Vaga de estágio em projetos no IDIS

Buscamos pessoas para atuar em na área de Consultoria, com foco especial em projetos de Gestão de Doações que esteja cursando Administração de empresas, Contabilidade, Ciências Sociais, Direito, Gestão de políticas públicas, Economia, Relações Internacionais, Engenharia de produção ou áreas relacionadas.

Aqui terá a oportunidade de conhecer a fundo o cenário do investimento social privado brasileiro, contribuir para o direcionamento mais adequado de doações realizadas por empresas, famílias, organizações da sociedade civil (OSCs), organismos internacionais e poder público, contribuindo para diferentes causas e para o impacto social positivo das doações gerenciadas pelo IDIS.

Essas vagas são preferenciais para pessoas negras.

 

 Inscreva-se para esta oportunidade no 99Jobs

RESPONSABILIDADES: 

 

    • Realizar pesquisas de conteúdo e analisar dados para apoiar projetos de consultoria;
      Montar apresentações em PPT;
      Envolver-se na formulação e gestão de Editais;

 

    • Apoiar no controle, monitoramento e avaliação de prestação de contas financeiras e técnicas ligadas às doações e editais;

 

    • Apoiar a formalização de minutas contratuais;

 

    • Apoiar a validação e contato com organizações sociais;

 

    • Contribuir para a avaliação técnica de OSCs para clientes estrangeiros

 

    • Outras atividades relacionadas.

 

Requisitos:

    • Estar cursando, no mínimo, o 2° ano de faculdade de administração de empresas, gestão de políticas públicas, economia, contabilidade, engenharia de produção ou áreas relacionadas;

 

    • Ter experiência ou interesse no terceiro setor, nos temas de investimento social privado, responsabilidade social, sustentabilidade, ESG ou áreas afins;

 

    • Domínio do pacote Office (Word, PowerPoint, Excel) e internet;

 

    • Facilidade para trabalhar em equipe;

 

    • Boa redação;

 

  • Domínio intermediário da língua inglesa.

 

Desejável:

  • Noções avançadas de PowerPoint e Excel
  • Domínio avançado da língua inglesa

 

BENEFÍCIOS

Bolsa estágio, vale-transporte e vale-alimentação, Day off de aniversário, Credencial Plena do Sesc.

 

LOCALIZAÇÃO

São Paulo – SP (próximo à estação Pinheiros do metrô e trem)

 

INSCRIÇÕES

Essa oportunidade está disponível em nossa página da 99Jobs, inscreva-se até o dia 11 de julho de 2022.

 

SOBRE NÓS

Somos o IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social, uma organização da sociedade civil de interesse público (OSCIP) fundada em 1999 e pioneira no apoio técnico ao investidor social no Brasil. Com a missão de inspirar, apoiar e ampliar o investimento social privado e seu impacto, trabalhamos junto a indivíduos, famílias, empresas, fundações e institutos corporativos e familiares, assim como organizações da sociedade civil em ações que transformam realidades e contribuem para a redução das desigualdades sociais no país.

Nossa atuação baseia-se no tripé geração de conhecimentoconsultoria e realização de projetos de impacto, que contribuem para o fortalecimento do ecossistema da filantropia estratégica e da cultura de doação. Valorizamos a atuação em parceria e a cocriação, acreditando no poder das conexões, do aprendizado conjunto, da diversidade e da pluralidade de pontos de vista.

 

 

Vaga de analista de projeto júnior no IDIS

O IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social busca uma pessoa Analista de Projetos Jr.

Com a missão de inspirar, apoiar e ampliar o investimento social privado e seu impacto, o IDIS atua junto a empresas, famílias, institutos, fundações e organizações da sociedade civil. Desenvolvemos projetos de impacto, geramos conhecimento ao setor e oferecemos consultoria ao investidor social e às organizações que executam projetos e programas sociais para que tomem decisões estratégicas e ampliem o impacto de suas iniciativas.

Essa pessoa será responsável pela execução das atividades dos projetos conduzidos e apoiados pelo IDIS, garantindo cumprimento de prazos, qualidade nos produtos desenvolvidos e serviços prestados.

Inscreva-se pela 99 Jobs.

Requisitos da vaga:

INSTRUÇÃO E EXPERIÊNCIA

Formação superior completa

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

  • Interesse por conceitos de Investimento Social Privado, Sustentabilidade, Responsabilidade Social Empresarial e Investimento de Impacto.
  • Sistematização de informações qualitativas e quantitativas.
  • Elaboração de apresentações com boa apresentação visual, storytelling, clareza e objetividade na transmissão de conteúdos e conclusões.
  • Domínio do pacote Office (Word, PowerPoint, Excel).

 

Como você atuará:

    • Apoiar a condução e desenvolvimento de projetos do IDIS, respeitando os prazos acordados e zelando pela qualidade dos produtos entregues.
    • Realizar pesquisas de conceitos, referências e benchmarking que enriqueçam os projetos e tragam embasamento para os produtos desenvolvidos.
    • Organizar, ler e analisar documentos e elaborar relatórios e apresentações sistematizados sobre os aprendizados e conclusões obtidos.
    • Apoiar na coleta de dados quantitativos e qualitativos necessários para a execução dos projetos.
    • Apoiar na elaboração de propostas de projetos para potenciais clientes e parceiros.
    • Participar de reuniões periódicas da equipe de consultoria para manter a equipe alinhada com o planejamento estratégico e missão da organização.
    • Promover a aprendizagem e compartilhamento de conhecimento técnico com a equipe do IDIS.
    • Participar ativamente do ciclo de planejamento estratégico juntamente com as outras áreas da organização.
    • Apoiar a Gerência de Comunicação em temas e matérias relacionadas a projetos de consultoria e estratégicos para base de desenvolvimento de conteúdo de comunicação.
    • Representar o IDIS em eventos e reuniões, sempre que necessário.

 

Benefícios:

  • Contratação CLT
  • Vale Alimentação
  • Vale Transporte
  • Plano de Saúde
  • Credencial Plena do Sesc
  • Day off de aniversário

Tipo de trabalho – Híbrido (remoto e presencial)
Início em julho/agosto de 2022

Como se candidatar

Interessadas (os) devem preencher a candidatura na 99Jobs.

O prazo de inscrição será encerrado em 17 de julho.

O IDIS adota critérios de diversidade e inclusão nos processos seletivos. No formulário, você poderá indicar se você se considera como potencial beneficiário(a).

O IDIS está localizado em São Paulo, próximo à estação Pinheiros do metrô, com atividades prioritariamente presenciais.

Seminário ESG e o Investimento Social Privado promove manhã de debates e palestras com foco no pilar Social

Com um público de 680 pessoas, o seminário apresentou 4 painéis com a participação de especialistas 

A pauta ESG (sigla para Environmental, Social and Governance, no português, Ambiental, Social e Governança) ganha a cada ano mais espaço entre investidores e empresas. Mas o que vem sendo mensurado de fato? Com detalhes da pauta ainda em definição pelo mundo, estudos apontam uma falta de padrões consistentes, principalmente quando falamos dos aspectos sociais. De acordo com um estudo realizado pelo BNP Paribas, por exemplo, 51% dos investidores consideraram o ‘S’ o mais difícil de analisar e incorporar às estratégias de investimento.

Pensando nisso, o IDIS – Instituto do Desenvolvimento do Investimento Social promoveu na manhã de 22 de junho, um seminário para debater e aprofundar o assunto. O evento teve como parceiros prata Gerdau

e Santander e parceiros bronze Ambev, Bradesco Private Bank e Instituto Órizon.

Entre os desafios da agenda social, compreendemos que está a compreensão de sua abrangência e a definição de parâmetros e indicadores realmente verdadeiros. Por isso, materialidade, mensuração e integração foram algumas das dimensões que o seminário explorou para abrir o evento logo pela manhã. As demais sessões buscaram iluminar zonas cinzentas e caminhos incertos com exemplos inspiradores de empresas que iniciaram essa jornada. Mais que histórias de conquistas são relatos de aprendizados e de uma certa dose de ousadia.

Parâmetros e Indicadores “S”: Materialidade, Mensuração e Integração

Uma pesquisa da BNP Paribas revelou que 51% dos investidores consultados consideraram o ‘S’ o mais difícil de analisar e incorporar às estratégias de investimento. Neste contexto, investidores e empresas têm intensificado seus esforços na busca de soluções para preencher as lacunas ao medir e integrar o “S” às suas decisões de investimento. Dentre os principais desafios, tem-se a forma como se apresentam os relatórios atualmente (conformidades e processos ao invés de efetividade), o volume e inconsistência dos padrões e métricas e a natureza qualitativa de muitas das avaliações sociais.

Para debater o assunto, o IDIS convidou Eduardo Alves (Sócio na PwC); Fabio Alperowitch (Co-fundador da FAMA Investimentos); Fernanda Camargo (Sócia fundadora da Wright Capital) moderados por Marcos Kawakami (Especialista ESG na BNP Paribas). Confira abaixo, a palestra na íntegra

 

Protocolo ESG Brasileiro: Pacto pela equidade Racial  

Seguindo a manhã de palestras, o Seminário abordou as questões raciais e como elas se conectam à agenda ESG.

