#FórumIDIS | Descolonizando a Filantropia: equilibrando forças e somando saberes

A filantropia olhada a partir da perspectiva global reflete a desigualdade econômica entre países. Quem tem mais, apoia quem tem menos, e por anos o apoio financeiro veio acompanhado de imposição técnica. O movimento #ShiftThePower é um, entre muitos, que destaca os saberes locais para alavancar mudanças locais. Neste painel, convidamos Francis Kiwanga, diretor executivo da Foundation for Civil Society (Tanzânia), Neil Heslop OBE, CEO da Charities Aid Foundation (Inglaterra) e Pablo Gabriel Obregón, Presidente da Fundação Mario Santo Domingo e presidente do Conselho da Latimpacto (Colômbia) para debater o tema a partir de diferentes lugares de fala e apresentarem novos modelos para colaboração. A moderação foi feita por Naila Farouky, CEO do Fórum Árabe de Fundações (Egito).

Confira a mesa na íntegra:

“Conhecimento local devem alavancar mudanças locais”, acredita Francis Kiwanga. Ele analisou o percurso dos recursos filantrópicos internacionais, destinados em sua maioria a ações para o desenvolvimento no continente africano. De acordo com ele, recursos internacionais são inicialmente destinados a multinacionais, que fazem a gestão do recurso. Uma parte é usado para a própria gestão, outra, para questões que envolvem o continente, depois vai para as regiões, e quando chega efetivamente aos beneficiários, já é uma parcela muito pequena. Destacou também que as exigências técnicas muitas vezes são tantas que dificultam o impacto e geram um paradoxo – ao tentar se alinhar às exigências dos financiadores, algumas organizações acabam perdendo sua identidade e, ao fazer isso, são excluídas das comunidades que tentam salvar. Para que haja maior equilíbrio, defende que as vozes locais sejam ouvidas e que o planejamento seja participativo, incluindo também os beneficiários.

Outro ponto de vista foi trazido por Pablo Obregón, que defendeu que antes de pensar em equilíbrio norte-sul, os países devem voltar-se para dentro e buscar recursos junto a empresários locais e governos. “Os tempos estão mudando e há interesse em investir no desenvolvimento das comunidades locais.”. Chamou atenção às possibilidades de colaboração entre a sociedade civil e poder público, e às políticas públicas implementadas a partir desta relação. Como presidente do conselho da rede Latimpacto, comentou sobre as motivações dos investidores, que sempre perseguem o maior retorno com o menor risco, e trouxe exemplos de mecanismos de diversificação para terem ganhos ao mesmo tempo que geram impacto social e ambiental positivos. É isso o que chama de investimento para impacto. Neste sentido, tem atuado para fortalecer o ecossistema e a integração Sul-Sul e chama atenção à necessidade de investimento em capital humano.

Neil Heslop OBE, representante da Charities Aid Foundation, organização britânica dedicada à filantropia, destacou o contexto macroeconômico no qual operamos. De acordo com ele, entre 2010 e 2030 presenciaremos a mudança de uma economia de mercado para uma sociedade de mercado, alavancada por três grandes crises: a de crédito, a da Covid e a do clima. Ele coloca que valores humanos ressurgiram, iluminados pelas desigualdades fundamentais, e isso impacta empresas, comunidades e estados, que começam a reavaliar suas prioridades, alterando o fluxo do dinheiro. De acordo com Heslop, “esta é uma oportunidade para mudanças significativas em relação a um futuro justo e sustentável para todos, no mundo inteiro, com uma efetiva mudança de poder.” Também chamou atenção à importante agenda EDI – equidade, diversidade e inclusão, afirmando que as organizações filantrópicas no norte global têm o dever moral de fortalecer a representação em suas estruturas de tomada de decisão e tornar seus processos transparentes e claros o mais rápido possível. Explica que ao quebrar as estruturas de dentro para fora, aceleramos a mudança nos mecanismos de poder.

