SUDESTE: Terra de doadores conscientes e de não doadores convictos

Quando o assunto é doações, os moradores da região Sudeste são muito conscientes de suas atitudes. Mais da metade afirma entender o papel das ONGs na sociedade, 51%, quando a média nacional está em 48%. Talvez por isso, os doadores do Sudeste são os que mais doam para organizações sociais formalizadas (47%), enquanto muitas das contribuições de outras regiões, em 2020, foram canalizadas para coletivos que se mobilizam para ajudar ou para campanhas de ajuda a vítimas de calamidades ou pandemia. Considerando todo o País, só 41% das doações se destinaram a organizações sociais.

Os dados são da segunda edição da Pesquisa Doação Brasil, única no país dedicada a traçar o perfil do doador individual brasileiro. A iniciativa é coordenada pelo IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social e realizada pela Ipsos Brasil Pesquisas de Mercado.

Os doadores da região Sudeste foram os que mais modificaram para maior os valores previstos para doação em 2020: 22% deles disseram que teriam doado menos, caso não houvesse ocorrido a pandemia. No resto do Brasil, só 19% tiveram a mesma postura. Provavelmente, o aumento dos valores doados se deu porque a população do Sudeste nutre uma sensibilidade um pouco maior em relação à causa da saúde. Mesmo considerando que o combate à fome e à pobreza é a mais mobilizadora das causas, uma parcela maior da população da região Sudeste cita a saúde como uma causa que a sensibiliza: 11%, contra 10% da média nacional.

A região Sudeste é a que menos concebe a doação como uma forma de retribuir à sociedade pelo que dela recebemos (53%, contra 56% da média nacional), porém, é a que mais acredita que doar faz bem ao doador (82%, versus 80% da média nacional).

Por outro lado, os não doadores da região Sudeste são os que mais relutam em admitir a ideia de se tornarem doadores. Mais da metade deles, 55%, diz que não há nada que os faça passar a doar. Na média brasileira, essa proporção é de 51%.  Os não doadores do Sudeste também são os que mais alegam não ter dinheiro para doar, não confiar nas organizações que pedem doações e não acreditar que doações possam resolver algo.

Sobre os achados, Paula Fabiani, CEO do IDIS, comenta: “Apesar da queda das doações em 2020, a Cultura de Doação se fortaleceu nos últimos cinco anos. A sociedade está mais consciente da importância da doação e tem uma visão muito mais positiva das organizações da sociedade civil e seu trabalho.”

Em 2020, estima-se que as doações individuais para ONGs somaram R$ 10,3 bilhões. Os resultados completos da Pesquisa Doação Brasil estão disponíveis para consulta no site www.pesquisadoacaobrasil.org.br . Os usuários podem também criar seus próprios gráficos, a partir do cruzamento de diferentes variáveis, como região, gênero ou renda.

REALIZADORES E APOIADORES

A Pesquisa Doação Brasil é uma iniciativa coordenada pelo IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social, realizada pela Ipsos e com o apoio do Banco Interamericano de Desenvolvimento BID, Fundação José Luiz Egydio Setúbal, Fundação Tide Setúbal, Instituto ACP, Instituto Galo da Manhã, Instituto Mol, Instituto Unibanco, Itaú Social, Mercado Pago e Santander.

NORTE: Terra de doadores constantes e satisfeitos

Quando o assunto é doações, a região Norte é a que conta com os doadores mais constantes. 41% dos doadores dessa região têm o hábito de doar 12 vezes por ano, ou seja, uma vez por mês, o maior percentual registrado em todo o País, cuja média nacional é de 35%.

Os dados são da segunda edição da Pesquisa Doação Brasil, única no país dedicada a traçar o perfil do doador individual brasileiro. A iniciativa é coordenada pelo IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social e realizada pela Ipsos Brasil Pesquisas de Mercado.

E as organizações/iniciativas apoiados pela população do Norte podem se sentir seguras porque 89% dos doadores se dizem satisfeitos com as doações que fazem e 82% declaram que pretendem continuar contribuindo para a mesma instituição. Em ambos os quesitos, o Norte registra a maior pontuação, sendo a média nacional 81% e 72% respectivamente.

Em se tratando de causas, os nortistas se encontram dentro da média nacional, tendo preferência pelo combate à pobreza e à fome, seguida por crianças, saúde e idosos. Mas se destacam sendo os que mais indicam o combate à fome e à pobreza, entre todas as regiões, assim como são mais sensíveis à causa da defesa dos animais e combate aos maus tratos.

Os hábitos de doação dos nortistas refletem a boa opinião que têm sobre as ONGs e seu trabalho. Mais da metade da população, 59%, concorda totalmente que “as ONGs são necessárias para ajudar no combate aos problemas sociais e ambientais”, e 40% concorda totalmente com a afirmação de que “a maior parte das ONGs faz um trabalho competente”. Também nestes casos, a Região Norte registra o mais alto grau de concordância entre todas as regiões.