Existe uma demanda pela definição de padrões e indicadores que reflitam a realidade local. Um bom exemplo de solução para este desafio é proposto pelo Pacto de Promoção da Equidade Racial, uma iniciativa da sociedade civil que propõe implementar um Protocolo ESG Racial para o Brasil. A articulação da sociedade civil tem se mostrado importante para a construção de agendas que reflitam a realidade nacional e subsidiem investidores com parâmetros e indicadores sociais que os apoiem na avaliação de riscos e criação de valor das empresas.

Compondo esse importante debate, estiveram Gilberto Carvalho (Dir. Executivo do Pacto de Promoção da Equidade Racial e do J.P Morgan BR), Carla Crippa (VP de Impacto Positivo e Relações Corporativas da Ambev) e Adriana Barbosa (CEO Pretahub e Presidente do Instituto Feira Preta). Abaixo, a palestra completa:

ISP e ESG: alinhamento dos negócios com a pauta social 

Outra dor relacionada à pauta ESG diz respeito ao alinhamento dos negócios, seus investimentos sociais privados às métricas que exigem o mercado financeiro para avaliar o ESG.  Compreendendo que a agenda ESG é uma grande oportunidade para repensar a maneira como as empresas planejam e alocam o seu investimento social levando em conta sua capacidade de promover transformações sociais e o alinhamento com o negócio.

A mudança de chave acontecerá quando essa questão for elevada à estratégia das organizações. Empresas terão que agir de maneira proativa e colaborativa, demonstrando para a sociedade e investidores seu comprometimento, com transparência e materialidade de suas ações sociais.

Representantes de empresas e institutos que já vem olhando para o assunto, participaram do painel – Daniela Grelin (Diretora Executiva do Instituto Avon), Giuliana Ortega (Dir. de Sustentabilidade na RaiaDrogasil) e Renata Biselli (Head de Impacto Social no Santander), moderadora da mesa.

 

Finanças híbridas e ESG 

E fechando a manhã de discussões, a mesa de finanças híbridas trouxe à luz os debates sobre novas formas de filantropia e como elas se relacionam ao ESG

A criação de veículos financeiros, como Fundos Filantrópicos e Blended Finance, também tem se mostrado um caminho potente para viabilizar projetos de impacto que demandam capital paciente e envolvem diversos grupos de stakeholders. Nesta trajetória, devem envolver as OSCs e, mais do que isso, aprender com elas. Devem colaborar para o desenvolvimento de projetos e criar linhas de investimento direto, pois as OSCs podem ter mais influência e capacidade de execução e transformação junto aos beneficiários que as empresas.

Tudo isso, apresentado por Carolina Costa (Sócia e Head de Investimentos Blended Finance da Mauá Capital); Paulo Boneff (Head Global de Resp. Social na Gerdau) e Roberto Leuzinger (Conselheiro do Instituto Órizon e Responsável por ESG na Vinci Partners) moderados pelo Diretor de projetos do IDIS, Renato Rebelo.

 

Para saber um pouco mais sobre nossos parceiros e apoiadores do evento, clique aqui para baixar a brochura do evento.

 

Vaga de gerente de monitoramento e avaliação de impacto socioambiental no IDIS

O IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social busca uma pessoa Gerente Sênior de Monitoramento e Avaliação de Impacto Socioambiental.

Com a missão de inspirar, apoiar e ampliar o investimento social privado e seu impacto, o IDIS atua junto a empresas, famílias, institutos, fundações e organizações da sociedade civil. Desenvolvemos projetos de impacto, geramos conhecimento ao setor e oferecemos consultoria ao investidor social e às organizações que executam projetos e programas sociais para que tomem decisões estratégicas e ampliem o impacto de suas iniciativas.

Para fortalecer nossa atuação na frente de Monitoramento e Avaliação de Impacto, buscamos um(a) Gerente Sênior que apoie na gestão de nossas iniciativas nesta área. A pessoa será responsável por liderar e gerir a área e equipe de Monitoramento e Avaliação de Impacto socioambiental do Instituto. Essa função envolverá implementação de novas metodologias, desenvolvimento do time, pesquisa e produção de conteúdo, relacionamento com clientes, prospecção de novos negócios, entre outras atividades.

Inscreva-se pela 99 Jobs. 

Requisitos da vaga:

INSTRUÇÃO E EXPERIÊNCIA

Formação superior completa e, preferencialmente, experiência em Avaliação e Monitoramento de projetos e programas socioambientais.

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

• Experiência em gestão de projetos e equipes.
• Experiência em desenvolvimento de novos projetos e parcerias.
• Experiência em condução de pesquisas qualitativas e quantitativas.
• Habilidades comportamentais para manter bom relacionamento com equipe e clientes, bem como com outros parceiros estratégicos do IDIS.

COMPETÊNCIAS

Gestão de projetos, gestão de equipe, planejamento, organização, capacidade para solucionar problemas, capacidade analítica, foco em resultados, bom relacionamento interpessoal, transitar em ambientes diferentes, gerenciar conflitos, ter excelente comunicação,

 

Como você atuará:

    • Motivar, apoiar e inspirar a equipe. Incentivar a troca de conhecimento entre o grupo e ampliar o repertório metodológico.

 

    • Revisar e aprimorar as principais atividades e processos da área de tal forma ampliar capacidades e novas formas de atuação;

 

    • Promover e implantar novas metodologias de monitoramento e avaliação tendo em vista os desafios e tendências do setor.

 

    • Avaliar e incorporar novas ferramentas de trabalho, com foco em melhorar processos e ampliar a cultura de análise de dados.

 

    • Contribuir e participar ativamente do planejamento e prospecção de novos projetos e clientes;

 

    • Relacionar-se com clientes, promover sinergias e interlocução com demais áreas e parceiros e atuar em resolução de conflitos;

 

    • Propiciar e incentivar um ambiente de inovação, excelência e produção de conhecimento.

 

Benefícios:

Contratação PJ
Início em julho de 2022
Remuneração mensal – A combinar
Tipo de trabalho – Híbrido (remoto e presencial)
Combinação de presencial e remoto, com disponibilidade para viajar quando a pandemia permitir.

Como se candidatar

Interessadas (os) devem preencher a candidatura na 99Jobs.

O prazo de inscrição será encerrado em 29 de junho.

O IDIS adota critérios de diversidade e inclusão nos processos seletivos. No formulário, você poderá indicar se você se considera como potencial beneficiário(a).

O IDIS está localizado em São Paulo, próximo à estação Pinheiros do metrô, com atividades prioritariamente presenciais.

Relatório observa uma queda nas doações de grandes fundações dos EUA a partir de 2020

A Candid e o Center for Disaster Philanthropy (CDP) divulgaram um novo relatório, Philanthropy and COVID-19: Examining two years of giving , que detalha a filantropia relacionada à covid-19 em 2021.

A terceira avaliação da Candid e do CDP dos dados filantrópicos relacionados à Covid-19 observam um declínio preocupante nas doações de grandes fundações dos Estados Unidos, mesmo enquanto comunidades enfrentam dificuldades para se recuperar dos efeitos da pandemia. O novo relatório destaca a necessidade de maior apoio filantrópico para recuperação a longo prazo, e o CDP fornece medidas ​​que os financiadores podem adotar pensando em revigorar suas estratégias para a recuperação dos danos causados pela pandemia:

  • Aumentar o apoio às comunidades mais vulneráveis;
  • Fornecer financiamento flexível;
  • Implementar filantropia baseada em confiança;
  • Financiar o mais local e de base possível;
  • Comprometer-se com a transparência compartilhando dados.

Alguns dados interessantes do estudo apontam que 18% do financiamento à Covid-19 foi explicitamente designado como financiamento flexível ou apoio geral. Além disso:

  • As organizações de saúde, serviços humanos e educação receberam as maiores parcelas de financiamento.
  • Para financiamento doméstico com foco nos EUA, 27% da dinheiro doado foi designado para identidades raciais e étnicas. Destes, 71% não indicaram uma identidade específica, mas, em vez disso, foram amplamente designados para “equidade racial” ou “comunidades de cor”.
  • 22% dos doadores norte americanos alocaram suas doações financeiras para organizações de fora dos Estados Unidos.

Outro capítulo do relatório se dedica a apontar como a pandemia impactou a filantropia em outros países, um deles o Brasil. O IDIS, foi uma das fontes escolhidas como estudo de caso para a publicação que cita, também, o Fundo Emergencial para a Saúde – Coronavírus Brasil criado pelo IDIS, BSocial e Movimento Bem Maior ainda em 2020 e que captou R$ 40,4 milhões para ajudar hospitais em 25 estados brasileiros contra a Covid.

O relatório destaca também a publicação “Perspectivas da Filantropia no Brasil em 2022”, mostrando algumas das tendências mapeadas.

