Como fazer uma Teoria da Mudança consistente para sua avaliação de impacto?

Por Isadora Pagy, analista da área de monitoramento e avaliação do IDIS

A Teoria da Mudança (TdM ou TM) é uma ferramenta muito valiosa tanto para o planejamento estratégico de uma iniciativa, quanto para a avaliação de impacto. O processo de sua construção pode ser desafiador e gerar muitas dúvidas, então, elaboramos uma série de dicas que podem te ajudar.

Antes de tudo, é preciso entender o que é, para que serve e como sistematizar uma Teoria de Mudança.

Quando utilizamos a TdM com o intuito de avaliar o impacto de uma determinada iniciativa, ela apoia na maior compreensão das relações causais do projeto ou programa em questão, trazendo um resumo dos públicos-alvo que foram beneficiados pela iniciativa, das atividades que foram realizadas, dos impactos que se espera gerar e do objetivo estratégico a ser alcançado.

Entender quem são os stakeholders

Assim, o processo de sistematização se inicia por um mapeamento de quais foram os stakeholders, ou partes interessadas, envolvidos no projeto. Busca-se entender quem foram os beneficiários diretos, indiretos, os executores, parceiros e investidores da iniciativa. E, com isso, definimos quem será consultado para a construção da TdM.

1 – Saiba separar quem são os beneficiários diretos e quem são atores intermediários. Por exemplo, muitos projetos que trabalham com educação realizam atividades com escolas, mas tem como objetivo impactar as crianças que frequentam as aulas. É possível que os públicos de gestores pedagógicos sejam apenas intermediários para beneficiar os estudantes, não sendo considerados beneficiários diretos. Muitos projetos se deparam com ausência de informações e base de dados de seu público beneficiário direto, por não definir bem, logo no início da intervenção o seu púbico principal e assim, consequentemente, não coletar e monitorar dados a contento, o que por sua vez cria dificuldades a pretensão de uma avaliação de impacto.

 

A importância de um escopo bem definido

Em seguida, passamos para a definição de quais foram as atividades realizadas pelo projeto. Para isso, é importante realizarmos uma análise dos materiais e documentos do mesmo, o que nos dará insumos para maior compreensão sobre o que foi inicialmente proposto para ser realizado e aquilo que aconteceu de fato. Alinhado a isso, é realizada uma série de entrevistas com a equipe técnica da iniciativa para entendermos como foi a sua execução e se houve mudanças de rumo relevantes.

2 – Seja curioso! Entenda o que aconteceu na prática e fora do papel, questione os dados e busque uma compreensão maior do projeto.

3 – Tenha um escopo bem definido. Se houve mudanças metodológicas muito grandes, talvez não seja possível incluir todas as iniciativas de uma organização. E talvez nem todas estejam ajudando a alcançar um objetivo de longo prazo único e consistente.

Escuta ativa

Definidas as atividades realizadas, investigamos aquilo que mudou na vida das pessoas que participaram do projeto ou programa. Nessa etapa, realizamos entrevistas com os beneficiários e buscamos ir além de resultados imediatos e nos aprofundar nos impactos de médio e longo prazo que a intervenção gerou. Para isso, preste atenção nos seguintes pontos:

4 – Tenha uma escuta ativa. Busque proporcionar um espaço confortável para que os entrevistados falem abertamente sobre o impacto que sentiram e tente não os influenciar presumindo impactos que não foram ditos.

5 – Cuidado com o double counting, ou dupla contagem. Principalmente se você estiver realizando uma avaliação que envolve uma etapa de monetização, evite contar o mesmo impacto duas vezes, estruturando uma cadeia de causalidade entre os resultados e impactos mapeados. Por exemplo, em uma iniciativa de geração de emprego e renda que trabalha com cursos profissionalizantes, os participantes relatam ampliação de conhecimento técnico em informática e um aumento de renda por conta do emprego que conseguiram através desses novos conhecimentos. Nesse caso, uma das mudanças (conhecimento) gera a outra (emprego), se monetizarmos ambas, estaremos contando duas vezes o impacto da mesma cadeia de causalidade, superestimando assim o impacto gerado pelo projeto.