Descolonizando a Filantropia

O Fórum Brasileiro de Filantropos e Investidores Sociais, realizado pelo IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social, oferece um espaço exclusivo para a comunidade filantrópica se reunir, trocar experiências e aprender com seus pares, fortalecendo a filantropia estratégica para a promoção do desenvolvimento da sociedade brasileira. O evento já reuniu mais de 1.500 participantes, entre filantropos, líderes e especialistas nacionais e internacionais. Em 2021, teve como tema ‘O Capital e a Humanidade’ e foi realizado em 22 e 23 de junho com o apoio prata da Fundação José Luiz Egydio Setúbal e apoio bronze de BNP Paribas Asset Management Brasil, Bradesco Private Bank, BTG Pactual, Mattos Filho, Movimento Bem Maior, Santander e Vale.

Forum IDIS Apoio

#FórumIDIS: Os rumos da filantropia pós-pandemia em debate

O Fórum Brasileiro de Filantropos e Investidores Sociais, organizado pelo IDIS, reuniu 264 participantes virtualmente na edição 2020, que teve como tema “Novos Horizontes – Reflexões para uma filantropia pós-pandemia”. Os assuntos discutidos foram desde fundos filantrópicos, avaliação de impacto, filantropia comunitária, passando pela cultura de doação e socorro às ONGs até a união de grandes bancos em prol da Amazônia.

Para a diretora-presidente do IDIS a capacidade de mobilização da sociedade atingiu outro patamar com a pandemia do novo coronavírus. Paula Fabiani advertiu que “o mundo precisará, mais do que nunca, de uma atuação integrada e colaborativa entre setores para construir caminhos sólidos e cuidar de quem é mais vulnerável”.

O fundador do Gerando Falcões, plataforma de impacto social que apoia o trabalho de outras ONGs que atuam em periferias e favelas de todo o Brasil, foi o exemplo de inspiração para os dois dias do evento. “Minha história está ligada ao primeiro aporte financeiro que recebi”, explicou Edu Lyra, mostrando que o investidor social tem o papel de “puxar” o protagonismo do empreendedor social no Brasil. Lyra também comentou o resultado da enquete “Se você tivesse R$ 1 milhão para arriscar, em qual tipo de solução inovadora você investiria?”, feita junto aos participantes do evento. A maioria das pessoas priorizaria o investimento em educação e inovação. (saiba mais)

Na sessão de abertura do evento, o economista e escritor Eduardo Gianetti teve o desafio de responder à pergunta: como seremos nós e o mundo pós-pandemia? Disse que será muito difícil preservar esse espírito de solidariedade que nos fez presenciar a marca recorde de R$ 6 bilhões em doações no Brasil. Gianetti também ponderou que o auxílio emergencial, do governo federal, é legítimo em momentos de crise, mas não é a resposta para diminuir a pobreza no Brasil. (saiba mais)

Um dos instrumentos utilizados para viabilizar essas doações foram os Fundos Filantrópicos, em especial aqueles emergenciais, que para o presidente do BNDES, Gustavo Montezano, vieram para ficar. Na mesma sessão, os debatedores reforçaram os Fundos Patrimoniais como instrumento de sustentabilidade de longo prazo para causas e organizações. (saiba mais) Outra ferramenta para ampliar o capital disponível é o Blended Finance. Para Marco Gori, sócio da Din4mo, sem mobilizar o capital privado não há condição de financiar a Agenda 2030, que traz as metas para atingirmos os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (OSCs). A sócia do escritório de advocacia Mattos Filho, Flávia Regina de Souza Oliveira, avalia que para os filantropos e investidores financeiros o Blended Finance é inovador e traz a união de diversos capitais por uma única causa: melhorar as questões socioambientais. (saiba mais)

Para a filantropa Beatriz Bracher, fundadora do Instituto Galo da Manhã, a pandemia, ao mesmo tempo que nos isolou, também gerou mais empatia com o próximo. Outro filantropo, Antonio Carlos Pipponzi, presidente do conselho administrativo da Raia Drogasil e presidente do conselho do Instituto ACP, acredita que as empresas perceberam, na prática, a importância da doação. (saiba mais)

