Por que apoiar a Primeira Infância?

Evento na Fiesp debate o investimento social corporativo como instrumento de mudanças sociais e foca na primeira infância para promover o desenvolvimento econômico sustentável.

A Responsabilidade Social Corporativa como geradora de conhecimento e práticas. Cientes dessa força para estabelecer a real imagem de cidadania empresarial, além de agregar valor aos seus produtos e processos, empresários e investidores sociais reunidos no dia 19 de Abril, na Fiesp, em São Paulo, compartilharam experiências e debateram o investimento social corporativo,  que nada mais é que a doação de forma voluntária, por parte da empresa, de recursos financeiros, humanos, técnicos, gerenciais ou em espécie voltada para o interesse público. Ao compartilhar essas experiências, enfatizaram a necessidade de planejamento, com o devido monitoramento e avaliação.

Iniciativas reconhecidas como modelos de sucesso foram apresentadas, assim como o retrato do investimento social corporativo no Brasil. E o foco do evento foi mantido na Primeira Infância e como esse investimento pode afetar positivamente a força de trabalho de um País.

Mediado pelo fundador do IDIS, dr. Marcos Kisil, o painel ‘Empresários pela Primeira Infância’ contou com a participação da diretora global da ReadyNation, Sara Watson. A entidade, sem fins lucrativos, atua em escala mundial para o desenvolvimento econômico a partir do investimento na infância e na juventude. Para Sara, os motivos para apoiar a primeira infância são claros: “Existe uma relação direta entre os cinco primeiros anos de vida de uma criança e o desempenho dos funcionários adultos”. Ao lado de Sara Watson estava José Luiz Egydio Setubal, presidente da Fundação José Luiz Egydio Setúbal, gestora do Hospital Infantil Sabará. “Uma infância saudável gera uma sociedade melhor”, ressalta José Luiz.

O evento foi organizado pelo Conselho Superior de Responsabilidade Social (Consocial) e pelo Comitê de Responsabilidade Social (Cores) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo. Para saber mais sobre a participação de CEOs, acionistas, diretores, gestores, profissionais de institutos e fundações empresariais, e a troca de experiências proporcionada pelo Seminário de Investimento Social Corporativo e pelo Workshop Construindo o Investimento Social Corporativo, clique AQUI!

Paula Fabiani fala sobre o potencial de doação da classe média em entrevista à rádio Jovem Pan

“Temos um paradoxo a ser vencido: as pessoas precisam entender que para verem transformação nas causas que elas escolhem, precisam também se engajar no longo prazo e ajudar essas organizações” 

 (Paula Fabiani em entrevista a Tiago Uberreich, da rádio Jovem Pan)

Estimativas globais mostram que a classe média deve crescer tanto nos próximos anos que, em 2030, esse mesmo segmento da sociedade será capaz de destinar cerca de US$ 319 bilhões para causas sociais em todo o mundo. E o mais surpreendente: esse valor vai significar apenas 0,5% dos seus gastos anuais.

Para entender mais sobre o potencial transformador da classe média e as recomendações do relatório para governos, sociedade civil e organizações internacionais, ouça a entrevista com Paula Fabiani, que falou ainda sobre incentivos para doação individual, ambiente regulatório para grandes doações e regulamentação dos fundos patrimoniais.  Clique na imagem acima para ouvir a entrevista!

 

Aprendendo em Londres…

*Por Andréa Wolffenbüttel

Integrar uma rede internacional ligada a uma das mais tradicionais organizações de fomento à filantropia no mundo agrega muito mais do que um logo famoso no seu website. Entre os dias 9 e 13 de abril último, tive a oportunidade de comprovar isso ao participar de uma International Collaborative Week (Semana Internacional de Colaboração), da Charities Aid Foundation (CAF), focada em Comunicação.

Representantes da CAF da África do Sul, Canadá, Estados Unidos, Índia, Inglaterra e Brasil (IDIS) se encontraram em Londres para compartilhar experiências, dúvidas e desafios, e também para conhecer as mais novas tendências em Comunicação para a Terceiro Setor.

O motivo inspirador dessa Semana foi o lançamento da nova logomarca da CAF, mas a ocasião serviu para conversar sobre muitos temas, entre eles:

  • como criar histórias atraentes
  • como usar de forma mais eficaz as redes sociais
  • como produzir roteiros de vídeos convincentes
  • como desenvolver campanhas poderosas

Também foi ótimo entrar em contato com tecnologias que ainda não estão presentes no cotidiano de quem faz Comunicação no Terceiro Setor, no Brasil, tais como Realidade Virtual, Realidade Aumentada e 360º (foto).

Voltei sentindo-me mais preparada para cumprir minha atribuição de conduzir, junto com todos os colegas, a Comunicação do IDIS. Porém, o maior valor que trouxe na bagagem de volta são os novos vínculos estabelecidos com os meus pares nos diversos continentes nos quais a CAF atua. Uma ligação assentada nos anseios, temores, desafios e sonhos comuns a todos os que buscam estimular a prática do investimento social, da filantropia e da solidariedade entre os seres humanos.

Só tenho a agradecer à CAF-Canada, CAF-India, CAFSA, CAF-UK  e CAFAmerica!

(*) Andréa Wolffenbüttel é Diretora de Comunicação e Relações Institucionais do IDIS – representante da Charities Aid Foundation (CAF) no Brasil.

Skoll World Forum: O Poder da Proximidade

Skoll World Forum: para assistir à cerimônia de abertura, basta clicar na imagem!

Aproximar os delegados do fórum, que juntos representam mais de 65 países, dos líderes comunitários, ativistas, empreendedores sociais e inovadores que trabalham com pessoas e comunidades submetidas aos mais variados, profundos e persistentes problemas ao redor do mundo… Esse foi o objetivo do Skoll World Forum 2018, realizado em Oxford, Inglaterra, de 9 a 13 de abril.  Com o tema ´O Poder da Proximidade´, uma série de eventos interativos permitiu aos participantes compartilhar, colaborar, inovar e promover o empreendedorismo social e, assim, avançar no caminho de  uma mudança social em larga escala.

Em paz com as diferenças – Na abertura do evento, Bryan Stevenson, da Equal Justice Iniciative, falou sobre o poder de estar próximo dos excluídos para transformar o mundo. Em seu discurso,  o ex-presidente dos Estados Unidos, Jimmy Carter, apontou a discriminação contra mulheres e meninas como um desafio global mais premente do que as disparidades de renda entre ricos e pobres. Premiado com o  ‘Skoll Global Treasure Award’, Jimmy Carter também destacou, em seu discurso,  a importância de viver em paz com as diferenças.

A presidente do IDIS, que esteve em Oxford para acompanhar toda a semana do evento, destaca a importância do Skoll World Forum para apresentar novas tecnologias, tendências e abordagens e, sendo a única brasileira capacitada pela New Economics Foundation (NEF) a aplicar o SROI (Social Return on Impact) no Brasil, Paula Fabiani chama a atenção para a importância de um dos vários temas debatidos: a Avaliação de Impacto Social. Os participantes do painel  Impact Measurement: Collaborating for Human Rights falaram sobre como implantar uma avaliação de impacto em projetos que envolvem diversos atores e de que maneira conseguimos mensurar essa real transformação. Ao avaliar ações coletivas, como desenvolver uma compreensão profunda sobre soluções significativas e de longo prazo e, assim, começar a entender como medir a mudança real e não apenas o impacto incremental. “ A discussão da mesa trouxe o desafio de medir resultados na defesa de direitos humanos, ressaltando a importância de buscar essa medição apesar das dificuldades”, concluiu Paula.

Para assistir aos painéis de debate e obter informações sobre os temas tratados, acesse o site Skoll World Forum

 

 

X CONGRESSO GIFE: IDIS participa de debate sobre tendências para o investimento social privado em âmbito nacional e global.

Diante de um futuro que traz como desafio para o Terceiro Setor a busca constante por novas formas de atuação e articulação, a necessidade de apropriação de ferramentas e tecnologias de última geração, além de estratégias que garantam um diálogo eficaz com um mundo já sobrecarregado de novos e velhos problemas socioambientais, o X Congresso GIFE, realizado em São Paulo nos dias 4, 5 e 6 de Abril,  colocou em debate as tendências para o investimento social privado em âmbito nacional e global.

Foram convidados para o painel ‘Tendências e Desafios para o Fortalecimento do Campo: por um Investimento Social mais Forte, Diverso e Efetivo’ a presidente do IDIS, Paula Fabiani; Benjamin Bellegy, diretor executivo do Wings; Regina Esteves, Superintendente da Comunitas; e Graciela Hopstein, coordenadora executiva da Rede de Fundos. Para mediar a conversa, Erika Saez, gerente de Programas do Gife.

O fortalecimento da cultura de doação e organizações da sociedade civil de base deram início à fala da presidente do IDIS sobre a importância do engajamento das famílias de alto poder aquisitivo e a necessidade de se tomar risco no Investimento Social Privado para garantir algumas agendas.  Paula Fabiani defendeu, ainda, que as grandes empresas sejam também doadoras e que incentivos estejam previstos para pessoas que fazem doações individuais.  Sobre os desafios que o Terceiro Setor tem pela frente, Paula Fabiani aponta a necessidade de abrir mão de nossas diferenças para unir esforços em torno de pautas comuns a todos: “O investidor social tem, às vezes, dificuldade em abrir mão de suas pautas e investir, de verdade, recursos em pautas comuns. O Brasil precisa disso mais do que nunca! É assim que vamos conseguir o impacto coletivo”.

Para Regina Esteves o momento é de grandes mudanças na relação público-privado: “A governança é compartilhada e a cocriação é base para o engajamento.” A representante da Comunitas ressaltou, ainda, que agora é a hora do Terceiro Setor abandonar o modelo tradicional que sempre adotou e, pensando em maior impacto, buscar um eixo para construir políticas de médio e longo prazo: “Visão de longo prazo significa a construção de políticas públicas onde o cidadão exerça um papel participativo, pois governos passam, mas a sociedade permanece.”.

Fortalecimento da Cultura de Doação e engajamento levaram às considerações de Benjamin Bellegy sobre o desenvolvimento da Filantropia como parte da Democracia e, também, sobre a urgência de se discutir mais esse tema no Brasil: “O processo filantrópico é uma causa…gera confiança na sociedade e, por isso, cada fundação, ou cada doador, precisa pensar de que maneira vai conseguir recursos para desenvolver seus projetos.”

Considerando o momento delicado em que se encontra não apenas o nosso país, mas o mundo, a representante da Rede Fundos lembrou que é fundamental mostrar que as organizações do Terceiro Setor são confiáveis: “Precisamos nos comunicar melhor e explicar a importância de doar. Somos todos atores dessa transformação.” Graciela Hopstein ainda chamou a atenção para a maneira como o tema é tratado: “Parece que filantropia é assistencialismo…Quando pensamos em Democracia, pensamos em acesso aos Direitos. Precisamos de mais recursos privados para fortalecer organizações públicas”

Brasil, Democracia e Desenvolvimento Sustentável:  O X Congresso Gife reuniu lideranças para analisar o momento que atravessamos e pensar o futuro do Terceiro Setor. Na plenária de abertura, a presidente dos conselhos  da Fundação Tide Setúbal e do Gife, Neca Setúbal, convocou a plateia: “Precisamos ter coragem de arriscar!”.

O economista e escritor Eduardo Gianetti da Fonseca abriu sua apresentação falando sobre o momento histórico que vive o País e os desafios aos quais os brasileiros são submetidos década após década,  desde a Redemocratização, passando pelos vários ciclos de planos econômicos para tentar estabilizar a moeda, até os dias de hoje, “Se temos 33% de carga tributária, mais 7% de déficit, 40% de tudo que o Brasil produz passa pelas mãos do setor público. Eu só me pergunto: CADÊ (esse dinheiro)??”. Gianetti lembrou que a “deformação patrimonialista” do Estado brasileiro está estabelecida desde a chegada dos portugueses e criticou o modelo de inversão que vivemos desde então: “O Estado continua a crer que a sociedade existe para servi-lo e não o contrário”.

Fundo Marielle – Durante o X Congresso Gife, a Fundação Ford, a Open Society Foundations, o Instituto Ibirapitanga e a Fundação Kellog lançaram uma iniciativa para promover a participação de mulheres negras no cenário político nacional. O Fundo Marielle (em homenagem à vereadora, socióloga, feminista e militante dos Direitos Humanos Marielle Franco, assassinada  no último dia 14 de março, no Rio de Janeiro) contará com a porte inicial de US$ 10 milhões ao Fundo Baobá.

 

 

 

 

 

IDIS, Civi-co e Humanitas360 juntos em debate e engajamento pelo advocacy dos Fundos Patrimoniais

“Fundo Patrimonial: fundo composto por doações com a condição de seu principal (valor doado) ser mantido intacto e investido para criar uma fonte de recursos para uma organização

Fonte: http://nonprofit.about.com

A importância dos Fundos Patrimoniais para o desenvolvimento da filantropia e do investimento social reuniu no dia 03 de Abril,  em São Paulo, nomes do setor reconhecidos pela defesa e intenso trabalho de advocacy para a criação de uma lei que regulamente a questão.

O Civi-co, primeiro coworking do país focado exclusivamente em negócios de impacto social, recebeu em seu espaço dezenas de representantes de organizações da sociedade civil e advogados atraídos pela possibilidade de conhecimento e troca de experiências através do debate entre Patrícia Villela Marino, cofundadora do Civi-co e presidente do Instituto Humanitas360 (ONG criada para promover mudanças na América Latina); Rodrigo Mendes, fundador e diretor executivo do Instituto Rodrigo Mendes (organização sem fins lucrativos com a missão de ajudar pessoas com deficiência a terem educação de qualidade na própria rede de ensino do País); o filantropo Léo Figueiredo (investidor do fundo patrimonial do Instituto Rodrigo Mendes); Priscila Pasqualin, sócia da PLKC Advogados (responsável pela área de Filantropia, Terceiro Setor e Investimento Social Privado)  e presidente do Conselho Fiscal do IDIS; e a diretora-presidente do IDIS, Paula Fabiani, que lidera o Grupo de Trabalho sobre Fundos Patrimoniais, iniciativa de advocacy que trabalha em rede com organizações da sociedade civil, advogados, empresas e filantropos para promover o desenvolvimento dos fundos patrimoniais no Brasil.

Na abertura do evento, Patrícia Villela Marino reforçou a necessidade do engajamento para fortalecer o Terceiro Setor no país e convocou a todos da plateia para assumir seu papel nessa jornada.

Ressaltando a importância do tema, Paula Fabiani falou sobre os Fundos Patrimoniais no Brasil e no Exterior. Ao apresentar o trabalho iniciado pelo IDIS há sete anos, Paula Fabiani levou para o público alguns pontos, como as motivações (perpetuar uma causa, garantir independência e estabilidade operacional no longo prazo, promover a profissionalização da governança e da operação, entre outros); os desafios (crise de confiança nas Instituições; incipiência de serviços especializados; inexistência de incentivos fiscais à instituição e aos doadores para doações a Fundos Patrimoniais); e os benefícios,  fatores de sucesso e aspectos fundamentais para a Regulação dos Fundos Patrimoniais.

Na sequência, Priscila Pasqualin tratou dos aspectos jurídicos e apresentou dez Projetos de Lei que mencionam Endowment e estão em tramitação no Congresso Nacional. Foram tratados, ainda, os focos prioritários para esse tipo de advocacy (amplitude de causas, regulação simples da governança, incentivos fiscais de IRPF e IRPJ). Priscila Pasqualin deu ênfase ao Projeto de Lei 8.694/2017 que tramita na Câmara dos Deputados (antes PL 16.2015, proposto pela senadora Ana Amélia e aprovado no Senado Federal com substitutivo do senador Armando Monteiro). O PL 8.694/2017 estabelece a aplicação da lei para universidades públicas, instituições culturais, associações e fundações; além de incentivo fiscal para pessoas físicas e jurídicas sem ampliar a renúncia fiscal; e também a determinação de que os fundos patrimoniais sejam criados em fundações privadas.

