Muito prazer, IDIS!

Equipe_IDIS

Toda organização é feita de pessoas. Não há resultados ou realizações sem elas e por isso celebrar quem faz parte e faz tudo acontecer é tão importante! Hoje, a equipe do IDIS é formada por 23 profissionais, atuando em diferentes frentes, mas com a mesma missão: inspirar, apoiar e ampliar o investimento social privado e seu impacto.

Para valorizar quem está aqui e mostrar um pouquinho da visão única de cada um, neste ano realizamos uma campanha em nossas mídias sociais. Aqui, reunimos todas as postagens e convidamos todos a conhecerem nosso time!

Para saber mais sobre cada um, visite a página ‘Equipe e Conselhos’.

A nossa atuação baseia-se no tripé geração de conhecimento, consultoria e realização de projetos de impacto, que contribuem para o fortalecimento do ecossistema da filantropia estratégica e da cultura de doação. Fazemos tudo isso guiados pelos nossos valores: Excelência, Aprendizado, Colaboração, Respeito, Transparência e Sustentabilidade.

Valorizamos a atuação em parceria e a cocriação, acreditando no poder das conexões, do aprendizado conjunto, da diversidade e da pluralidade de pontos de vista. Em 22 anos de história, mais de 120 colaboradores passaram pelo IDIS.

Caso queira trabalhar conosco, cadastre seu currículo nossa página no site da 99 Jobs. Acompanhe também nossas mídias sociais e receba nossa newsletter: https://linktr.ee/idisocial

 

 

‘Como escolher uma causa’ é tema de live no Valor Econômico

O Valor Econômico em colaboração com o Valor Social, área de responsabilidade social da Globo, promoveu uma semana especial de lives que teve como temática principal ‘Cultura de Doação’. O evento propôs ampliar os debates sobre a importância e o tamanho do investimento social privado no Brasil, apresentar os melhores caminhos para doar, mostrar o que é feito no âmbito dos negócios e como estimular a cultura de doação.

Paula Fabiani, CEO do IDIS, e Joana Mortari, diretora da Associação Acorde, protagonizaram a mesa “Como Escolher Sua Causa”, importante assunto quando se trata da construção de uma cultura de doação. A mesa foi mediada por Celia Rosemblum, Editora de Projetos Especiais do Valor.

Com o objetivo de mobilizar os brasileiros para a doação, o IDIS criou o ‘Descubra sua Causa’, um teste de 9 perguntas que ajuda a encontrar uma causa com a qual a pessoa melhor se identifica e depois mostra organizações com as quais pode contribuir, doando dinheiro ou tempo, por meio de trabalho voluntário.  A Pesquisa Doação Brasil, que tenta entender as barreiras para a cultura de doação no país, em sua edição de 2015 mostrou que 84% dos brasileiros não concordavam com a ideia de que o doador deve falar que faz doações e que, além disso, explica Paula, não havia uma clareza de qual causa mobilizava a ação. Isso mostrou a necessidade de se falar mais sobre o assunto, sobre diferentes causas e do endereçamento das doações. Foi nesse contexto que o teste surgiu e hoje traz opções de como e para onde contribuir de acordo com a causa identificada, direcionando os passos para aquele que deseja agir.

Veja a live na completa: https://youtu.be/lV7pC6HTYJ4

Construindo a Favela 3D: digna, digital e desenvolvida

O terceiro setor — representado por ONGs e empreendedores sociais — tem historicamente um papel fundamental na transformação sistêmica da vida da parcela mais pobre da população. Ele é ambicioso e inovador. Organizações como a Gerando Falcões têm eficiência, velocidade e capacidade de execução porque penetram onde o Estado não chega. No início da pandemia, por exemplo, o terceiro setor se fez presente na vida dos mais pobres semanas antes do governo. Enquanto o Estado tinha dificuldade para localizar os fantasmas brasileiros — quem não têm RG nem CPF — as ONGs sabiam onde eles estavam e os chamavam pelo nome.

Fundada em 2011 no Jardim Kemel, bairro periférico de Poá, na região metropolitana de São Paulo, a Falcões começou como uma iniciativa que oferecia atividades extracurriculares a crianças e adolescentes e cursos de qualificação profissional a jovens e adultos da região.

