Filantropia no mundo cresceu moderada e desigualmente, mostra estudo

A nova edição do Global Philanthropy Environment Index, realizado pela Lilly Family School of Philanthropy, ligada à Universidade da Indiana (EUA), revela que a filantropia ao redor do mundo, entre 2018 e 2020, evoluiu de forma moderada e desigual. O índice contém dados e ferramentas que contribuem para a promoção da filantropia em nível global.

A partir de dados dos 91 países que participam do estudo, pode ser observado que um sistema regulatório eficiente, colaboração estatal, tradição filantrópica, e valores sociais são essenciais para nutrir a filantropia.

Por meio de entrevistas com mais de 100 especialistas ao redor do globo, entre eles, Paula Fabiani, CEO do IDIS, o estudo analisa a filantropia por meio de seis fatores:

  • Facilidade de operação da organização filantrópica
  • Incentivos fiscais
  • Doações internacionais (Cross-border giving)
  • Cenário político
  • Cenário econômico
  • Ambiente sociocultural

 

Baixe aqui o Global Philanthropy Environment Index 2022. 

 

Com base nos fatores, é possível comparar a evolução de cada um deles em relação à região e também ao fator global. A América Latina fica abaixo da média global em todos eles. (Confira aqui o relatório regional específico da América Latina)

Confira alguns destaques:

CRESCIMENTO DA FILANTROPIA

Cerca de 62% dos países participantes tiveram um crescimento nos setor filantrópico entre o período do estudo. Já o restante desses países, relataram uma diminuição do espaço para a filantropia devido à instabilidade política, campanhas contra direitos humanos e restrições de doações internacionais.

DOAÇÕES ENTRE PAÍSES

No que se trata de doações entre países, mais de um terço dos 91 países comentam ter um ambiente pouco favorável para este tipo de transação. Este foi um fatores que mais caiu em relação à última edição. Neste indicador, a América Latina possui a penúltima pontuação, somente atrás do Oriente Médio e Norte da África.

O FUTURO DA FILANTROPIA

Com olhares para o futuro, o estudo levou em consideração também os efeitos da Covid-19 e os especialistas ouvidos acreditam que a tecnologia e novas formas de doar vieram para ficar.

Um outro ponto é a formalização e institucionalização da filantropia ao redor do mundo. Devido ao cenário mundial, o fortalecimento da colaboração entre os diferentes setores e a conscientização sobre o trabalho de organizações da sociedade civil serão indispensáveis daqui em diante. “A filantropia é e permanecerá presente em todos os locais”, pontua o relatório, destacando a participação essencial da filantropia na resposta à emergências, como a da pandemia da Covid-19.

 

Baixe aqui o Global Philanthropy Environment Index 2022. 

IDIS 2022: vamos juntos!

Com energias renovadas, muitos planos e disposição, entramos em 2022 prontos para inspirar, apoiar e ampliar o investimento social privado e seu impacto!

Nossa atuação baseia-se no tripé geração de conhecimento, consultoria e realização de projetos de impacto, que contribuem para o fortalecimento do ecossistema da filantropia estratégica e da cultura de doação. Hoje, compartilho alguns dos principais projetos para o ano que inicia. E por acreditar no poder das conexões, do aprendizado conjunto, da diversidade e da pluralidade de pontos de vista, convido todos para a atuação em parceria. Vamos juntos sonhar mais, criar mais, transformar mais!

Combater os efeitos da pandemia ainda é urgente. Em 2020, respondemos criando o Fundo Emergencial para a Saúde e fortalecendo o SUS, em 2021, o foco foi o programa Redes para a Inclusão Produtiva, em parceria com o Sebrae SP, e neste ano, reunimos parceiros para lançar o Fundo de Conectividade para escolas da rede pública de ensino, visando dar aos alunos uma estrutura mais adequada para o momento que vivemos. Também nos dedicaremos ao Transformando Territórios, programa de desenvolvimento de institutos e fundações comunitárias por meio do qual, com o apoio da Mott Foundation, investiremos R$ 1 milhão no fomento de iniciativas, e seguiremos na liderança da Coalizão pelos Fundos Filantrópicos, atuando para melhorar o ambiente regulatório para este importante mecanismo de sustentabilidade para causas e organizações.

Entre os projetos de Conhecimento, destaco o mapeamento de tendências da filantropia que lançaremos ainda no início deste ano, além da realização do 11º Fórum Brasileiro de Filantropos e Investidores Sociais, que pretendemos realizar em formato híbrido, com sessões presenciais e transmissão ao vivo. Teremos duas publicações sobre Fundos Patrimoniais no Brasil, que nos permitirão entender com mais exatidão o panorama no País, um estudo sobre modelos emergentes de doação, desenvolvido em parceria com a Lilly School of Philanthropy, e o apoio à realização da Pesquisa Voluntariado no Brasil 2001+20.

Por meio da consultoria, vamos manter a realização de projetos customizados para famílias, empresas e organizações da sociedade civil, os apoiando em sua trajetória de investimento social. O suporte para o planejamento estratégico deve se manter forte, e a tendência mostra que há crescente demanda por apoio técnico em áreas como criação de fundos patrimoniais, gestão da doação e avaliação de impacto.

A agenda ESG, por fim, deve seguir ganhando relevância. No ano passado, participamos ativamente da criação do Pacto de Promoção da Equidade Racial e nosso foco será no fortalecimento do pilar SOCIAL, contribuindo ao debate e à produção de conhecimento, por meio de artigos, notas técnicas e eventos, e oferecendo consultoria àqueles que pretendem evoluir nesta pauta.

Internamente, investiremos em processos e no desenvolvimento de nossa equipe, nosso maior ativo!

Os dozes meses parecem pouco, mas não estamos sós. É colaborando uns com os outros e criando pontes que chegaremos mais longe e mais rápido. Será um ano de grandes projetos, de muito impacto e de colaboração!

Um feliz 2022 para todos nós!

Paula Fabiani