 Garantia para o futuro – Rodrigo Mendes, ao lado de Léo Figueiredo, relatou a experiência vivida em 2008, quando sentiu os efeitos da crise econômica mundial ao ter quase 60% dos investimentos no Instituto cortados – momento em que começou a pensar na estruturação  de um Fundo para garantir o futuro da organização. Ao explicar a importância da gestão do fundo patrimonial para garantir resultados, Léo Figueiredo defendeu a necessidade do setor social demonstrar resultados.

Um diálogo para transformar a Cultura de Doação

Com o auditório da Pinacoteca do Estado de São Paulo lotado e sob a liderança dinâmica de Eliane Trindade, editora do caderno Empreendedor Social da Folha de São Paulo, aconteceu na última quarta-feira, dia 27 de março, a oitava edição da série Diálogos Transformadores, que abordou a Cultura de Doação.

O evento reuniu diversos protagonistas do campo da doação, desde um filantropo que faz grandes investimentos sociais até um doador individual, que contribui com uma pequena quantia mensal, passando por ONGs que captam recursos, negócios sociais que viabilizam a doação e organizações de fomento ao investimento social, como o IDIS e o Arredondar. Para assistir ao video na íntegra, clique em  TV FOLHA.

Durante mais de duas horas, esse grupo debateu com a plateia a importância do desenvolvimento de uma cultura de doação mais forte no Brasil, que seja um valor presente em toda a sociedade. O filantropo José Luiz Setúbal, cuja fundação foi um dos patrocinadores do encontro, incitou várias vezes os presentes a se envolverem com alguma causa que os sensibilize e a trabalhar por ela.

Outro patrocinador esteve presente apenas em vídeo. O fundador da Cyrela, Elie Horn, que apoiou essa edição do Diálogos por meio do Instituto Cyrela, reafirmou sua profunda convicção de que só o bem faz sentido: “Todos devem procurar fazer o bem porque é o único caminho que faz sentido e traz uma recompensa imediata”, afirma.

Paula Fabiani, presidente do IDIS, que também apoiou o evento, aproveitou a ocasião para falar sobre a relevância da regulamentação dos fundos patrimoniais/endowments, no Brasil, como meio de garantir a sustentabilidade das organizações sociais no longo prazo e também de dar mais segurança aos doadores.

Roberta Faria, diretora da Editora Mol, também patrocinadora, apresentou seu interessante caso de viabilização da doação por meio da venda de produtos sociais. O exemplo mostrado foi o de uma revista que é vendida em uma rede de drogarias e cuja receita é doada a diversas organizações sociais, entre elas o Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer (GRRAC). Sergio Petrilli, fundador do GRAAC contou um pouco da sua longa e árdua trajetória, toda construída com as doações que recebe. E um de seus grandes doadores, o Instituto Ronald McDonald, estava presente por meio do superintendente, Francisco Neves, que fez questão de externar seu otimismo e amor pela vida como uma das forças que o levam a trabalhar sempre mais para conseguir recursos para a causa da saúde infantil.

O Diálogos ainda contou com a participação de Nina Valentini diretora do Arredondar, que já conseguiu doar mais de R$ 2 milhões para organizações sociais  a partir de micro doações que os consumidores fazem ao aceitar arredondar o valor das compras. A última a subir ao palco foi Luciana Quintão, fundadora do Banco de Alimentos, ONG responsável pelo programa Prato Cheio, que recebe  alimentos que seriam rejeitados pelo comércio e os leva até instituições sociais.

A energia, a empatia e a confiança no futuro das pessoas que compareceram ao Diálogos Transformadores – Cultura de Doação criaram um ambiente de integração entre o palco e a plateia. O público permaneceu até o final, mandando perguntas, aplaudindo e se dispondo a contribuir para escrever um novo capítulo na história da doação no Brasil.

 

 

Tecnologias Sociais no Amazonas: resultados superam índice da OMS e fortalecem compromisso do IDIS e parceiros pelo desenvolvimento social

Aplicado a partir de março de 2017, o projeto Tecnologias Sociais no Amazonas (TSA) alcançou, em menos de um ano, números que mostram que estamos no caminho certo para alcançar o objetivo proposto: melhorar as condições de vida das comunidades da região amazônica. O projeto, desenvolvido pelo IDIS, foi implementado em parceria com a Universidade Estadual do Amazonas, Secretaria de Saúde do Amazonas e os governos locais, e financiado pela Fundação Banco do Brasil.

Entre dados tão animadores, o mais surpreendente é a taxa de prevalência de anemia por carência de ferro nas crianças dos municípios de Borba, Nova Olinda do Norte e Itacoatiara: de 36% para 2,8% – abaixo do índice de 5% estabelecido pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Nomeada Hb, a tecnologia permite o diagnóstico rápido por meio de um aparelho, tratamento e controle da anemia ferropriva. Essa é uma das 3 tecnologias aplicadas na região e que integram o Banco de Tecnologias Sociais da Fundação Banco do Brasil. As outras são o Banheiro Ecológico Ribeirinho e a Desinfecção Solar de Água – todas de baixo custo. Clique aqui para acessar o Infográfico TSA!

Hb: Combate à anemia ferropriva – A tecnologia social Hb é um aparelho portátil, preciso e de baixo-custo para diagnosticar a anemia ferropriva em estudantes da rede pública. Além de diagnosticar a deficiência nutricional, um software determina a prescrição recomendada para o tratamento por meio de suplementação de sulfato ferroso e vermífugos.  Na implementação do projeto, somente no município de Borba, 60% das crianças foram diagnosticadas com anemia, confirmando as hipóteses sobre problemas de saúde relacionadas à falta de água tratada e saneamento básico na região. A anemia ferropriva é um dos tipos mais comuns de deficiência nutricional no mundo. Segundo a OMS, afeta 25% da população global – e no Brasil, a  incidência é de aproximadamente 35%.

SODIS: Purificação Solar da Água – Com exposição à radiação UV-A solar e temperatura alta para neutralizar elementos patogênicos, a tecnologia SODIS (sigla em inglês para Purificação Solar da Água) melhora a qualidade microbiológica da água potável. Sendo o consumo de água imprópria uma das principais causas de diarreia e doenças correlatas na região do Amazonas, a aplicação dessa tecnologia é uma forma eficaz, barata e rápida para reduzir os casos de enfermidades de veiculação hídrica. A OMS, a UNICEF e a Cruz-Vermelha recomendam a tecnologia SODIS como método para tratar água potável nos países em desenvolvimento. No Brasil, a solução foi implementada pela primeira vez  através do projeto Tecnologias Sociais no Amazonas.

Banheiro Ecológico Ribeirinho – Solução de saneamento descentralizado, o banheiro ecológico consiste em um pequeno cômodo de madeira, equipado com um vaso sanitário e uma estrutura impermeável (barril de plástico) para a coleta de dejetos. Nas regiões ribeirinhas, onde as comunidades vivem em casas suspensas, o uso de fossas sépticas é impossibilitado devido aos períodos de alagamentos e enchentes. Por isso, o banheiro ecológico  fica instalado acima do nível do solo, evitando, assim, a contaminação de cursos de água superficiais e subterraneos.

Projeto TSA é apresentado em Paris. Clique na imagem para assistir ao video.

Exatamente esses resultados do projeto Tecnologias Sociais no Amazonas foram apresentados em Paris no dia 23 de março, durante o  netFWD Annual Meeting, promovido pela OECD (a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico). A Gerente de Projetos do IDIS, Andrea Hanai, explicou a parceria e implementação das tecnologias, contextualizando a situação da região amazônica, onde a dispersão da população torna muito difícil a construção de sistemas de tratamento centralizado de esgoto; a água contaminada é a realidade da maioria das comunidades ribeirinhas; e a anemia é constante no quadro de saúde de crianças e gestantes.

Em evento promovido pela Folha de S. Paulo e Fundação Schwab,  presidente do IDIS defende regulamentação de Fundos Patrimoniais para atrair doações

 

“O fato de não termos uma legislação é uma falta de incentivo”, Paula Fabiani – evento na FSP

O que é preciso para acelerar o investimento social privado no Brasil? Às vésperas do Fórum Econômico Mundial 2018 na América Latina, a questão esteve no centro do debate levantado pelo evento ‘Inovação Social – Desafios e Novos Modelos’, realizado pela Folha de S. Paulo e a Fundação Schwab  no dia 12 de março, em S. Paulo, e voltado para empreendedores sociais.

A mesa-redonda em torno do tema ‘Como a Legislação de Isenção de Impostos pode Acelerar o crescimento de ONGs e Negócios de Impacto no Brasil’, teve como moderadora Maria Cristina Frias, colunista da Folha, e reuniu o secretário da Fazenda do estado de São Paulo, Helcio Tokeshi; Patrícia Villela Marino, presidente da Humanitas360; Paula Fabiani, diretora-presidente do IDIS; Paula Storto, sócia da SBSA Advogados; e Priscila Pasqualin, sócia da PLKC Advogados e presidente do Conselho Fiscal do IDIS.

Dois pontos foram destaque: Fundos Patrimoniais e Nota Fiscal Paulista. A equipe do IDIS, através de um forte e contínuo trabalho de Advocacy pela regulamentação dos Fundos Patrimoniais,  acompanha os seis projetos de lei que tramitam no Congresso Nacional. Paula Fabiani lembrou que trata-se de um tipo de fundo destinado a sustentar parte ou o todo do orçamento de uma organização social, ambiental, cultural ou educativa, assim como custear projetos inovadores e estratégicos que dificilmente atrairiam recursos em sua fase inicial. E a advogada Priscila Pasqualin citou a importância da Legislação para fortalecer o Terceiro Setor, além de mencionar o programa Nota Fiscal Paulista como um bom exemplo para incentivar doações e garantir repasse de recursos.

O evento contou ainda com um workshop conduzido por Rodrigo Baggio, empreendedor social da Rede Schwab, que tratou do tema ‘Prós e Contras dos Modelos de Negócios Sociais Híbridos’.

Você pode saber mais sobre a troca de experiências entre os participantes e as conclusões do encontro em Fundos patrimoniais são saída para financiar ONGs – Folha de S. Paulo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

IDIS, CAF América e Consulado Geral dos Estados Unidos em São Paulo lançam parceria educacional para fortalecer organizações da sociedade civil

Ensinar organizações a construir planos de ação transformadores, além de fortalecer suas estratégias para captar fundos e, assim, alcançar e manter a sustentabilidade financeira… Esses foram os objetivos previstos pela CAF América, o IDIS e o Consulado Geral dos Estados Unidos em São Paulo para a criação do Programa de Fortalecimento das Organizações da Sociedade Civil.

 

Acreditamos que é necessário um esforço conjunto para suprir a carência de conhecimento a respeito de métodos e ferramentas disponíveis.  Sendo assim, nosso projeto prevê capacitações presenciais e online sobre Planejamento EstratégicoCaptação de Recursos (tanto no Brasil quanto nos EUA para o Brasil) e Estabelecimento de Parcerias. Para isso, foi desenvolvido um programa que permitirá, através de módulos de treinamento, capacitar os representantes das organizações selecionadas.

O programa de Fortalecimento das Organizações da Sociedade Civil é totalmente gratuito e  voltado para organizações da sociedade civil com sede e atuação na região metropolitana de São Paulo.

Para mais informações e inscrições, acesse o Site do Edital

Dia Internacional da Mulher: a força do investimento social no enfrentamento das desigualdades

O Relatório de Desigualdade Global de Gênero 2017, divulgado pelo Fórum Econômico Mundial, constatou aumento das disparidades entre homens e mulheres em todo o planeta. No Brasil, em apenas um ano caímos onze posições, ficando em 90º lugar, entre 144 nações.  Para ter acesso ao relatório completo (em inglês) clique Aqui!

A notícia é triste, mas só reafirma a importância de continuarmos trabalhando pela igualdade de direitos entre os gêneros. Sabemos que não estamos sozinhos… Temos parceiros protagonistas nessa causa. É o caso do Instituto Avon, um exemplo consolidado de luta pelos direitos das mulheres. Há cinco anos, o Instituto organiza o Fórum Fale Sem Medo para marcar da data e inspirar o movimento. Desta vez, o foco é como as plataformas digitais têm dado voz às mulheres vítimas de violência.

O canadense Adam Kahane, referência internacional na construção e implementação de soluções para desafios complexos, e Nadine Gasman, da ONU Mulheres,  debatem o tema ao lado de brasileiras que defendem a causa.

A equipe do IDIS acredita na força desse tipo de diálogo e na importância do investimento social para construir a paridade econômica, a representatividade política, acesso a bons serviços de saúde e educação, fim da violência… E por meio da nossa diretora-presidente, Paula Fabiani, encaminhamos nossa mensagem às mulheres:

Para abrir o video clique Aqui!

 

 

Diálogos Transformadores: Folha de São Paulo, IDIS e Editora Mol vão debater “Como Estimular a Cultura de Doação no Brasil”

“Diálogos Transformadores” é um evento multimídia, que mistura debate e entrevista. Criado por um dos mais influentes jornais do País, a Folha de São Paulo, propõe-se a  apontar caminhos para assuntos emergentes da agenda sustentável. Em sua primeira edição deste ano, a diretora-presidente do IDIS, Paula Fabiani, estará no palco para debater o tema “Como Estimular a Cultura de Doação no Brasil”. Ao lado dela, Roberta Faria, diretora-executiva da Editora Mol, pioneira em modelo de negócio social que já transferiu R$ 22 milhões em doações para ONGs; e Sérgio Petrilli, fundador do Graac, o Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer, considerada a maior captadora de pessoa física no Brasil.

Durante duas horas, o trio vai interagir com José Luiz Setúbal, ex-provedor da Santa Casa de Misericórdia e presidente da Fundação José Luiz Egydio Setúbal, organização focada em Saúde Infantil; Nina Valentini, cofundadora do Arredondar, responsável por viabilizar microdoações no varejo; e Francisco Neves, superintendente do Instituto Ronald McDonald.

Com o objetivo de estimular a cultura de doação, discutir estratégias que funcionam e aquelas que foram testadas e não obtiveram os resultados esperados, a sétima edição de “Diálogos Transformadores” vai contar com uma plateia de 150 convidados, entre especialistas, empreendedores sociais, representantes de ong´s e filantropos,  e será transmitido pela TV Folha. Além do debate, casos inspiradores de pequenos e grandes doadores e filantropos serão apresentados. E, também, exemplos de como o dinheiro de doações pode ser bem empregado e como o público  pode doar e se engajar em campanhas.

Marque na sua agenda!

Quando: 27 de março de 2018

Horário: das 16h às 18h

Onde: Teatro da Pinacoteca do Estado (http://pinacoteca.org.br/)

Conheça um pouco mais dos debatedores e entrevistados:

Paula Fabiani (IDIS) – Diretora-presidente do IDIS, especialista em Investimento Social Privado, Fundos Patrimoniais e Avaliação de Impacto, vai traçar um perfil da cultura de doação no Brasil e suas perspectivas, a partir de pesquisas do IDIS e de experiências de advocacy e projetos sociais.

Roberta Faria (Mol): Diretora-executiva da editora, vai explicar a tecnologia social ganha-ganha, desenvolvida ao longo dos últimos dez anos para estimular a cultura de doação no dia a dia das empresas e cidadãos e criar formas de contribuição recorrente por meio da venda de produtos sociais.

Sério Petrilli (GRAACC) – Fundador e superintendente médico do Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer, ONG considerada a maior captadora junto a pessoas físicas no Brasil. Vai falar do custo-benefício de ter sócios-mantenedores e explicar o que funciona e o que não funciona quando a questão é sensibilizar: mala direta com boleto, jantares e eventos, venda de produtos sociais, doação de imposto, telemarketing, sorteios.