Por fim, entendemos qual é o objetivo estratégico que aquela iniciativa tentou (e possivelmente conseguiu) alcançar com suas atividades. Isso pode ser feito relembrando alguns dados já coletados e respondendo algumas perguntas importantes: O que foi realizado? Para quem foi realizado? Por quê? Com qual ambição?

Nem sempre a equipe técnica terá uma mesma visão sobre o objetivo estratégico, mas realizando uma consulta com atores importantes e respondendo essas perguntas, o processo de estabelecimento de um objetivo pode ser facilitado. O que nos leva a última dica:

6 – Não esqueça de validar seus entendimentos com a equipe executora. A apresentação da TdM para quem realizou o projeto na ponta é muito importante. Esse é o momento para todos ficarem na mesma página e obtermos um escopo bem definido, o que facilitará nos próximos passos da sua avaliação de impacto.

O processo de construção de TdM é tão importante quanto seu resultado, ao percorrer o passo a passo o avaliador consegue compreender melhor o acesso aos beneficiários e a disposição de dados do projeto, e assim reavaliar o escopo e o desenho de avaliação. Reduzindo as chances de futuros infortúnios que oneraria a avaliação em tempo e recursos.

Tendo cumprido essas etapas, podemos sistematizar a Teoria de Mudança de forma visual e utilizá-la como uma ferramenta que guiará o restante da avaliação, caso você vá realizar uma pesquisa qualitativa ou quantitativa, por exemplo.

Começa a pesquisa para Anuário de Desempenho de Fundos Patrimoniais 2023

Está iniciada a coleta de dados para o Anuário de Desempenho dos Fundos Patrimoniais 2023. Esta é a terceira edição da publicação, realizada pelo IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social e Coalizão pelos Fundos Patrimoniais Filantrópicos e que este ano tem o apoio Master do Movimento Bem Maior, e apoio de 1618 Investimentos, ASA – Associação Santo AgostinhoFundação José Luiz Egydio Setubal, Fundação Maria Cecília Souto Vidigal, Pragma Gestão de Patrimônio.

A iniciativa traz informações sobre fluxo de caixa (patrimônio, doações recebidas, investimentos na causa e resgates para manutenção própria); alocação e rentabilidade dos investimentos; estrutura da governança (com dados sobre a presença de membros independentes e participação feminina), investimento responsável, além de perspectivas para o futuro.

A última edição do estudo, no ano passado, contou com 59 respondentes com patrimônio somado de R$ 123 bilhões.

Serão enviados emails convite para os fundos mapeados pelo IDIS, mas gestores interessados em integrarem o Anuário podem entrar em contato com a equipe do IDIS pelo email: anuariofp@idis.org.br.

Para conhecer as informações solicitadas no questionário, o disponibilizamos também completo em Word (acesse aqui). Mas atenção: só serão válidas respostas enviadas via sistema

PRAZO DE PREENCHIMENTO

As respostas oficiais deverão ser preenchidas no sistema online clicando aqui até 26 de maio de 2024

Conheça o Anuário de Desempenho dos Fundos Patrimoniais 2022.

 

REALIZAÇÃO

SOBRE FUNDOS PATRIMONIAIS

Os fundos patrimoniais, ou endowments, são mecanismos que contribuem para a sustentabilidade financeira de organizações e causas. No Brasil, o primeiro foi criado na década de 50 e se intensificaram a partir de 2019, com a sansão da Lei 13.800/19. Segundo o Monitor de Fundos Patrimoniais, há hoje no país mais de 110 fundos patrimoniais ativos.

 

Saiba mais:

Livro sobre vivência de mulheres no terceiro setor, com coautoria de Paula Fabiani, é lançado em São Paulo

Aconteceu em abril, em São Paulo, o lançamento oficial do livro ‘Mulheres do Terceiro Setor’. O evento contou com a presença de dezenas de pessoas, entre parceiros, colegas, amigos e familiares das autoras. A publicação é uma iniciativa da Editora Leader e faz parte do Selo Editorial Mulheres.