Acesse o estudo completo clicando aqui 

Organizações comunitárias participam de encontro do Transformando Territórios em São Paulo

Mais de 20 líderes de fundações e institutos comunitários (FICs) de oito estados, participantes do programa Transformando Territórios, viajaram a São Paulo para três dias de programação, incluindo oficinas, seminário e visitas durante o mês maio. Também estiveram com parceiros, doadores e embaixadores do Programa, além de representantes da C.S. Mott Foundation, organização americana que assina a autoria do programa com o IDIS.

Lançado em 2020, com o objetivo de fomentar a criação de FICs no Brasil, o Transformando Territórios vinha promovendo encontros exclusivamente online entre os participantes, em função das restrições impostas pela pandemia. No encontro promovido no dia 18, estes líderes tiveram a oportunidade de se conhecerem pessoalmente,  trocar experiências e estreitar laços. A primeira atividade,  foi uma visita a Fundação FEAC e o FEAV – Fórum da Entidades Assistenciais de Valinhos, localizadas na cidade de Campinas e Valinhos, respectivamente, interior do estado de São Paulo. Ambas entidades, a partir do ingresso no Transformando Territórios, realizaram a mudança no modelo de operação para o de FIC, que é um dos objetivos do Programa. Durante a visita, os participantes puderam conhecer como foi esse processo para a FEAV e FEAC e ver na prática como têm se organizado.

Jair Resende, da FEAC

 

De volta à cidade de São Paulo, tiveram no dia 19, um workshop na sede do Instituto Jatobás. Wellington Nogueira, fundador do Doutores da Alegria, conduziu uma dinâmica para que os líderes se conhecessem e interagissem. Houve também um momento para autoavaliação e troca de conhecimento sobre atividades e rotinas que estão realizando nos respectivos territórios e uma palestra sobre ‘Captação de Recursos para Grantmakers’, com o especialista e consultor Michel Freller.

Michel Freller em atividade

Michel Freller em atividade sobre captação de recursos para organizações participantes do Transformando Territórios

(foto seminário) O terceiro dia do encontro foi dedicado ao Seminário Transformando Territórios, encontro aberto a um público mais amplo de interessados no tema. Em quatro painéis, especialistas compartilharam suas percepções sobre a importância do modelo, seus desafios e perspectivas para o Brasil. Saiba mais sobre o Seminário e assista aos vídeos aqui.

“Reunir estas lideranças, promover trocas e fortalecer esta rede foi potente e mostrou que estamos seguindo na direção certa. No próximo biênio, temos como objetivo fortalecer estas FICs”, comenta Whilla Castelhano, coordenadora do Transformando Territórios no IDIS.

Saiba mais sobre o Transformando Territórios e FICs e acesse o site do projeto:

 

 

 

Vaga de estágio de comunicação no IDIS

O IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social busca uma pessoa para estagiar na área de Comunicação da organização.

Com a missão de inspirar, apoiar e ampliar o investimento social privado e seu impacto, o IDIS atua junto a empresas, famílias, institutos, fundações e organizações da sociedade civil. Desenvolvemos projetos de impacto, geramos conhecimento ao setor e oferecemos consultoria ao investidor social e às organizações que executam projetos e programas sociais para que tomem decisões estratégicas e ampliem o impacto de suas iniciativas.

A área de comunicação do IDIS, além de zelar pelos projetos institucionais, é responsável pela produção de produtos de conhecimento, como publicações, artigos, eventos e cursos. Buscamos um(a) estagiário(a) com perfil comprometido e curioso, que tenha o desejo de trabalhar em uma Organização da Sociedade Civil e contribuir para o desenvolvimento socioambiental no Brasil.

Inscreva-se pela 99 Jobs. 

Requisitos da vaga:

  • Cursar carreiras relacionadas à Comunicação, como Jornalismo, Relações Públicas, Publicidade e Propaganda
  • Ter ao menos 1 ano ainda para se formar
  • Domínio do pacote Office (Word, PowerPoint, Excel) e internet
  • Facilidade para trabalhar em equipe
  • Familiaridade com mídias sociais (Facebook, LinkedIn, Instagram, Youtube e Twitter)
  • Boa redação
  • Interesse no terceiro setor e temas como investimento social privado, responsabilidade social, sustentabilidade

 

Como você atuará:

  • Apoio em ações de comunicação institucional
  • Atualização do site e mídias sociais
  • Análise de métricas de redes sociais e site e produção de relatórios
  • Pesquisa de conteúdo relacionado a temáticas de interesse da organização
  • Organização e atualização de mailings
  • Desenvolvimento de apresentações em Power Point
  • Suporte na produção de eventos
  • Redação, revisão e edição de textos

 

Benefícios:

Bolsa estágio no valor de R$ 1.500, vale-alimentação e vale-transporte, day off de aniversário, credencial plena do Sesc.

Horário de trabalho: 30 horas/semana

 

Como se candidatar

Interessadas (os) devem preencher a candidatura na 99Jobs.

O prazo de inscrição será encerrado em 19 de junho.

O IDIS adota critérios de diversidade e inclusão nos processos seletivos. No formulário, você poderá indicar se você se considera como potencial beneficiário(a).

O IDIS está localizado em São Paulo, próximo à estação Pinheiros do metrô, com atividades prioritariamente presenciais.

Anote na agenda: o Fórum IDIS 2022 acontece em 15 de setembro

A 11ª edição do Fórum Brasileiro de Filantropos e Investidores Sociais já tem data: 15 de setembro, das 8h às 18h.

Nunca avançamos tanto, e em tão pouco tempo. A mobilização causada pela pandemia mostrou a potência da colaboração. Poder Público, empresas de todos os portes e segmentos, organizações da sociedade civil e indivíduos se uniram. Intensificaram parceiras pré-existentes e criaram novas pontes.  A filantropia passou a ocupar o noticiário nacional e a sociedade cobrou por comprometimento e resultados. Avançamos, aceleramos soluções por meio das conexões e desafiamos o ditado ‘sozinho se vai rápido e juntos se vai longe’. Por isso, o tema deste ano será COLABORAÇÃO. No Fórum Brasileiro de Filantropos e Investidores Sociais 2022 vamos mostrar como é possível irmos ‘rápido e juntos’.

O Fórum neste ano terá uma novidade. As sessões serão transmitidas ao vivo, podendo ser acompanhadas por um público mais amplo. Convidados poderão participar presencialmente, em São Paulo. 

PALESTRANTES CONFIRMADOS

Entre os palestrantes, já confirmados estão André Borges (head de soluções sustentáveis no iFood), Eduardo Mufarej (GK Ventures e Estímulo 2020), Izabella Teixeira (Conselheira do CEBRI e ex-Ministra do Meio Ambiente), Mafoane Odara (líder de Recursos Humanos para América Latina na Meta) e Marcílio D‘Amico Pousada (CEO da RaiaDrogasil). Atti Worku (co-CEO do African Visionary Fund) e Neil Heslop (CEO da Charities Aid Foundation) são os representantes internacionais que também já têm presença certa. 

REALIZAÇÃO E APOIO

A realização é do IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social , em parceria com o Global Philanthropy Forum e a Charities Aid Foundation, e apoio bronze de de Ambev, B3 Social, BNP Paribas, Fundação Arymax, Fundação José Luiz Egydio Setubal, Instituto Sicoob, Movimento Bem Maior, Raia Drogasil e Santander.

 

 

O FÓRUM BRASILEIRO DE FILANTROPOS E INVESTIDORES SOCIAIS

O Fórum Brasileiro de Filantropos e Investidores Sociais oferece um espaço exclusivo para a comunidade filantrópica se reunir, trocar experiências e aprender com seus pares, fortalecendo a filantropia estratégica para a promoção do desenvolvimento da sociedade brasileira. O evento já reuniu mais de 1.500 participantes, entre filantropos, líderes e especialistas nacionais e internacionais. Em nosso canal do YouTube estão disponíveis listas com as gravações de todas as edições. Confira!

Assista também ao vídeo comemorativo de 10 anos do Fórum!

Projeto promove engajamento cidadão junto a professores e alunos de escolas públicas de SP

Instigados pelos desafios impostos pela situação de pandemia de Covid-19 no ambiente escolar, o projeto Engajamento Coletivo, realizado pelo IDIS em parceria com a Eu Ensino/Curiós, promoveu conteúdos e atividades junto a professores e alunos de duas escolas públicas da cidade de São Paulo. Participaram 43 educadores, que recebram formação específica para promover o engajamento coletivo e a cidania junto aos alunos.

O conteúdo foi dividido em 4 módulos: “Ferramentas de apoio ao presencial”; “Habilidades socioemocionais”; “Responsabilidade e Cidadania” e “Projeto de Engajamento Coletivo”. O programa incluiu 30 encontros online síncronos, com mais de 37 horas de formação. Além disso, foram disponibilizadas 72 aulas assíncronas, entregues 12 capítulos instrutivos aos educadores.

As escolas participantes fazem parte da rede da Secretaria Municipal de Educação da cidade de São Paulo de Ensino Fundamental – Professor Fernando de Azevedo e Escola Municipal de Ensino Fundamental Arquiteto Luis Saia, localizadas na região de São Miguel, Zona Leste de São Paulo.