Dez anos depois, cresceu exponencialmente e se converteu numa aceleradora de desenvolvimento social, que apoia mais de cem líderes e organizações de favelas em 19 estados do Brasil.

O que ela quer, agora, é ainda maior, mas está longe de ser inviável: implementar a primeira Favela 3D — digna, digital e desenvolvida — do país. Trata-se de um projeto multissetorial, com participação do governo e da iniciativa privada, para dar autonomia social e financeira à Vila Itália, favela de São José do Rio Preto (SP). O Favela 3D vai atuar tanto no trabalho de base tradicional — construindo casas, regularizando o uso da área e melhorando a infraestrutura — quanto na criação de ferramentas sociais transformadoras, como programas de capacitação e empreendedorismo que deem soberania financeira aos moradores e tornem a comunidade autossustentável.

A ideia a médio e longo prazo é fazer da Vila Itália um projeto-piloto que possa ser replicado Brasil afora. Os 14 milhões de brasileiros que vivem em favelas estão habituados a ser ignorados pelo poder público, vistos como problema ou ter seu potencial desperdiçado por falta de oportunidades. Com o Favela 3D, eles passam a ser parte da solução, agentes ativos da própria emancipação.

O método para alcançar esse objetivo é o mesmo que consolidou a Gerando Falcões como uma das principais iniciativas sociais do país: localizar as lideranças capazes de gerar mudanças locais na quebrada, investir em treinamento e capacitação e acompanhar os resultados com afinco, usando sistemas como o SROI (sigla em inglês para Retorno Social do Investimento), que quantifica o impacto social em valores financeiros. Uma análise feita com apoio do IDIS mostrou que, a cada R$ 1 investido nas iniciativas avaliadas, R$ 3,50 são gerados na forma de benefício para a sociedade.

Foi identificado também que o investimento social da ONG “paga-se socialmente” (payback) já no segundo ano após o investimento, algo raro para a maioria de ativos financeiros disponíveis no mercado. É o melhor dos dois mundos: propósito e inovação, uma combinação de conhecimento da favela com o conhecimento das empresas que estão mudando o mercado.

São avaliações de impacto como essas que dão à Gerando Falcões a segurança de estar no caminho certo, justificando perante seus apoiadores e sociedade civil a relevância de seu Programa de Aceleração. É assim que essa expertise é levada aos quatro cantos do país, revolucionando a maneira como encaramos o urbanismo e o desenvolvimento social nas periferias brasileiras.

Olhar para trás, para o que foi realizado, identificar o que deu certo, o que poderia ter sido diferente e de fato avaliar exige tempo e dedicação. Mas é assim que conseguimos evoluir e dar escala ao que fazemos. E é reorganizando a forma como o dinheiro circula na favela e dando instrumentos aos seus moradores que o Brasil vai criar condições para quebrar o círculo vicioso da desigualdade, transformar os excluídos em cidadãos e fazer com que a miséria vire item de museu.

Edu Lyra e Nina Cheliga são, respectivamente, fundador e CEO e Diretora de Tecnologias Sociais da Gerando Falcões; Paula Fabiani e Felipe Insunza Groba são, respectivamente, CEO e Gerente de Projetos do IDIS. Este artigo foi publicado em uma versão reduzida no Exame.

Saiba mais sobre Avaliação de Impacto e SROI.

 

Cultura em chamas: o que aprendemos três anos após o incêndio do Museu Nacional

Cultura em chamas: o que aprendemos três anos após o incêndio do Museu Nacional

As chamas do Museu Nacional, no Rio de Janeiro, há 3 anos estampavam manchetes de jornais brasileiros e foram amplamente divulgadas pela mídia internacional. Desde então, presenciamos com tristeza outros focos de incêndio em aparelhos culturais, como no Museu de História Natural da UFMG, em 2020, ou no acervo da Cinemateca em julho deste ano, e as razões foram semelhantes: verba insuficiente para manutenção.

O que fazer para a história não se repetir? Em 2018, a resposta foi o fortalecimento de um movimento da sociedade civil pela regulamentação dos Fundos Patrimoniais Filantrópicos no Brasil. Uma coalizão multissetorial, formada por mais de 70 organizações e liderada pelo IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social, intercedeu em Brasília por este mecanismo que oferece maior possibilidade de sustentabilidade financeira a organizações e causas, incluindo a cultura, e conquistou, em janeiro do ano seguinte, a promulgação da Lei 13.800/19. Os fundos patrimoniais são uma resposta à falta de recursos para a manutenção de equipamentos culturais tão importantes para a preservação e divulgação da nossa história e cultura.