Nina Valentini (Arredondar) – Vencedora do Prêmio Empreendedor Social de Futuro 2016, é cofundadora do Movimento Arredondar, que capta doações individuais em parceiros do grande varejo e distribui em uma rede de organizações sociais previamente selecionadas. As microdoações ocorrem no arredondamento do troco, em um sistema integrado à contabilidade do lojista.

José Luiz Setúbal (Fundação José Luiz Egydio Setúbal) – Médico, filantropo e criador e presidente da Fundação que promove a saúde infantil por meio de assistência (Sabará Hospital Infantil) e também realiza atividades de Ensino, desenvolve pesquisa e projetos sociais na área de saúde da criança e do adolescente por meio do Instituto PENSI (Pesquisa e Ensino em Saúde Infantil), com o objetivo de estimular a sociedade a cuidar das crianças do Brasil.

Francisco Neves (Instituto Ronald McDonald´s) –  fundador da primeira Casa Ronald no Brasil e superintendente do Instituto, ele e a mulher, Sônia, perderam um filho para a leucemia no começo dos anos 1990. Para se curar do luto, viraram voluntários do Inca e, mais tarde, foram atrás do McDonald’s para fazer uma Casa Ronald no Brasil (hoje já existem seis).  Grande arrecadador de doações, o instituto ligado à rede McDonald’s  é considerado um modelo de captação e resultados e já destinou, em 18 anos, mais de R$ 330 milhões para a causa.

 

 

Dia de Doar 2017: Resultados comprovam a importância de ações de mobilização para fortalecer a Cultura de Doação

A plataforma Captamos divulgou os resultados da campanha Dia de Doar 2017. Em números, foram mais de 16 milhões de pessoas impactadas somente nas mídias sociais – isso representa 7 milhões a mais do que em 2016. Em doações, foram R$ 678 mil.

O Dia de Doar é organizado pelo Movimento por uma Cultura de Doação e mobiliza mais de 35 países na arrecadação de fundos e recursos para causas sociais.  A campanha cresce significativamente ano a ano e, cada vez mais,  milhares de entidades se preparam para receber essas doações.

O IDIS parabeniza todos aqueles que fizeram parte da campanha: quem doou, quem recebeu e quem promoveu! Acreditamos no impacto de ações de indivíduos e organizações para o fortalecimento da Cultura de Doação. E que o Dia de Doar 2018, marcado para 27 de Novembro, seja um sucesso ainda maior!

O Dia de Doar em Números pode ser acessado (em português e inglês) em … https://drive.google.com/open?id=0B283AkJE9kOkeVpJbEN3N09LcmZEMmZCVW92UE4wcXdWZFhz

 

 

Artigo publicado na Alliance Magazine repercute dados da pesquisa Country Giving Report, divulgada pelo IDIS

Mais dinheiro, mais transparência, incentivos fiscais… Há uma receita  para aumentar as doações no Brasil?  O editor da Alliance Magazine, Andrew Milner, levanta a questão e traz  uma análise sobre os dados divulgados na pesquisa Country Giving Brazil 2017 , elaborada pela Charities Aid Foundation e divulgada pelo IDIS.

O artigo publicado na edição digital da Alliance Magazine, e acessível para assinantes, pode ser lido em http://www.alliancemagazine.org/blog/recipe-increase-brazilian-giving-money-transparency-tax-incentives-says-caf-research/

A Alliance Magazine foi criada em 1998 e hoje é uma referência entre revistas de filantropia e investimento social em todo o mundo. Conheça a publicação: http://www.alliancemagazine.org

Perspectiva 2018: Em ano de Eleições e Copa do Mundo, IDIS foca em Cultura de Doação, Advocacy e Diálogos Transformadores

Clique aqui: “2018! Ano de mudanças para o País e, quem sabe, na direção de um Brasil mais justo!” Paula Fabiani, pres. do IDIS

Após dois anos de uma dura recessão, começamos 2018 com perspectiva de recuperação, ainda que lenta. Enquanto a inflação foi reduzida, a taxa de juros segue elevada. Abrimos o ano com a notícia de rebaixamento da nota de crédito soberano do Brasil pela agência internacional de risco Standard&Poor´s, que também tirou o selo de bom pagador de algumas empresas, estados e municípios, mas contamos com o aquecimento do mercado de trabalho formal…. Tudo isso somado à expectativa de uma disputa eleitoral já considerada uma das mais polarizadas do período da História da República.

O caminho a ser percorrido promete muito… Já iniciamos alguns desafios e queremos dividir com vocês, que acreditam na importância da filantropia para o crescimento do Brasil, alguns pontos da nossa agenda:

Advocacy: Fundos Patrimoniais  –  Após ser aprovado pelo Senado Federal, o Projeto de Lei 16/2015 vai, agora, tramitar na Câmara dos Deputados. Para a Lei passar na Casa Legislativa, será necessário trabalhar junto a parlamentares, lideranças empresariais, gestores, financiadores e doadores. “O cenário de eleições presidenciais pede celeridade de tramitação, o que é muito bom!  Não obstante, isso possivelmente exigirá do IDIS e seus parceiros enormes esforços para  acertar alguns pontos nas proposições legislativas no primeiro semestre de 2018”, explica a diretora de Projetos do IDIS, Raquel Coimbra. O PL 16/2015 originalmente estabelecia que apenas universidades públicas poderiam ter Fundos Patrimoniais, mas os senadores aprovaram o projeto permitindo a aplicação da Lei a instituições públicas culturais e a associações e fundações. Também ficou definido um incentivo fiscal para pessoas físicas e jurídicas sem ampliar a renúncia fiscal, além da determinação de que os fundos patrimoniais sejam criados em fundações privadas.

Pesquisa sobre o Potencial de Doação da Classe Média – No início deste ano, o IDIS, representante da CAF (Charities Aid Foundation) no Brasil, vai lançar o relatório Perspectivas para a Filantropia Global: o Potencial Transformador da Doação da Classe Média, com um capítulo especial sobre a situação no Brasil. A publicação foi elaborada pela CAF e traz dados sobre o potencial de uma crescente classe média se engajar em doações e fomentar o desenvolvimento de uma sociedade civil local, responsável e dotada de recursos.

 Diálogos Transformadores – O evento multimídia criado pela Folha de S. Paulo discute e aponta caminhos para assuntos emergentes da agenda sustentável. Especialistas, empreendedores sociais, representantes de ong´s e filantropos participam do evento transmitido ao vivo, pela Internet. Neste ano, a parceria é com o IDIS e o primeiro Diálogos Transformadores será em março, para debater o tema “Cultura de Doação”.

Campanha Cultura de Doação – Finalizada a etapa de planejamento, onde foram definidos o conceito criativo e o plano de ação, o IDIS vai dar continuidade à Campanha Cultura de Doação. O objetivo é fechar parcerias e lançar a campanha em todo o território nacional. Com o título “Campanha por uma Cultura de Doação – todo mundo tem uma causa, qual é a sua?” o IDIS quer ampliar um movimento para fortalecer e estabelecer um novo patamar para a participação cidadã e a cultura de doação no Brasil. “Somos considerado um povo solidário e com potencial  significativo para doar. Com o lançamento da campanha, queremos envolver instituições, cidadãos e organizações em um forte movimento”, defende a diretora de Relações Institucionais, Andrea Wolffenbuttel .

IDIS disponibiliza na Internet videos do Fórum Brasileiro de Filantropos e Investidores Sociais

Já estamos preparando a edição de 2018 do Fórum Brasileiro de Filantropos e Investidores Sociais. Até lá, você pode assistir a todos os videos da edição de 2017, que reuniu em São Paulo a comunidade filantrópica, e acompanhar palestras, mesas temáticas e diálogos para compreender como lideranças do setor constroem, entendem e avaliam o tema proposto: “Sucesso”.

O que é sinônimo de êxito para o investimento social? O sucesso vem junto com políticas públicas? Alinhamento ao negócio é garantia de sucesso? Como perenizar conquistas? Para entender esse debate e conhecer alguns casos de sucesso no investimento social no Brasil e na América Latina, basta acessar:

https://www.youtube.com/playlist?list=PLvLWaKLzNd4p-wQWjQBcyvNbvAd5fFee7

 

 

 

 

 

 

Folha de S. Paulo repercute dados que mostram as diferenças entre pobres e ricos quando o assunto é doação!

Matéria da Folha de São Paulo aprofunda a análise dos dados da pesquisa Country Giving Report Brasil, divulgada pelo IDIS, e ganha versão em inglês para a editoria de Business do jornal.  A repercussão nacional revela a importância desse tipo de levantamento para entender quem é, o que pensa e como age o doador brasileiro. A versão direcionada ao leitor de língua inglesa demonstra o interesse do público externo no desenvolvimento da cultura de doação no País e no comportamento dos brasileiros diante das demandas sociais.

A matéria, em português, pode ser lida em: https://goo.gl/j3GvCt

Para a versão em inglês, basta clicar em http://www1.folha.uol.com.br/internacional/en/business/2017/12/1946562-the-poor-in-brazil-donate-twice-more-than-the-rich.shtml

 

 

Retrospectiva: Em um ano de poucas esperanças, pesquisas sobre o perfil do doador mostram que o brasileiro está disposto a ajudar!

Seja na mídia, entre amigos e parentes ou até em silenciosos rituais, retrospectivas já são uma tradição para os brasileiros.  Com a equipe do IDIS não poderia ser diferente! Com o olhar direcionado aos últimos doze meses, ficamos com a certeza de termos encerrado um ano crítico com os bons resultados que empenho, perseverança e comprometimento podem gerar.  É por isso que neste dezembro decidimos recuperar  alguns números e lembrar que apesar do brasileiro ter atravessado um 2017 difícil, com uma sequência de escândalos políticos e econômicos, pesquisas mostram uma população disposta a ajudar. Se isso ainda não é o ideal,  já indica um excelente ponto de partida.

No mês de novembro, o IDIS, que representa a Charities Aid Foundation no Brasil, divulgou o Country Giving Report Brazil (http://idis.org.br/country-giving-report-2017-brasil/), estudo que atualizou o perfil dos doadores e ajudou a compreender quem são, como e por que as pessoas doam.  Os dados confirmam que o brasileiro é um cidadão generoso, que gosta de doar e, principalmente, pode doar mais. E reforçaram a certeza de que é preciso trabalhar mudanças, posicionamentos, protagonismos da sociedade e do terceiro setor para consolidar mais uma cultura da doação.

Indice de Solidariedade – Antes de revelar o perfil do doador brasileiro, o IDIS divulgou outro estudo da CAF,  o já tradicional World Giving Index (Índice Global de Solidariedade)https://www.idis.org.br/wp-content/uploads/2017/09/relatorio-World-Giving-Index-2017.pdf . Com alcance global, o índice é elemento central na discussão sobre doações no mundo e permite comparar o desempenho brasileiro com o de outros países. 

O WGI é calculado com base no número de pessoas que doaram dinheiro para uma organização da sociedade civil, ajudaram um estranho ou fizeram trabalho voluntário, tudo isso no mês anterior ao levantamento. No ranking, o Brasil caiu de 34% para 32%, o que levou o País a perder 7 posições e ficar em 75º lugar. Apesar da ligeira queda, a pontuação ainda se mantém maior do que em anos anteriores, sendo a segunda melhor desde a criação do WGI, em 2009. A boa notícia? No levantamento de 2016, 18% dos entrevistados diziam ter feito algum tipo de trabalho voluntário, percentual que chegou agora aos 20% – um recorde para o Brasil!

Todas essas informações e muitas outras foram apresentadas e discutidas, recentemente, no fórum  Future of Philanthropy: what role can philanthropists and foundations play in delivering on the global goals for sustainable development?’ (Futuro da Filantropia: qual o papel de filantropos e fundações no cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável?). No encontro, realizado no castelo de Wilton Park, na vizinhança de Londres,  lideranças da filantropia de diversos países se reuniram para discutir estratégias do setor, e uma palavra foi constante: mais! “De um modo geral, as conversas giram em torno de assumir mais riscos, colaborar mais, influenciar mais, e buscar novas saídas para o velho modelo baseado em crescimento econômico”, relata a presidente do IDIS, Paula Fabiani, convidada a traçar o perfil do investimento social privado no Brasil.

Country Giving Report 2017: o brasileiro doa para se sentir bem!

A sequência de escândalos políticos e financeiros nos últimos anos só fortaleceu a já consolidada descrença dos brasileiros nas instituições. O real impacto disso na cultura de doação do País ainda está por ser avaliado. Mas uma pesquisa realizada pela Charities Aid Foundation, instituição sediada no Reino Unido e representada no Brasil pelo IDIS, revela um cidadão generoso, que gosta de doar. Além da satisfação pessoal (51%), o brasileiro também leva em conta a causa (41%) e a crença de que todos devem ajudar a resolver problemas sociais (40%).

Para revelar o comportamento do doador individual, os pesquisadores ouviram 1.313 pessoas em todo o território nacional – todos maiores de 18 anos e com acesso à Internet. O IDIS trouxe a pesquisa Country Giving Report 2017 para o País com a certeza de que o conhecimento e a reflexão sobre o comportamento do doador são armas poderosas para fazer da doação um tema mais presente nas pautas públicas e privadas do Brasil. A importância de pesquisas que nos ajudam a entender as motivações de um doador fica clara no espaço que esse tipo de estudo recebe nas mídias. Você pode acompanhar algumas das repercussões no programa Estúdio i, da Globonews, e no Jornal da Cultura Primeira Edição.  Basta clicar, aos 20’29” em http://tvcultura.com.br/videos/63333_jornal-da-cultura-1a-edicao-14-11-2017.html . E ainda em  http://g1.globo.com/globo-news/estudio-i/videos/v/pesquisa-mostra-que-68-dos-brasileiros-fizeram-caridade-no-ultimo-ano/6285787/

Assim como a pesquisa Doação Brasil, divulgada pelo Idis em 2016 e que pela primeira vez traçou o perfil do doador no País, os números do Giving Report 2017 Brazil surpreenderam.  A revelação de que mais de dois terços da população (68%) fez algum tipo de doação no último ano causa estranheza porque a doação filantrópica é um tema raro nas conversas dos brasileiros: “Doação não é um tema, não ouvimos comentários sobre isso no nosso dia a dia. Então, ficamos com a impressão de que os brasileiros não doam”, explica Paula Fabiani, diretora presidente do Idis.

As causas – O apoio a organizações religiosas mostrou-se a mais popular das causas:  quase metade (49%) das pessoas contribuíram para ela (o dízimo foi considerado doação pelos pesquisadores). Em seguida vem o apoio a crianças (42%) e a ajuda aos pobres (20%).

Os mais ricos representam a maior população relativa de doadores (86% – com renda familiar anual acima de R$ 50 mil), além de dedicarem os maiores valores para causas (média de R$ 300 por doação – entre aqueles com renda anual acima de R$ 100 mil).

Mas as famílias mais pobres doam uma fatia maior de sua renda. Entre a população com renda familiar anual até R$ 10 mil, 71% também doou alguma quantia no período pesquisado. O valor médio foi de R$ 100. O que representa 1,2% da sua receita, enquanto a fatia com renda anual acima de R$ 100 mil doa 0,4%.


Barreiras para novas doações – O brasileiro gostaria de doar mais e 59% disse que o faria se tivesse mais dinheiro.  Mas as barreiras não são apenas econômicas. As pessoas ainda não têm claro o papel das ONG´s. A falta de transparência das organizações, assim como a incerteza sobre como o dinheiro é gasto, gera insegurança. Além da desconfiança, Paula Fabiani atenta para a urgência do terceiro setor em trabalhar pontos determinantes para eliminar barreiras, tais como colocar a doação como mecanismo de participação social; e esclarecer que o papel das ONGs não é paliativo ou emergencial, mas de participação cidadã. As principais conclusões geradas pela análise sobre doações individuais no Brasil podem ser verificadas no site do Idis  https://www.idis.org.br/wp-content/uploads/2017/11/country-giving-report-2017-brasil.pdf

Perfil de doadores (e não-doadores) mostra que ainda há espaço para doar

A pesquisa Doação Brasil, que revela o que pensa e como se comporta o doador brasileiro (e o não-doador também), foi tema do programa Conexão Futura, do Canal Futura, que discutiu os desafios do Brasil para consolidar uma Cultura de Doação. Você pode acompanhar a entrevista com a diretora de Comunicação do Idis, Andrea Wolffenbuttel, e Beatriz Pantaleão, diretora da Fundação Gol de Letra.

https://www.youtube.com/watch?v=DrNg-LO4o9w

O papel do avaliador externo para alcançar resultados e entender o impacto social de um projeto

“O processo avaliativo é fundamental. É uma maneira de prestar contas a investidores e doadores e legitimar uma organização perante a sociedade” (Paula Fabiani, Idis)

Algumas perguntas rondam o universo de gestores do terceiro setor, que percorrem uma longa jornada iniciada a partir da implantação de um projeto social: o que eu quero atingir? Como mobilizar? Como alcançar os resultados propostos?

O risco de se autoavaliar é grande. Sendo assim, quem é mais indicado para o papel de avaliador? O olhar externo amplia a visão do gestor, reforçando a importância de se identificar a distância percorrida e o que precisa, de fato, ser avaliado, permitindo correções e medindo corretamente os resultados.  A diretora presidente do Idis, Paula Fabiani, respondeu a perguntas sobre avaliação de projetos sociais em uma transmissão online promovida pela Escola Aberta do Terceiro Setor, no dia 23.11. O vídeo está disponível nas redes sociais da Escola Aberta do Terceiro Setor.  https://escolaaberta3setor.org.br/

Novo curso – Como fazer uma avaliação de processo, de resultado e de impacto, considerando, também, a avaliação econômica? Como montar um indicador e medir corretamente os resultados?  Esse tipo de avaliação ajuda na captação de recursos? Essas questões, levadas ao público que participou do live da Escola Aberta do Terceiro Setor, demonstra o interesse crescente de gestores, investidores, doadores e estudantes sobre a avaliação de impacto e a avaliação de resultados. A transmissão marcou o lançamento do curso online de Avaliação de Projetos, ministrado por Paula Fabiani, na plataforma da Escola Aberta do Terceiro Setor https://escolaaberta3setor.org.br/cursos/avaliacao-de-projetos-e-programas-com-paula-fabiani/. O conteúdo do curso trata de avaliação de processo, resultado e impacto e também introduz o tema da avaliação econômica (custo-benefício/ SROI).

É possível medir a felicidade? É certo que investidores, doadores e gestores estão atrás de uma estimativa financeira que mostre se um recurso é bem aplicado e qual o retorno social do investimento. Mas é possível mensurar o valor econômico do bem estar e da felicidade de um adulto que aprende a ler? De um idoso bem assistido? De uma mulher que alcança a plena independência financeira? A participação de Paula Fabiani no live semanal da Escola Aberta do Terceiro Setor apresentou parte do conteúdo desenvolvido pela professora para o Curso Online de Avaliação de Projetos. Leia mais sobre o assunto em:  https://escolaaberta3setor.org.br/artigos/medindo-e-monetizando-o-impacto-socioambiental/

IDIS inicia novas avaliações de impacto social utilizando a metodologia SROI

Foto by André Sefano. www.andrestefano.com

Qual o impacto que estamos causando? Como medir a eficiência e eficácia das políticas e programas sociais? Como mensurar os efeitos do projeto sobre os beneficiários? No que podemos melhorar? Esses e outros questionamentos estão cada vez mais presentes entre os investidores sociais e a necessidade de avaliação de impacto ganha mais importância.

Há algumas metodologias e ferramentas específicas disponíveis para a área social e uma das mais completas é a Social Return on Investment (SROI) ou Retorno Social sobre Investimento – análise de custo-benefício reconhecida pelo Cabinet Office do Reino Unido. A presidente do IDIS, Paula Fabiani é única brasileira capacitada pela New Economics Foundation (NEF) a aplicar o SROI no Brasil e o IDIS já realizou algumas avaliações SROI de importantes projetos sociais.

Neste segundo semestre de 2017, a equipe do IDIS está trabalhando intensamente em duas avaliações SROI de projetos com foco em desenvolvimento pessoal e profissional de jovens. A primeira delas é para o Programa de Formação de Formação de Palhaço para Jovens da ONG Doutores da Alegria, e a outra análise é do projeto iCANamy, do Instituto Conceição Moura.

“O SROI é uma ferramenta de mensuração de avaliação que pode ajudar as fundações, companhias e ONGs a terem uma compreensão mais profunda do impacto dos seus programas filantrópicos. Ao mensurar esses resultados e traduzi-los para termos monetários claros e simples, o SROI fortalece organizações para provar o real valor de seus programas sociais” explica Paula Fabiani, diretora-presidente do IDIS.

Doutores da Alegria Criado há 13 anos na cidade de São Paulo, o Programa de Formação de Palhaço para Jovens da Associação Doutores da Alegria oferece gratuitamente formação artística profissionalizante para jovens de 17 a 23 anos em situação de vulnerabilidade e risco social, com foco na autonomia de criação e inserção no mercado de trabalho artístico. O curso possui carga horária de 2 mil horas com duração de dois anos e meio e provê conhecimentos práticos e teóricos para que os jovens possam seguir carreira artística e implementar projetos sociais e culturais nas comunidades onde moram, promovendo acesso à cultura e à transformação social. Desde sua criação, já atendeu 180 jovens, sendo que 80% dos formados conseguiram colocação no mercado de trabalho artístico.

A primeira etapa da avaliação foi validada pela equipe da Associação Doutores da Alegria no dia 20 de outubro durante um workshop: a sistematização da Teoria de Mudança do projeto. A Teoria da Mudança é um mapa que traduz, organiza e estrutura mudanças pretendidas por uma iniciativa social. É essencial para o estudo, pois torna visível os objetivos iniciais esperados. As próximas etapas são mapear os resultados do projeto, estabelecer os indicadores, valorar e entender o impacto e, por fim, calcular o SROI.

Projeto iCANamy Baseado em metodologia desenvolvida pelo Grupo Base 5, o projeto iCANamy busca estimular adolescentes e jovens a criarem maior consciência sobre a própria capacidade de mudar a realidade de suas vidas e de sua comunidade através de uma atitude proativa. A iniciativa é realizada pelo Instituto Conceição Moura na cidade pernambucana de Belo Jardim. Concebido e mantido pelo Grupo Moura (Baterias Moura) há 15 anos, o Instituto desenvolve diversos projetos nas áreas de educação, meio ambiente e cultura.

 

No dia 18 de outubro, a diretora-presidente do IDIS, Paula Fabiani, e a coordenadora de Planejamento do IDIS, Raquel Altemani visitaram o projeto iCANamy e fizeram entrevistas com a equipe do Instituto e com os beneficiários e familiares para a construção de Teoria da Mudança que deverá ser validada nas próximas semanas. E nos dias 20 e 21 de novembro terá início a etapa qualitativa da avaliação: serão feitos grupos focais para aprofundar a visão do impacto nos beneficiários e para ajudar a quantificá-lo.

“A análise SROI é especial por conseguir avaliar aspectos intangíveis das ações sociais. E para além dos custos do investimento, a metodologia contabiliza todos os resultados considerados como relevantes pelos diferentes grupos de interesse”, comenta a coordenadora de Planejamento do IDIS, Raquel Altemani. Para conhecer as avaliações já realizadas pelo IDIS clique aqui.

Em 2017 o #diadedoar será em 28 de novembro!

Com 35 países participantes, o Dia de Doar é a principal campanha no mundo de promoção da Cultura de Doação. Organizada pelo Movimento por uma Cultura de Doação, uma coalização de organizações e indivíduos do qual o IDIS faz parte, a mobilização incentiva a doação para organizações da sociedade civil.

No Brasil, o seu impacto é ainda maior, pois chama a atenção de milhões de brasileiros para a importância de fortalecer o trabalho das ONGs. Aqui, precisamos promover muito a doação e a responsabilidade que cada um tem em financiar as causas que defende e acredita em prol de um país melhor para todos.

Resultados do World Giving Index 2017, índice de solidariedade medido pela Charities Aid Foudantion (CAF) e divulgado pelo IDIS, mostram que cerca de 65% dos brasileiros gostariam de se engajar mais em causas sociais e serem mais participativos no cotidiano da transformação positiva que nossa sociedade anseia.

Realizado no Brasil desde 2013, o Dia de Doar foi criado no Estados Unidos com o nome #GivingTuesday – um contraponto ao #BlackFriday. Os participantes, indivíduos, empresas, governos podem cadastrar suas ações de doação e as ONGs podem registrar suas iniciativas de captação no site www.diadedoar.org.br.

Atores sociais de Paracatu são capacitados no tema de mobilização de recursos

Localizada no noroeste mineiro, a cidade de Paracatu foi fundada na primeira metade do século XVIII em pleno ciclo do ouro. O declínio da exploração do metal provocou a decadência econômica da localidade, mas com a construção de Brasília a região tomou novo impulso. Atualmente, com cerca de 85 mil habitantes, Paracatu destaca-se por ser um importante polo de mineração – após a descoberta de novas reservas do minério – e orgulha-se de sua gente hospitaleira e da sua tradição cultural.

Em setembro e em outubro, o IDIS esteve na cidade realizando, primeiramente, um estudo de cenário e, na sequência, o primeiro módulo de um ciclo de capacitações dos atores sociais locais no tema Captação e Diversificação de Fontes de Recursos. As ações fazem parte de um projeto realizado pelo IDIS em parceria com a Kinross Gold, mineradora canadense com unidade de extração na cidade, cujo objetivo é fortalecer a comunidade contribuindo para o desenvolvimento local.

Ao todo serão três módulos de formação para os representantes de organizações sociais e dois módulos para representantes do poder público municipal. Cada módulo ocorre ao longo de dois dias de encontro. O conteúdo é baseado nas informações colhidas pelo IDIS durante a visita de campo, ocorrida em setembro, quando a equipe do IDIS entrevistou 28 pessoas para mapear desafios e oportunidades de atuação.

“Um total de 70% dos entrevistados apontou a captação de recursos como o principal desafio das organizações da sociedade civil”, informa Olivia Castelo Branco, trainee de Projetos do IDIS e integrante da equipe de campo que realizou o diagnóstico. Os dois ativos mais citados pelos entrevistados foram a cultura de Paracatu: 48% falaram foi um dos sobre a riqueza cultural do município e acreditam que ela precisa ser mais valorizada pelos habitantes, assim como a possibilidade de explorar o turismo local (também apontada por 48% dos entrevistados).

Tendo essas informações em mãos, o IDIS preparou um ciclo de formação sobre mobilização de recursos e elaboração de projetos. Os próximos encontros serão em novembro e dezembro. Após essa etapa, o IDIS fará acompanhamento à distância dos participantes, para sanar dúvidas e apoiá-los no desenvolvimento dos projetos propostos durante as capacitações. “O planejamento da mobilização de recursos deve iniciar-se através de um diagnóstico das organizações. Por isso, instigamos as organizações a refletir sobre causa, missão e valores”, esclarece Marcela Bernardi, coordenadora de Projetos do IDIS.

Outra ação do projeto será a realização de palestras com possíveis investidores locais, programadas para dezembro. “Queremos alcançar todos os ativos para o desenvolvimento local: preparamos as organizações sociais para elaborarem projetos e acessarem novas fontes de recursos públicos ou privados, capacitamos o poder público para aperfeiçoar a elaboração de projetos e de editais, ressaltamos a importância do trabalho em rede e em parcerias ou em forma de convênios e, por fim, os investidores locais serão chamados para participarem desse processo de desenvolvimento do município. Eles podem apoiar projetos via recursos incentivados”, explica Marcela Bernardi.

IDIS realiza evento com comunidade filantrópica para discutir o que é sucesso no investimento social privado

Com o tema “Sucesso”, o IDIS realizou no dia 5 de outubro, em São Paulo, o Fórum Brasileiro de Filantropos e Investidores Sociais 2017. Com recorde de público, de mais 220 pessoas, estiveram presentes representantes de grandes empresas, organizações da sociedade civil e famílias de filantropos. As plenárias e debates tentaram responder questões como: O que é sucesso no investimento social privado para famílias, empresas e comunidades? O que é sucesso quando se aborda problemas complexos? Como construir o sucesso e como avaliá-lo?

A síntese do que foi apresentado indica que, cada vez mais, o sucesso deixa de ser uma meta individual para ser uma construção coletiva, só alcançável a partir da complementaridade dos diversos setores, governo, empresas e o terceiro setor. “É preciso juntar nossas capacidades, relacionamentos e, também, nossos recursos financeiros”, aponta Paula Fabiani.

O gerente do escritório de parcerias estratégicas do BID – Banco Interamericano de Desenvolvimento, Bernardo Guillamon, foi enfático ao afirmar que que somente trabalhando em conjunto será possível alcançar maior impacto nas ações sociais. Na mesma linha, o diretor da Fundação Ford Brasil, Átila Roque, disse que sucesso tem a ver “com criar um ambiente onde a sociedade seja menos desigual”. A diretora do BNDES, Eliane Lustosa, diz que o banco aposta nos endowments como importante instrumento para alavancar recursos privados e, consequentemente, resolver problemas complexos.

Os avanços tecnológicos e os impactos na área da filantropia foram tratados em dois painéis. O diretor da CAF Global Alliance, Michael Mapstone, explicou que a tecnologia de blockchain (cadeia de blocos), representa um novo protocolo de confiança, já que permite monetizar muitos ativos que também podem ser doados, como a propriedade intelectual, por exemplo. A doação, diz ele, não ficará mais restrita a tempo e dinheiro. O sociólogo Odino Marcondes fez uma reflexão com público ao dizer que vivemos sempre pensando no que vem pela frente. “O futuro não está lá distante, está aqui! Trago para cá como moldura e determino esse futuro”, acrescentou.

O Fórum também abriu espaço para mostrar o projeto Tecnologias Sociais no Amazonas (TSA), que conseguiu reduzir de maneira significativa o índice de anemia ferropriva em alunos da rede municipal de Borba. Uma análise, feita em 2016, apontou as carências das comunidades relacionadas a saneamento básico, tratamento de água e saúde. Com as demandas mapeadas, o IDIS buscou soluções no Banco de Tecnologias Sociais da Fundação Banco do Brasil. O diretor executivo da Fundação, Rogério Bressan Biruel, mostrou que atualmente o Banco de Tecnologias inclui projetos não só do Brasil, mas da América Latina e do Caribe.

O Fórum Brasileiro de Filantropos e Investidores Sociais é uma realização do IDIS e do Global Philanthropy Forum em parceria com a Charities Aid Foundation (CAF), Instituto C&A, Fundação Telefônica Vivo, Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Fundação José Luis Egídio Setúbal, Fundação Banco do Brasil e Fundação Roberto Marinho. O evento é realizado anualmente, sempre com o objetivo de contribuir para a formação de uma comunidade de pares, para o fortalecimento das práticas de filantropia e investimento social no país. Todas as sessões do Fórum foram gravadas e serão disponibilizadas no canal do IDIS no Youtube.

Confira as fotos do evento: https://www.facebook.com/pg/IDISNews/photos/?tab=album&album_id=1992388910996284

Sucesso é o tema do Fórum Brasileiro de Filantropos e Investidores Sociais

Com nova identidade visual, inspirada no símbolo de igual, será realizado na próxima semana, em São Paulo-SP, a sexta edição do Fórum Brasileiro de Filantropos e Investidores Sociais. O evento é uma realização do IDIS e do Global Philanthropy Forum em parceria com a Charities Aid Foundation (CAF), Instituto C&A, Fundação Telefônica Vivo, Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Fundação José Luis Egídio Setúbal, Fundação Banco do Brasil e Fundação Roberto Marinho.