A metodologia escolhida contribuir também para ampliar as ferramentas dos professores no ensino híbrido, além de trablahar habilidades socioemocionais e temáticas de cidadania, compartilhadas em encontros online em parceria com a Secretaria Municipal da cidade de São Paulo e a consultoria Eu Ensino/Curiós.

Esta etapa foi concluída, com excelente percepção dos participantes. A segunda parte do projeto será realizada durante o mês de junho, encerrando o ciclo de atividades. A partir de agora, as escolas colocarão em prática o planejamento realizado no módulo 4 e, junto aos alunos, farão uma atividade relacionada a algum dos ODS – Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

 

Histórico do projeto

O projeto de Engajamento Coletivo, realizado pelo IDIS, foi concebido com o propósito de desenvolver jovens e educadores em competências e habilidades para se envolverem em mudanças positivas na vida social e política em prol de melhorias no território de forma solidária, corresponsável e cidadã, contribuindo para o avanço da cultura de doação no país.

Implementado em 2019 em duas escolas estaduais de São Paulo, ainda em caráter piloto, precisou ser interrompido quando a pandemia impossibilitou atividades presenciais a partir de março de 2020. Remodelado, retomou as atividades com 43 professores de forma virtual e com novos parceiros após esse tempo de hiato.

O objetivo do projeto, então, passou a ser preparar os educadores (professores e coordenadores pedagógicos) para pautas ligadas ao engajamento coletivo, com base na competência 10 – Responsabilidade e Cidadania, da Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

Seminário Transformando Territórios reúne filantropos, empresas e sociedade civil

Em uma manhã fria de maio, IDIS e C.S. Mott Foundation reuniram um público diverso para debater e aprofundar o conhecimento sobre um importante tema: a filantropia comunitária e os desafios e perspectivas para seu desenvolvimento no Brasil. Realizadores do programa Transformando Territórios, que fomenta o desenvolvimento de fundações e institutos comunitários (FICs) no Brasil, promoveram o 1º Seminário Transformando Territórios com mais de 60 pessoas, entre líderes de FICs, filantropos, parceiros e apoiadores da causa.

Veja um resumo e depoimentos sobre o evento.

Reunimos aqui os destaques dos quatro painéis que integraram o evento.

O apoio à filantropia comunitária

“O apoio à filantropia comunitária” foi o painel que abriu o evento, mediado por Paula Fabiani (CEO do IDIS), com a participação de Antônio Carlos Pipponzi (Presidente do Conselho de Administração da RaiaDrogasil) e Luis Norberto Pascoal (Conselheiro da Fundação FEAC e fundador da Fundação Educar).

Audiência no Seminário Transformando Territórios. Foto: André Porto

 

Pipponzi destacou que, atualmente, existe uma grande expectativa que empresas apoiem organizações engajadas com questões sociais – como é o caso das FICs, por meio da filantropia comunitária. De acordo com ele, não há mais espaço para que as empresas entreguem apenas resultados financeiros. Para seguirem existindo, é necessário gerarem resultados positivos para a sociedade.

 

Pascoal acrescentou à reflexão que para encontrarmos soluções reais para o país é preciso construir valor dentro de territórios, com parcerias entre instituições comunitárias, setor público e privado –  precisam atuar em conjunto para que haja uma solução completa.

 

A importância do engajamento e parcerias nos territórios

Quando o assunto abordado passou a ser “A importância do engajamento e parcerias nos territórios”, na segunda mesa, os palestrantes concordaram que apoiar territórios é legitimar as atividades daquele lugar para que se crie um ambiente autônomo.

Beatriz Johannpeter (Diretora do Instituto Helda Gerdau e Embaixadora do Programa Transformando Territórios) e Cássio França (Secretário Geral do GIFE). Foto: André Porto

Cássio França (Secretário Geral do GIFE) e Mônica de Roure (Diretora Executiva da BrazilFoundation) subiram ao palco com a moderadora Beatriz Johannpeter (Diretora do Instituto Helda Gerdau e Embaixadora do Programa Transformando Territórios). Os painelistas destacaram, principalmente, a importância do combate à pobreza. “Não se pode normalizar a pobreza e os problemas sociais do Brasil. Se não reduzirmos a pobreza, que é o primeiro passo e mais importante, todos os outros problemas também irão regredir”, destacou França.

 

De acordo com o Censo GIFE 2020, o volume total de investimento social das organizações contempladas foi de R$ 5,3 bilhões, o que representa 63% a mais do que o previsto para 2020, que era de R$ 3,3 bilhões. O nível de doações durante a pandemia demonstrou o quanto é possível que os diversos atores sociais ajudem e doem além do que já vem sendo feito. Segundo os palestrantes, o grande desafio agora será manter o crescimento do investimento social privado.

Nesse contexto, tiveram grande atuação e importância as lideranças comunitárias que, por estarem inseridas nos territórios, puderam agir de forma ágil e eficiente, destinando os recursos da melhor forma.

Fundações e Institutos Comunitários com a agenda pública

 

O terceiro painel do seminário tratou sobre a relação das Fundações e Institutos Comunitários com a agenda pública. Lúcia Dellagnelo (Fundadora e conselheira do Instituto Comunitário Grande Florianópolis – ICOM e Embaixadora do Programa Transformando Territórios) e Eliana Sousa (Diretora Fundadora da Associação Redes da Maré e Líder participante do Programa Transformando Territórios), mediadas por Patrícia Loyola (Diretora de Gestão e Investimento Social da Comunitas) destacaram a ideia de que fundos comunitários surgem para formar um legado nos territórios onde estão inseridos, mantendo as mudanças e melhorias para gerações futuras.

O grande destaque do painel veio do debate sobre a importância de se compreender o que os territórios necessitam antes de filantropos ou empresas realizarem doações diretas. A criação de fundos comunitários por FICs foi apontada como uma solução. Elas seriam as receptoras dos recursos e responsáveis pela gestão e distribuição. Segundo Dellagnelo, essas instituições ‘ponte’ apoiam a estrutura social, conhecem o contexto das organizações de base e o que a população efetivamente necessita.

Perspectivas, potencialidades e desafios das Fundações e Institutos Comunitários

Fechando a manhã de reflexões sobre filantropia comunitária, Nicholas Deychakiwsky (Senior Program Officer da C.S. Mott Foundation), Shannon Lawder (Director of the Civil Society Program da C.S. Mott Foundation) e Mamo Mohapi (Program Officer da C.S.Mott Foundation) subiram ao palco com a moderação de Helena Monteiro (Diretora Executiva do David Rockefeller Center for Latin American Studies da Universidade de Harvard e Embaixadora do Programa Transformando Territórios) e finalizaram o seminário com a mesa Perspectivas, potencialidades e desafios das Fundações e Institutos Comunitários.

 

Nicholas destacou que as FICs têm o papel de compreender o que é necessário na sociedade e território, ponto que, muitas vezes, o 2º Setor (as empresas) acha que sabe mais por ter mais dinheiro. Mas, na realidade é um conhecimento que o 3º setor possui muito mais, justamente por essa proximidade com o território.

Helena Monteiro,  Shannon Lawder, Nicholas Deychakiwsky e Mamo Mohapi . Foto: André Porto

Ele acrescentou ainda que o sistema como o conhecemos atualmente irá ruir se não olharmos para o que o terceiro setor já vem fazendo e resolvendo há tanto tempo com mais atenção.

SOBRE O TRANSFORMANDO TERRITÓRIOS E FICS

O Programa Transformando Territórios é uma iniciativa do IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social – com a Charles Stewart Mott Foundation para fomentar a criação e fortalecimento de Institutos e Fundações Comunitárias no Brasil, com o engajamento de doadores e sociedade civil, compartilhamento de conhecimento e apoio técnico. São parceiros institucionais BrazilFoundation e GIFE.

Institutos e Fundações comunitárias tem se consolidado como um importante arranjo institucional para o desenvolvimento social e endereçamento das variadas demandas dos territórios, seja este um bairro, cidade ou região, com visão de longo prazo e buscando o impacto sistêmico para o desenvolvimento da região. São protagonistas da interlocução entre organizações e iniciativas sociais com os doadores, sociedade civil e poder público, promovendo transparência e engajamento. Estas organizações atuam como grantmakers, ou seja, financiam projetos e iniciativas sociais em múltiplas causas para endereçar as demandas e prioridades da região e fortalecem o terceiro setor da região com capacitações e apoio técnico, investem na produção de conhecimento e fomentam a cultura de doação no território onde atuam.

De acordo com levantamento realizado pelo Community Foundation Atlas, existem mais de 1.800 institutos e fundações comunitárias. Juntas, essas organizações movimentam mais de USD 5 bilhões todos anos. No Brasil, ainda são pouco conhecidas. Participam hoje do Transformando Territórios 14 organizações de todo país, com diferentes níveis de maturidade, mas todas comprometidas com a implantação do modelo da filantropia comunitária.

