Gestão de Conhecimento em Investimento Social é Ferramenta para o Desenvolvimento

A grande quantidade de recursos que instituições dos três setores aplicam em investimento social muitas vezes não surte o efeito pretendido. Segundo Nelson Casarotto Filho e Liana Bettina Alves, pesquisadores da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), o problema não está na parte técnica da gestão dos projetos, mas na falta de informações em relação aos vetores de desenvolvimento.

No artigo “Sistema compartilhado em gestão do investimento social local: gestão do conhecimento em redes interorganizacionais”, os autores propõem a criação de redes de conhecimento entre os atores filantrópicos, por meio de um sistema tecnológico de computadores em rede. Esse sistema permitiria o compartilhamento de informações entre os diversos atores sociais, o que eles consideram como a base da atuação conjunta em investimento social.

Para Nelson e Liana, a cooperação permite às instituições tornar mais eficiente suas ações, ao alocar recursos de maneira mais estratégica, evitando desperdícios ou esforços duplicados. Segundo o artigo, o sistema de gestão de conhecimento deve conter informações sobre a realidade social, sobre a atuação das organizações sociais, sobre os investimentos que são realizados e sobre os resultados desses investimentos.

Tal mecanismo, que é uma adaptação dos sistemas de gestão do primeiro e segundo setores, seria útil tanto para as empresas, durante a avaliação dos investimentos em responsabilidade social, quanto para a atuação das organizações da sociedade civil.

Leia também:   NOTA TÉCNICA: Fundos Patrimoniais Filantrópicos

No artigo, os autores citam o conceito de “Engenharia das Intervenções Regionais”, desenvolvido por Sergio Boisier, pesquisador do Instituto de Pesquisas Econômicas Avançadas (Ipea), e que é de grande serventia para a criação de uma rede horizontal de articulação. O conceito engloba elementos como: conhecimento de gestão de redes, mecanismos de desenvolvimento local, gestão de projetos, engenharia econômica, avaliação de projetos sociais e sistemas de informação.

De acordo com Nelson e Liana, já existe a tecnologia que permite um sistema compartilhado de gestão de conhecimento do investimento social. O maior empecilho reside na criação de mecanismos de articulação e gestão desse sistema. Nivelamento de informações, acesso a indicadores oficiais e uniformização de conceitos são as primeiras medidas que eles julgam fundamentais.

Os sistemas de cooperação, após implementados, devem ser colocados à disposição da sociedade. “Pois do contrário, estariam sendo criados apenas novos núcleos de poder político, quando é preciso que todos os processos que envolvem o desenvolvimento social estejam abertos à participação”, defendem os autores.

O trabalho foi apresentado no Encontro Nacional de Engenharia de Produção (ENEGEP) 2006. Leia aqui o texto na íntegra.