A publicação conta a história de Paula Fabiani e de outras mulheres importantes no terceiro setor brasileiro. Em seu capítulo intitulado ‘A inquietude por um mundo mais justo’, Paula reflete sobre sua trajetória pessoal e como essa experiência influenciou sua carreira. Ela compartilha reflexões sobre sua vida, suas fontes de inspiração, bem como os desafios e dificuldades que enfrentou.

“Nas organizações do terceiro setor pelas quais passei, incluindo o IDIS, sempre encontrei um ponto em comum: a dedicação à missão de melhorar a vida das pessoas e do planeta. Este livro conta histórias de mulheres incríveis que buscam gerar impacto positivo no mundo de diversas maneiras. Me sinto muito honrada por contribuir compartilhando um pouco da minha história. Que esta obra inspire outras mulheres, assim como eu fui e continuo sendo inspirada por tantas outras”, conta Paula Fabiani.

Além de Paula, o livro também conta com a coautoria de Ana Paula Paixão, Bianca Provedel, Camila Rocha e Silva, Carla Lettieri, Daniele Torres Cordeiro, Elisangela Machado, Jenifer Santos, Kátia de Marco, Luiza Serpa, Margareth Goldenberg, Marina Costa Cruz Peixoto, Ro Santiago, Taiana Jung e Ulla Ribeiro Araújo. O prefácio é de Isabel Fillardis e o prólogo de Silvia Naccache.

Para adquirir uma cópia, acesse aqui.

Paula Fabiani, coautora do livro e CEO do IDIS, e Andréia Roma, idealizadora do Selo Editorial Mulheres

FEAV: Intensificando parceiras com o poder público para o desenvolvimento territorial

Influenciar políticas públicas é uma das frentes de atuação das fundações e institutos comunitários (FICs), pois elas conhecem de perto as vulnerabilidades do território em que atuam. Focada em promover o desenvolvimento de Valinhos – município com mais de 126 mil habitantes no interior do estado de São Paulo, próxima à cidade de Campinas – a FEAV – Fórum das Entidades Assistenciais de Valinhos é um instituto comunitário que atua na união e fortalecimento regional e enxergou nessa missão o potencial para alavancar mudanças duradouras no território.

Graças ao longo período de interlocução da entidade com o poder público, em um acordo histórico para a cidade, as organizações apoiadas pela FEAV receberão da prefeitura, por meio de emendas impositivas, cerca de 6,5 milhões de reais, um valor que permitirá o investimento em estrutura e demandas organizacionais dos projetos apoiados.

Materiais adquiridos com o valor conquistado por meio das emendas

As tratativas que tiveram início em outubro de 2022 impulsionaram a criação de uma emenda parlamentar impositiva sobre o Projeto de Lei do Orçamento do município para 2023. Com apoio total dos 17 vereadores do município, foi decidido que as verbas dos vereadores deveriam ser 50% destinadas à saúde e 50% a Organizações da Sociedade Civil em projetos específicos.

A presidente da FEAV, Eliane Macari, conta que a entidade se dedicou a estudar como os projetos sociais poderiam ser criados e ter sucesso para serem contemplados com os recursos da emenda impositiva. Os recursos foram destinados a melhorias, seja ampliação da sede, compra de equipamentos ou aquisição de veículo para transporte dos assistidos, que já estão sendo aplicados.

 

“A outra fatia do orçamento da emenda para a saúde também contemplou as organizações sociais apoiadas que têm atendimento nesta área, como a Santa Casa, a APAE, ACESA e o Grupo Rosa e Amor. Com essa atitude, a Câmara Municipal faz o reconhecimento do valor e da relevância do trabalho das instituições para Valinhos”, comemora Eliane.

 

A atuação em rede e a articulação com o poder público promovidas pela FEAV é um dos nove princípios que guiam o papel e a operação de institutos comunitários. Sua diretriz é: “Acreditamos na força das ações colaborativas como meio para se alcançar o desenvolvimento de longo prazo das comunidades sendo, desta forma, amplamente valorizada a articulação e o cultivo de parcerias com representantes dos setores público, privado e social.”

