Agenda ESG é norte para longevidade das empresas; pauta é destaque no jornal O Globo

O Brasil, embora uma nação jovem, já abriga grandes corporações centenárias que se destacam por sua consistente inovação e adaptação às novas tecnologias e mudanças sociais ao longo de décadas. Esse fenômeno foi destacado em matéria do jornal O Globo.

Um dos direcionamentos recentes para essas empresas tem sido a Agenda ESG. Paula Fabiani, CEO do IDIS, ressalta que as grandes corporações centenárias desempenham um papel relevante na modernização da economia do país, impulsionando práticas sociais, ambientais e de governança, atualmente agrupadas na sigla em inglês ESG.

“Ter visão de cidadania, de desenvolvimento do país, até para que elas tenham mercado e se desenvolvam, é importante. Essas companhias têm influência na agenda ESG. Puxam sua cadeia de fornecedores, consumidores, trazendo quem está alinhado às suas boas práticas. E atraem talentos. Já vimos empresas de grande empresas de grande porte perderem valor por corrupção, falta de ética, impacto ambiental negativo. Para quem busca longevidade, não ter responsabilidade social é um risco muito grande”, diz Paula Fabiani, CEO do IDIS

Confira a matéria completa aqui.

Socioambiental: a integração das esferas social e ambiental

por Yasmim Araujo Lopes, estagiária da célula ESG no IDIS

A busca pela sustentabilidade tem se tornado uma meta fundamental para as organizações, considerando o seu valor para a sociedade e preservação de recursos naturais e meio ambiente, além de ser benéfico para o desenvolvimento e crescimento da própria organização. Essa busca envolve as esferas econômica, social e ambiental, que, apesar de serem frequentemente abordadas de maneira separada, possuem alta correlação. 

O atual cenário de adoção de práticas sustentáveis se torna ainda mais frequente pela emergência das mudanças climáticas. Essas mudanças são, segundo o sexto relatório Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas – IPCC, indiscutivelmente causadas devido às atividades de uso insustentável de energia, do uso da terra e da mudança no uso da terra, e dos estilos de vida e dos padrões de consumo e produção desiguais, resultando em altas emissões de gases de efeito estufa. Estas alterações já causaram um aumento de 1,1ºC na temperatura superficial média do planeta em comparação com a época pré-industrial. Seus impactos abrangem desde saúde e bem-estar humano, até a biodiversidade e ecossistemas.

 

Mas, afinal, como as esferas ambiental e social se atravessam?

De maneira geral, é verdade que todas atividades econômicas têm algum impacto ambiental e social. Com a evolução da sustentabilidade empresarial, hoje incorporada à agenda ESG (em tradução, ambiental, social e governança), as organizações buscam mitigar seus impactos dentro da esfera social e ambiental, por meio de iniciativas que vão desde diversificação de portfólio de produtos e de fornecedores até o engajamento de stakeholders e ações de investimento social privado (ISP). A complexidade da correlação das esferas social e ambiental pede que essas iniciativas também sejam complexas. 

Apesar do meio ambiente ser entendido no senso comum apenas como os elementos do mundo natural (água, ar, solo, biodiversidade de animais e plantas), seu conceito é mais abrangente. Geralmente, o meio ambiente inclui não apenas esses elementos do mundo natural, mas também, as relações entre pessoas e o local onde vivem, considerando aspectos políticos, econômicos, culturais, de saúde etc. Dessa maneira, ao abordar iniciativas ambientais, já se presume um olhar integrado que considere também a dimensão social

Alterações na esfera social frequentemente vão estar associadas a impactos ambientais de diversos níveis, e vice-versa. Entre os diversos possíveis impactos e correlações, no exemplo a seguir vamos focar no impacto hídrico, ou seja, as alterações que acontecem nas águas:

Percebe-se então, por meio deste exemplo, o funcionamento interdependente dessas esferas. Mas, existiria a  possibilidade de atuar com um projeto ambiental, mesmo que em local remoto, sem interações diretas com a sociedade? De início, aparentemente sim, porém ao se considerar os impactos sistêmicos do meio ambiente – ou seja, o meio natural e suas relações com a sociedade – fica claro que a interdependência dos conceitos é inerente. O mesmo vale para um projeto social; é necessário considerar os fatores ambientais.

Portanto, é evidente a necessidade da abordagem conjunta das esferas. Não considerar a transversalidade socioambiental dentro dos projetos e iniciativas diminuem seus impactos efetivos e sua capacidade de abrangência. O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas – IPCC, já afirmou a necessidade da integração de todos os atores da sociedade e ações transversais que lidem com a complexidade da interdependência entre clima, ecossistemas, biodiversidade e  sociedades humanas, quando se trata de mudanças climáticas, e o mesmo se aplica a integração socioambiental.

 

O papel da filantropia e do Investimento Social Privado

A interdependência das esferas e, consequentemente, das causas associadas a cada uma delas, forma um problema complexo no qual a filantropia e o investimento social privado já estão bem equipados para atuar, sem perder o foco no beneficiário, ou seja, aqueles mais afetados pelos danos socioambientais.

Em nosso material, Perspectivas Para a Filantropia No Brasil 2024, abordamos a policrise gerada por essa interdependência das esferas e a transversalidade de causas e respostas tem destaque, deixando como aprendizado a incorporação na estratégia de atuação do ecossistema dos temas com os quais lidamos. Incluir nos projetos as conexões, os atores envolvidos, as causas e as consequências propicia decisões mais assertivas para a geração de mudanças estruturais

Essa atuação transversal pode ser observada, por exemplo, no Edital da Água, do Instituto Mosaic, que incentiva projetos comunitários voltados para a gestão dos recursos hídricos, e que também trabalhem com agricultura sustentável. 

No edital de 2024, o Instituto oferece até R$45 mil para pelo menos 12 projetos que contribuirão com a ODS 6 –  Água Potável e Saneamento – da Agenda 2030 da ONU, através boas práticas de gestão de recursos hídricos, aumento da disponibilidade e acesso de água e saneamento, ampliação de sistemas de coleta e tratamento de esgoto e água, preservação e restauração de ecossistemas relacionados com a água, qualificação profissional de organizações da sociedade civil e cooperação intersetorial.

 

O IDIS na promoção da atuação socioambiental

Por meio de um investimento social privado bem planejado e monitorado, as empresas podem navegar melhor nas relações entre o Social e o Ambiental, tangibilizando seu compromisso socioambiental com públicos-chave. Além disso,  podem engajar partes interessadas em processos colaborativos para a resolução de problemas sociais e ambientais complexos. 

O IDIS oferece apoio técnico a famílias, empresas e organizações sociais que desejam iniciar ou aprimorar seu investimento social privado com uma visão integrada do E do S. Atuamos de forma customizada e participativa em 6 frentes de atuação.

Para mais detalhes, entre em contato conosco em comunicacao@idis.org.br

 

Referências bibliográficas

BURSZTYN, Maria. A. e BURSZTYN, Marcel. Fundamentos de política e gestão ambiental: os caminhos do desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, 2012

MONZONI, Mario; CARREIRA, Fernanda. O metaverso do ESG. GV Executivo, [S. l.], v. 21, n. 1, p. 4-11, 16 mar. 2022. Disponível em: https://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/gvexecutivo/article/view/85510/80703.