Um fundo patrimonial, ou endowment, permite que pessoas, empresas e filantropos doem recursos com a segurança de que serão bem geridos e bem aplicados. São investimentos de longo prazo, dos quais a organização beneficiada utiliza apenas os rendimentos, garantindo-lhe recursos perenes. Eles complementam verbas estatais ou aquelas advindas da atividade e captação da organização, e dão maior flexibilidade para investimento em manutenção, expansão ou resposta em casos emergenciais. Por exemplo, o Museu de História Nacional de Nova York, possui 28% da recursos de bilheteria, 25% de doações, 16% de fundos patrimoniais, 16% atividades auxiliares e 9% da prefeitura da cidade. As maiores universidades dos Estados Unidos, como Harvard, contam também com fundos patrimoniais bilionários. Lá, cerca de 35% dos ex-alunos contribuem com doações e os rendimentos representam mais de ⅓ do orçamento anual da Universidade. O Museu Nacional, por sua vez, tem 98% de seu orçamento dependente de verbas federais por meio da Universidade Federal do Rio de Janeiro, e é diretamente afetado pela crise dos investimentos federais em cultura e educação.

A Lei 13.800 foi sem dúvida uma grande conquista, e desde então, vimos serem estruturados no Brasil o Fundo Patrimonial Rogerio Jonas Zylbersztajn, o Lumina, da Unicamp, o Fundo da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), entre outros. Os exemplos na área cultural, entretanto, são poucos e ainda incipientes. Uma das razões é que os recursos advindos de Leis de Incentivo, como a Lei Rouanet, tão comuns nesta área, apesar de serem previstos na Lei para a doação a Fundos Patrimoniais, não estão ainda regulamentados pela Secretaria da Cultura, com o estabelecimento de orientações para a apresentação de projetos culturais. Dessa forma, as organizações da área da cultura não conseguem exercer o direito que lhes foi conferido pela Lei 13.800. Este é um dos pleitos da Coalizão pelos Fundos Patrimoniais Filantrópicos, afinal é um direito das organizações culturais, é preciso que as autoridades publiquem Instrução Normativa regulamentando este benefício.

A regulamentação é urgente para alavancar a criação ou a ampliação de Fundos Patrimoniais voltados à cultura, em especial neste momento de redução de gastos públicos e drástica diminuição de recursos a essa área. O fogo é histórico: em 1978 no MAM (RJ); 2013 no Memorial da América Latina; 2015 no Museu da Língua Portuguesa; 2016 na Cinemateca; 2018 no Museu Nacional; 2020 no Museu de História Natural da UFMG; e 2021 novamente na Cinemateca. Que das cinzas de tantas memórias e história possam surgir novas formas de cuidarmos de forma sustentável de nossa cultura enquanto sociedade, para que ela perdure e seja de todos e para todos.

Por Paula Fabiani, CEO do IDIS e Priscila Pasqualin, sócia do PLKC Advogados.

Este artigo foi publicado originalmente no Estadão.

Estadão destaca fundos patrimoniais de universidades brasileiras

Comum em universidades americanas, os endowments, também conhecidos como fundos patrimoniais, têm se tornado estratégicos para a sustentabilidade financeira de instituições de ensino brasileiras nos últimos anos.  A reportagem do  Estadão aponta as iniciativas que tem surgido e como o IDIS tem auxiliado no fortalecimento dos fundos filantrópicos no Brasil.

Nas redes sociais, com Pix e contribuições mensais, a contribuição para o crescimento dos endowments nas universidades é facilitada. A criação de fundos patrimoniais das instituições tem o apoio de projetos de impacto social e impulsionar a pesquisa brasileira. A ação consiste em aumentar a quantia somada de doações visando um maior rendimento e com isso, mais projetos apoiados.

A ideia é que o fundo funcione de forma perene, ou seja, quanto maior o bolo de doações, maior os rendimentos e mais projetos são apoiados. O foco está não só em ex-alunos como também pequenos doadores que possam contribuir com pequenas quantias e tornar o ato mais popular.