 

Saiba mais sobre o programa e os participantes em www.transformandoterritorios.org.br

Pesquisa global detalha as tendências em práticas de doações digitais e modelos inovadores em oito países

Primeiros relatórios analisam a atividade filantrópica no Brasil e no Reino Unido e identificam demanda de doadores por transparência e crescimento em doações digitais

Iniciativa da Lilly Family School of Philanthropy, da Universidade de Indiana (EUA), a série Digital for Good: estudo global sobre modelos emergentes de doação é lançada com capítulo brasileiro, desenvolvido em parceria com o IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social, e inglês, realizado com a Charities Aid Foundation (CAF). A série narrará descobertas e insights sobre tendências em modelos de doação para organizações da sociedade civil (OSCs), como crowdfunding, doações online, doações viabilizadas pelo uso do celular, doações no local de trabalho, voluntariado online e iniciativas de impacto social.

 

O material complementa outros estudos sobre o ecossistema filantrópico promovidos pela Escola – o Global Philanthropy Environment Index e o Global Philanthropy Tracker. Ao longo de cinco meses, serão lançados novos capítulos, contemplando perfis de outros seis países – África do Sul, China, Coreia do Sul, Índia, Quênia e Singapura. Em cada um, organizações ou especialistas locais foram responsáveis pela condução da pesquisa para identificar tendências específicas, moldar a coleta de dados e interpretar os resultados, sempre com o suporte e supervisão dos pesquisadores da Lilly Family School of Philanthropy. A série foi financiada com o apoio da Fundação Bill & Melinda Gates.

 

“Expandir a pesquisa sobre filantropia global, introduzindo esses estudos, nos permite entender melhor as tendências em constante evolução da filantropia e examiná-las em países com cenários filantrópicos variados”, diz Una Osili, Ph.D., reitora associada de Pesquisa e Programas Internacionais da Lilly Family School of Philanthropy. “Ao identificar e entender os modelos emergentes de doação, contribuímos para que lideranças de organizações da sociedade civil fortaleçam sua estrutura de captação e possam ampliar seu impacto positivo.”

 

Os dois primeiros perfis de países examinam o envolvimento filantrópico no Brasil e no Reino Unido antes e durante a pandemia de Covid-19. Ambos os países relatam uma expansão de canais para doações, cujas soluções passara a contar cada vez mais com tecnologia. Os perfis de ambos os países se concentram em modelos emergentes e em expansão de doação: doações online e crowdfunding no Reino Unido e, no Brasil, modelos relacionados a microdoações, como o arredondamento do valor das compras em redes varejistas e a venda de produtos sociais, que envolve a produção de conteúdo editorial inspirador e gerador de receita destinada a organizações sem fins lucrativos, além de uma plataforma de doação.

 

Brasil – principais destaques:

As iniciativas selecionadas para participar do relatório representam diferentes modelos de doação que amadureceram ao longo dos anos. As histórias do Arredondar, BSocial e Editora MOL se destacam e podem ser inspiradoras para outras pessoas e organizações. A escolha não se deu porque são as únicas a aplicarem o modelo, mas porque contribuem para a compreensão da diversidade dos mecanismos de doação no Brasil.

 

Modelos inovadores contribuem para o fortalecimento da Cultura de Doação.

Os estudos de caso sugerem que novas abordagens de doação estão se consolidando no Brasil. Isso inclui plataformas de doação, doar por meio de arredondamento do valor das compras em redes varejistas e por meio da compra de produtos sociais – todas elas, práticas que incentivam doações menores e mais frequentes que acomodam contribuições em orçamentos domésticos de todos os tamanhos. Entre 2013 e 2020, as doações para OSCs viabilizadas pelo Arredondar aumentaram exponencialmente – de apenas R$ 1.091 em 2013 para mais de R$ 1,6 milhão em 2020. A Editora MOL também teve crescimento nas doações feitas por meio de seus produtos editoriais: quase um sexto de todas as doações recebidas desde 2008 foram feitas em 2021. E só em 2020, o uso da plataforma de doações BSocial disparou de 600 doadores registrados para cerca de 15.000, resultando em um aumento em quatro vezes nas contribuições a organizações sociais.

“As três iniciativas compartilhadas neste relatório destacam modelos inovadores de doação no Brasil nos últimos anos. Curiosamente, esses modelos não são nativos digitais, mas a tecnologia contribuirá para seu crescimento e expansão, e esperamos que inspirem mais ideias para promover a filantropia”, comenta Luisa Lima, gerente de comunicação do IDIS.

As iniciativas mais bem-sucedidas priorizam a transparência e a responsabilidade na doação.

No Brasil, como em muitos países, as OSCs enfrentam desconfiança ou ceticismo dos doadores sobre o uso do dinheiro e o impacto de sua doação. Modelos que enfatizam a transparência e a responsabilidade podem trazer mais segurança e engajar mais doadores.

“Transparência e responsabilidade são cruciais para o desenvolvimento da filantropia no Brasil”, acrescentou Lima. “Embora os brasileiros sejam empáticos e solidários, há uma atitude subjacente de desconfiança em relação às instituições que recebem doações. A transparência é fundamental para mudar essas atitudes e construir uma confiança renovada dentro do ambiente filantrópico.”

 

Reino Unido – principais destaques:

As doações online aumentaram, especialmente durante a pandemia de Covid-19.

Pesquisa online com três mil indivíduos mostrou que a proporção de ingleses que doaram em dinheiro diminuiu significativamente durante o primeiro período de lockdown no Reino Unido, entre março e abril de 2020, e permaneceu em níveis muito mais baixos do que o habitual mesmo após o cancelamento de muitas restrições. Simultaneamente, as doações online mostraram um aumento significativo durante a pandemia. Em média, os doadores entrevistados entre maio e julho de 2021 relataram que 60% de suas doações nos últimos 12 meses foram feitas online. As doações por meio de aplicativos provaram ser a maneira mais comum de doar online, com mais da metade dos entrevistados que doaram online nos últimos 12 meses observando que fizeram doações por meio de aplicativos como JustGiving ou Virgin Money Giving.

 

Uma em cada quatro pessoas doou via crowdfunding nos últimos 12 meses.

O motivo mais comum para apoiar um pedido de captação de recursos via crowdfunding foi contribuir para a organizações da sociedade civil (30%). Os resultados sugerem que 23% das pessoas doaram para iniciativas estabelecidas por um amigo ou membro da família ou criadas por um amigo de um amigo ou conhecido, enquanto 17% contribuíram para um esforço de crowdfunding estabelecido por alguém que não conhece. Notavelmente, enquanto uma parcela substancial (33%) dos doadores que doaram por meio de crowdfunding ou mídias sociais disseram que responderam a pedidos postados por um amigo, membro da família ou conhecido, muito poucos doadores (4%) indicaram serem motivados a doar por um ‘influenciador digital’.

 

Pedidos online e offline geralmente se reforçam, criando formas híbridas do novo normal em doações para OSCs.

Os pesquisadores descobriram que 63% das pessoas que usaram as mídias sociais para solicitar doações também fizeram pedidos pessoalmente. “Para o Reino Unido, o futuro da captação de recursos parece digital, mas com um forte elemento humano”, disse Alison Taylor, CEO da Charity Services da CAF, que conduziu a pesquisa no Reino Unido. “Embora as doações possam ser realizadas online, os pedidos de apoio geralmente são feitos por um amigo ou membro da família pessoalmente ou pelas mídias sociais.” Esse fenômeno destaca a importância contínua da conexão interpessoal ao engajar possíveis doadores.

“Os resultados dos dois primeiros perfis de países sugerem uma evolução nas práticas de doação e destacam uma expansão significativa das práticas de doação digital e peer-to-peer”, disse Amir Pasic, Ph.D. da Lilly Family School of Philanthropy. “Embora essas descobertas sejam as primeiras de uma série, o crescimento documentado nas doações digitais e as mudanças nas expectativas dos doadores reforçam as evidências de que as práticas digitais podem ajudar a democratizar a prática da filantropia. A inovação digital torna a filantropia acessível e promove maior transparência e conexão das doações com o impacto produzido por elas.

 

Sobre a Lilly Family School of Philanthropy

A Lilly Family School of Philanthropy da Universidade de Indiana se dedica a melhorar a filantropia para melhorar o mundo, treinando e capacitando estudantes e profissionais para serem inovadores e líderes que criam mudanças positivas e duradouras. A escola oferece uma abordagem abrangente à filantropia por meio de seus programas acadêmicos, de pesquisa e internacionais, e por meio da The Fund Raising School, Lake Institute on Faith & Giving, Mays Family Institute on Diverse Philanthropy e Women’s Philanthropy Institute. Saiba mais em www.philanthropy.iupui.edu

Sobre o IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social

Somos o IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social, uma organização da sociedade civil de interesse público (OSCIP) fundada em 1999 e pioneira no apoio técnico ao investidor social no Brasil. Com a missão de inspirar, apoiar e ampliar o investimento social privado e seu impacto, trabalhamos junto a indivíduos, famílias, empresas, fundações e institutos corporativos e familiares, assim como organizações da sociedade civil em ações que transformam realidades e contribuem para a redução das desigualdades sociais no país. Nossa atuação baseia-se no tripé geração de conhecimento, consultoria e realização de projetos de impacto, que contribuem para o fortalecimento do ecossistema da filantropia estratégica e da cultura de doação. Valorizamos a atuação em parceria e a cocriação, acreditando no poder das conexões, do aprendizado conjunto, da diversidade e da pluralidade de pontos de vista. Saiba mais em www.idis.org.br

O ‘S’ do ESG brasileiro não irá evoluir sem dialogar com a sociedade civil organizada

Por Renato Rebelo, diretor de Projetos do IDIS

Nota-se nesse assunto uma certa dificuldade de tornar materiais ações e medidas para que o ‘social’ se fortaleça na cultura de empresas e seja, enfim, perene na sociedade. Conheça uma possível solução

A B3 (Bolsa de Valores no Brasil) anunciou no ano passado que passaria a ter novas regras para o seu Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE). As mudanças do ranking partiram principalmente de uma pressão por parte de investidores para que as empresas avaliadas passassem a estar cada vez mais atentas a ações “ESG” (em português, ações “ambientais, sociais e de governança”).