 

A HISTÓRIA DA FEAV

A história da FEAV começa em 2013 numa iniciativa de um grupo de organizações sociais já estabelecidas em Valinhos que buscava fortalecer a representatividade junto ao poder público e à sociedade civil. Em 2015, oficialmente constituída e registrada, se elegeu uma diretoria e deu início às atividades com palestras, eventos e leilões para lançar a organização e, já no papel de grantmaker angariar fundos para dar suporte e proporcionar o fortalecimento das associadas.

Em 2021, a FEAV foi reconhecida pela Câmara Municipal como entidade de utilidade pública e a prefeitura cedeu, por cinco anos, um imóvel público para a instalação da sede.

Casarão histórico abriga a sede da instituição

Nesse período, teve início o diálogo com o IDIS e a C.S. Mott Foundation e assim a FEAV começou a integrar o então recém-criado Programa Transformando Territórios, que fomenta a criação e o desenvolvimento de Fundações e Institutos Comunitários no Brasil.

A presidente explica que a FEAV passou por um processo de diagnóstico e, a partir disto montou-se o planejamento estratégico e o plano de captação de recursos da entidade.

“Atualizamos nosso estatuto e contratamos uma pessoa para ficar na sede fazendo atendimento ao público, presencialmente ou por telefone e e-mail. Estamos trabalhando em criar canais de comunicação com nossos públicos, construindo uma trajetória de transparência nos resultados. Podemos dizer que, hoje, a credibilidade é um de nossos pontos fortes”, conta, ressaltando que a FEAV tem parcerias não somente com a administração municipal, mas com empresas, instituições de ensino, condomínios, escolas e outras entidades de Valinhos. Atualmente são 10 OSC´s associadas a FEAV.

 

PROJETOS DE BASE LOCAL DA FEAV

O foco da atuação da FEAV acontece em cinco áreas prioritárias:

    • Infância e Adolescência
    • Inclusão produtiva de jovens
    • Inclusão social e produtiva de pessoas com deficiência
    • Terceira Idade
    • Direitos da mulher (saúde e inclusão produtiva)

 

Outros investimentos captados pela organização em 2022 foram direcionados a um projeto de desenvolvimento de jovens lideranças locais e estímulo ao empreendedorismo social, o Protagonistas do Futuro. Foram selecionados 20 alunos de escolas públicas e/ou atendidos por organizações sociais de Valinhos com idade entre 15 e 16 anos. Divididos em grupos, eles receberam um capital-semente para criar soluções para problemas vividos pelos próprios jovens em suas escolas. Um deles, por exemplo, transformou uma sala de aula convencional de uma escola estadual em um espaço de vivências e aulas diferenciadas.

Outro programa da FEAV que se destaca é o JovemTEC, curso gratuito de preparação de jovens de escolas públicas, municipais e estaduais para os vestibulinhos de escolas técnicas. O programa é viabilizado com aporte financeiro da multinacional alemã Eagle Burgmann, que tem uma unidade no município. A primeira turma, iniciada em setembro de 2022, teve duração de 15 meses, foi finalizada em novembro de 2023 e 18 jovens ingressaram nos colégios técnicos de Campinas e região.

Programa JovemTEC foi homenageado na Câmara Municipal de Valinhos

Desde 2023, o foco da FEAV é oferecimento de capacitações em práticas do Terceiro Setor, fortalecendo ainda mais as instituições apoiadas.

 

“Também estamos montando uma proposta de um fundo para investimentos junto às empresas da cidade e um programa de fomento ao voluntariado”, conta. “Sempre desejei que a FEAV chegasse não a oito anos, mas aos 80 e além. Com o apoio técnico e o aporte do Programa Transformando Territórios, estamos estruturando nossas práticas de governança”, destaca Eliane.

 

Ainda, em 2023 a FEAV recebeu a doação de uma propriedade da Fundação FEAC, para onde transferiu sua sede e ainda com a possibilidade tornar o espaço como um hub para que as OSC´s e Coletivos possam aplicar seus projetos e utilizar o espaço, para conhecer mais sobre essa história, acesse este link.