Paula Fabiani, CEO do IDIS, lembra que a participação do pequeno doador na construção de fundos patrimoniais é estratégica e contribui para a popularização da ação, uma vez que pode gerar futuros doadores e empreendedores. Paula comenta: “A popularização é importante porque traz legitimidade para a organização”.

O IDIS atua no advocacy com fundos patrimoniais desde 2012 e em outubro de 2020 atuou junto a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) na criação do Lumina, o fundo patrimonial que tem como objetivo de contribuir com o financiamento de projetos e iniciativas da Universidade nas áreas de ensino, pesquisa, extensão e inovação. A iniciativa foi orientada pelo IDIS ao longo do todo processo de criação. Leia o case e saiba mais sobre a ação.

Confira a matéria na íntegra, acesse: bit.ly/idisnamidia15

IDIS promove curso Avaliação de Impacto SROI: conceitos e práticas

Há um interesse crescente sobre avaliação de impacto. Empresas e filantropos desejam saber se os investimentos feitos estão gerando transformações e organizações sociais querem entender como podem gerar ainda mais benefícios socioambientais. Por isso, em outubro, o IDIS oferecerá o curso Avaliação de Impacto SROI: conceitos e práticas. Interessados já pode fazer sua inscrição.

Com 12 horas de duração, divididas em 4 encontros semanais, o curso abordará conceitos gerais de avaliação, concentrando-se nos elementos que compõe o protocolo SROI (Social Return on Investment ou Retorno Social do Investimento). Entre os tópicos, Teoria da Mudança, Pesquisa Qualitativa e Quantitativa, Monetização, Mapa de Impacto, Relatórios, Devolutivas e Comunicação.

O curso será online e realizado por meio de plataforma de EAD. Os encontros serão ao vivo, com gravação disponibilizada posteriormente aos alunos do curso. O valor para participação será de R$ 1.900, com vagas limitadas a 30 participantes.

As aulas serão ministradas por profissionais do IDIS, entre eles a CEO Paula Fabiani, e as gerentes e especialistas em avaliação Laís Faleiros e Raquel Altemani, todas capacitadas pela organização inglesa Social Value. Casos práticos de projetos realizados pelo IDIS para organizações como Amigos do Bem, CEAP, Gerando Falcões, Fundação Sicredi, Santa Marcelina Cultura (Programa Guri), Petrobrás, Sesc, entre outros serão usados para ilustrar as aulas.

O ‘SROI – Social Return on Investment’, ou Retorno Social sobre Investimento, é um protocolo de avaliação que propõe uma análise comparativa entre o valor dos recursos investidos em um projeto ou programa e o valor social gerado para a sociedade com essa iniciativa. Trata-se de uma ferramenta poderosa de mensuração, que além de trazer a monetização do impacto social, integra dados qualitativos e quantitativos capturando a percepção dos beneficiários.

Faça sua inscrição no curso: https://bit.ly/cursosroi

Em agosto, realizamos um evento para explicar do que se trata a abordagem, com a participação de representantes da Gerando Falcões e da Fundação Sicredi. Assista aqui:

 

Nesta sessão, selecionamos artigos, publicações e vídeos sobre avaliação de impacto e SROI. Confira!

#Conhecimento: Avaliação de Impacto e SROI

 

 

Instituto Comunitário de Valinhos avança no diagnóstico da região com apoio do IDIS

Com objetivo de estruturar um plano estratégico de ações para o território de Valinhos, cidade da região metropolitana de Campinas, SP, a FEAV – Fórum de Entidades Assistencialistas de Valinhos promoveu um workshop com a participação de lideranças e das 11 entidades de sua rede. A programação acontece dentro do âmbito do Programa Transformando Territórios, iniciativa do IDIS com a Charles Stewart Mott Foundation para fomentar a criação e fortalecimento de Institutos e Fundações Comunitárias no Brasil.

A FEAV é uma das 14 organizações participantes do programa e tem avançando rapidamente nas atividades para a formalização de um Instituto Comunitário. No evento, a organização o apresentou o diagnóstico detalhado do mapeamento de demandas e potencialidades do território e das instituições locais, feito com apoio do IDIS, incorporando as sugestões do público. Whilla Castelhano, coordenadora do IDIS no Transformando Territórios, participou também apresentando conceitos e objetivos do Programa.