Outra novidade, foi que a B3 passou a publicar abertamente as notas das organizações participantes do índice. E assim aconteceu no final de janeiro deste ano, quando a bolsa divulgou a lista completa com notas gerais e por dimensões – capital humano; governança corporativa e alta gestão; modelo de negócio e inovação; capital social e meio ambiente – das 73 empresas avaliadas.

Entre as 10 primeiras colocadas, a dimensão com menor média de avaliação foi a de capital humano, que averigua questões como diversidade e direitos trabalhistas por exemplo; seguido pelo índice de capital social, responsável por tópicos como investimento social privado e relações com a comunidade. Ambos representando, não apenas, mas essencialmente o “S” dentro de “ESG”.

Nota-se nesse assunto uma certa dificuldade de tornar materiais ações e medidas para que o “S” se fortaleça na cultura de empresas e seja, enfim, perene na sociedade. Uma pesquisa da BNP Paribas (ESG Global 2021) revelou que 51% dos investidores consultados consideraram o “S” o mais difícil de analisar e incorporar às estratégias de investimento. Outra análise, feita pela Global Reporting Initiative (GRI) em parceria com o Deutsche Bank, mostra que apenas 14% das classificações “sociais” compiladas pela GRI são direcionadas a investidores. Em contraste, 97% das classificações ambientais e 80% das classificações de governança têm investidores como seu público principal.

O que as empresas brasileiras deveriam fazer, então, para evoluir na pauta social em suas práticas ESG?

A resposta não é simples, e tampouco é única. Entre os caminhos, há na agenda ESG uma grande oportunidade para repensar a maneira como as empresas dialogam, planejam e alocam o seu investimento social levando em conta sua capacidade de promover transformações sociais atreladas ao alinhamento com o negócio.

O que acontece é que nem sempre as empresas possuem em suas políticas os recursos necessários para lidar com pautas do “S”. E quando elas não suprem lacunas como essa – e o governo também não, é ali onde estão atuantes as organizações da sociedade civil (OSCs). Neste contexto, as empresas devem envolver mais as OSCs em suas iniciativas e, mais do que isso, aprender com elas. Devem colaborar para o desenvolvimento de projetos, manutenção das instituições e criar linhas de investimento direto, uma vez que as OSCs podem ter mais influência e capacidade de execução e transformação junto aos beneficiários do que as empresas.

Por exemplo, no Brasil vemos com nitidez que nos momentos mais difíceis os problemas se concentram nas populações mais vulneráveis, seja na precariedade do sistema ou na falta de trabalho e renda. Ao mesmo tempo, são também nesses atores onde encontramos as chaves para as soluções. Lição disso são as mobilizações gigantescas conduzidas por líderes comunitários em momentos emergenciais, como as realizadas pela CUFA (Central Única de Favelas) que garantem desde necessidades básicas como alimento até fomento ao empreendedorismo nas favelas em todo o país.

Esse é um ponto que não pode mais ser invisível. O Censo GIFE 2020 registrou, inclusive, um crescimento de 11 pontos percentuais na quantidade de investidores sociais focados no ‘fortalecimento da sociedade civil’ em relação ao levantamento de 2018. Ao invés de criar projetos novos e internos à empresa, por que não fortalecer e amadurecer cada vez mais organizações que já estão há anos trabalhando e pensando nessas mais variadas questões?

Este artigo foi publicado originalmente pelo Valor Econômico no dia 02/05.

Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021 é destaque no JN

Representados nos mais diversos segmentos, desde organizações educacionais a instituições que atuam em causas emergenciais humanitárias, eles coordenam campanhas de distribuição de alimentos, resgatam animais, contribuem para mobilizações ligadas à saúde, compartilham seus conhecimentos.

Os voluntários doam seu tempo, energia e talento em prol de causas em que acreditam. São essenciais para que organizações da sociedade civil atinjam suas missões e, durante a pandemia, fizeram a diferença e impactaram positivamente a vida de milhares de pessoas.

No dia 27 de abril, foi lançada a Pesquisa Voluntariado no Brasil 2021, a terceira edição desse estudo que apresenta um retrato brasileiro do tema, indica tendências e analisa  mudanças. O lançamento contou com a participação ao vivo de mais de 400 pessoas.

No mesmo dia, o estudo foi destaque no Jornal Nacional que chamou a atenção, principalmente aos números e significados do voluntariado empresarial. A coordenadora da pesquisa, Silvia Naccache, entrevistada pelo veículo, comentou, ainda, sobre os dados da pandemia: mesmo com o isolamento social, 47% dos voluntários passaram a fazer mais atividades solidárias.

A pesquisa foi elaborada e coordenada por Silvia Naccache, com apoio dos consultores Kelly Alves do Carmo e Felipe Pimenta de Souza. Sua viabilização teve o suporte de organizações que acreditam na importância do avanço do voluntariado no Brasil e participam dessa rede de apoiadores, Ambev, Bradesco, Fundação Itaú Social, Fundação Telefônica Vivo, Raízen, Sabesp, Sicoob e Suzano. IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social – e Instituto Datafolha assinam a realização.

Os resultados completos estão disponíveis em www.pesquisavoluntariado.org.br.

 

IDIS promove Seminário ESG com foco para o debate da pauta Social

A agenda ESG está na pauta do dia, com um olhar atento da sociedade e cada vez mais empresas e investidores se mobilizando em torno dela. Os agentes do mercado, entretanto, expressam dificuldades em interpretar e compreender os relatórios e indicadores que dizem respeito ao pilar ‘Social’.

De acordo com um estudo realizado pelo BNP Paribas, por exemplo, 51% dos investidores consideraram o ‘S’ o mais difícil de analisar e incorporar às estratégias de investimento.

Pensando nisso, o IDIS – Instituto do Desenvolvimento do Investimento Social promove em 22 de junho, quarta-feira, das 9h às 12h15,  um seminário para debater e aprofundar o assunto. O evento tem como parceiros prata Gerdau e Santander e parceiros bronze Ambev, Bradesco Private Bank e Instituto Órizon.

Na agenda, 4 painéis:

  • ISP e ESG: alinhamento de objetivos de negócio com a agenda social
  • Parâmetros e Indicadores ‘S’: Materialidade, Mensuração e Integração
  • Protocolo ESG Brasileiro: Pacto de Promoção da Equidade Racial
  • Finanças híbridas e ESG

Clique aqui e acesse todas as informações sobre o evento

Fundo de Investimento Social Privado pelo Fim das Violências contra Mulheres e Meninas será permanente

O Fundo de Investimento Social Privado pelo Fim das Violências Contra Mulheres e Meninas, iniciativa da Avon em conjunto com a Rede Accor de hotéis, com o apoio do Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social (IDIS), deixará de ser emergencial para se tornar permanente. Criado em 2020 em meio ao aumento de casos devido ao isolamento social consequência da pandemia de Covid-19. Ao todo, já foram atendidas mais de 6.400 mulheres pelo serviço de apoio.

Para realizar esta migração, o IDIS promoveu um workshop junto do Instituto Avon, da Accor, da Natura, e do Bem Querer Mulher, que foi o primeiro passo para tornar o Fundo Emergencial de Investimento Social Privado para enfrentar Violências contra Meninas e Mulheres em um Fundo Permanente. Utilizando uma metodologia de mapeamento sistêmico de violências contra mulheres criado pela Rights 4 Change, com patrocínio do Ministério de Relações Exteriores da Holanda, foi realizado um levantamento dos pontos positivos e negativos da política de enfrentamento à violência contra mulheres e meninas no Brasil. Este foi o primeiro passo para auxiliar o Fundo a definir suas novas prioridades de atuação.

 

Equipe do IDIS, Instituto Avon, Accor e Bem Querer Mulher em workshop realizado em abril de 2022.

 

HISTÓRIA DO FUNDO

Em 2020, em meio à pandemia da Covid-19 houve o agravamento dos casos de violência contra mulheres e meninas, o que motivou o Instituto Avon, em parceria com a Accor, a instituir o Fundo de Investimento Social Privado pelo Fim das Violências contra Mulheres e Meninas. O IDIS é gestor programático e se envolveu na definição de diretrizes estratégicas, governança e metas do fundo e no estabelecimento de suas linhas de atuação, características e critérios para as doações e processo de seleção dos beneficiários.