 

Informações do Território 

  • Território de atuação: Valinhos, cidade na Região Metropolitana de Campinas, interior do estado de São Paulo, com 148,5 km².
  • População segundo o Censo de 2022: 373 mil habitantes. Cerca de 2 mil pessoas já foram beneficiadas pelos projetos das organizações apoiadas pela FEAV.
  • Número de OSCs do território: 10 (dez) OSCs, todas associadas à FEAV.
  • Causas prioritárias mapeadas pela FIC: Infância e Adolescência, Inclusão produtiva, Pessoa com deficiência, Terceira Idade.
  • Desafios regionais: Embora Valinhos seja uma cidade com bons indicadores sociais – foi eleita a melhor do Brasil nessa categoria na 2ª edição do Anuário Melhores Cidades do Brasil 2022, da Revista Isto É – um dos desafios é a assistência à população que reside em áreas mais remotas de Valinhos. Do território total, 65 km² integra a área rural.

 

A FEAV integra o programa Transformando Territórios, uma iniciativa do IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social – com a Charles Stewart Mott Foundation para fomentar a criação e o fortalecimento de Institutos e Fundações Comunitárias no Brasil.

 

Quer saber mais sobre a FEAV? Acesse o site.

Para conhecer mais sobre os Princípios e características das Fundações e Institutos Comunitários, acesse a Carta de Princípios através deste link.

Saiba mais sobre o programa Transformando Territórios e como apoiá-lo.

 

O que é ESG e como ele se relaciona com o Investimento Social Privado?

Em 2005, durante a conferência Who care wins’ promovida pelo International Finance Corporation (IFC) em conjunto com a ONU, líderes mundiais examinaram o papel de valores ambientais, sociais e de governança para a gestão de ativos e pesquisa financeira. Na ocasião, houve um consenso que esses três fatores desempenham um papel bastante importante no contexto de investimentos de longo prazo.

Assim, ficou oficializado a criação da agenda ESG (em tradução, ambiental, social e governança) e, com ela, a expectativa de que as empresas relatassem suas ações de forma consistente e ativa. A agenda aproximou, por fim, o mercado financeiro ao debate sobre sustentabilidade. Ao mesmo tempo, passou a considerar em suas decisões os riscos que estas pautas podem representar ao valor e à perenidade das organizações privadas.

Nesse artigo, você entende um pouco mais sobre o que é ESG e como ele influencia – e é influenciado – por outras pautas como o Investimento Social Privado (ISP).

 

O que significa ESG?

Apesar de já existir há quase vinte anos, foi em 2020, durante o cenário pandêmico, que a agenda se popularizou, ganhando força especialmente a partir do posicionamento de grandes atores do setor econômico em favor da sustentabilidade corporativa.

Antes de mais nada, é importante esclarecer que quando o assunto é ESG, falamos principalmente das relações entre iniciativa privada e o mercado financeiro. Ou seja, ao considerar investir em uma empresa, investidores passam a incorporar em seu processo de decisão, questões ambientais, sociais e de governança. Os elementos são considerados critérios importantes para avaliar a qualidade do investimento e os riscos não financeiros.

Compreende-se que, dessa forma, empresas passam a dar consideração mais séria à forma como mitigam ou endereçam de maneira mais propositiva os aspectos que afetam todas as partes envolvidas e interessadas em sua atuação; desde colaboradores, a fornecedores e sociedade ao redor. Isso é incorporar a agenda ESG na empresa para que, assim, seja possível alcançar um mundo e sociedade mais sustentáveis.

“Não se trata apenas de identificação, mensuração e gestão de riscos sob perspectiva ampla, mas também de busca ativa pela geração de resultados positivos em todos os âmbitos que circundam a atividade empresarial.”
Guia Prático ESG para Investidores, escritório de advocacia Mattos Filho

Agenda ambiental

O ‘E’ (environmental, em inglês, geralmente traduzido para ambiental ou meio ambiente), foca em ações que visam reduzir e mitigar o impacto ambiental causado pelas empresas, como a gestão eficiente de recursos naturais, mitigação das mudanças climáticas, redução da emissão de carbono, gestão de resíduos, adoção de práticas de produção mais sustentáveis e assim por diante.

