Retrospectiva 10 anos do Fórum Brasileiro de Filantropos e Investidores Sociais

Em 2021, o Fórum Brasileiro de Filantropos e Investidores Sociais chegou à 10ª edição! Desde 2012, o Fórum realizado pelo IDIS e Global Philanthropy Forum oferece um espaço exclusivo para a comunidade filantrópica se reunir, trocar experiências e aprender com seus pares, fortalecendo a filantropia estratégica para a promoção do desenvolvimento da sociedade brasileira.

Em 10 edições, o evento já reuniu mais de 1.500 participantes, entre filantropos, líderes e especialistas nacionais e internacionais. Para mapear e discutir o papel da filantropia para o desenvolvimento do Brasil, já recebemos lideranças como Ana Lúcia Villela, Ana Paula Padrão, Eduardo Giannetti, Eduardo Lyra, Guilherme Leal, Gustavo Montezano, Gilberto Carvalho, Jane Wales, Jorge Gerdau Johannpeter, Giovanni Harvey, Lester M. Salamon, Matthew Bishop, Peter Eigen, Rob Garris, Swanee Hunt, Viviane Senna, entre outros.

Para a 10ª edição do evento, preparamos uma retrospectiva com os temas, palestrantes e convidados. Assista:

 

O Fórum Brasileiro de Filantropos e Investidores Sociais, realizado pelo IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social, oferece um espaço exclusivo para a comunidade filantrópica se reunir, trocar experiências e aprender com seus pares, fortalecendo a filantropia estratégica para a promoção do desenvolvimento da sociedade brasileira.

Saiba mais sobre o evento em nosso site e também confira todas as sessões gravadas disponíveis aqui em nosso canal do YouTube!

Retrospectiva 2020: um ano inacreditável

O ano está chegando ao fim e faltam palavras para definir o que foi 2020, o ano mais inacreditável de nossas vidas. Em todo o mundo, fomos tomados por sentimentos de surpresa, incredulidade, temor, incerteza. Em maior ou menor grau, todos tivemos que adaptar formas de trabalhar e rever planos. No IDIS, não foi diferente. Definitivamente, não terminamos o ano da forma como imaginamos, mas apesar de tudo, conseguimos avançar em nossa missão de inspirar, apoiar e ampliar o investimento social privado e seu impacto e fortalecer a cultura de doação no Brasil.

A criação do Fundo Emergencial para a Saúde – Coronavírus Brasil foi certamente o projeto de impacto que marcou nosso ano. Para contribuir com o enfrentamento à pandemia, nos unimos ao Movimento Bem Maior e a BSocial. Agimos rápido, lançando o Fundo ainda em março. Em oito meses, mobilizamos indivíduos, famílias e empresas e captamos R$ 40 milhões para fortalecer o SUS, beneficiamos 60 instituições, sendo 58 hospitais, 1 centro de pesquisa e uma organização social.

Destacamos, ainda, entre os projetos implantados por iniciativa do IDIS, a promoção da Filantropia Comunitária, em parceria com a Mott Foundation, e o programa de formação de redes de inclusão produtiva, junto com o SEBRAE-SP, além da continuidade da campanha Descubra Sua Causa.

A consultoria cresceu, com mais de uma dezena de projetos iniciados neste ano, com focos diversos como planejamento estratégico, estruturação de fundos patrimoniais, gestão da doação e avaliação de impacto. Amigos do Bem, Gerando Falcões, Instituto International Paper, Instituto Sicoob, Parceiros da Educação, Petrobrás e Vale, foram alguns dos novos parceiros que começamos a atender.

Na área de conhecimento, seguimos com nossa vocação de refletir sobre tendências, ler cenários e sistematizar conceitos e metodologias. Lançamos quatro publicações, doze artigos e notas técnicas e realizamos cinco eventos, entre eles, o Fórum Brasileiro de Filantropos e Investidores Sociais, realizado pela primeira vez em formato online, mas que foi capaz de novamente reunir a comunidade que vem se consolidando há nove anos. Participamos também de muitos eventos, tanto de nosso setor, quanto fora dele, compartilhando nossos aprendizados em 25 ocasiões, no Brasil e também internacionalmente.

Finalizamos o projeto de revisão de nossa marca institucional. Cada vez mais convictos de que a integração de fazeres e saberes é o que nos faz avançar, apresentamos, em dezembro, nossa nova identidade visual.

E fomos reconhecidos. Fomos eleitos uma das 100 melhores ONGs de 2020 e o Fundo Emergencial para a Saúde foi vencedor no Prêmio Folha Empreendedor Social e finalista no Prêmio ABCR Doação Solutions.

Há muitas histórias a serem contadas, que se passaram neste ano tão único. Vamos reunir cada uma delas em nosso relatório de atividades, que será lançado em alguns meses. Mas não poderíamos encerrar o ano sem celebrar esses marcos, pois eles nos fortalecem, e agradecer a cada um que esteve conosco nessa jornada – equipe, conselho, clientes e parceiros.

Que 2021 seja um ano de mais conexões e abraços! BOAS FESTAS!

Retrospectiva: Em um ano de poucas esperanças, pesquisas sobre o perfil do doador mostram que o brasileiro está disposto a ajudar!

Seja na mídia, entre amigos e parentes ou até em silenciosos rituais, retrospectivas já são uma tradição para os brasileiros.  Com a equipe do IDIS não poderia ser diferente! Com o olhar direcionado aos últimos doze meses, ficamos com a certeza de termos encerrado um ano crítico com os bons resultados que empenho, perseverança e comprometimento podem gerar.  É por isso que neste dezembro decidimos recuperar  alguns números e lembrar que apesar do brasileiro ter atravessado um 2017 difícil, com uma sequência de escândalos políticos e econômicos, pesquisas mostram uma população disposta a ajudar. Se isso ainda não é o ideal,  já indica um excelente ponto de partida.

No mês de novembro, o IDIS, que representa a Charities Aid Foundation no Brasil, divulgou o Country Giving Report Brazil (http://idis.org.br/country-giving-report-2017-brasil/), estudo que atualizou o perfil dos doadores e ajudou a compreender quem são, como e por que as pessoas doam.  Os dados confirmam que o brasileiro é um cidadão generoso, que gosta de doar e, principalmente, pode doar mais. E reforçaram a certeza de que é preciso trabalhar mudanças, posicionamentos, protagonismos da sociedade e do terceiro setor para consolidar mais uma cultura da doação.

Indice de Solidariedade – Antes de revelar o perfil do doador brasileiro, o IDIS divulgou outro estudo da CAF,  o já tradicional World Giving Index (Índice Global de Solidariedade)https://www.idis.org.br/wp-content/uploads/2017/09/relatorio-World-Giving-Index-2017.pdf . Com alcance global, o índice é elemento central na discussão sobre doações no mundo e permite comparar o desempenho brasileiro com o de outros países. 

O WGI é calculado com base no número de pessoas que doaram dinheiro para uma organização da sociedade civil, ajudaram um estranho ou fizeram trabalho voluntário, tudo isso no mês anterior ao levantamento. No ranking, o Brasil caiu de 34% para 32%, o que levou o País a perder 7 posições e ficar em 75º lugar. Apesar da ligeira queda, a pontuação ainda se mantém maior do que em anos anteriores, sendo a segunda melhor desde a criação do WGI, em 2009. A boa notícia? No levantamento de 2016, 18% dos entrevistados diziam ter feito algum tipo de trabalho voluntário, percentual que chegou agora aos 20% – um recorde para o Brasil!

Todas essas informações e muitas outras foram apresentadas e discutidas, recentemente, no fórum  Future of Philanthropy: what role can philanthropists and foundations play in delivering on the global goals for sustainable development?’ (Futuro da Filantropia: qual o papel de filantropos e fundações no cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável?). No encontro, realizado no castelo de Wilton Park, na vizinhança de Londres,  lideranças da filantropia de diversos países se reuniram para discutir estratégias do setor, e uma palavra foi constante: mais! “De um modo geral, as conversas giram em torno de assumir mais riscos, colaborar mais, influenciar mais, e buscar novas saídas para o velho modelo baseado em crescimento econômico”, relata a presidente do IDIS, Paula Fabiani, convidada a traçar o perfil do investimento social privado no Brasil.

Trabalho de advocacy do IDIS e parceiros ganha força e projetos de lei regulamentando Fundos Patrimoniais avançam no Congresso Nacional.

Na longa jornada do trabalho de advocacy do IDIS e seus parceiros para regulamentação dos Fundos Patrimoniais no Brasil, o ano de 2017 já representa um avanço na agenda que defende esse instrumento tão comum no exterior (endowments).  A Comissão de Assuntos Econômicos do Senado aprovou o Projeto de Lei 16/2015, da senadora Ana Amélia, com substitutivo do senador Armando Monteiro. Com isso, o projeto, que originalmente estabelecia que apenas universidades públicas poderiam ter fundos patrimoniais, foi aprovado no Senado permitindo a aplicação da lei a instituições públicas culturais e a associações e fundações.  O PL 16/2015 também estabeleceu um incentivo fiscal para pessoas físicas e jurídicas sem ampliar a renúncia fiscal, além de determinar que os fundos patrimoniais sejam criados em fundações privadas.

Como a votação na CAE foi terminativa, o Projeto de Lei passa a tramitar agora na Câmara dos Deputados. Raquel Coimbra, diretora de Projetos do IDIS e membro da equipe que desenvolve o trabalho de advocacy junto à esfera pública é otimista:  “Foi enorme o nosso avanço em 2017. E há vontade política para a regulamentação dos Fundos Patrimoniais, demonstrando que a sustentabilidade econômica das organizações da sociedade civil são relevantes para o desenvolvimento do país”.  

A decisão no Senado encerra uma etapa. O caminho a ser trilhado na Câmara dos Deputados mantém a necessidade de expandir o debate junto à sociedade, esclarecendo o tema e reforçando pontos defendidos pela visão do IDIS, uma vez que outros projetos sobre fundos patrimoniais foram apresentados na Câmara e no Senado. Por isso, recuperamos aqui o artigo publicado na revista Época, onde a presidente do IDIS, Paula Fabiani, e a nossa conselheira fiscal e sócia da PLKC Advogados, dra. Priscila Pasqualin, analisam o projeto de lei de autoria da senadora Ana Amélia, com seus prós  e contras http://epoca.globo.com/brasil/noticia/2017/11/projeto-de-lei-incentiva-doacoes-para-instituicoes-sem-fins-lucrativos.html

É também importante recuperar  aqui parte do caminho percorrido por aqueles que defendem a criação dos Fundos Patrimoniais como forma de assegurar a sustentabilidade das organizações no longo prazo. A repercussão do debate com lideranças políticas, empresariais, gestores, financiadores e doadores é necessária para mostrar para a sociedade os Fundos Patrimoniais como possibilidade de uma menor dependência dessas organizações em relação aos recursos públicos, proporcionando condições de planejamento e ampliação de atividades tanto no que diz respeito ao alcance quanto à qualidade. http://www.broadcast.com.br/cadernos/releases/?id=R0N3Ky9ZeElUbG9wTE9tZHZhNWZmQT09

E nós entendemos que para manter esse diálogo, multiplicar conhecimento é essencial. Por isso, foram lançados neste ano os manuais sobre criação e manutenção de fundos  patrimoniais, desenvolvidos a partir do I Fórum Internacional de Endowments Culturais. Os Guias de Endowments Culturais estão disponíveis em plataforma digital, no site do IDIS e da Levisky Negócios & Cultura (imagem dos 3 guias).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Guia 1: Conceitos e Benefícios dos endowments como mecanismo de financiamento à cultura
http://idis.org.br/guia-1-conceitos-e-beneficios-dos-endowments-como-mecanismo-de-financiamento-a-cultura/

Guia 2: Orientações e informações ao poder público: aspectos de regulação e tributação
http://idis.org.br/guia-2-orientacoes-e-informacoes-ao-poder-publico-aspectos-de-regulacao-e-tributacao/

Guia 3: Orientações práticas para a implementação de endowments em instituições culturais
http://idis.org.br/guia-3-orientacoes-praticas-para-implementacao-de-endowments-em-instituicoes-culturais/