Workshop FEAV e IDIS - Transformando Territórios

Whilla Castelhano durante Workshop com a FEAV

Entre os próximos passos previstos estão a definição do planejamento estratégico de curto prazo, a partir da priorização de ações, e a definição de um modelo de negócios para que as necessidades sejam endereçadas.

“É preciso conhecer o território de abrangência e verificar os serviços e as demandas apontadas. Agora precisamos avançar, com o envolvimento de todos para que esse projeto se transforme em processo”, destacou Eliane Macari, presidente da FEAV.

Para saber mais sobre o Transformando Territórios e sobre o conceito de Institutos e Fundações Comunitárias, acesse: https://www.idis.org.br/projetos-de-impacto/fundacoes-e-institutos-comunitarios/

Workshop FEAV e IDIS - Transformando Territórios

*As medidas de segurança para a Covid-19 (distanciamento e o uso de máscaras) foram respeitados durante o evento.

#Conhecimento: Avaliação de Impacto e SROI

Confira nossos conteúdos sobre os temas relacionados à Avaliação de Impacto e SROI.

E se você tem interesse em se aprofundar mais no tema, faça a pré-inscrição no curso Avaliação de Impacto SROI: conceitos e práticas, que será realizado pelo IDIS em outubro de 2021. Clique aqui e saiba mais: https://bit.ly/pre_cursosroi

Publicações

 

Artigos e Notas Técnicas

Avaliacao_Custo_Beneficio

O que é Avaliação de Impacto?

Avaliação de Impacto e SROI

O que é SROI e por que ele é útil?

Avaliar o Impacto Social é também uma estratégia de Comunicação e Captação de Recursos

Qual é a transformação que você quer ser?

 

Cases

Vídeos

 

Evento do BTG Pactual aborda filantropia e cultura de doação

O BTG Pactual promoveu na quinta-feira (12/08) o Give Back Day, evento que apresentou e reconheceu as seis ONGs participantes do BTG Soma, programa de aceleração de Organizações Não Governamentais e Organizações da Sociedade Civil com o objetivo de fomentar um ecossistema mais sustentável, independente e com melhor performance, contribuindo para uma transformação social. O programa contou com mais de 100 horas de workshop voltadas para o desenvolvimento das organizações.

Para celebrar a conclusão do projeto, foram convidadas para o Give Back Day grandes nomes do setor para falar sobre cultura de doação e filantropia. Entre eles, Paula Fabiani, Luiza Helena Trajano, Alcione Albanesi, Patrícia Lobaccaro, Sonia Hess e mais convidados.

Para falar sobre Estruturas de doação, Juliana de Paula, diretora de responsabilidade social do BTG Pactual convidou Paula Fabiani, CEO do IDIS e Patricia Lobaccaro, fundadora e CEO da Mobilize Global.

Juliana de Paula e Paula Fabiani no Give Back Day

Give Back Day – na foto: Juliana de Paula e Paula Fabiani

Dando início a conversa, Juliana de Paula lembra que o país subiu 14 posições no World Giving Index, o ranking realizado pela Charities Aid Foundation que mede o índice de solidariedade global. Atualmente o Brasil ocupa a 54º posição. Partindo desse dado, Juliana lembra o papel das empresas no desenvolvimento e aceleração da responsabilidade social e questiona de que modo esse movimento pode ser feito.

Para responder à pergunta, Paula citou o Monitor das Doações COVID-19 da Associação Brasileira de Captadores de Recursos (ABCR), que revelou mais de 700 mil doadores somando cerca de 6 bilhões de reais doados em resposta a pandemia de Covid-19, o que revela que há potenciais recursos, no entanto, a questão gira em torno de “como manter” esse movimento de contribuição das empresas.

“Temos no Brasil uma situação onde muitos institutos e fundações empresariais operavam projetos, mas percebemos que essa tendência começa a mudar. E que começamos a ter mais investidores sociais corporativos com a prática da doção de grantmaking. Apoiando as organizações que existem, que estão no território e que conhecem as necessidades do território podendo endereçar melhor os problemas sociais”, explica a CEO do IDIS.

Paula lembra que, na pandemia, quem primeiro reagiu foram as organizações da sociedade civil, que protagonizaram as ações com rapidez e agilidade e nesse sentido, as empresas podem funcionar como uma ponte importante através da doação, não apenas financeiramente, mas também firmando parceria, fornecendo colaboradores entre outras ações que podem transformar a empresa num importante agente da transformação social.