 

NÚMEROS DO FUNDO

Em 2021, o valor total investido foi de R$ 833.855,00 para realizar o abrigamento temporário de mulheres e seus filhos em sete casas de passagens distribuídas em seis estados brasileiros. Esse valor possibilitou a melhoria das acomodações e a criação de 430 vagas de acolhimento. Ao todo, 6.491 mulheres foram atendidas pelos serviços de apoio, enquanto 3.527 foram acolhidas.

Já o Programa Acolhe, plataforma de serviços integralmente financiada pelo Fundo para promover a parceria entre os setores público e privado para abrigamento e capacitação dessas mulheres, realizou o treinamento e a implementação do projeto com mais de 600 gestores e técnicos da rede de acolhimento, em mais de 100 municípios habilitados e ofereceu 960 diárias para mulheres em vulnerabilidade. Além de acolher e encaminhar as mulheres para atendimentos jurídico e apoio psicológico, o projeto também oferece ferramentas para que essas mulheres possam mudar seu futuro e de suas famílias com a capacitação profissional.

Outro pilar de atuação do Programa Acolhe é a segurança alimentar que tem por finalidade reduzir a vulnerabilidade socioeconômica extrema com a qual convivem. Nesta frente, 210 cartões de auxílio-alimentação foram distribuídos com investimento de R$126.000,00.

Daniela Grelin, diretora executiva do Instituto Avon, explica que a iniciativa do setor privado também tem foco no fortalecimento das políticas públicas. “Ao colaborarmos para a melhoria de casas de passagens, acolhimento, atendimento e capacitação, incentivamos e fortalecemos o engajamento do setor público para ampliar os serviços oferecidos para a proteção de mulheres e meninas que se encontram em situação de violência. Garantir a sua saúde e segurança é um dos principais pilares da atuação do Instituto Avon, por isso, em 2022 vamos continuar movimentando e engajando o setor privado para ampliar o acesso das mulheres que precisam de apoio e que estão ainda mais vulneráveis durante a pandemia”, afirma.

 

 

Sobre o Instituto Avon

O Instituto Avon é uma organização não-governamental que se dedica a salvar vidas por meio de ações e iniciativas em prol da detecção precoce do câncer de mama e do enfrentamento das violências contra as mulheres e meninas no Brasil. Desde 2003, tem como missão fortalecer a saúde, a proteção e o empoderamento da mulher. Para isso, conta com a parceria de instituições da sociedade civil, do setor privado e do poder público, atuando na produção de conhecimento, articulação e desenvolvimento de projetos e no apoio de iniciativas de impacto transformador e que busquem o engajamento de todos os setores da sociedade para o avanço das causas. Como braço de investimento social da Avon, empresa privada que investiu mais de R$ 170 milhões em ações sociais voltadas às mulheres no Brasil, o Instituto já apoiou a realização de mais de 350 projetos e ações, beneficiando mais de 6 milhões de mulheres em todo o País.

 

Sobre a Accor

A Accor é um Grupo líder global em hospitalidade, composto por mais de 5,200 propriedades e mais de 10,000 locais de comidas e bebidas 110 países. O grupo tem um dos ecossistemas de hospitalidade mais diversificados e totalmente integrados da indústria, abrangendo mais de 40 marcas de hotéis de luxo, premium, midscale e econômico, conceitos de estilo de vida exclusivos; locais de entretenimento e vida noturna; restaurantes e bares; residências privadas de marca; propriedades de acomodação compartilhada; serviços de concierge; espaços de co-working e muito mais. A Accor possui uma incomparável posição na categoria de lifestyle – uma das categorias de crescimento mais rápido na indústria – liderada pela Ennismore, uma empresa de hospitalidade criativa com um portfólio global de marcas empreendedoras e fundadas com propósito em seu coração.

A Accor também possui um portfólio extenso de marcas distintas e aproximadamente 260.000 membros de equipe em todo o mundo. Mais de 68 milhões de membros se beneficiam do abrangente programa de fidelidade da empresa ALL – Accor Live Limitless – um companheiro de estilo de vida diário que oferece acesso a uma ampla variedade de recompensas, serviços e experiências. Por meio das iniciativas Planeta 21 – Acting Here, Accor Solidarity, RiiSE e ALL Heartist Fund, o grupo está focado em impulsionar ações positivas por meio da ética nos negócios, turismo responsável, sustentabilidade ambiental, engajamento comunitário, diversidade e inclusão.

Fundada em 1967, a Accor SA está sediada na França e listada publicamente na Bolsa de Valores Euronext Paris Stock Exchange (código ISIN: FR0000120404) e no Mercado OTC (Ticker: ACCYY) nos Estados Unidos. Para obter mais informações, visite o site ou siga a Accor no TwitterFacebookLinkedIn e Instagram.

IDIS visita organizações do programa Transformando Territórios

A equipe do IDIS realizou uma série de visitas às organizações participantes do programa Transformando Territórios, que existe para o fortalecimento de institutos e fundações comunitárias no Brasil.

O propósito dos encontros foi de conhecer mais profundamente as organizações e líderes participantes do Programa Transformando Territórios e apoia-los no desenvolvimento das suas atividades como fundações e institutos comunitários brasileiros.

 

Iniciando as visitas no Rio de Janeiro, Felipe Insunza Groba, gerente de projetos do IDIS, e Whilla Castelhano, coordenadora do projeto, visitaram a Associação Redes da Maré. Durante o encontro tiveram a oportunidade de visitar alguns dos equipamentos que compõe a ação da Redes no conjunto de favelas da Maré junto de Gisele Ribeiro, Presidente da organização.  E tiveram oportunidade de conhecer os planos  para o Fundo Comunitário da Maré que terá como foco de apoiar o desenvolvimento de outros líderes e iniciativas sociais na região.

Equipe do IDIS junto da equipe da Redes da Maré

 

Ainda na zona metropolitana do Rio de Janeiro, a Redes do Bem, braço de instituto comunitário da Agência do Bem, foi a outra organização que foi visitada. Esta entidade surgiu a partir de um processo de formação para organizações sociais oferecido pela Redes do Bem. Na mesma região da zona oeste do Rio de Janeiro, em Vargem Grande, Escola Música e Cidadania que forma centenas de jovens através da música clássica e cidadania. A Redes do Bem tem o papel de fomentar a capacitação, formação e financiamento de projetos sociais na região metropolitana do Rio de Janeiro.

Nesta visita, tivemos a oportunidade de conhecer o impacto das ações de formação e capacitação que a Redes do Bem promove para o terceiro setor carioca ao visitar o Instituto Territórios que está promovendo ações educativas transformadoras na região de Sepetiba, na Zona Oeste da capital carioca.

A última parada no Rio de Janeiro foi a visita ao polo Escola Música e Cidadania em Vargem Grande, projeto social liderado pela Agência do Bem em diversas regiões da região metropolitana carioca.

Equipe IDIS visita organização apoiada pela Redes do Bem.

Equipe IDIS visita organização apoiada pela Redes do Bem.

 

Mudando de estado, no Espírito Santo, foi a vez da FUNDAES – Federação das Fundações e Associações do Espírito Santo receber a equipe do IDIS para conhecer mais sobre o Fundo de Investimento Comunitário Capixaba, o FIC, que está sendo promovido pela FUNDAES com o objetivo de promover e financiar projetos sociais e OSCs que operem no estado do Espírito Santo.

Nesta visita também tivemos a oportunidade de visitar o Banco Bem, banco comunitário que atende as comunidades dos morros do bairro Itararé, em Vitória, e que foi criado pelo Ateliê de Ideias, associada da FUNDAES. Também foi possível conhecer outras 3 organizações sociais apoiadas pela FUNDAES na promoção e desenvolvimento social no Estado. A FUNDAES está desenvolvendo o FIC – Fundo de Investimento Comunitário Capixaba que visa promover e financiar projetos sociais e OSCs que operem no estado do Espírito Santo.

 

 

Conheça mais sobre o programa neste vídeo:

 

Sobre o Transformando Territórios

O Programa Transformando Territórios é uma iniciativa do IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social – com a Charles Stewart Mott Foundation para fomentar a criação e fortalecimento de Institutos e Fundações Comunitárias no Brasil, com o engajamento de doadores e sociedade civil, compartilhamento de conhecimento e apoio técnico.

Filantropia é destaque na CNN  

No programa Soft Business da CNN focado em filantropia, o IDIS foi uma das principais fontes sobre investimento social privado. Paula Fabiani, CEO do IDIS, explicou os benefícios de ações sociais para empresas, trazendo exemplos e dados da atuação do IDIS nessa temática há mais de 20 anos.

A reportagem destacou o Monitor de Doações Covid-19, realizado pela ABCR durante a pandemia de Covid-19. Em 2020, as doações no Brasil alcançaram o marco recorde de 6,53 bilhões de reais e desse total, 85% das doações foram realizadas por empresas.

Para falar sobre esse engajamento das empresas, foi citado o Ranking de Doações Corporativas 2020, um levantamento realizado pelo IDIS que classifica as organizações do setor privado por doações no período, até mesmo empresas não habituadas a práticas filantrópicas se mobilizaram para ajudar na pandemia. Na reportagem foram destacadas algumas delas, como a Cogna Educação, que mobilizou 326 milhões de reais. Também foi destaque os bancos Itaú, Bradesco e do Brasil, que juntos doaram cerca de 3 bilhões de reais.