O Fórum é realizado anualmente, sempre com o objetivo de contribuir para a formação de uma comunidade de pares, para o fortalecimento das práticas de filantropia e investimento social no país, a partir de um tema norteador. Em 2017, o tema escolhido é Sucesso. As plenárias e debates procurarão responder perguntas como: O que é sucesso no investimento social privado? Como ele é entendido por famílias, empresas e comunidades? O que é sucesso quando se aborda problemas complexos? E quando se busca o ganho de escala? Como construir o sucesso e como avaliá-lo?

“O Fórum se propõe a ser um evento que estimule e inspire os investidores sociais a continuar colocando tempo, recursos e conhecimento em favor das causas sociais e ambientais, ainda que o momento que atravessamos seja difícil” afirma a diretora presidente do IDIS, Paula Fabiani. “E a nova identidade visual foi inspirada no sinal de igual, representando a nossa busca por igualdade e equidade para todos os povos do mundo.”

Na programação estão palestras de representantes de organizações que enfrentam problemas complexos como o BNDES, o BID e a Fundação Ford. Serão apresentados casos de empreendedores sociais e investidores que querem, ou não, atingir escala, além de conversar sobre as diferenças de abordagem para investidores familiares e corporativos. O Fórum vai mostrar ainda a importância de mecanismos de sustentabilidade de longo prazo para organizações da sociedade civil, os endowments, e a avaliação de impacto na construção de agendas de sucesso. A plenária de encerramento se propõe a refletir sobre o futuro da filantropia e como as inovações tecnológicas poderão nos ajudar a transformar realidades.

O Fórum Brasileiro de Filantropos e Investidores Sociais é um evento fechado para convidados, mas as sessões são todas gravadas e disponibilizadas posteriormente no canal do IDIS no Youtube.

Programa RenovAção lança edital para beneficiar a 1º Infância

Estão abertas desde 18 de setembro as inscrições para o Programa RenovAção Kids, uma iniciativa do Instituto Cyrela realizada com apoio técnico do IDIS. O edital tem como objetivo transformar os espaços de instituições que atendam crianças de 0 a 6 anos em situação de vulnerabilidade social. O vencedor receberá um prêmio de até R$ 100 mil para a construção ou reforma de espaços. Podem participar organizações da sociedade civil e instituições educacionais públicas (estaduais e municipais) localizadas na Região Metropolitana de São Paulo, que desenvolvem trabalho de relevância e impacto para a educação e/ou desenvolvimento da Primeira Infância (crianças de 0 a 6 anos) e/ou mulheres em pré-natal.

O IDIS é responsável pela elaboração do regulamento do concurso, pelo recebimento das inscrições, pela validação das organizações proponentes e pela organização da banca examinadora de seleção dos finalistas. Posteriormente, fará o monitoramento da aplicação do recurso recebido pela entidade ganhadora.

“O processo de seleção será feito em três etapas”, esclarece a coordenadora de Projetos do IDIS, Marcela Bernardi, “seleção dos semifinalistas, com base na originalidade e impacto dos projetos inscritos; visita técnica aos semifinalistas e seleção de 1 (um) projeto vencedor por meio de Banca Examinadora formada por especialistas do terceiro setor.”

As inscrições podem ser feitas no site do programa: www.programarenovacao.org. Os candidatos deverão realizar os seguintes passos para a inscrição: ler o regulamento do edital do prêmio, preencher o formulário de inscrição, providenciar os documento da instituição solicitados e efetivar a inscrição.

World Giving Index 2017: voluntariado no Brasil bate recorde

Um em cada cinco brasileiros fez algum tipo de trabalho voluntário de acordo com o World Giving Index 2017, estudo feito pela Charities Aid Foundation (CAF), instituição com sede no Reino Unido e que no Brasil é representada pelo IDIS. O WGI, conhecido como ranking global de solidariedade, registra o número de pessoas que doaram dinheiro para uma organização da sociedade civil, ajudaram um estranho no mês anterior ao levantamento ou fizeram trabalho voluntário. Este ano, foram entrevistadas 146 mil pessoas em 139 países. O estudo foi divulgado no dia 5 de setembro em um evento no Centro Ruth Cardoso, em São Paulo, que reuniu representantes de organizações sociais e especialistas no tema da Cultura de Doação.

No levantamento anterior, 18% dos entrevistados diziam ter feito algum tipo de trabalho voluntário, percentual que chegou agora aos 20%, marca recorde para o Brasil desde que o levantamento começou a ser feito em 2009.
Mais da metade, 54% das pessoas ouvidas, disseram ter ajudado um estranho, número que se manteve estável em relação ao ano passado. O único comportamento que mostrou piora em 2017 foi o número de pessoas que doaram dinheiro. Depois de bater 30% em 2016, o índice agora caiu para 21%.

No geral, a pontuação do Brasil no World Giving Index caiu de 34% para 32%, o que levou o país a perder 7 lugares no ranking, ficando em 75º lugar. A pontuação do país caiu ligeiramente esse ano, mas ainda se mantém maior que em anos anteriores. É a segunda melhor colocação desde que o WGI foi criado.

“Apesar da queda do indicador geral, o voluntariado atingiu seu maior índice e nosso desafio é transformar essa tendência em uma pratica rotineira, independente de grandes eventos como foram os jogos olímpicos, reforça a diretora-presidente do IDIS, Paula Fabiani.

Mundo
O WGI 2017 mostrou uma mudança no quadro mundial da generosidade. Enquanto a maioria dos grandes países do top 20, como as nações da Europa, Ásia e os Estados Unidos caíram no ranking, vários países da África subiram na tabela. A África foi o único continente que registrou crescimento nos 3 comportamentos de solidariedade.

Vinte por cento dos top 20 deste ano foram ocupados pelos países africanos (Quênia, Serra Leoa, Libéria, Zâmbia) e oito nações (Gana, Zâmbia, Serra Leoa, Libéria, Quênia, Zimbábue, África do Sul, Tunísia) viram sua pontuação aumentar mais de 5 pontos percentuais, ou seja, a África foi o continente que teve melhor desempenho.

Campeões
No geral, Myanmar foi o país mais generoso do mundo pelo quarto ano consecutivo, mas registrou queda na pontuação geral de 70% para 65%. A Indonésia foi o segundo, seguida pelo Quênia, Nova Zelândia e Estados Unidos.

Alguns destaques
Este ano, o índice global teve uma piora em relação ao de 2016: doar dinheiro e ajudar um estranho recuaram 1,8 pontos percentuais, enquanto voluntariado caiu 0,8 pontos percentuais. O relatório sugere um declínio geral nos índices de solidariedade, especialmente entre as nações desenvolvidas. Apenas seis dos países do G20 aparecem no top 20.

O Quênia foi um dos destaques do WGI 2017 ao passar do 12º para o posto de terceira nação mais generosa.
Serra Leoa foi o país que teve a maior pontuação no quesito ajudar um estranho: 81% dos entrevistados relataram ter tido esse comportamento no mês anterior à pesquisa. O Camboja ficou na outra ponta, com apenas 18% de pessoas relatando ajudar um estranho.
O estudo na íntegra pode ser baixado em www.idis.org.br/world-giving-index-2017

IDIS é reconhecido como uma das cem melhores ONGs do Brasil

O  IDIS foi reconhecido, ao lado de outras 99 organizações, como uma das melhores ONGs do Brasil. Trata-se da primeira edição da #melhoresOngs, uma iniciativa do Instituto Doar e da Revista Época, que teve mais de 1.500 participantes.

No Brasil, hoje, são mais de 300 mil ONGs, entre associações de caridade, organizações da sociedade civil, institutos e fundações filantrópicas. Estar entre as 100 melhores é sinal de competência e de reconhecimento.

O próprio IDIS, por meio da pesquisa “Doação Brasil”, havia revelado que 71% da população entende que as ONGs dependem de doações para obter recursos e funcionar e 44% concorda que essas instituições fazem um trabalho competente. Porém, apenas 26% dos entrevistados acham que a maioria das ONGs é confiável.

“Os brasileiros entendem a importância e valorizam o trabalho das ONGs, mas por conta do clima de escândalos e desconfiança que atinge o Brasil, ficam receosos na hora de doar. Esse prêmio, sem dúvida alguma, é um reconhecimento para as organizações que fazem um trabalho sério, com transparência, que sabem se comunicar e, claro, uma vitrine para os doadores que buscam ONGs confiáveis e que apresentam resultados”, explica a presidente do IDIS, Paula Fabiani.

Para o Instituto Doar, que valoriza os bons exemplos através de um Selo de Qualidade, chegou a hora de criar um estímulo para as ONGs. Organizações exemplares merecem o reconhecimento e o dinheiro de doadores conscientes. É esse o objetivo do Prêmio Melhores ONGs.

Confira a lista com as 100 Melhores ONGs.

Terceira edição do programa RenovAção anuncia vencedores

Em 1974, um grupo de professores e alunos da Universidade de São Paulo (USP) foi para o Campo Limpo – um dos bairros mais pobres e violentos da cidade – levar recreação e aulas de reforço escolar para as crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social. As atividades eram ao ar livre, geralmente em uma rua fechada ao trânsito de carros. Era inverno e a garotada usava touca para se proteger do frio.

Assim, surgiu o nome Turma Touca, uma das duas organizações vencedoras do programa RenovAção, promovido pelo Instituto Cyrela com apoio técnico do IDIS. Realizado anualmente, a iniciativa premia, com o financiamento de reformas e construções, as entidades que desenvolvem importantes ações sociais. Em sua terceira edição, o RenovAção recebeu 91 inscrições dos três municípios contemplados pelo edital – São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre. A outra vencedora foi o Centro de Assistência e Promoção Social (CAPS) Nosso Lar, também de São Paulo, que atende por dia cerca de 4,2 mil moradores da capital paulista com idade de 0 a 59 anos.

O projeto premiado da Turma da Touca é a ampliação de uma sala para a construção de um fraldário, nos parâmetros da norma Padrões Básicos de Qualidade da Educação Infantil Paulistana, da Prefeitura de São Paulo. A instituição quer oferecer atendimento a 36 bebês de 1 a 2 anos. A reforma visa adequar o espaço para a faixa etária, qualificando o acolhimento. A organização atende ainda jovens e adultos em projetos de inclusão social e promoção de cultura. Sua missão é resgatar a cidadania, a dignidade e a melhoria da vida da criança, do jovem e do adulto da periferia de São Paulo com a certeza de que a solidariedade faz a diferença.

Atuar na comunidade com pessoas em situação de vulnerabilidade social também é o trabalho realizado pelo CAPS Nosso Lar, fundado no ano de 1991 e que atualmente possui 24 unidades de atendimento na zona leste de São Paulo. Uma dessas unidades é o Centro Nosso Lar de Educação Profissional (CENLEP) que oferece formação para 600 jovens e adultos. O projeto premiado pelo Instituto Cyrela vai implantar um sistema de refrigeração em três laboratórios de informática e na sala de multimídia, com o intuito de reduzir a manutenção e a reposição dos computadores por conta de superaquecimento e proporcionar maior conforto aos alunos do centro.

“Ter sido contemplada por esse edital vai possibilitar fortalecer nossas ações junto à comunidade local. Sensibilizados com a carência de vagas e ao encontro de nossa missão – mesmo sabendo que não é de nossa responsabilidade o controle de vagas – é dever da nossa instituição contribuir com a redução da enorme demanda de berçário em nossa região. Agradecemos ao IDIS e ao Instituto Cyrela por escolherem com responsabilidade o nosso projeto”, declara Sheila Brunelli, gerente geral da Turma da Touca.

26Desde a primeira edição do programa RenovAção, o IDIS é o responsável pela elaboração do regulamento, pelo recebimento das inscrições e pela organização da banca examinadora de seleção dos finalistas e ainda pelo monitoramento da aplicação do recurso recebido pelas organizações vencedoras. Os projetos vencedores devem iniciar os trabalhos de melhoria de infraestrutura a partir do mês de agosto.

Diminuição do índice de anemia em Borba-AM repercute na mídia

O projeto Tecnologias Sociais no Amazonas (TSA) foi tema de três reportagens na mídia por conta dos resultados positivos: houve queda no índice de anemia ferropriva entre os alunos da Escola Municipal Francisco Bezerra, localizada na comunidade de Axinim, no município de Borba-AM, após a aplicação da Tecnologia Social Hb.

No dia 28 de junho, a gerente de projetos do IDIS, Andrea Hanai, contou à rádio CBN Amazonas como foi o processo de implantação da Hb em Borba. Desde o diagnóstico realizado pelo IDIS em 2016, que resultou na concepção do projeto, incluindo a importante parceria com o poder público local, passando pelo envolvimento dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) durante os três meses de tratamento das crianças. A entrevista foi ao ar no programa Estação de Notícias.

Esses primeiros resultados do TSA também foram destaque no jornal “A Crítica”, um dos mais importantes do estado, em matéria publicada no dia 11 de julho; e no programa Nacional Jovem da Rádio Nacional da Amazônia, no dia 6 de julho.

Confira a repercussão na CBN Manaus e no jornal A Crítica:

https://www.youtube.com/watch?v=mwbKIoGGcEY
http://www.acritica.com/channels/cotidiano/news/problemas-de-familias-ribeirinhas-podem-ser-resolvidos-com-tecnologia-social-diz-projeto-da-fbb

Unindo parceiros para o combate ao câncer de mama

Articular para somar esforços potencializando o impacto dos projetos sociais e fomentando o trabalho em rede. O compromisso do IDIS com o desenvolvimento social também se dá com ações que buscam alcançar esses objetivos. E foi assim que  profissionais do Amazonas conseguiram participar de uma capacitação oferecida pelo renomado Hospital de Câncer de Barretos, no interior de São Paulo.

Desde 2012, o IDIS atua no Amazonas com iniciativas em prol da primeira infância junto com a Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (SUSAM).  E desde 2003, apoia o Instituto Avon no seu trabalho para a detecção precoce e prevenção do câncer de mama, realizando, entre outras coisas, o monitoramento dos projetos dos parceiros do Instituto. Um desses parceiros é o Hospital de Câncer de Barretos, da Fundação Pio XII, que promove anualmente um curso de capacitação e aprimoramento para profissionais de saúde de todo o Brasil. O objetivo da formação é garantir qualidade e precisão na emissão de laudos dos exames mamográficos.

Os habitantes da região Norte do país, por suas características geográficas que resultam em deslocamentos complexos e longos, tem difícil acesso à mamografia (exame preventivo ao câncer de mama) e ao tratamento. Por isso, a precisão nos exames é mais necessária ainda.  “Em uma de nossas reuniões internas, discutindo os projetos que estávamos desenvolvendo, surgiu a ideia de unir o trabalho desses dois parceiros – Susam e o Instituto Avon”, conta a coordenadora de projetos do IDIS, Marcela Bernardi. “Nós contatamos ambos que prontamente abraçaram a ideia. Em seguida, a Susam indicou quatro profissionais para participar do XXIV Curso de Reciclagem do Núcleo de Aperfeiçoamento em Mamografia, que foi realizado em março desse ano.”

A formação tem carga horário de 80 horas, recebe 12 alunos por ano e é financiado pelo Instituto Avon por meio da parceria com a Fundação Pio XII. A Tecnóloga em Radiologia Julielza Carneiro de Souza, do Hospital Coriolano Cidade Lindoso em Barreirinha-AM, foi uma das quatro participantes indicadas pela Secretaria. “Sou do Amazonas e o curso de reciclagem foi, para mim, de suma importância para adquirir novos conhecimentos para a minha vida profissional. Cem por cento de aprendizado e técnicas excelentes”, relata.

Incentivar e promover parcerias com e entre o poder público, iniciativa privada e sociedade civil eficazes fazem parte do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) de número 17, Parceria em prol das metas e o IDIS procura sempre atuar em consonância com os ODSs, fazendo parte desse esforço mundial em prol de um mundo com mais equidade.

VI Fórum de Filantropos propõe olhar para os sucessos

Todos os brasileiros sabem que estamos atravessando um duro processo de depuração que, ainda que possa render frutos positivos no longo prazo, nos obriga a conviver com um longo período de crise. Exatamente devido ao cenário negativo é que o VI Fórum Brasileiro de Filantropos e Investidores Sociais propõe uma mudança de olhar: queremos abrir espaço para aqueles que, apesar das dificuldades, continuam investindo no Brasil, trabalhando duro e colhendo sucessos. Vamos provocar conversas inspiradoras, trocas de conhecimentos, e surgimento de novas ideias para seguir em frente.

Vamos conversar sobre como o sucesso é construído, avaliado e compreendido. Atingir escala é sinônimo de êxito para o investimento social? Ou sucesso só vem junto com políticas públicas? Bons resultados para um investidor familiar é o mesmo que para um investidor corporativo? Alinhamento ao negócio leva ao sucesso? Como perenizar as conquistas? Essas e outras perguntas norteiam a agenda da sexta edição do Fórum, promovido pelo IDIS e considerado o mais importante evento brasileiro voltado à comunidade filantrópica.

As palestras, mesas temáticas e diálogos vão abordar a questão do sucesso a partir das perspectivas do investidor comunitário, familiar e empresarial e também em diferentes abordagens. “Vamos falar de atuação para solucionar problemas sociais complexos, níveis de escala, avaliação de impacto, constituição de fundos patrimoniais e diversos outros assuntos”, explica a diretora de Comunicação e Relações Institucionais do IDIS, Andrea Wolffenbuttel. O Fórum vai levar casos de sucesso no investimento social no Brasil e na América Latina com o intuito de inspirar os filantropos e atores sociais do setor presentes no Fórum.

Até o momento, já estão confirmados os seguintes palestrantes:

– Alex Seibel, fundador da ARCAH, organização social que resgata moradores de rua por meio de soluções sistêmicas, baseadas na permacultura e na economia circular.
– Ana Maria Diniz, presidente do conselho do Instituto Península, braço social dos negócios de sua família e instituição mantenedora do Singularidades. É uma das fundadoras do movimento Todos Pela Educação e conselheira da ONG Parceiros da Educação.
– Luiz Alberto Oliveira, curador do Museu do Amanhã. Inaugurado em dezembro do ano passado, o Museu do Amanhã foca nas constantes mudanças vividas pela sociedade atual e nos novos caminhos para o futuro.
– Neca Setúbal, doutora em Psicologia da Educação pela PUC-SP e mestre em Ciência Política pela USP é fundadora da Fundação Tide Setubal e do Cenpec (Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária).
– Roberto Klabin, é vice-presidente da Fundação SOS Mata Atlântica.

E pelo segundo ano consecutivo os vencedores do Prêmio Empreendedor Social, da Folha de S. Paulo, apresentarão os seus empreendimentos exitosos: Carlos Pereira criou o Livox, um aplicativo de comunicação alternativa para tablets e smartphones que permite pessoas com deficiência se comunicarem e se alfabetizarem; Nina Valentini é uma das fundadoras do Instituto Arredondar que atua como uma forma de captação de doações individuais e distribuição para organizações sociais; Jonas Lessa e Lucas Corvacho, do negócio social Retalhar, que oferece serviço de descarte correto de resíduos têxteis.

O Fórum Brasileiro de Filantropos e Investidores Sociais é a versão brasileira do Global Philanthropy Forum (GPF). Tem como objetivos formar e fomentar uma comunidade de filantropos no Brasil, trazer novos conhecimentos sobre o tema e abrir um espaço para experiências e novas tendências do setor. O evento é fechado para 200 convidados e será realizado no dia 5 de outubro em São Paulo.

Acompanhe as novidades do Fórum em: idis.org.br/forum

Projeto no Amazonas reduz o índice de anemia ferropriva em comunidade ribeirinha de 60% para 3%

 

Nesta semana o projeto Tecnologias Sociais no Amazonas (TSA) atingiu um resultado digno de comemoração: a queda no índice de anemia ferropriva para 3% entre os alunos da Escola Municipal Francisco Bezerra, localizada na comunidade de Axinim, no município de Borba-AM. Essa taxa está abaixo da meta de 5% estipulada pela Organização Mundial da Saúde (OMS).
Em março, quando foi aplicado o teste por meio da Tecnologia Social Hb nos 249 alunos do local, foi detectada uma alta incidência da doença: 59,8% dos examinados foram identificados com anemia. A partir desse diagnóstico teve início um tratamento que incluiu suplementação com sulfato ferroso, vermífugo e acompanhamento das equipes de Saúde e Educação.

A anemia causada pela falta de ferro na alimentação é a carência nutricional mais frequente em todo o mundo. Segundo a OMS, ela atinge 25% da população mundial, sendo crianças e gestantes os grupos mais vulneráveis. Esse problema de saúde pública afeta diretamente o desempenho motor e mental em crianças.

A tecnologia Hb integra o Banco de Tecnologias Sociais da Fundação Banco do Brasil. Ela foi desenvolvida pelo Instituto de Pesquisas em Tecnologia e Inovação (IPTI) especialmente para permitir o rápido diagnóstico, tratamento e controle da anemia ferropriva em alunos de escolas públicas.

“Estamos muito entusiasmados com os resultados pela aplicação dessa nova tecnologia social. Acreditamos que os efeitos do tratamento serão sentidos em todos os aspectos da vida das crianças, especialmente no desenvolvimento físico e cognitivo. Esperamos obter o mesmo sucesso nas demais tecnologias que estão sendo implantadas para enfrentar outros problemas das comunidades ribeirinhas”, disse Paula Fabiani, diretora-presidente do IDIS.

Uma análise realizada em 2016 pelo IDIS no município de Borba assinalou as carências das comunidades relacionadas a saneamento básico, tratamento de água e saúde. Com as demandas mapeadas, a equipe do IDIS buscou as soluções no Banco de Tecnologias da Fundação BB.

As tecnologias selecionadas foram a Hb – Combate à anemia ferropriva; a Sodis, Desinfecção solar da água; e o Banheiro Ecológico, alternativa sustentável de saneamento. Todas estão sendo implantadas nas cidades amazonenses de Borba, Nova Olinda do Norte e Itacoatiara.

O presidente da Fundação BB, Asclepius Soares, reforçou a importância de investir em soluções de fácil aplicação e com alta efetividade, como as tecnologias sociais. “Mobilizar esforços para fazer a diferença na vida das pessoas por meio de ações simples. Com a parceria do IDIS, a Fundação busca contribuir para que crianças da região cresçam com saúde e tenham um futuro melhor.”

O projeto foi batizado de Tecnologias Sociais no Amazonas (TSA) e é uma iniciativa do IDIS e da Fundação Banco do Brasil com apoio da Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (SUSAM), da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), e das prefeituras dos municípios participantes.

Confira alguns depoimentos:
“Obrigada a todos do projeto Tecnologias Sociais no Amazonas. Ficamos agradecidos por terem escolhido a nossa escola. É maravilhoso poder participar desse programa, cujo objetivo é melhorar a saúde das crianças. Voltem sempre. Nossa escola estará sempre de braços abertos”
Jorge Façanha, diretor da Escola Municipal Francisco Bezerra

“Nós temos observado taxas absurdas de prevalência da anemia ferropriva nas escolas, acima dos 30%, sendo que o controle desta doença não está incluído nas políticas públicas de melhoria da educação, de forma eficaz e permanente. As experiências que obtivemos em Santa Luzia do Itanhy, Boquim e agora em Axinim mostram que é perfeitamente viável realizar programas municipais de diagnóstico e redução da prevalência, contando com os recursos humanos existentes no município. Se realmente queremos melhorar a qualidade da educação no Brasil precisamos também levar em conta a qualidade na alimentação e melhoria do saneamento, uma vez que anemia ferropriva é, em boa parte, consequência de má alimentação e/ou infecção por parasitas de solo.”
Saulo Faria, do Instituto de Pesquisas em Tecnologia e Inovação (IPTI), idealizador da Tecnologia Social Hb

“Há algum tempo que trabalho na área da saúde e não tinha visto ainda um projeto tão cativante e inovador como este. Como todo projeto inovador existem algumas resistências no início, mas com o passar do tempo conseguimos a confiança e o respeito. Ao ver o semblante de satisfação dos pais com o resultado alcançado foi muito incentivador para nós que estamos à frente do projeto. Creio que quando se tem uma equipe íntegra, responsável e disposta realmente a se doar, o resultado inevitavelmente é positivo. Sinto-me muito feliz por ter participado desse projeto pioneiro na comunidade, principalmente por se tratar de saúde pública e espero levarmos não só para essa comunidade, mas para muitas outras em nossa cidade. Levando, junto com ele, a melhoria de vida e um bom desenvolvimento para os jovens de nossa comunidade. Termino agradecendo a Deus pelo dom da vida, aos colegas idealizadores do projeto e os seus parceiros que vieram de longe para implantar esse projeto e nos deixar esse novo conhecimento. Agradeço às secretarias parceiras que nos ajudaram em tudo o que precisamos. Espero ter a oportunidade de participar e ajudar no que for preciso em outros projetos.”
Jairzinho Colares Barros, técnico de enfermagem da UBS de Axinim

Guias para a criação de endowments estão disponíveis

Foram lançados nesta semana três guias sobre uma ainda nova e pouco difundida no Brasil: a criação e a manutenção de fundos patrimoniais (endowments) para garantir a sustentabilidade financeira no longo prazo de organizações sem fins lucrativos. Os manuais foram desenvolvidos a partir dos debates do I Fórum Internacional de Endowments Culturais, realizado em 2016, pelo BNDES e a Levisky Negócios & Cultura com parceria estratégica da Edelman Significa e apoio do IDIS e PLKC Advogados.

Os eventos de lançamento ocorreram nos dias 6 no Rio de Janeiro, na sede do BNDES; dia 7 em São Paulo, no Masp, e em Brasília no dia 8, na sede do Iphan. Foram encontros para a apresentação do conteúdo com palestras da diretora-presidente do IDIS, Paula Fabiani; Ricardo Levisky, fundador e sócio da Levisky Negócios & Cultura;; Luciana Gorgulho, chefe do Departamento de Economia da Cultura do BNDES; e Priscila Pasqualin, do PLKC Advogados. Em São Paulo, Guilherme Franco Montoro, chefe do escritório do BNDES em São Paulo, também compôs a mesa.

A presença de um grande público em todas as cidades mostrou que o interesse pelos fundos patrimoniais está aumentando entre as organizações sem fins lucrativos, e a adesão do BNDES à causa representa um reforço significativo.

O IDIS, junto com outros parceiros, realiza um trabalho de advocacy pela regulamentação dos fundos patrimoniais no Brasil e já conseguiu que mais de um projeto de lei sobre o tema fosse levado a apreciação do Congresso. Entre eles, o PL 16/2015, de autoria da senadora Ana Amélia é o mais abrangente e o que apresenta maiores chances de aprovação.

Os Guias de Endowments Culturais estão disponíveis para os interessados em plataforma digital, no site IDIS e da Levisky Negócios & Cultura. Cada manual tem uma temática diferente:

Guia 1: Conceitos e Benefícios dos endowments como mecanismo de financiamento à cultura
http://idis.org.br/guia-1-conceitos-e-beneficios-dos-endowments-como-mecanismo-de-financiamento-a-cultura/

Guia 2: Orientações e informações ao poder público: aspectos de regulação e tributação
http://idis.org.br/guia-2-orientacoes-e-informacoes-ao-poder-publico-aspectos-de-regulacao-e-tributacao/

Guia 3: Orientações práticas para a implementação de endowments em instituições culturais
http://idis.org.br/guia-3-orientacoes-praticas-para-implementacao-de-endowments-em-instituicoes-culturais/

Os Guias de Endowments Culturais têm idealização e realização da Levisky Negócios & Cultura, apresentação do BNDES, patrocínio da Petrobras, da Caixa Econômica Federal e do Governo Federal do Brasil, parceria estratégica de Edelman Significa, apoio do IDIS e PLKC Advogados.

Ciclo de encontros vai mapear o ecossistema filantrópico brasileiro

Aconteceu no dia 31 de junho, em São Paulo, o encontro Diálogos do Setor de Investimento Social Privado e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável no Brasil. A diretora presidente do IDIS, Paula Fabiani, foi a moderadora do painel Investimento Social Privado familiar, inovação e a promoção do Desenvolvimento Sustentável, que contou com palestras do PNUD, Instituto Liberta e Fundação Maria Cecília Souto Vidigal.

Essa foi a primeira de um ciclo de cinco reuniões que estão previstas para o primeiro ano de construção da Plataforma de Filantropia do Brasil. A Plataforma já existe no Quênia, Gana, Zâmbia, Indonésia, Colômbia, Estados Unidos e Índia e incentiva a colaboração entre institutos e fundações empresariais com intuito de ajudar a atingir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) – reduzindo a duplicação de esforços e alavancando novos recursos.

O produto final desses encontros será um mapa do ecossistema filantrópico brasileiro, com a definição dos temas prioritários, regiões e ODS para os investimentos privados e sociais. O público presente era formado por representantes do setor de filantropia e investimento social privado do país – institutos e fundações empresariais; áreas de responsabilidade social empresarial, relacionamento com a comunidade, entre outros.

A iniciativa é do PNUD em conjunto com os parceiros internacionais Rockefeller Philanthropy Advisory e Foundation Center. Além do IDIS, são parceiros nacionais as seguintes organizações: Instituto C&A, Itaú Social, Itaú, Fundação Roberto Marinho, Rede Globo, Fundação Banco do Brasil, Instituto Sabin, GIFE, WINGS e Comunitas.

Banheiro ecológico e água limpa chegam na comunidade de Borba-AM

“Quero agradecer a todos vocês carinhosamente pela estadia em Borba, em nome da prefeitura. A Tecnologia Social que vocês implantaram em nosso município é excelente, de verdade. Eu já participei de projetos para a criação de banheiros ecologicamente corretos e acho a melhor alternativa para todos que, infelizmente, não possuem as condições de fazer fossa e ainda sofrem com a várzea. Vocês, sem dúvidas, beneficiaram os comunitários. E eu me sinto presenteada também. Desejo a todos o melhor, muita saúde e sucesso. Continuem levando, com uma simples ação, o sorriso àqueles que precisam. Vocês fazem a diferença. Todos juntos, é melhor ainda. Foi uma honra conhecê-los.” O depoimento de Luana Alves Pinheiro, da Secretaria Municipal de Turismo e Meio Ambiente de Borba-AM, mostra um pouco do impacto do projeto Tecnologias Sociais no Amazonas (TSA), uma parceria entre o IDIS e a Fundação Banco do Brasil realizado com apoio da Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (Susam) e Universidade do Estado do Amazonas (UEA). Em maio, duas tecnologias foram implantadas em Borba, município distante 146 quilômetros de Manaus. O primeiro Banheiro Tecnológico Ribeirinho foi construído na comunidade de Mucajá no dia 12 de maio e a Sodis – Desinfecção Solar da Água foi apresentada aos moradores da comunidade de Espírito Santo no dia 11.

Alternativa sustentável de saneamento

Em parceria com a Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA) um grupo de moradores de Furo Grande, na Ilha de Onças em Barcarena-PA, desenvolveu um banheiro ecológico adaptado às áreas de maré, que reduz a contaminação da água e do solo. “Ele foi desenhado de forma que o recipiente que recebe o composto orgânico fique acima do solo e seja fixo por hastes. Se na região houver um alagamento sazonal, a água não entra em contato com o dejeto e isso evita a contaminação”, explica João Rodrigues, gerente de parcerias estratégicas e modelagem de programa e projetos sociais da Fundação Banco do Brasil.

Por sua eficiência e baixo custo, essa solução simples para um problema sério de saneamento presente em muitas cidades do Brasil está sendo levada para comunidades participantes do projeto Tecnologias Sociais no Amazonas.
A construção do banheiro foi realizada com o apoio da Secretaria de Obras de Borba e com a presença dos moradores da comunidade que irão construir os outros 29 banheiros propostos pelo projeto. “Os próprios moradores escolheram o local desta primeira unidade. Foi ao lado da casa da pessoa mais velha da comunidade, o senhor Arnaldo, que tem 105 anos”, conta Sofia Rebehy, analista de projetos do IDIS que acompanhou a implantação das tecnologias junto com professores e alunos da UEA e representantes da Susam. Sofia explica ainda que os resíduos são tratados e reaproveitados, transformando-se após decomposição em adubo orgânico rico em nutrientes para as plantas. “O intuito é contribuir para a redução da ocorrência de doenças transmitidas por animais e pela água contaminada, melhorando a saúde e o bem-estar dos moradores”, explica a gerente de projetos do IDIS, Andrea Hanai.

Água Limpa

E no dia 11 de maio foi realizada a implantação de outra Tecnologia Social em Borba, desta vez na comunidade do Espírito Santo. A Sodis (sigla que representa Solar Water Disinfection) utiliza a radiação solar e o calor para destruir micro-organismos patogênicos que causam doenças. É ideal para tratar pequenas quantidades de água e funciona de forma simples: a água, que não pode ser turva, é colocada em uma garrafa plástica transparente e deve ficar exposta ao sol durante seis horas. A luz do sol trata a água por meio de radiação e aumento de temperatura. A implantação foi realizada em um espaço comunitário com a presença de cerca de 100 moradores da comunidade, que fizeram muitas perguntas demonstrando um grande interesse pela tecnologia. O objetivo é melhorar a qualidade da água consumida na comunidade, diminuindo assim a incidência de doenças.

Controle do combate à anemia

Além dessas tecnologias, nos dias 8 e 9 de maio foi feita uma nova medição de hemoglobina no sangue nos alunos da Escola Municipal Francisco Bezerra Batista, localizada na comunidade ribeirinha de Axinim, em Borba. Em março, os estudantes dessa mesma escola fizeram um teste, usando a Tecnologia Social Hb, para diagnóstico de anemia ferropriva (provocada pela falta de ferro no organismo). Mais de metade apresentaram a doença e foram orientados a fazer um tratamento de 12 semanas de duração com suplementação de sulfato ferroso, que terminará em junho. A medição realizada em maio foi feita para verificar se os alunos estão respondendo ao tratamento, ou se é necessário algum reforço com as famílias daqueles que não estão evoluindo de maneira esperada na medicação. A etapa foi acompanhada pelo secretário de Saúde do município, Albert Antunes, e pela nutricionista Angela Aires, também da Secretaria. Os exames foram feitos pelo técnico de enfermagem Jairzinho Colares Barros, que capacitou profissionais da Unidade Básica de Saúde de Axinim na tecnologia durante o processo.

Curso de Mensuração Social repete sucesso do ano passado

Ao longo de dois módulos de oito horas de duração cada, os 37 alunos puderam conhecer a diversidade metodológica em avaliação de impacto social e entender conceitos de duas metodologias: Adicionalidade e SROI (Social Return on Investment).

O primeiro módulo conceituou o processo de avaliação de impacto, apresentou metodologias existentes e aprofundou-se na metodologia com base em Adicionalidade. As aulas foram conduzidas pelo diretor da cátedra do Instituto Ayrton Senna (IAS) no Insper, Ricardo Paes de Barros, pelo coordenador do Centro de Políticas Públicas do Insper, Naercio Menezes Filho, e pelo coordenador do Insper Metricis, Sérgio Lazzarini.

No segundo dia, a diretora-presidente do IDIS, Paula Fabiani, ministrou aula sobre o SROI, uma ferramenta trazida para o Brasil pelo IDIS e que faz uma avaliação completa dos impactos sociais do projeto sobre todos os envolvidos e permite a monetização desses resultados. Para ajudar no entendimento da metodologia, foram apresentados os cases de duas avaliações SROI conduzidas pelo IDIS: Programa Infância Ribeirinha (PIR) e Programa Valorizando uma Infância Melhor (VIM) – este último promovido pela Fundação Lucia e Pelerson Penido (FLUPP). Tais estudos apontaram que todo o investimento financeiro realizado se converteu em alto valor social.

“O curso explorou bem a complexidade de criar medidas objetivas para impactos que muitas vezes são intangíveis e, embora facilmente percebíveis, tornam-se difíceis de quantificar. Os exercícios práticos ajudaram a entender de forma concreta os desafios, os possíveis métodos a serem aplicados e como minimizar os riscos de enviesar informações”, relatou Raquel Altemani, coordenadora de planejamento do IDIS.

A terceira turma do curso será em 14 e 15 de setembro deste ano. A matrícula pode ser feita no site do Insper (https://www.insper.edu.br/educacao-executiva/cursos-de-curta-duracao/estrategia-e-negocios/mensuracao-de-impacto-social/?gclid=CNGKiZfujdQCFQcGkQodZ1sKxg).

Artigo do IDIS na revista internacional Alliance

Durante o Wings Forum deste ano, realizado em fevereiro no México, a presidente do IDIS, Paula Fabiani, palestrou em um painel sobre o papel da filantropia frente ao populismo político. O painel foi muito rico e as discussões continuaram após o final do evento. O produto final desse debate foi a publicação de quatro artigos na revista Alliance, edição de junho, com a visão de cada um dos participantes sobre a realidade de seu país.

Além da presidente do IDIS os palestrantes e autores dos artigos são: Vikki Spruill, presidente da Council on Foundations (EUA); Sara Lyons, vice-presidente da Community Foundations (Canadá); Keiran Goddard, head de assuntos externos da Association of Charitable Foundations (Reino Unido).

Essa iniciativa está em linha com a Declaração da Cidade México, assinada por todos os participantes do Wings Fórum, comprometendo-se a lutar pela manutenção e ampliação do espaço de atuação da sociedade civil. O Wings Fórum reúne 44 países e mais de 170 organizações em todo o mundo – de apoio filantrópico, fundações, representantes da sociedade civil e líderes empresariais –  responsáveis ​​para promover o bem-estar humano através de uma filantropia mais eficaz.

A revista Alliance, criada em 1998, é a principal revista de filantropia e investimento social em todo o mundo, fornecendo notícias e análises do que está acontecendo no setor em todo o mundo. Conheça a revista: http://www.alliancemagazine.org

Confira o artigo:

https://www.idis.org.br/wp-content/uploads/2017/05/41-VikkiSpruill-SaraLyons-PaulsFabiani-KeiranGoddard.pdf

IDIS fala sobre confiança na abertura do Festival ABCR 2017

A noite de abertura do Festival ABCR 2017 reuniu especialistas para uma importante reflexão: a queda crescente no nível de confiança dos indivíduos em relação às instituições. A presidente do IDIS, Paula Fabiani, participou da Plenária Magna abordando essa crise de representatividade e liderança que atinge, inclusive, o Terceiro Setor. Para aprofundar a reflexão foram apresentados alguns resultados da etapa qualitativa da Pesquisa Doação Brasil relativos ao tema da percepção e relacionamento com o governo.

De acordo com o estudo, realizado pelo IDIS e parceiros, o governo é percebido como o principal agente responsável pela justiça social no país. Porém há uma visão generalizada de inadequação da ação governamental ao bem-estar social ou mais diretamente no apoio à população necessitada. Ao governo se associa corrupção e falta de eficiência, afetando diretamente setores como saúde, educação e geração de empregos.

Além da presidente do IDIS, a Plenária Repensando vínculos em um mundo desconfiado, teve falas de representantes de outras importantes organizações: Lucas Pretti, da Change.org; Rodolfo Araújo, da Edelman Significa; e Tulio Malaspina do Instituto Update; tudo com moderação de Ader Assis, da Ader&Lang. Os especialistas mostraram resultados do Trust Barometer 2017 (pesquisa que mede o nível de confiança dos indivíduos nas instituições), abordaram o empoderamento do indivíduo e o poder de influenciar políticas públicas através das novas plataformas tecnológicas, e a crise de representatividade política no Brasil e na América Latina.

O Festival ABCR é um evento totalmente dedicado a discutir a captação de recursos para organizações da sociedade civil. Foram três dias de evento, entre 17 e 19 de maio, com mais de 100 horas de conteúdo total, e 550 participantes de todo o país. O público é formado por profissionais da área de captação e mobilização de recursos de organizações da sociedade civil, gestores de associações e fundações, além de acadêmicos, estudantes e pesquisadores do tema.
O IDIS esteve presente ainda com uma palestra sobre como os doadores individuais enxergam as organizações da sociedade civil. A diretora de comunicação, Andréa Wolffenbüttel, mostrou dados da etapa quantitativa da Pesquisa Doação Brasil para uma plateia de cerca de 50 pessoas.

Mais um passo rumo à Campanha por uma Cultura de Doação

Aconteceu neste 16 de maio, na sede da agência Edelman Significa em São Paulo, mais uma reunião de planejamento da Campanha por uma Cultura de Doação. Estiveram presentes representantes de diversas organizações que estão construindo esse programa junto conosco, como Abrinq, Associação Brasileira de Captadores de Recursos (ABCR), Greenpeace, GIFE, Instituto Ayrton Senna, Instituto C&A, entre outras. No encontro, foi apresentada e discutida uma proposta de conceito criativo para campanha. O próximo passo é a elaboração do Plano de Ação da Campanha.

Sobre confiança, filantropia e organizações sociais

Por Paula Fabiani*

A confiança, ou melhor, a falta de confiança, é uma preocupação presente ao redor do mundo nos dias atuais. Além do Brasil, países desenvolvidos como os Estados Unidos e a Inglaterra passam por períodos de desconfiança nas instituições e nos governos, o que gera grande ansiedade em relação ao futuro. Estive nas últimas semanas nestes dois países em eventos do universo da filantropia e, enquanto na Inglaterra o clima é mais calmo, apesar de toda a incerteza sobre o futuro, nos Estados Unidos a inquietação é latente.

Na Inglaterra participei de discussões sobre como a tecnologia pode contribuir para o resgate da confiança por meio do aumento da transparência no campo filantrópico. O encontro foi promovido pela Charities Aid Foundation (CAF) para membros da Global Alliance, uma rede de organizações filantrópicas ligadas à CAF, da qual o Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social – IDIS faz parte.

Um dos casos interessantes apresentados foi a tecnologia de block chains, um sistema digital de controle e validação de transações via redes de computadores, que começa a ser aplicado em start ups com foco na melhoria dos processos de doação e monitoramento dos resultados. A Alice é um bom exemplo. Trata-se de uma plataforma que busca reduzir a falta de confiança nas ONGs por meio de um sistema de pagamentos por resultado, que utiliza a tecnologia dos block chains. A doação é comprometida em um contrato, porém os recursos só vão sendo transferidos conforme o resultado é alcançado.

Nos Estados Unidos, o Global Philanthropy Forum, conferência realizada anualmente com participantes das principais instituições filantrópicas de atuação global, teve como temas transversais Confiança e Legitimidade. O evento apresentou caminhos para organizações filantrópicas e da sociedade civil fomentarem processos de reconstrução da coesão social ao redor de questões fundamentais, para o nosso futuro e do planeta.

As palavras dos presidentes do Banco Mundial e do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) mostraram que os grandes organismos multilaterais também se afligem com o tema porque a falta de confiança torna mais difícil a atuação em parceria, que é fundamental para a promoção do desenvolvimento. Inspirações para agir vieram de indivíduos que, apesar das dificuldades, trabalham pela paz motivados por experiências pessoais traumáticas, como a perda de um familiar para movimentos extremistas na Síria ou por um sequestro pela guerrilha FARC na Colômbia.

Por fim, tanto na Inglaterra como nos EUA, as discussões giraram em torno de como as organizações filantrópicas e os negócios sociais podem contribuir para a recuperação da confiança e o fortalecimento da sociedade civil na construção de um mundo mais justo e sustentável. E nós no Brasil, será que não precisamos nos debruçar nesta discussão com mais atenção, engajando, além do terceiro setor, o governo e as empresas?

(*) Paula Fabiani é diretora-presidente do IDIS.

Artigo publicado na Folha de S. Paulo em abril de 2017: http://www1.folha.uol.com.br/empreendedorsocial/colunas/2017/04/1879087-sobre-confianca-filantropia-e-organizacoes-sociais.shtml

Plataforma da Filantropia é lançada no Brasil com apoio do IDIS

Fortalecer as parcerias e alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) estão entre as principais propostas da Plataforma de Filantropia lançada no dia 5 de abril no Brasil. É uma iniciativa global que conecta filantropia a conhecimento e redes para aprofundar a cooperação, alavancar recursos e aumentar o impacto, conectando os ODS a um planejamento de desenvolvimento nacional.

O IDIS participou do lançamento, ao lado de outras personalidades do setor filantrópico no Brasil, e participou ativamente da articulação para o lançamento do projeto. “Queremos apoiar as ações de mapeamento e de engajamento de atores sociais para que incluam na plataforma informações sobre suas iniciativas”, informa Raquel Coimbra, diretora de Projetos do IDIS.

A proposta da Plataforma é reduzir a duplicação de esforços em volta dos ODS, alavancar recursos e fomentar a colaboração entre os participantes, que incluem organizações e fundações filantrópicas, as Nações Unidas e outros parceiros de desenvolvimento, governos, sociedade civil e setor privado (incluindo empreendimentos sociais). A intenção é fornecer aos doadores e beneficiários mais voz no plano nacional para a implementação dos ODS.

“O PNUD Brasil reconhece a liderança das fundações e institutos filantrópicos nos vários segmentos da sociedade, com o desenvolvimento de ações que possuem um papel transformador no país. Estamos confiantes de que o trabalho feito aqui, alinhado com a Agenda 2030, vai se tornar referência no investimento privado e social nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável”, afirma Maristela Baioni, coordenadora de programa do PNUD.

As organizações envolvidas no lançamento da Plataforma no Brasil, entre elas o IDIS, vão realizar um ciclo de cinco reuniões que resultará no mapeamento do ecossistema filantrópico brasileiro e na definição dos temas prioritários, regiões e ODS para os investimentos privados e sociais.

A Plataforma já existe no Quênia, Gana, Zâmbia, Indonésia, Colômbia, Estados Unidos e Índia. É liderada pelo PNUD, Rockfeller Philanthropy Advisors e Foundation Center, e apoiada pela Conrad N. Hilton Foundation, Ford Foundation, MasterCard Foundation, Brach Family Charitable Foundation e UN Foundation.

Projeto vencedor vai beneficiar diretamente 500 crianças

Segundo dados de 2014 do Conselho Federal de Odontologia (CFO), 20% dos brasileiros não vão ao dentista por falta de recursos financeiros, 68% não sabem que têm direito a tratamento público e 16 milhões de pessoas já perderam todos os dentes. O problema tem consequências que vão muito além do campo da Saúde. Fecha-se um círculo de pobreza: a pessoa não cuida dos dentes por não ter dinheiro; perde os dentes; não consegue emprego; e continua sem cuidar dos dentes. Para os jovens, a condição impacta também no convívio social.

Nesse contexto, nasceu a iniciativa Dentista do Bem, da instituição Turma do Bem (TdB), que oferece tratamento odontológico para crianças e jovens de baixa renda entre 11 e 17 anos. A assistência é feita por meio do trabalho voluntário de cirurgiões-dentistas que atendem no próprio consultório. O projeto foi o vencedor do edital Envolver, iniciativa do Instituto Cyrela Commercial Properties (Instituto CCP), que contou com apoio técnico do IDIS, e vai receber o prêmio de R$ 100 mil para potencializar sua atuação. O edital era voltado para ações sociais realizadas no entorno do Shopping Cidade São Paulo, localizado na Avenida Paulista, região da Bela Vista, em São Paulo.