As doações e a confiança, porém, vêm acompanhadas de uma alta expectativa. Os moradores da região Norte são os que mais acreditam que as ONGs devem resolver os problemas sociais e ambientais do País. 40% dizem que as ONGs têm muita responsabilidade na solução desses problemas, enquanto na média da população brasileira somente 34% pensam assim.

Sobre os achados, Paula Fabiani, CEO do IDIS, comenta: “Apesar da queda das doações, a Cultura de Doação se fortaleceu nos últimos cinco anos. A sociedade está mais consciente da importância da doação e tem uma visão muito mais positiva das organizações da sociedade civil e seu trabalho.”

Em 2020, estima-se que as doações individuais para ONGs somaram R$ 10,3 bilhões. Os resultados completos da Pesquisa Doação Brasil estão disponíveis para consulta no site www.pesquisadoacaobrasil.org.br . Os usuários podem também criar seus próprios gráficos, a partir do cruzamento de diferentes variáveis, como região, gênero ou renda.

REALIZADORES E APOIADORES

A Pesquisa Doação Brasil é uma iniciativa coordenada pelo IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social, realizada pela Ipsos e com o apoio do Banco Interamericano de Desenvolvimento BID, Fundação José Luiz Egydio Setúbal, Fundação Tide Setúbal, Instituto ACP, Instituto Galo da Manhã, Instituto Mol, Instituto Unibanco, Itaú Social, Mercado Pago e Santander.

NORDESTE: Terra de doadores

Quando o assunto é doações, a região Nordeste se destaca no Brasil. Enquanto no País, em média, 37% da população doou para alguma organização/iniciativa socioambiental em 2020, no Nordeste, a participação foi de 40%. O percentual, entretanto, já foi maior. Em 2015, metade dos nordestinos costumava doar, mas a longa crise social e econômica teve impacto muito grande sobre este hábito solidário.

Os dados são da segunda edição da Pesquisa Doação Brasil, única no país dedicada a traçar o perfil do doador individual brasileiro. Esta é uma iniciativa do IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social, realizada pela Ipsos Brasil Pesquisas de Mercado.

A prática da doação entre os habitantes do Nordeste é o reflexo da avaliação positiva que fazem das ONGs e de seu trabalho. 52% dos nordestinos concorda totalmente que “a ação das ONGs leva benefícios a quem realmente precisa” e 41% concorda totalmente com a afirmação de que a “maior parte das ONGs faz um trabalho competente”, enquanto no País como um todo, essas proporções são 43% e 36% respectivamente. O Nordeste também é o campeão em confiança nas ONGs: 27% acham que a maior parte das ONGs é confiável, enquanto a média nacional é de 21%.

Em se tratando de causas, a opinião dos nordestinos coincide com a média brasileira, sendo o combate à fome e à pobreza, a preferida, apontada por 32% dos nordestinos, seguida por crianças, saúde, idosos e defesa dos animais. Os números revelam também que o apoio da população do Nordeste ao combate à fome e à pobreza é maior do que a média do País, assim como a sensibilidade à causa dos idosos.

Infelizmente, esse entusiasmo dos nordestinos não se refletiu em volumes maiores de doações. As contribuições realizadas pelos habitantes do Nordeste têm, de um modo geral, valores mais baixos, sendo que 21% delas não ultrapassam o teto de R$ 100 por ano. Ainda assim, 80% dos doadores declararam que pretendem doar o mesmo valor ou mais em 2021. Sobre os achados, Paula Fabiani, CEO do IDIS, comenta: “Apesar da queda das doações, a

Cultura de Doação se fortaleceu nos últimos cinco anos. A sociedade está mais consciente da importância da doação e tem uma visão muito mais positiva das organizações da sociedade civil e seu trabalho.”

Em 2020, estima-se que as doações individuais para ONGs somaram R$ 10,3 bilhões. Os resultados completos da Pesquisa Doação Brasil estão disponíveis para consulta no site www.pesquisadoacaobrasil.org.br . Os usuários podem também criar seus próprios gráficos, a partir do cruzamento de diferentes variáveis, como região, gênero ou renda.

REALIZADORES E APOIADORES

A Pesquisa Doação Brasil é uma iniciativa coordenada pelo IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social, realizada pela Ipsos e com o apoio do Banco Interamericano de Desenvolvimento BID, Fundação José Luiz Egydio Setúbal, Fundação Tide Setúbal, Instituto ACP, Instituto Galo da Manhã, Instituto Mol, Instituto Unibanco, Itaú Social, Mercado Pago e Santander.