Paula Fabiani, CEO do IDIS

Give Back Day – na foto: Paula Fabiani, CEO do IDIS

Patricia Lobaccaro trouxe a visão que os Estados Unidos possuem sobre a filantropia de “give back” ou, em português, dar de volta. “Em termos de filantropia individual, filantropia é algo muito pessoal, não existe certo nem errado, existe aquilo que funciona para você”, comenta.

Confira o evento na íntegra:

Paula Fabiani faz parte do Comitê Social do BTG SOMA e participou na aceleração das organizações selecionadas nesse programa. Além disso, a equipe do IDIS atuou fornecendo apoio técnico às organizações com mentorias e capacitações sobre fundos patrimoniais, avaliação de impacto e captação de recursos.

Todos os presentes no evento foram testados e negativados para a Covid-19.

IDIS abre vaga para Assistente Executiva(o)

Com a missão de inspirar, apoiar e ampliar o investimento social privado e seu impacto, o IDIS atua junto a empresas, famílias, institutos, fundações e organizações da sociedade civil. Desenvolvemos projetos de impacto, geramos conhecimento ao setor e oferecemos consultoria ao investidor social e às organizações que executam projetos e programas sociais para que tomem decisões estratégicas e ampliem o impacto de suas iniciativas.

Estamos em busca de um Assistente Executivo para auxiliar e dar suporte para a CEO do IDIS, Paula Fabiani. A pessoas será responsável por apoiar a CEO do IDIS em atividades diárias, além de elaborar relatórios e realizar contatos internos e externos. Esta vaga é destinada a pessoas com perfil responsável e organizado, que tenham o desejo de trabalhar em uma Organização da Sociedade Civil e contribuir para o desenvolvimento socioambiental no Brasil.

 

Principais atribuições e Habilidades

– Implementar as providências para cumprimento dos compromissos da CEO (reuniões, viagens, apresentações, imprensa, definição de prioridades, etc.);

– Realizar contatos internos (equipe) e institucionais (nacionais e internacionais);

– Preparar materiais (e-mails, documentos em Word, PPT, Excel);

– Revisar e realizar traduções inglês / português;

– Realizar pesquisas sobre assuntos diversos;

– Elaborar relatórios;

– Fazer reservas de passagens e hotéis para viagens (nacional e internacional); e

– Organização de arquivos.

 

Requisitos do Cargo

Graduação esperada – Secretariado Bilíngue, Administração ou área correlata;

– Tempo de experiência na função –  +2 anos

– Experiência em trabalho equivalente no Terceiro Setor (desejável);

 

Conhecimentos específicos 

– Inglês fluente (obrigatório);

– Domínio do Pacote Office;

 

Competências

Disciplina, organização, resiliência, maturidade, responsividade, agilidade, iniciativa, capacidade de antecipar e resolver problemas e trabalhar colaborativamente.

 

Local de Trabalho

No momento estamos em trabalho remoto híbrido, mas nosso escritório fica próximo à estação Pinheiros do Metrô na cidade de São Paulo.

 

Remuneração mensal

Salário de R$ 3.000,00 + VA + VT

 

Processo seletivo

Todas as etapas do processo seletivo serão online.

Inscreva-se aqui. O prazo para inscrições termina em 27 de agosto.

 

Buscamos a diversidade

No IDIS, prezamos pela igualdade nas oportunidades de emprego. Nossas decisões sobre as contratações de funcionários são feitas independentemente de idade, raça, credo, cor, religião, sexo, nacionalidade, orientação sexual, identidade ou expressão de gênero, informações genéticas, estado civil ou qualquer outra base protegida pela lei.

Queremos saber como a pandemia impactou a sua organização social

A Charities Aid Foundation (CAF) America está promovendo uma Pesquisa entre Instituições Brasileiras para mapear o impacto da covid-19 no terceiro setor no país. Após a resposta da sociedade civil, o relatório possibilitará análises de como as organizações da sociedade civil reagiram às nova ondas do coronavírus.

Os resultados contribuirão para melhorar a filantropia contra desastres nos próximos meses e anos.

Acesse o questionário clicando aqui. Participe e contribua!

O questionário estará disponível para resposta até o dia 24 de agosto.