Agenda social

Já o ‘S’ da agenda ESG aborda questões relacionadas ao bem-estar das pessoas tanto internamente (colaboradores) quanto nas comunidades em que a empresa opera. Essa letra do tripé busca olhar com cuidado desde questões de saúde e segurança do trabalho, políticas de diversidade e inclusão, relacionamento com a comunidade, até programas de responsabilidade social corporativa, voluntariado e investimento social privado, entre outros temas.

Agenda de governança

Por fim, mas não menos importante, o ‘G’ trata das práticas de governança corporativa. Os princípios de governança corporativa mapeiam práticas relacionadas à integridade, equidade, transparência, accountability (responsabilização) e sustentabilidade das estruturas e práticas de governança de uma empresa. Passando pelos conselhos e comitês de uma organização, até suas políticas de remuneração e prestação de contas.

Como o Investimento Social Privado se aproxima da agenda ESG?

Entende-se por Investimento Social Privado (ISP) ou Filantropia Estratégica, a alocação voluntária e estratégica de recursos privados, sejam eles financeiros, em espécie, humanos, técnicos ou gerenciais para o benefício público. Para promover a transformação social, essa doação precisa ser feita com planejamento estratégico ancorado em dados, com indicadores pré-definidos, execução cuidadosa, monitoramento dos resultados e avaliação do seu impacto.

Nesse sentido, quando uma organização define o foco e estratégia de suas doações, compreende-se que essas práticas necessariamente estarão alinhadas ao propósito e valores da instituição, além de conversar com todos os atores que são impactados ou impactam a atuação da empresa. Esses atores, chamamos de stakeholders (ou partes interessadas).

Mas e o ESG, onde entra nisso tudo? Bom, através da filantropia estratégica, as empresas podem direcionar recursos para projetos, organizações da sociedade civil (OSCs) e iniciativas que contribuam para o desenvolvimento socioambiental da comunidade. Como entendemos que o ISP estratégico atua alinhado ao negócio, a agenda ESG atua como uma aliada na formulação dessas práticas, mensurando e mitigando riscos não financeiros.

É uma via de mão dupla. Ao passo que a agenda ESG contribui para decisões mais estratégicas em relação ao ISP; o ISP atua como ponto essencial para atingimento de metas e compromissos ESG.

 

Atuação do IDIS na Agenda ESG

Com o crescimento da importância da Agenda ESG, o IDIS tem investido no fortalecimento da equipe com especialistas e na produção de conhecimento sobre o tema, incluindo o desenvolvimento de metodologias que apoiam investidores sociais em tomadas de decisões.

Acesse mais conteúdos sobre o assunto clicando aqui

Em 2023, foi oficializada a criação de uma célula ESG no time de consultoria, oferecendo apoio técnico a empresas e organizações sociais que desejam aprimorar suas estratégias ESG e conectá-las a suas práticas de investimento social. Entre os serviços oferecidos, estão estratégia ESG conectada ao Investimento Social Privado; mapa de riscos e oportunidades; (re)estruturação de projetos socioambientais; estabelecimento de Comitês Temáticos; e alinhamento de indicadores e métricas para um reporte consistente.

Nota técnica: A diferença de ‘impacto’ no desenho e na avaliação dos projetos sociais

Nunca se falou tanto sobre impacto de projetos socioambientais. Organizações da Sociedade Civil usam o termo ao comunicarem suas intervenções. Investidores Sociais usam o impacto como critério para suas linhas de financiamento. No entanto, nem sempre as pessoas têm mesma compreensão sobre o termo.

Nesta Nota Técnica, elaborada por Thais Bassinello, Gerente de Projetos do IDIS, apresentamos os diferentes significados atribuídos à palavra “impacto” no desenho de projetos e na teoria/prática avaliativa.

Baixe a nota clicando aqui ou leia abaixo: