#FórumIDIS | Descolonizando a Filantropia: equilibrando forças e somando saberes

A filantropia olhada a partir da perspectiva global reflete a desigualdade econômica entre países. Quem tem mais, apoia quem tem menos, e por anos o apoio financeiro veio acompanhado de imposição técnica. O movimento #ShiftThePower é um, entre muitos, que destaca os saberes locais para alavancar mudanças locais. Neste painel, convidamos Francis Kiwanga, diretor executivo da Foundation for Civil Society (Tanzânia), Neil Heslop OBE, CEO da Charities Aid Foundation (Inglaterra) e Pablo Gabriel Obregón, Presidente da Fundação Mario Santo Domingo e presidente do Conselho da Latimpacto (Colômbia) para debater o tema a partir de diferentes lugares de fala e apresentarem novos modelos para colaboração. A moderação foi feita por Naila Farouky, CEO do Fórum Árabe de Fundações (Egito).

Confira a mesa na íntegra:

“Conhecimento local devem alavancar mudanças locais”, acredita Francis Kiwanga. Ele analisou o percurso dos recursos filantrópicos internacionais, destinados em sua maioria a ações para o desenvolvimento no continente africano. De acordo com ele, recursos internacionais são inicialmente destinados a multinacionais, que fazem a gestão do recurso. Uma parte é usado para a própria gestão, outra, para questões que envolvem o continente, depois vai para as regiões, e quando chega efetivamente aos beneficiários, já é uma parcela muito pequena. Destacou também que as exigências técnicas muitas vezes são tantas que dificultam o impacto e geram um paradoxo – ao tentar se alinhar às exigências dos financiadores, algumas organizações acabam perdendo sua identidade e, ao fazer isso, são excluídas das comunidades que tentam salvar. Para que haja maior equilíbrio, defende que as vozes locais sejam ouvidas e que o planejamento seja participativo, incluindo também os beneficiários.

Outro ponto de vista foi trazido por Pablo Obregón, que defendeu que antes de pensar em equilíbrio norte-sul, os países devem voltar-se para dentro e buscar recursos junto a empresários locais e governos. “Os tempos estão mudando e há interesse em investir no desenvolvimento das comunidades locais.”. Chamou atenção às possibilidades de colaboração entre a sociedade civil e poder público, e às políticas públicas implementadas a partir desta relação. Como presidente do conselho da rede Latimpacto, comentou sobre as motivações dos investidores, que sempre perseguem o maior retorno com o menor risco, e trouxe exemplos de mecanismos de diversificação para terem ganhos ao mesmo tempo que geram impacto social e ambiental positivos. É isso o que chama de investimento para impacto. Neste sentido, tem atuado para fortalecer o ecossistema e a integração Sul-Sul e chama atenção à necessidade de investimento em capital humano.

Neil Heslop OBE, representante da Charities Aid Foundation, organização britânica dedicada à filantropia, destacou o contexto macroeconômico no qual operamos. De acordo com ele, entre 2010 e 2030 presenciaremos a mudança de uma economia de mercado para uma sociedade de mercado, alavancada por três grandes crises: a de crédito, a da Covid e a do clima. Ele coloca que valores humanos ressurgiram, iluminados pelas desigualdades fundamentais, e isso impacta empresas, comunidades e estados, que começam a reavaliar suas prioridades, alterando o fluxo do dinheiro. De acordo com Heslop, “esta é uma oportunidade para mudanças significativas em relação a um futuro justo e sustentável para todos, no mundo inteiro, com uma efetiva mudança de poder.” Também chamou atenção à importante agenda EDI – equidade, diversidade e inclusão, afirmando que as organizações filantrópicas no norte global têm o dever moral de fortalecer a representação em suas estruturas de tomada de decisão e tornar seus processos transparentes e claros o mais rápido possível. Explica que ao quebrar as estruturas de dentro para fora, aceleramos a mudança nos mecanismos de poder.

Descolonizando a Filantropia

O Fórum Brasileiro de Filantropos e Investidores Sociais, realizado pelo IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social, oferece um espaço exclusivo para a comunidade filantrópica se reunir, trocar experiências e aprender com seus pares, fortalecendo a filantropia estratégica para a promoção do desenvolvimento da sociedade brasileira. O evento já reuniu mais de 1.500 participantes, entre filantropos, líderes e especialistas nacionais e internacionais. Em 2021, teve como tema ‘O Capital e a Humanidade’ e foi realizado em 22 e 23 de junho com o apoio prata da Fundação José Luiz Egydio Setúbal e apoio bronze de BNP Paribas Asset Management Brasil, Bradesco Private Bank, BTG Pactual, Mattos Filho, Movimento Bem Maior, Santander e Vale.

Forum IDIS Apoio

IDIS recebe diretor internacional da CAF

 

Responsável por fortalecer e catalisar a filantropia e o engajamento cívico nos países que integram a rede Global Alliance – além do Brasil, Austrália, Bulgária, Canadá, Índia, Estados Unidos, Rússia, África do Sul e Inglaterra, sede da organização -, Mapstone se reuniu com a equipe do IDIS, com parceiros, representantes do governo, empresas e sociedade civil.

“Foi uma semana intensa. Aprendi muito com as experiências do IDIS no Brasil e conheci mais profundamente o trabalho que conseguiu a regulamentação dos Fundos Patrimoniais no país. Para a CAF, esse progresso torna o ambiente propício para uma filantropia mais eficaz e estamos ansiosos para apoiar ainda mais” comentou Mapstone.