Serão identificados 500 jovens em situação de vulnerabilidade social, com alto índice de comprometimento odontológico e encaminhados para tratamento nas proximidades do shopping – empreendimento administrado pela Cyrela Commercial Properties (CCP). O Instituto CCP é uma organização social sem fins lucrativos, criada e mantida para a gestão das ações de responsabilidade social da companhia.

O Dentista do Bem conta com voluntários espalhados em 1,5 mil municípios brasileiros, além de 12 países da América Latina e Portugal. A TdB faz a ligação entre todos os envolvidos no projeto (o jovem beneficiado, sua família, a escola, o cirurgião-dentista voluntário) e ainda o acompanhamento dos atendimentos. Na região do Shopping Cidade São Paulo, a TdB possui cadastrados 171 dentistas voluntários. A iniciativa é considerada uma das maiores redes de voluntariado especializado do mundo.

Depoimento de Marcos Kisil inaugura canal Grandes Lideranças do Terceiro Setor

“A Filantropia é inata ao ser humano: aqueles que têm, olham para os que não têm”. A afirmação abre o primeiro vídeo sobre a trajetória do fundador do IDIS, Marcos Kisil. O depoimento é o primeiro de uma série de vídeos, que inaugura o canal “Grandes Lideranças do Terceiro Setor”, dentro da plataforma da Escola Aberta do Terceiro Setor.

O projeto foi lançado no dia 7 de abril, durante o Fórum Interamericano de Filantropia Estratégica (FIFE 2017) realizado em Foz do Iguaçu-PR e tem o objetivo de registrar e compartilhar entrevistas com personalidades que fizeram e fazem a história do Terceiro Setor no Brasil.

Marcos Kisil, médico formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, idealizou e fundou o IDIS em 1999 após atuar durante 14 anos como diretor da Fundação Kellogg para América Latina e Caribe. A ideia de criar o IDIS surgiu quando começou a ser procurado por várias empresas e organizações brasileiras que queriam estruturar sua ação social e não sabiam como. Na época não havia, no Terceiro Setor, nenhuma organização de apoio a famílias, empresas ou comunidades que quisessem fazer investimento social privado.

Neste primeiro vídeo Marcos Kisil aborda as bases da Filantropia e do Investimento Social Privado no Brasil; o conceito de causa; e faz comparações entre a Filantropia realizada no EUA e no Brasil. Confira um trecho do depoimento:
“A filantropia tem uma mãe que é a democracia e um pai que é o capitalismo. O capitalismo permite que você acumule a riqueza através da mais-valia, portanto você tem recursos que podem ser entregues ao outro. Com a democracia você tem a liberdade de tomar a decisão e usar os seus talentos, os seus dons, as suas capacidades de olhar os problemas dos outros e tomar decisões de como quer utilizar o recurso.”

Os próximos vídeos abordarão os temas da filantropia familiar e filantropia comunitária. Eles serão disponibilizados mensalmente no canal do YouTube da Escola Aberta do Terceiro Setor: http://bit.ly/2ozCCgW.

Crianças transformam o bairro do Glicério, em São Paulo

Será que criança entende de espaço urbano? E de políticas públicas? O negócio social Criacidade acredita que as crianças têm muito a dizer sobre esses temas e muitos outros. Baseado nessa convicção foi criado o projeto ‘Criança Fala’, que deu voz às crianças do bairro do Glicério, em São Paulo, para expressassem sua opinião sobre o seu entorno e o que ele oferece de possibilidades para os pequenos moradores. Para isso, foi usada a metodologia da escuta e do brincar visando transformar, ocupar e ressignificar o espaço público do Glicério.

No ano passado, o IDIS foi convidado a avaliar seu impacto sobre as crianças, as famílias e os profissionais dos equipamentos públicos envolvidos (assistência social, educação e saúde) no projeto. A avaliação consultou 40 crianças, adultos de 41 famílias e 36 profissionais, que participaram de grupos focais, entrevistas e questionários.

Entre os impactos do projeto, o maior destaque é que 85% das crianças sentem que fizeram algo que melhorou o bairro. Elas também passaram a ser mais consideradas: 74% dos profissionais afirmaram levar a opinião infantil mais a sério. “Muito se valorizou o ouvir das crianças. Tanto no pedagógico quanto no entorno, passamos a valorizar a criança” afirmou uma das professoras participantes.

Considerando que o objetivo do ‘Criança Fala’ foi tornar a criança protagonista no fortalecimento dos vínculos afetivos e da participação comunitária, através da ressignificação do espaço que ela ocupa, a avaliação concluiu que a iniciativa colaborou para o resultado de longo prazo que a Criacidade busca alcançar no Glicério.

Houve, porém, a constatação de que a mobilização dos moradores, quando se trata da construção de um melhor ambiente para as crianças do bairro, ainda depende da presença dos profissionais do Criacidade. Esse fato é um desafio na busca da sustentabilidade dos resultados, mas ações lideradas por instituições locais são bons indicativos de que é possível ter continuidade nas mudanças, mesmo depois do término do trabalho da Criacidade.

O projeto ‘Criança Fala’ é realizado desde 2013 e já envolveu cerca de 1.200 crianças moradoras do bairro do Glicério. Entre as atividades oferecidas estão cortejo de Maracatu, intervenções e ocupações no espaço público, encontros formativos com as crianças, suas famílias e profissionais de Educação, Saúde e Assistência Social.

Mais crianças brincando nos espaços públicos

Como parte integrante do Criança Fala, nasceu o projeto Cidade que Brinca com o objetivo de transformar espaço públicos em áreas mais adequadas às atividades infantis com o auxílio das próprias crianças. A iniciativa realizou três ações de mutirão no Glicério para a transformação de espaços. Um deles foi denominado ‘Vilinha’’ que se consolidou como um lugar de brincadeiras para quando as crianças voltam da aula. “Hoje tem muito lugar para brincar” declarou uma criança participante do grupo focal.

“O que mais aprendi com as crianças é que a beleza está nas pequenas coisas e que ações simples podem ter grande impacto trazendo grandes mudanças. Escutar as crianças é aprender a ver as sutilezas e bonitezas da vida que criam respiros poéticos pela cidade. É estar e ser consigo e com o outro”, relata Nayana Brettas, fundadora da Criacidade e coordenadora do Projeto Criança Fala.

Projeto leva tratamento para crianças ribeirinhas com anemia ferropriva

A anemia ferropriva, causada pela falta de ferro na alimentação, é a carência nutricional mais frequente em todo o mundo. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), ela atinge 25% da população mundial, sendo as crianças e as gestantes os grupos mais vulneráveis. Esse problema de saúde pública afeta diretamente o desempenho motor e mental em crianças.

O projeto Tecnologias Sociais no Amazonas (TSA), realizado pelo IDIS e Fundação Banco do Brasil, está aplicando em três municípios amazonenses uma tecnologia social especialmente desenvolvida para permitir o rápido diagnóstico, tratamento e controle da anemia ferropriva em alunos de escolas públicas.

A primeira aplicação da tecnologia foi com 249 alunos da Escola Municipal Francisco Bezerra localizada na comunidade ribeirinha de Axinim, em Borba-AM, entre os dias 19 e 25 de março. O diagnóstico apontou uma alta incidência da doença: 59% dos examinados foram diagnosticados com anemia ferropriva.

Logo após a aplicação, os pais dos alunos receberam os resultados dos exames e a primeira dose da medicação – suplementação de sulfato ferroso e vermífugo. Após seis semanas, as crianças passarão por nova medição de hemoglobina no sangue e eventual reforço. O tratamento completo tem duração de 12 semanas.

“Infelizmente o Brasil ainda não dá a devida atenção ao controle da anemia ferropriva das crianças e adolescentes. A doença é assintomática, mas as consequências podem ser significativas no comprometimento do desenvolvimento destes alunos. A tecnologia social Hb foi premiada pela Fundação Banco do Brasil em 2013 e ficamos felizes em poder realizar esta experiência de reaplicação numa comunidade tão diferente das que estávamos acostumados, o que nos rendeu muito conhecimento que agora será incorporado à tecnologia”, declarou Saulo Faria, do Instituto de Pesquisas em Tecnologia e Inovação (IPTI), idealizador da Tecnologia Social Hb.

No final de junho a mesma equipe que trabalhou nessa ação, formada por profissionais e técnicos do IDIS e do IPTI, além de professores e alunos da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), voltará a Axinim para a avaliação final da reaplicação da tecnologia Hb, quando espera-se observar uma redução significativa da presença da doença.

“Tão importante quanto o trabalho realizado durante a semana, é a sensibilização do poder público municipal para levar essa tecnologia a outras comunidades, para que um maior número de crianças com anemia receba tratamento”, afirma a analista de projetos do IDIS, Sofia Rebehy, que acompanhou a ação na comunidade de Axinim.

O projeto Tecnologia Sociais no Amazonas (TSA) conta com o apoio da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) e da Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas. A região ainda será beneficiada com outras duas inciativas, o Banheiro Ecológico e a SODIS (desinfecção de água), todas em comunidades dos municípios de Borba, Nova Olinda do Norte e Itacoatiara.

No dia 10 de março, um evento em Manaus marcou oficialmente o início do projeto.

Peter Karoff, a perda de um amigo e líder

Por Marcos Kisil*

Peter Karoff, renomado contribuinte para o mundo da filantropia e líder empresarial em Boston, morreu em sua casa em Santa Bárbara, Califórnia no dia 9 de março. Ele tinha 79 anos. A causa da morte foi complicações do câncer de pâncreas.

Conheci Peter em 1998. Andava à volta com a ideia de criar o IDIS e passei a buscar organizações que se aproximavam daquilo que de maneira solitária estava concebendo. Peter havia fundado em 1988 The Philanthropic Initiative (TPI), uma empresa pioneira de consultoria a organizações sem fins lucrativos dedicada a aumentar o impacto da filantropia na sociedade. Tínhamos algo em comum. Eu vinha da experiência de atuar em posição de liderança na Fundação W.K. Kellogg. Ele tinha atuado como membro fundador da Fundação para o Desenvolvimento dos Afro-Americanos que viviam em áreas urbanas, em Boston. Tínhamos atuado em projetos em defesa dos direitos civis e justiça social. Éramos orientados pela ideia de combinar a riqueza de poucos com a necessidade de muitos.

Nossa primeira conversa foi inspiradora e provocadora. Contou-me sobre seus sucessos e fracassos, oportunidades e ameaças, e sobre a importância da resiliência do líder em acreditar na organização criada, e nos seus ideais. Enfim, demonstrou um grande apreço pela criação do IDIS, especialmente no universo latino americano. Apreço que se prolongaria e aprofundaria ao longo dos anos. Acreditava que o contexto americano era muito mais favorável para a criação do TPI, devido a cultura filantrópica existente, o que não ocorria na América Latina, especialmente no Brasil.
Resumindo, Peter foi de grande importância em apoiar a ideia originalmente, e nos anos seguintes na implantação do IDIS.

Durante 25 anos o TPI floresceu sob a orientação e direção de Peter, tornando-se uma das principais influências no mundo da filantropia. Trabalhando ora com doadores familiares, ora indivíduos, ora grandes fundações e corporações, Peter empregou empatia e sabedoria para alinhar metas e valores de doadores com comunidades e populações historicamente desatendidas e com projetos que buscavam elevar a condição humana através da arte e da cultura. A riqueza e a profundidade de seu compromisso com as causas progressistas refletiam sua crença fundamental no propósito ético e moral da filantropia, que ele percebeu ao longo de sua vida pessoal e profissional. O impacto do humanismo, da generosidade, da compaixão, do lirismo e do companheirismo de Peter se articulavam com sua preparação intelectual e tirocínio.

Peter frequentemente falava e escrevia sobre questões filantrópicas e sociais. Seu livro “The World We Want”, publicado em 2007 teve grande repercussão no mundo filantrópico. Deslocava as discussões então vigentes sobre os doadores para o impacto que deveria produzir em atendimento e no envolvimento dos eventuais beneficiários da doação. Tive a honra de ser um dos entrevistados por Peter para escrever o livro.

O amor de Peter pela poesia era lendário, e sua necessidade de poetizar era constante e inveterada. Ele praticou a arte ao longo de muitos anos, em discursos em todo o país e no exterior, em salas de aula em Columbia, onde recebeu um Master em poesia com 51 anos de idade, e na Tufts University, Boston Universidade e da Universidade da Califórnia, Santa Barbara, onde ensinou tanto filantropia quanto poesia. Sua última aula foi um seminário de poesia no outono de 2016 intitulado “Poesia e Metáfora – Vivendo uma Vida de. . . ”

Ao longo dos anos, Peter esteve no Conselho de mais de 30 organizações sem fins lucrativos. Deixo aqui para Peter Karoff, amigo e valoroso líder de nosso setor, a minha homenagem e a do IDIS, e para tanto concluo com algumas estrofes de seu poema “If I Had More Time”

What I do what we all do is write the poem of life
You see it isn’t a matter of time but compassion
Call it community or hope or faith or call it love.
That is the floe that is the poem.

Marcos Kisil é consultor estratégico e fundador do Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social – IDIS. 

A filantropia é uma ação política

Por Paula Fabiani*

Entre os dias 22 e 24 de abril, mais de 300 especialistas em filantropia se reuniram na cidade do México em um Fórum promovido pelo WINGS, uma associação mundial de organizações de apoio a doadores e investidores sociais.
O principal de tema das conversas foi o preocupante encolhimento do espaço da sociedade civil em diversos países. Na Rússia, o governo está controlando a entrada de doações estrangeiras e de recursos para movimentos de defesa dos direitos humanos e outras causas relevantes para a mobilização social. Na Turquia e em alguns países do norte da África e Oriente Médio emergem posturas semelhantes. Na América do Sul, vivemos, há vários anos, a triste repressão a qualquer tipo de manifestação contrária ao regime na Venezuela. Sem falar sobre os Estados Unidos, onde tudo indica que o ambiente para o ativismo e a defesa de causas se tornará mais hostil.

O evento contou com representantes de organizações de 44 países, e o IDIS (Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social) foi uma das instituições brasileiras presentes. O Fórum discutiu questões como a emergência do populismo em vários países e a delicada gestão da relação entre os três setores para a promoção de transformações sociais: governo, empresas e sociedade civil.

Foram apresentados dados sobre a infraestrutura global de apoio à filantropia, com destaque às ações de advocacy que começam a crescer nos últimos anos. Advocacy é como são chamadas as iniciativas que buscam influenciar o poder público para que crie e aprove leis e políticas com foco em agendas socioambientais. Trata-se de uma importante ferramenta do terceiro setor na batalha contra a diminuição do espaço na sociedade civil.
A má notícia para nós é que os recursos financeiros e as organizações doadoras continuam concentrados nas regiões onde a filantropia já está consolidada, EUA e Europa. E os desafios a serem enfrentados, na América Latina, vão precisar de muito advocacy para mudanças regulatórias relativas aos impostos e à falta de incentivos para filantropia, em especial no Brasil.

A mensagem que emergiu, depois de muitos debates, é que doadores e todos que trabalham com doações devem entender que a filantropia, apesar de na maioria dos casos ser apartidária, é uma ação política, que tem impacto político e responsabilidades políticas. A filantropia precisa trabalhar para garantir seu própria espaço, para melhorar seu próprio ambiente regulatório e para fortalecer a sociedade civil, que, em última instância, é porta-voz dos anseios do povo.

Paula Fabiani é diretora-presidente do IDIS
Artigo publicado na Folha de S. Paulo em março de 2017: http://www1.folha.uol.com.br/empreendedorsocial/colunas/2017/03/1867346-a-filantropia-e-uma-acao-politica.shtml