 

 

Para entender como a filantropia é encarada pelas empresas, Paula Fabiani, CEO do IDIS, explicou como a prática pode trazer resultados positivos para as empresas. Ela cita três principais benefícios e pontos de melhoria: o valor reputacional, a relação com os consumidores e a retenção de talentos, este último, devido à nova geração que se preocupa com o propósito social da empresa.

 

Paula ainda ressalta a importância de uma sociedade civil forte como garantia de um ambiente saudável para os negócios. O Brasil Giving Report 2019, revelou que 74% dos brasileiros acreditam que as empresas devem desenvolver causas e apoiar  a sociedade em que ela está inserida. Desse modo, a filantropia passa a atuar como um componente chave no “agir corretamente”.

 

Como MENSURAR resultados na filantropia?

Para responder essa pergunta, Paula destaca a importância do resultado estar voltado para a sociedade. Um dos métodos utilizados para medir os resultados das ações filantrópicas é o SROI (Social Return on Social Investment ou Retorno Social do Investimento Social), que monetiza a partir de pesquisas de campo o impacto que determinado projeto gera  para a sociedade. Esse método vem sendo utilizado por grandes empresas comprometidas com a pauta social. Para saber mais sobre Avaliação de Impacto e SROI, acesse nossa biblioteca sobre o assunto.

Benefícios tributários e Incentivos Fiscais

Sobre o ambiente tributário para as empresas Paula explica que “o ambiente tributário para as empresas é bem generoso, especialmente, para aquelas que são tributadas pelo lucro real. Sendo possível reduzir da base de imposto de renda até 2% de lucro operacional em doações”.

Valor Econômico destaca inédito levantamento de fundos patrimoniais

O Panorama dos Fundos Patrimoniais no Brasil, levantamento inédito realizado pelo IDIS, foi destaque no jornal Valor Econômico impresso e digital. 

Paula Fabiani, CEO do IDIS e uma das autoras da publicação, comentou que “percebemos que as organizações já enxergam os fundos como solução de sustentabilidade de longo prazo e que pode reduzir a pressão por essa busca constante de receitas de curto prazo”, afirma.

Confira a matéria publicada originalmente no Valor Econômico. 

Festival ABCR 2022: Confira a participação do IDIS

O Festival ABCR 2022, a maior conferência de captação de recursos da América Latina, traz em sua décima quarta edição o tema “diálogos para a retomada”. 

O evento será realizado nos dias 27 e 28 de junho, em São Paulo e contará com mais de 50 palestras de 5 diferentes eixos temáticos: Gestão e Captação de Recursos, o papel do captador, inovação e redes de captação, comunicação e engajamento e, por fim, ferramentas e fontes de captação de recursos. 

As palestras “10 Respostas objetivas para dúvidas frequentes sobre fundos patrimoniais” e “Transformando Territórios: captando recursos junto à comunidade” serão conduzidas por especialistas membros da equipe IDIS. Confira:

Para responder dúvidas frequentes sobre fundos patrimoniais, Andrea Hanai, gerente de projetos do IDIS e Paula Gonçalo, analista de projetos do IDIS, conduzirão a sessão “10 Respostas objetivas para dúvidas frequentes sobre Fundos Patrimoniais”. Ambas possuem vasta experiência com projetos de fundos patrimoniais e recentemente, colaboraram com sua experiência e conhecimento para a publicação  Panorama dos Fundos Patrimoniais no Brasil

Para falar da captação de recursos para projetos comunitários, Whilla Castelhano, coordenadora de projetos do IDIS, irá participar da sessão “Transformando Territórios: Captando Recursos junto à comunidade”. Whilla lidera o programa Transformando Territórios, uma iniciativa do IDIS em parceria com a Charles Stewart Mott Foundation para fomentar a criação e fortalecimento de Institutos e Fundações Comunitárias no Brasil, com o engajamento de doadores e sociedade civil, compartilhamento de conhecimento e apoio técnico. 

Este é um evento pago e presencial. As inscrições podem ser feitas no site: festivalabcr.org.br/inscricoes/

Todos os protocolos de segurança serão respeitados durante o evento, com o distanciamento mínimo necessário e a obrigatoriedade de vacinação completa para os participantes.

Sobre a ABCR

A ABCR – Associação Brasileira de Captadores de Recursos, fundada em 1999, é uma associação civil sem fins lucrativos, que atua pela promoção da sustentabilidade do Terceiro Setor e pelo desenvolvimento da captação de recursos das organizações da sociedade civil. Atualmente nossa rede de associados é composta por mais de 400 membros em quase todos os Estados do país.

 

Perspectivas para a filantropia brasileira é destaque na newsletter da Alliance Magazine

Em fevereiro de 2022, o IDIS lançou um artigo com 8 perspectivas para a filantropia no Brasil. A seleção dos tópicos foi feita a partir da vasta experiência do IDIS no apoio a investidores sociais privados. Isso, além da vivência dos últimos dois anos, que trouxeram muitas mudanças nas demandas e expectativas no campo da filantropia.

Cada perspectiva é uma janela para uma paisagem onde algo importante está acontecendo e o filantropo pode traçar um cenário a partir delas, agregando seus elementos próprios”, explica Paula Fabiani, CEO do IDIS.

No mês de março, a publicação foi destaque na newsletter da Alliance Magazine, uma publicação da organização social britânica que tem foco em conteúdo relacionado a investimento social. Uma das principais do mundo no assunto.

Acesse a matéria completa clicando aqui.
Para ver a publicação das 8 perspectivas completa, basta clicar aqui.

 

Avaliação de Impacto: Saiba quais projetos acompanharemos em 2022

A  Avaliação de Impacto é, certamente, uma ferramenta de grande complexidade mas também muito importante e necessária para mensurar e avaliar a efetividade de projetos sociais.

Esta é uma tendência crescente entre organizações sociais, empresas e famílias que realizam projetos de impacto social, ela surge como grande aliada dos projetos sociais pois serve, não somente para validar a efetividade da ação, mas também como uma ferramenta de aprimoramento dos projetos. 

Sendo este um de nossos importantes pilares de atuação, já realizamos a avaliação de impacto para os mais diversos projetos sociais (confira na página de cases) e no ano de 2022 estaremos com as seguintes organizações:

ICE

O Instituto de Cidadania Empresarial – ICE é uma organização que tem como propósito reunir empresários e investidores em torno de inovações sociais para promover a inclusão social e a redução da pobreza no país. Em 2020, o IDIS apoiou a organização na avaliação do projeto Promoção do Ecossistema de Investimento e Negócios de Impacto Socioambiental no Brasil – veja o relatório. Neste ano, o IDIS oferecerá apoio técnico na revisão do modelo de Monitoramento e Avaliação do Programa Academia, projeto que visa o engajamento de professores e Instituições de Ensino Superior nas temáticas de Finanças Sociais e Negócios de Impacto, abrangendo as áreas de pesquisa, docência e extensão e que está inserido no contexto do projeto desenvolvido em 2020.

Fundação Volkswagen

A Fundação Grupo Volkswagen, que há mais de 40 anos investe em ações de impacto social, com foco atual em mobilidade urbana e comunidades sustentáveis, e mobilidade social e inclusão, também é um de nossos clientes de Monitoramento e Avaliação. A organização entrou em contato com o IDIS interessada em desenvolver um projeto para fortalecimento da cultura avaliativa da organização e para estabelecer estratégias e métodos para aprimorar o acompanhamento das iniciativas atuais de seu portfólio de projetos e programas sociais.

Instituto Sicoob

O Instituto Sicoob tem o objetivo de difundir a cultura cooperativista e contribuir para a promoção do desenvolvimento sustentável das comunidades. A organização desempenha programas e projetos dentro de três eixos: Cooperativismo e Empreendedorismo, Cidadania Financeira e Desenvolvimento Sustentável. Interessados em incluir a temática de Avaliação de Impacto Social no processo formativo de 2022 para as PDEs – Pessoas de Desenvolvimento Estratégico que atuam representando as iniciativas do Instituto Sicoob nas Cooperativas Centrais, a organização buscou o apoio técnico do IDIS para conduzir oficinas de aprendizagem sobre processos avaliativos de programas sociais.

 

O IDIS tem se posicionado como uma referência na área. No ano passado oferecemos o curso Avaliação de Impacto e SROI e também realizamos um evento aberto sobre como avaliar e monetizar impactos socioambientais, com a participação de clientes da Gerando Falcões e Fundação Sicredi que passaram por este processo. Confira:

 

Leia também: Avaliar o Impacto Social é também uma estratégia de Comunicação e Captação de Recursos

 

Avaliação de Impacto SROI

Acesse mais conteúdos nesta temática produzidos pelo IDIS aqui.

Caso queira saber mais sobre Avaliação de Impacto e SROI ou queira conhecer nossos serviços, envie um e-mail para comunicacao@idis.org.br.