Com visão abrangente, oportunidades de parcerias e colaboração dentro da rede da CAF e com outras organizações locais e globais foram identificadas, em um movimento para ampliar o impacto das ações do IDIS. O fortalecimento da cultura de doação, tema prioritário para a CAF, também foi abordado. No IDIS, a maior ação neste sentido, é a campanha Descubra Sua Causa. O teste, que estimula as pessoas a refletirem sobre causas e as conecta a organizações sociais para as quais podem fazer doações, foi tema de mais de uma reunião e poderá ser exportado a outros países da rede.

Durante sua visita, Mapstone participou também de uma reunião especial do Conselho Deliberativo do IDIS, na qual assumiu a presidência Luiz Sorge (CEO do BNP Paribas Asset Management Brasil), foram integrados dois novos conselheiros , Alex Pinheiro (Diretor e Sócio da Somos Educação) e Luciana Tornovsky (Sócia do Demarest Advogados) substituindo duas conselheiras históricas do IDIS, a ex-presidente Maria Lúcia de Almeida Prado e Silva (Sócia do Demarest) e Zilda Knoploch (Fundadora e Diretora da Enfoque).

A Global Alliance é uma rede dinâmica e bastante ativa. Além de visitas como essas, há encontros semestrais entre os CEOs dos nove escritórios da rede e uma série de atividades online. “Ficamos sempre entusiasmados ao final dessas visitas. A Global Alliance está realmente comprometida em aumentar e qualificar as doações no mundo e a colaboração e a troca de conhecimentos são potencializadas nestes momentos”, expressa Paula Fabiani, diretora-presidente do IDIS.

CAF Aposta em Estratégia Global

O gerente de Projetos do IDIS Osmar Araújo esteve em treinamento na Charities Aid Foundation (CAF) em Londres e conta, em artigo, a importância de escutar cada vez mais (e melhor) as necessidades dos investidores sociais.

A Charities Aid Foundation (CAF) estabeleceu metas ousadas para os próximos anos. Sem fins lucrativos e com sede em Londres, a organização pretende fortalecer sua rede mundial até 2011 para atender a crescente demanda por serviços que gerem soluções globais na atuação dos investidores socioambientais.

O plano é composto por duas linhas básicas. A primeira disponibilizará um sistema de informação e de transferência de recursos online para todos os 8 escritórios e representantes da Rede CAF. A intenção é proporcionar uma ferramenta ágil e confiável aos clientes que desejem investir em outros países, especialmente aqueles que operam a partir de estratégias globais.

A segunda prevê mais integração entre os escritórios por meio do aperfeiçoamento da metodologia de trabalho, da troca sistemática de experiência e do desenvolvimento do relacionamento com clientes de forma integrada. Com isto, será possível entender melhor as necessidades dos investidores e criar soluções dentro da estratégia global de investimento socioambiental, só que refinadas às realidades específicas dos diferentes países.

Stock.xchng: Representação de rede de pessoasIsso é parte do que pude observar durante o primeiro treinamento internacional para equipes gerenciais, realizado pela CAF em novembro de 2009. O pano de fundo do encontro na capital inglesa foi formado por três questões: o fortalecimento da rede internacional, o estímulo à troca de experiências entre os representantes locais e o estabelecimento de processos formais de colaboração entre as unidades. Durante cinco dias, aconteceram workshops para o aprimoramento das consultorias, visitas a clientes e apresentação de casos.

Cada escritório da Rede CAF enviou de um a dois representantes, apenas a unidade da Bulgária não compareceu por incompatibilidade de agenda. Estiveram presentes integrantes do Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social (IDIS), que atua no Brasil e na América Latina, o The Centre for Asian Philanthropy, que atua em Cingapura e região, e os escritórios da CAF nos Estados Unidos, na Índia, na Austrália, na África do Sul e na Rússia.

O workshop teve a função de desconstruir as lógicas prontas de muitos consultores. Durante o debate sobre mobilização e desenvolvimento dos clientes, a conversa veio corroborar o que o IDIS já faz no Brasil e que será replicado em outros países: desenvolver soluções mais customizadas na área de investimento socioambiental.

A meta é elaborar propostas que atendam ao universo daquele investidor, sem oferecer modelos padronizados, como caixinhas prontas. O IDIS há anos atua dessa forma, num relacionamento próximo ao cliente, escutando suas necessidades e oferecendo um repertório de serviços, competências e rede de contatos para proporcionar soluções sinérgicas para os investidores socioambientais.

Ao ser espalhada por toda a rede, essa prática vai auxiliar no atendimento mais “artesanal” do cliente no alcance mundial do investimento social. Como? Junto a um sistema de informação integrado, com intercâmbios entre as unidades, será possível disseminar as expertises e até facilitar o fluxo das doações.

Não são raros, por exemplo, casos de investidores norte-americanos que aplicam em causas de países da América Latina ou da África. Com os escritórios da CAF integrados na estratégia internacional de consolidação da rede, o fluxo será agilizado.

Captação

O intercâmbio também serviu para conhecermos mais de perto outras práticas. Uma das mais interessantes é adotada pela CAF Austrália. Os australianos possuem vários modelos para realização de doação online, inclusive um que utiliza cartão de crédito.

Esse tipo de ferramenta não é uma novidade no Brasil, mas ainda é pouco utilizado pelos doadores brasileiros. Além de ser uma maneira fácil para o investidor efetivar suas doações, organizações como a CAF funcionam como um avalista das causas e organizações que receberão os recursos.

Para se ter uma ideia do alcance que pode ter no país, basta observar os dados do comércio eletrônico. Mesmo sob os efeitos da crise econômica, cresceu 27% no primeiro semestre de 2009 se comparado ao mesmo período de 2008, segundo dados da e-bit, empresa especializada no setor. O faturamento foi de R$ 4,8 bilhões. Os números indicam o imenso potencial de utilização de ferramentas online no Brasil.