 

SUL: Terra de doadores constantes, mas precavidos

Quando o assunto é doações, o sulista é generoso. A mediana do valor doado pelos habitantes do Sul é a mais alta do País, R$ 300 por ano, enquanto a mediana nacional é de R$ 200 anuais. Além disso, o sulista é fiel e constante: 82% dos doadores pretendem continuar apoiando a mesma instituição e 76% certamente indicariam essa organização para outros doadores. Essas proporções são as mais altas entre todas as regiões do Brasil.

Os dados são da segunda edição da Pesquisa Doação Brasil, única no país dedicada a traçar o perfil do doador individual brasileiro. A iniciativa é coordenada pelo IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social e realizada pela Ipsos Brasil Pesquisas de Mercado.

Outra característica marcante dos sulistas é a sensibilidade às causas em defesa das crianças e adolescentes. Mesmo considerando que o combate à fome e à pobreza é a mais mobilizadora das causas, chama a atenção como uma parcela muito maior da população da região Sul cita as crianças e adolescente como uma causa que a sensibiliza: 27%, contra 19% da média nacional.

Os moradores da região Sul são muito conscientes da relevância de sua contribuição. 63% deles entendem claramente que “as ONGs dependem da colaboração de pessoas e empresas para obter recursos e funcionar” e 74% têm certeza de que “o fato de doar faz a diferença”. No Brasil como um todo, essa consciência é de 67%.

Porém, não é muito fácil conquistar a confiança dos habitantes do Sul, que são os doadores mais precavidos do país. Quase um terço dos doadores (32%) só faz doações quando alguém conhecido pede. E 37% se já teve uma experiência pessoal com a causa. Essas proporções são as mais altas entre as cinco regiões brasileiras, e também do que as médias nacionais, que estão em 22% e 31% respectivamente.

E os sulistas não gostam de ser incomodados com pedidos de doação. 36% deles concordam que “em geral, as instituições que solicitam doações insistem demais”, uma proporção mais alta do que a média do Brasil, que fica em 29%. Essa é uma dica para que as organizações da sociedade civil repensem a frequência de abordagem aos potenciais doadores, que preferem uma indicação pessoal a um pedido genérico.

Sobre os achados, Paula Fabiani, CEO do IDIS, comenta: “Apesar da queda das doações, a Cultura de Doação se fortaleceu nos últimos cinco anos. A sociedade está mais consciente da importância da doação e tem uma visão muito mais positiva das organizações da sociedade civil e seu trabalho.”

Em 2020, estima-se que as doações individuais para ONGs somaram R$ 10,3 bilhões. Os resultados completos da Pesquisa Doação Brasil estão disponíveis para consulta no site www.pesquisadoacaobrasil.org.br . Os usuários podem também criar seus próprios gráficos, a partir do cruzamento de diferentes variáveis, como região, gênero ou renda.

Confira o lançamento da Pesquisa Doação Brasil:

METODOLOGIA

A Pesquisa Doação Brasil 2020 foi realizada em duas etapas.

Etapa 1: Qualitativa

Realizada entre 18 e 21 de janeiro de 2021, com 8 grupos focais com 8 participantes cada. Todos moradores da região metropolitana de São Paulo.

Os grupos focais foram conduzidos online por conta da pandemia do Covid-19 e o necessário isolamento social.

Perfil dos participantes

  • Homens e mulheres
  • Classe: ABC
  • Idade: 25 a 60 anos
  • Doadores
  • Não doadores

 

Etapa 2: Quantitativa

Período de realização: 16 de março a 22 maio de 2021

Entrevistas realizadas via Entrevista Telefônica Assistida por Computador (CATI), onde o entrevistador segue o questionário através de um programa, minimizando desvios na aplicação. A margem de erro é de ±2 pontos percentuais.

Total da amostra: 2.103 entrevistados.

Recorte: população maior de 18 anos com renda familiar superior a 1 salário mínimo.

A amostra foi composta de acordo com a distribuição real da população brasileira segundo o PNAD 2019, ou seja, as cotas de idade, sexo e região têm a mesma proporção encontrada na população brasileira.

 

 

REALIZADORES E APOIADORES

A Pesquisa Doação Brasil é uma iniciativa coordenada pelo IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social, realizada pela Ipsos e com o apoio do Banco Interamericano de Desenvolvimento BID, Fundação José Luiz Egydio Setúbal, Fundação Tide Setúbal, Instituto ACP, Instituto Galo da Manhã, Instituto Mol, Instituto Unibanco, Itaú Social, Mercado Pago e Santander.

Pesquisa Doação Brasil na mídia

Confira os destaques da Pesquisa Doação Brasil 2020 nos veículos de imprensa:

 

RadioBandNews_PesquisaDoa

 

Confira o site e a publicação completa da Pesquisa Doação Brasil clicando aqui.