que acreditam na importância do avanço do voluntariado no Brasil e participam dessa rede de apoiadores, Ambev, Bradesco, Fundação Itaú Social, Fundação Telefônica Vivo, Raízen, Sabesp, Sicoob e Suzano. IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social – e Instituto Datafolha assinam a realização. Os resultados completos estão disponíveis em www.pesquisavoluntariado.org.br.

    Metodologia

    A Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021 foi conduzida pelo Instituto Datafolha e compreendeu etapas quantitativas e qualitativas como descrito a seguir. 

    Pesquisas quantitativas: possuem o objetivo de identificar o perfil dos voluntários e dos não voluntários no Brasil:  

    1. Entrevistas pessoais e individuais, com pessoas de 16 anos ou mais que fazem ou não atividades voluntárias, realizadas em pontos de fluxo populacional de abrangência nacional.  (2.086 pessoas, a margem de erro máxima para o total das amostras é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos, dentro do nível de confiança de 95%). 

    2. Entrevistas pessoais, individuais e específicas com voluntários – pessoas que fazem ou já fizeram alguma atividade voluntária, com 16 anos ou mais, realizadas em pontos de fluxo populacional, distribuídos em oito capitais brasileiras: Brasília, Curitiba, Fortaleza, Manaus, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo. (1.556 voluntários, a margem de erro máxima para o total das amostras é de 3 pontos percentuais, para mais ou para menos, dentro do nível de confiança de 95%). 

    Pesquisas qualitativas: são exploratórias, possuem o objetivo de investigar em profundidade os aspectos comportamentais, opiniões, captar informações e obter uma análise profunda e detalhada sobre as percepções de voluntários, de especialistas e interessados no tema:

    1. Entrevistas e conversas online em grupo (Grupos Focais), com pessoas que praticam trabalho voluntário no mínimo uma vez a cada 15 dias, desde antes da pandemia, de três capitais representativas de regiões distintas: Porto Alegre, Recife e São Paulo. 

    2. Entrevistas online individuais em profundidade sobre voluntariado com oito formadores de opinião, diversificados por tipo de atuação e regiões do Brasil. 

    OBS: Embora o planejamento da pesquisa tenha sido feito ao longo de 2021, em razão da pandemia e problemas decorrentes, as pesquisas quantitativas aconteceram entre o final de 2021 e o início de 2022.

    Para assuntos relacionados à mídia, entre em contato diretamente com a assessoria de imprensa:
    4Press: Ana Lúcia Moretto | anamoretto@4pressnews.com.br | (11) 5096-0439