A sessão que tratou sobre filantropia comunitária trouxe o exemplo das Redes da Maré e os esforços da BrazilFoundation com a conclusão que devemos enxergar em um território não apenas seus desafios, mas suas potencialidades, focando nos talentos locais e as forças que podem contribuir ao seu desenvolvimento. Destacaram, ainda, a ação de organizações em resposta à pandemia. (saiba mais)

Os bancos Itaú Unibanco, Bradesco e Santander mostraram o esforço conjunto que os unem em prol da conservação da Amazônia. As representantes das três instituições contaram que deixaram os crachás de lado e foram aprender com os experts como ter uma atuação de impacto na região, mobilizando empresas e clientes em favor das comunidades e de ações que contribuem ao desenvolvimento econômico. (saiba mais)

“O brasileiro tem uma boa alma, gosta de ajudar o próximo”, afirmou José Luiz Egydio Setúbal, presidente e instituidor da Fundação José Luiz Egydio Setúbal e vice-presidente do Instituto PENSI, no painel “OSCs na UTI: de onde vem o socorro?”. Em sua fala, entretanto, Setúbal lembrou que os ricos doam proporcionalmente menos do que os brasileiros que têm menos recursos, e isso deveria mudar. Ao lado de Carola Matarazzo, CEO do Movimento Bem Maior, os dois defenderam a importância de uma relação de confiança entre doadores e ONGs. O fortalecimento da cultura de doação permeou a conversa, que contou com a apresentação do documento ‘Por um Brasil + Doador, Sempre’, produzido pelo Movimento por uma Cultura de Doação, do qual Erika Sanchez Saez, moderadora da mesa, é integrante. (saiba mais)

A palestra com o tema ‘Novos horizontes da filantropia no mundo’ encerrou o evento, reunindo Philip Yun, CEO do Global Philanthropy Forum, Matthew Bishop, autor do livro Philanthrocapitalism, e Michael Mapstone, diretor de Relações Externas e Engajamento Global da Charities Aid Foundation (CAF). (saiba mais)

Yun ponderou sobre como tudo está acelerado – e deve se acelerar mais – e dentro desse paradigma ressaltou os novos desafios das mudanças climáticas e da urgência de ações. “Em dez ou quinze anos talvez não tenhamos mais chance de consertar o que é preciso em relação ao clima”, alertou.

Mapstone chamou atenção para a importância da transparência de dados, prestação de contas e maior conscientização sobre as estruturas para garantir respostas ágeis. “A pandemia trouxe uma visão mais clara sobre as desigualdades e injustiças sociais, além de novos modelos de doação. Vamos ver como avançamos e aonde chegaremos com isso”.

Por fim, Bishop disse que os filantropos poderão ter papel importante nas mudanças futuras, principalmente com o uso da tecnologia. “Precisamos ter a coragem de assumir nosso papel e aproveitar a oportunidade; encontrar exemplos que nos inspirem e aprender com os erros do passado”. Ele apresentou o movimento global do qual faz parte, o Catalyst 2030 e que já começa a ser gestado no Brasil. Destacou que colaboração será a palavra de ordem para o atingimento dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável.

O Fórum Brasileiro de Filantropos e Investidores Sociais é realizado pelo IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social com o Global Philanthropy Forum. São parceiros ouro desta edição Fundação José Luiz Egydio Setubal e Santander, e parceiros bronze BID – Banco Interamericano de Desenvolvimento, BNP Paribas Asset Management, Bradesco Private Bank, Instituto ACP, Mattos Filho Advogados e Movimento Bem Maior.

