Pré-lançamento do Catalyst 2030 Brasil acontece durante o Fórum Econômico Mundial

O enfrentamento aos desafios provocados pela pandemia de Covid-19 em todo o mundo permeou grande parte das conversas do Fórum Econômico Mundial. O evento, que reúne as principais lideranças globais foi realizado exclusivamente online e pode ampliar a agenda e oferecer acesso mais amplo aos debates. Foi neste contexto que a Fundação Schwab, em parceria com a Folha de S.Paulo, incluiu na programação do encontro o pré-lançamento do capítulo Brasil da rede global Catalyst 2030 e o painel “Fomentando o Empreendedorismo Social para a Inclusão Social”. Conduzido pela jornalista Eliane Trindade, responsável pelo projeto Folha Empreendedor Social, reuniu Adriana Barbosa (Feira Preta  e Preta Hub), Eduardo Lyra (Gerando Falcões), Luiza Trajano (Magalu e Mulheres do Brasil) e Patrícia Ellen (Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia do Estado de SP). Ao abrir o debate, Eliane destacou: “Este é um tema mais do que necessário e bem-vindo, tendo em vista que a pandemia exacerbou a desigualdade social no Brasil e no mundo.”.

Em uma primeira rodada, os convidados destacaram suas ações em resposta à Covid-19 e a relevância do empreendedorismo neste contexto. Adriana Barbosa, que tem um trabalho voltado à população negra e ativa por meio do empreendedorismo, falou sobre o Fundo de Emergências Econômicas. Pensado inicialmente como uma linha de crédito aos empreendedores impactados em 2020, acabou ampliando seu escopo, oferecendo atendimento psicológico e ações voltadas à transformação digital dos empreendedores, como letramento digital e acesso à tecnologia. Edu Lyra, por meio da plataforma de desenvolvimento social ‘Corona no Paredão – Fome Não’, captou mais de R$ 25 milhões para favelas em todo Brasil, atendendo mais de 500 mil pessoas. Também criou iniciativas como o aplicativo de reforço escolar e internet gratuita e microcrédito para empreendedores. “Somando a força da sociedade civil, das ONGs e da iniciativa privada conseguindo ampliar o impacto social, derrubando muros e criando pontes.” comentou. Luiza Trajano, representando o setor privado, destacou seu apoio à pequena e média empresa por meio do grupo Mulheres do Brasil e do Magalu, além da interlocução constante com o Ministério da Economia, Caixa Econômica e Sebrae. Ela diz que fez o que estava ao seu alcance e destacou: “A transformação de um país passa por uma sociedade civil unida. Nunca vi empresários se unirem tanto e participarem ativamente. Eles se deram conta da desigualdade social existente no Brasil desde a época da escravidão.”. Fechando a rodada, a secretária Patrícia Ellen comentou que o Governo do Estado mobilizou mais de R$ 1.8 bilhão de doações –  “Nunca vi uma mobilização solidária tão grande e talvez este seja o legado positivo da pandemia.”

Para introduzir a segunda rodada, Eliane Trindade afirmou que “A Covid-19 é uma aceleradora de futuros” e perguntou aos participantes – “O que vem agora?” Para Luiza Trajano um de nossos grandes desafios é o combate ao racismo estrutural. Ela contou as críticas que recebeu ao lançar um programa de trainees no Magalu exclusivo para candidatos negros e até um processo judicial teve que enfrentar, mas destacou o sucesso do processo e como a ação quebrou um paradigma para o mundo inteiro. Para Luiza, “a responsabilidade pela igualdade é de toda sociedade”. Adriana Barbosa também destacou a necessidade de uma mudança de paradigma – o empreendedorismo deve deixar de ser uma escolha por necessidade – deve ser encarado como uma oportunidade e associado à qualidade de vida. Patrícia Ellen, seguiu uma linha similar, destacando como o Estado vem buscando facilitar essa transição, fortalecendo o empreendedor por meio de capacitação técnica, apoio na digitalização, acesso a microcrédito, além da desburocratização do processo de abertura de empresas e conclui “Políticas públicas só são bem-sucedidas se funcionam na ponta”. Em sua fala, também trouxe como prioridades o aumento da empregabilidade, com acesso à educação de qualidade, e o fortalecimento do SUS, que durante a pandemia evidenciou sua importância: “Países desenvolvidos não tiveram como atender suas populações e aqui demos um show”. Edu Lyra fechou a rodada apresentando o projeto Redesenho de Favela, que prevê intervenções sistêmicas, fazendo uma integração de políticas públicas, empreendedorismo social e aplicando “ciência de foguete” para combater pobreza. “Essa pode ser a década do combate à desigualdade. É preciso ter coragem para tomar decisões grandes para enfrentar problemas grandes.” completa.

Leia também:   #FórumIDIS: Filantropia se fortalece durante a pandemia

Assista aqui a íntegra da apresentação:

Catalyst 2030 – Capítulo Brasil

A ocasião marcou também o pré-lançamento do Catalyst 2030 – Capítulo Brasil, coalizão global de inovadores sociais para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU. Paula Fabiani, diretora-presidente do IDIS, integra o comitê organizador do grupo localmente, ao lado de outros especialistas como Gisela Solymos (CREN – Centro de Recuperação e Educação Nutricional), Luiza Serpa (Instituto Phi), Nicky Gryczka (Gastromotiva), Raphael Mayer (Simbiose Social), Rodrigo Baggio (Recode), Rodrigo Pipponzi (Instituto Mol e Editora MOL), Valdir Cimino (Associação Viva e Deixe Viver), Wellington Nogueira (Doutores da Alegria), entre outros.

Os fundadores brasileiros, que acompanharam o debate inicial, e outros interessados em integrar a rede no Brasil, aprofundaram a conversa, desta vez debatendo em grupos menores como os empreendedores sociais podem contribuir para o enfrentamento dos desafios que se apresentam no mundo pós-Covid. Três aspectos emergiram com força:

  1. Foco. É necessário criar um plano de ação com focos muito bem definidos a partir da análise das questões prioritários.
  2. Articulação. O diálogo entre os três setores deve ser ampliado e a articulação com o poder público é essencial.
  3. Abordagem sistêmica. O olhar deve recair sobre o o território, a partir de uma abordagem sistêmica. Educação, saúde, meio ambiente, segurança, ou saneamento básico são questões interligadas e não devem ser trabalhadas isoladamente.
  4. Colaboração. Dado que as soluções dependem de ações orquestradas, a colaboração entre empreendedores de diferentes áreas contribuirá para soluções efetivas.

A rede, prevista para ser oficialmente lançada no Brasil em março, deve começar em breve o processo de inscrição. Paula Fabiani destaca: “Ao trazer o Catalyst para o Brasil, criamos um espaço para favorecer a colaboração, a integração entre organizações de diferentes causas e aceleração de mudanças”

Saiba mais aqui: https://catalyst2030.net/