O conteúdo de todas as palestras está disponível no canal do IDIS no YouTube, no endereço http://bit.ly/2lIyOKw

Conheça os registros das sessões realizados pela artista gráfica Mila Santoro:

Repercussão na mídia

Conheça as principais matérias inspiradas no Fórum que foram destacada na mída:

Folha de S.Paulo: Fórum sobre o futuro da filantropia reúne lideranças mundiais

Veja.com: ‘Governo se omite de forma criminosa no meio ambiente’, diz Giannetti

Valor Econômico: ‘Blended finance’ turbina capital filantrópico

Mundo do Marketing: Os rumos da filantropia pós-pandemia em debate

Força das Comunidades – Protagonismo, Mobilização e Transformação

 

Comunidades. Pessoas unidas pela geografia, ligadas pelo território que ocupam. Coletivos que se formam a partir de afinidades, ideais, interesses, causas. A tecnologia potencializando e dando escala às conexões.

O poder transformador está em estabelecer um percurso de dentro para fora, ou seja, a partir da demanda da comunidade surgem iniciativas e soluções próprias que favorecem o bem comum – e que podem contar com apoios externos, desde que conectados com os interesses e prioridades do grupo. Cidadãos assumem o controle de suas histórias e exercem sua cidadania. Mais do que nunca, é preciso reconhecer a força das comunidades e criar condições para que possam florescer.

Esse fenômeno cresce no Brasil e na América Latina, especialmente nesse momento de turbulência, desconfiança e preocupação com o ambiente democrático. O indivíduo experimenta sua capacidade de mobilização para gerar mudanças. Paradoxalmente, não se trata de um movimento individual. A sociedade civil e suas comunidades se fortalecem quando governos, filantropos e investidores sociais, tanto familiares quanto corporativos, olham para elas e as ouvem. Pensam suas ações com elas e não para elas. A boa notícia é que há um desejo genuíno para que esta aproximação aconteça e há muitos exemplos positivos e inspiradores.

A Primavera X propõe uma gincana para jovens, que realizam mutirões comunitários em prol do cuidado com a água em todo o Brasil. A LALA – Latin American Leadership Academy vai além, e oferece um programa de desenvolvimento de liderança a jovens que querem fazer a diferença em suas comunidades. Empresas se comprometem com causas, se engajam em torno de temas como diversidade, igualdade e equidade – mudam práticas internas, influenciam suas cadeias de outros segmentos, apoiam organizações da sociedade civil. Governos criam programas que consideram e estimulam os saberes e protagonismo locais e estabelecem mecanismos regulatórios, como a recente Lei dos Fundos Patrimoniais Filantrópicos, no Brasil, que favorece a sustentabilidade de longo prazo de instituições. As petições promovidas por meio da plataforma Change.org permitem com que demandas da sociedade cheguem a tomadores de decisões. Segundo a organização, 25.000 petições são realizadas por mês no mundo todo e a cada uma hora, uma delas é vitoriosa, seja alterando uma lei, uma prática corporativa ou uma decisão de alguém com poder institucional e impactando diretamente a vida de milhares ou milhões de pessoas.

Não por acaso, neste setembro, escolhemos o tema ‘Força das Comunidades’ para o Fórum Brasileiro de Filantropos e Investidores Sociais, evento anual promovido pelo IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social, que reuniu mais de 300 filantropos, representantes de empresas, institutos, fundações e governos. Mais do que um dia para troca de conhecimentos e experiências, foi um chamamento. Para construirmos um futuro mais justo e solidário, é preciso que todos façam a sua parte. É preciso acreditar na força das comunidades, protagonistas de suas histórias, capazes de mobilizar pessoas e recursos e de provocar a transformação social que desejamos ver. Vamos juntos?

 

Por Luisa Gerbase de Lima, Coordenadora de Comunicação no IDIS em artigo originalmente publicado no blog Giro Sustentável, da Gazeta do Povo, em 20 de setembro de 2019. O IDIS é parceiro do Instituto GRPCOM no blog Giro Sustentável e contribui mensalmente com histórias relacionadas ao Investimento Social Privado.